Demétrio Sena, Magé - RJ.: A SALVAÇÃO PELA ARTE Demétrio Sena,...

A SALVAÇÃO PELA ARTE

Demétrio Sena, Magé - RJ.

Neste momento em que me dedico à exposição SÔNIA & GABI A CORES, constato o que sempre soube: o quanto as artes agregam, não importa se artes plásticas, dança, dramaturgia, música ou artes literárias, pois como escritor, forço a barra e classifico literatura como arte.
Já visitaram a exposição de Sônia Monteiro e Gabriela Boechat, pessoas de quase todas as "tribos": negros, brancos e descendentes de índios; católicos, evangélicos, umbandistas e ateus; pobres, ricos e nem tanto; pessoas cultas e analfabetas; estas e aquelas outras misturas... pessoas; seres humanos. Em outros ambientes, isso não acontece, porque determinadas pessoas não podem entrar ou porque até podem, mas não ficariam à vontade; seriam tratadas ou simplesmente se sentiriam como seres de outro planeta; inadequados; peixes fora d´água.
Estamos em um momento crítico de país. Quando as forças politicas ora dominantes querem acabar com as artes... primeiro, por meio da censura seletiva. Depois, com o tiro de misericórdia que as eliminará por completo, restando apenas a imposição das anti-artes de cunho sacro; gospel; de ideologias duvidosas, exatamente pela imposição; a censura; o arbítrio forçado... a força e a violência, contrariando a Bíblia invariavelmente utilizada para justificar a truculência de um projeto tirano de poder que remete à inquisição.
Nada é mais salvífico para o ser humano, do que as artes. Elas agregam, congregam, enquanto a política, a religião e a sociedade puramente mercadológica segregam, buscando a unificação que lhes favorece, desfavorecendo aos demais; que lhes empodera, enfraquecendo aos que devem ser vencidos, em sua opinião ditatorial.
Em torno das artes, a pessoa se une despida e livre de qualquer nominata ou rótulo, pois o ser humano é mais do que política ou religião; etnia ou classe social; berço e gênero; prestígio e fama; brasão, escolaridade, aparência, seja lá o que for que se interponha onde nada importa mais do que a verdade íntima, pessoal e intransferível de cada um, que não deve se sobrepor à do o outro.
Quando a arte nos une, o próximo é mais próximo do que em qualquer outro ambiente; sobretudo a igreja, que se tornou agência terrena definitiva do poder público em toda a sua tirania. Falo da igreja como um todo; como agência ou ajuntamento; corporação... não como crença individual; fé pessoal; sinceridade mística de cada fiel verdadeiro que se permite o enfrentamento da má fé e a corrupção denominacional - ou institucional - proposta pela maioria dos líderes religiosos atuais em parceria com os poderes políticos; econômicos; sociais.
Grato a Sônia e Gabi, que me proporcionam a dádiva deste ambiente que respira arte... que me concede a chance de organizar a mente, a alma e os instintos para tecer tais reflexões que me renderão ataques pelos quais aumentarei a forte impressão (não sou de certezas) de que meu pensamento bate com a verdade.

Inserida por demetriosena