Coleção pessoal de demetriosena

1 - 20 do total de 1876 pensamentos na coleção de demetriosena

CORAÇÕES INFÉRTEIS

Demétrio Sena - Magé

Qualquer um é meu próximo, a vida me diz,
diferenças me fundem ao meu semelhante;
felicite meus olhos ver alguém feliz,
vê-lo triste me cause tristeza constante...

Há um mundo que geme dessa dor constante;
solidões que se agravam na mesma raiz;
um amor que apodrece como dom farsante;
corações mais inférteis do que pó de giz...

Apesar dos contrastes, temos em comum
as verdades em volta, que nos fazem um;
pra que servem as crenças e seus preconceitos?

Temos fé professada nos gritos de guerra,
num inferno que finge ser o céu na terra;
somos trastes caiados de seres perfeitos...

Demétrio Sena - Magé

VIRTUDEZINHA

Demétrio Sena - Magé

É possível me qualificar como pessoa profundamente sem vergonha, por várias razões. Mas acredito que a maior prova disso está na minha insistência em gostar de pessoas que há muito me deram um gelo. Não insisto em procurar, ficar perto nem conviver, necessariamente, ao notar que deixei de ser interessante. Mas por dentro, não consigo vencer a psicopatia do não deixar de gostar, e quando as vejo, puxar inadvertidamente um assunto qualquer.

Aí tenho de volta um monossílabo, aquele olhar enviesado e o sorriso sépia, como quem ganha um presente ou recupera o tesouro perdido. Em meu lugar, muitos diriam: "Meu maior defeito é não deixar de gostar de quem não tá nem aí pra mim.". Mas me permitam dizer que isso, mesmo sendo meu, é uma pequena virtude; não é? Tenho muitos defeitos, entre eles outras sem-vergonhices, que são sem-vergonhices mesmo, mas tenho essa virtudezinha, para salvaguardar minha natureza.

Demétrio Sena - Magé

Para o tempo autenticar

Demétrio Sena - Magé

Meu eterno é poder me completar
nos momentos, quem sabe nos acasos,
ter nos prazos finais o meu acesso
às vivências que sempre vêm depois...
Venha ser para sempre a minha história,
um poema, romance, conto, frase;
uma fase pro tempo autenticar;
o futuro presente ou no passado...
Serei seu até quando já não for,
seja o mundo que a vida me reserva
nesse amor sem promessa nem medida...
E quem sabe o pra sempre faça jus
ao espaço, cronômetro e contagem,
na viagem da gente ser feliz...

Demétrio Sena - Magé

FORMALIZAÇÃO

Demétrio Sena - Magé

Nunca mais me derreto pra tua frieza,
meu calor se desculpa, chega de aconchego,
tiro a mesa em que sempre te servi afeto,
falei grego nas vias do teu coração...
Calarei no meu rosto este sorriso bobo
e serei mais contido, muito mais formal,
pedirei audiência em teu ramal de gelo
quando for necessário soletrar palavras...
Meu carinho se apaga nos teus tons de cinza;
finalmente serás a rainha longínqua;
soberana ranzinza no meu reino interno...
Doravante a recíproca será meu norte,
farei corte nos gastos de minha energia,
se qualquer sentimento ficar sem resposta...

Demétrio Sena - Magé

SABEDORES E SÁBIOS

Demétrio Sena - Magé

Sei que minhas verdades podem ser quebráveis,
Pode ser que as certezas tenham pontos fracos,
perderei muitos cacos do que sempre soube,
quando a vida cair sobre minha soberba...
O que sei do que leio não me salvará;
nada sei nos entulhos das coisas que sei,
pois a lei do saber favorece os humildes;
distribui alvará pros que menos ostentam...
É preciso aprender com quem vive do pouco;
pouco ter, pouco ler e pouco impressionar
e seguir apesar do quanto pesa o mundo...
Sabedores e sábios têm que dar as mãos,
a cultura não vive sem agricultura
nem há sins onde os nãos nunca tenham reinado...

Demétrio Sena - Magé

VERSOS DE QUARENTENA

Demétrio Sena - Magé

Pra que minha poesia rompa cercos,
atravesse o deserto, a solidão,
amenize a visão do breu total
que me cega de olhar e nada ver...
Meu poema passeie sem censura;
passe pelos fiscais; engane guardas;
nem atente pras fardas da polícia
ou pros olhos atentos informais...
Os meus versos irão por minhas asas;
eu preciso ficar guardado aqui;
há um pingo no i do meu intento...
Cuidarei dos poemas de amanhã
e depois de amanhã, que minha mão
soltará no desvão do isolamento...

Demétrio Sena, Magé

MAIS UM ANO SEM MARIA

Demétrio Sena - Magé

O sarampo, a caxumba e a catapora... o abandono paterno e o medo, as temporadas de fome, a indecisão do futuro... as moradias precárias, a família imprensada e a quase delinquência, vencida pela palavra mansa e os olhos miúdos e comoventes da mulher pequenina que pedia e dava calma.

Tudo seria bem-vindo e superado pelo 'ficarmos juntos', que não saía de seus lábios, porque reinava em seu coração. Eu teria novos olhos pra vida e o privilégio da mãe, dos oito irmãos/irmãs que teria novamente, se os mistérios da existência nos unissem de novo; nos desse a nova chance.

Hoje seria seu aniversário. Lá se vão alguns anos e a saudade grita em meu coração como nos primeiros dias. Queria estar com ela e com os meus irmãos, falando besteiras e achando graça das tristezas que superamos. Fazendo piadas de nossos medos, nossas quase mortes ao longo da vida.

E quero muito estar com todos, numa possível reexistência. Ser filho melhor, irmão, pai, cônjuge, pessoa. Fazer muito mais jus à honraria que o destino me deu, de ser filho de Maria... dessa Maria insubstituível no andor do meu; dos nossos corações.

(Pelos filhos de Maria; todos ao alcance um do outro, apesar da barreira de um momento mundial que nossa mãe nos explicaria com palavras ingênuas, pedindo para nos unirmos e morrermos juntos).

Demétrio Sena - Magé

IMPOTÊNCIA

Demétrio Sena - Magé

A soberba está brocha nesses dias;
ela bem que procura se manter,
se conter dos temores em comum
no teatro das redes sociais...
É a vez dessa vista horizontal
entre os olhos sombrios que se baixam,
sem portal, profecia nem certeza
ou aquela esperança equilibrada...
Não há brio firmado em tons exatos
nem há fatos guardados pras manhãs
que ninguém antevê depois das noites...
Nossa rocha está frágil como bolhas,
somos folhas que seguem qualquer brisa,
porque toda soberba ficou brocha...

Demétrio Sena - Magé

POEMETO ANTI-HERÓI

Demétrio Sena - Magé

Temos muitos "heróis"; não criem outros;
nossa crise de aspas não permite;
não se agite a carência do rebanho,
porque tudo está seco e sem porteira...
Pra que servem "heróis" que não resolvem,
trazem carmas, conflitos e desculpas,
têm apenas bravatas como armas
e transferem as culpas mascaradas?
Não inventem cenários; falsos mapas
nem as capas pra Zorros pontuais
diluídos perante os olhos nus...
Resta o sonho do nosso entendimento;
aos "heróis" do momento é preferível
ter "vilões" que a má fé convencionou...

Demétrio Sena - Magé

UM LUGAR

Demétrio Sena, Magé - RJ.

Tenho pressa de um dia não ter pressa;
rir pro céu e não ver que a vida passa,
ver a traça roer a minha roupa
e tentar uma foto bem focada...
Quero a rede na sombra, livro em mãos
com as horas paradas para mim,
ter à frente o sem fim pra namorar
borboletas, colibris e pitangas...
Mas o mundo me acorda sem dar pausa,
rompe toda magia do meu Éden;
toda causa das minhas esperanças...
Deixo minha lerdeza em horizontes
onde os olhos me guardam no silêncio
entre montes, riachos e jardins...

Demétrio Sena, Magé - RJ.

NAÇÃO X NOÇÃO

Demétrio Sena, Magé - RJ.

Nestes tempos de facada sem sangue,
penso às vezes que morri sem morrer;
mas não pago pra ver, pois o calote
poderia falhar; só de pirraça...
Nesta era de gente que já era
e voltou a três séculos atrás,
besta fera já pode ser eleita;
foi assim que ocorreu neste país...
Eis um povo bem povo e fanfarrão;
a nação sem noção que fica bem
com o triste prazer de ser lacrada...
Sob o lacre não vê que o mundo avança
e se lança no abismo toda prosa,
como quem viajasse para o céu...

Demétrio Sena, Magé - RJ.

SOLITÁRIAS ESTRELAS

Demétrio Sena, Magé - RJ.

Tenho pena de gente que só se mistura
com aqueles que atendem às suas demandas;
é amiga das provas de seus resultados
ou cirandas e jogos de sucesso e fama...
Gente fria e sem tempo pra tempo de gente
cujo afeto não conte para seus negócios;
não tem ócios e sonhos pro que não acresce
patrimônio e vitrine pra suas carreiras...
Solidão é resumo de vidas que avançam
sobre vidas e laços aquém de seus planos;
não descansam à sombra de pausas serenas...
São pessoas sensíveis ao que as engrandece;
ao que não as engesse nem por um segundo
em um mundo sem ares de protagonismo...

Demétrio Sena, Magé - RJ.

Quando a espada oprime a cruz... a música fere a dança... e o rumo certo é a contramão: há um túnel no fim da luz... um gafanhoto sobre a esperança... uma mudança sem caminhão.

Demétrio Sena, Magé - RJ.

PRONTIDÃO

Demétrio Sena, Magé - RJ.

Quando a morte vier ninguém me chame
pra fugir ou dizer que não me acho,
ser infame a tal ponto que declare
outra morte que tenha vindo antes...
Fim honesto não cede a tal suborno,
tenho a vida que o tempo combinou,
pôs no forno e me disse a minha hora
não exata, mas feita para mim...
Se você me vir pronto não me peça
pra tirar uma peça e vestir outra
e fazer o transporte me aguardar...
Minha morte não pode ser mais cara
do que os olhos da cara pra viver;
quero ir sem pagar adicionais...

Demétrio Sena, Magé - RJ.

PREGAÇÃO

Demétrio Sena, Magé – RJ.

Sou ateu; descobri que as diferenças
se harmonizam nas múltiplas verdades;
minhas crenças entendem que o amor
une todas as formas de ser gente...
Percebi que o espelho é fraudulento;
todos devem se achar e fundir laços;
ser um grupo fechado não preenche
os espaços reais da humanidade...
Nunca fui o melhor, pois sou ateu,
não me basta meu eu, existe o nós,
há uns nós que podemos desfazer...
Hoje sei que não sei além dos meus,
dos fiéis, os ateus iguais a mim,
pois no fim somos multiplicidade...

Demétrio Sena, Magé - RJ.

PORTO INSEGURO

Demétrio Sena, Magé - RJ.

Já é hora de crermos que somos mais nós,
que ninguém nos desvia de nossas verdades,
nossa voz é a vara do sonho que rege
as verdades que a vida não transferirá...
Lideranças não podem guiar nossas almas,
somos povo e não gado para ser tangido,
ser ungido é ser livre pra seguir caminhos
que não têm que ser estes ou aqueles outros...
Ninguém tente calar o silêncio expressivo
nem o grito que aposte no seu ir e vir,
quem é vivo precisa fazer jus a isto...
Pastoreie seus passos e morra vivendo,
pois viver não tem honra para quem é morto
por jamais abrir mão do seu porto seguro...

Demétrio Sena, Magé - RJ.

Circunstâncias causam estados, estágios e transitoriedades... mas não importa quem você está. Jamais se perca de quem você é.

Demétrio Sena, Magé - RJ.

SOBRE NÃO SER SHOW

Demétrio Sena, Magé – RJ.

Hoje leio de tudo, porque leio mesmo;
sei entrar e sair, tenho crítica própria,
não a esmo e conforme os conceitos formais
que me façam pensar o que pensem pra mim...
Vejo tudo e decido se devo seguir;
só aplaudo se o faço pelas minhas mãos;
os meus sins e meus nãos, por que não meus talvezes,
têm origem nas próprias escritas de mundo...
Abro mão da leitura, retiro audiência
quando minha ciência, tão somente a minha,
não encontra contexto, sentido e prazer...
Porque nada esvazia quem já é pensante;
nada põe a perder quem um dia se achou
e quem sou não há show que precise forjar...

Demétrio Sena, Magé - RJ.

ILUSÃO DE ÉTICA

Demétrio Sena, Magé - RJ.

Eu achava que o Éden fosse além;
que Deus fosse maior, caso existisse,
ou que o bem não tivesse que ter bens
nem patentes; favores pra trocar...
Não sabia que o "céu" é no planalto,
no palácio mais podre dos poderes,
no mais alto escalão da sordidez
que se possa tramar com tanto aval...
A igreja revela um pobre deus
acuado na própria jogatina
onde seus atributos são vendidos...
Eu achava que a fé não tinha preço;
que o avesso do corpo fosse alma;
o "Messias" não fosse um bicho insano...

Demétrio Sena, Magé - RJ.

NOSSA LENTE

Demétrio Sena, Magé - RJ.

Um sonhar nos revive, mas outro nos mata;
muita gente simula o que buscamos nela;
luz de vela se forja e pode ser divina
pra carência da fé que se perdeu da chama...
Tem um mundo em redor, outro dentro de nós;
um eu íntimo e outro que os outros conhecem;
uma voz que fluimos, outra que se guarda
pra ficar ecoando em nossa consciência...
Temos ódio que às vezes é profundo amor;
lado bom só é lado; pois há lado mau;
somos flor tão espinho quanto flor tão frágil...
Nossa lente se ajusta quando não há cores,
nossas dores nos curam daqueles alívios
que nos fazem pensar que já nascemos nós...

Demétrio Sena, Magé - RJ.