Coleção pessoal de demetriosena

1 - 20 do total de 1781 pensamentos na coleção de demetriosena

EXTREMADO

Demétrio Sena, Magé - RJ.

Quem me tem como amigo, tenha boa fé;
olhe bem nos meus olhos e creia no mundo;
venha fundo nos flancos; descasque meu todo,
tire o pé desse freio de conter afetos...
Para ter meu carinho desarmado e pleno,
que não deixo esfriar nos desvãos de quem sou,
tenha sempre o que dou, sem reparar na casca;
não invente veneno em minhas beberagens...
Sou amigo invasivo e deploro evasão,
tenho mais coração do que noção de quando;
consciência de como; até que ponto estou...
Vou além do sensato e meu afeto assusta,
se me tens como amigo não te custa nada
o melhor de minh´alma, do forro e da napa...

Demétrio Sena, Magé - RJ.

COMO TE QUERO

Demétrio Sena, Magé - RJ.

Que não sejas pra mim,
neste momento,
o que já não serás
bem lá no fim
do dia que morre...
no firmamento...
Só me chames ou venhas
ao meu chamado,
se daqui a mais anos,
entre perdas e danos...
ainda fores quem és,
quem sabe ao quadrado...
Já conheço essa fita
de primeira impressão
que seduz o mundo...
Não te quero fachada,
cartão de visita
nem pano de fundo.

Demétrio Sena, Magé - RJ.

DELÍRIO TERMINAL

Demétrio Sena, Magé - RJ.

Estou a ver
meu verbo haver.
Ponho a venda
e fico à venda.
Talvez dormente,
porque a dor mente.
Trago o fumo;
fumo que levo.
Não me peça
que pregue peça.
Então por ora
não é hora.
E a cerca diz
acerca disto.
A corda nunca
acorda em tempo.
Profundo é sempre
lá pro fundo.
Vá em cana;
cana de açúcar.
Corrente prende;
corrente leva.
Faz o bem
e faz bem feito.
Com raiva, mato;
o mato acalma.
Leio um livro,
me livro e voo.
Acento agudo,
macio assento.
Agora cedo
enquanto é cedo.
Deixo a cena,
que a mão acena.
Já não luto;
chega de luto.
Fiquei partido
por ter partido.
Tristeza à vista
e vista a prazo.
Dei adeus
pra ver se há Deus.

Demétrio Sena, Magé - RJ.

POETAS SÃO MAUS

Demétrio Sena, Magé - RJ.

Poetas são temerários;
duros; frios; cruéis...
Ficam horas inteiras
a conversar em silêncio,
com seus papéis...
Tecem loas e loas,
de manhã, tarde ou noite,
a qualquer hora...
Depois amassam pessoas
e sem qualquer cerimônia...
jogam fora.

Demétrio Sena, Magé - RJ.

CONSELHO TORTO PRA POBRE BOBO

Demétrio Sena, Magé - RJ.

Faz arminha e faz festa para teu patrão
que sorri satisfeito; chibata na mão;
ele sim, tem motivo pra fazer arminha...
Agradece por tudo que o governo arranca,
faz caretas e bocas, impõe tua banca,
dando vivas e urras pra tua vidinha...

Ou até faz arminha por nem ter emprego,
diz que o céu proverá, finge ter desapego
ao conforto que todo cidadão merece...
Faz arminha pro SUS que te mata e aos teus,
pede ajuda, migalhas, dá graças a Deus
e decora o ditado: "Faz parte; acontece"...

Faz arminha pras armas que nunca terás
pelas formas da lei, mas aí tanto faz,
o país ter mais armas deve ser tão bom...
Faz também pra quem faz com arma de verdade;
pra indústria do crime; da desigualdade,
pela qual manda o rico e você baixa o tom...

Pro teu líder que faz porque tem vida ganha;
para muitos espertos que fazem barganha
ou estão protegidos em algum segredo...
Continua sofrendo com tanta injustiça,
mesmo assim faz arminha no culto e na missa,
pra milícia, pro tráfico e também pro medo...

Faz arminha que aponta para o próprio pé;
quando jogas teu sonho; teus dons; tua fé;
porque já te rendeste à própria covardia...
E repete os discursos de quem se dá bem
com teu dízimo, imposto, com teu vai e vem
para nunca sofreres barriga vazia...

Louva os falsos heróis que se criam aqui,
faz arminha pro nada que fazem por ti,
continua sem tino, sem chão e sem rumo...
Enaltece quem quer que a criança dê duro;
pobre fora da escola; perdido no escuro;
faz arminha, gargalha, salta e leva fumo...

Demétrio Sena, Magé - RJ.

CONTAGEM REGRESSIVA

Demétrio Sena, Magé - RJ.

Meu afeto por ti foi bem mais expressivo;
de não ver a passagem da hora mais lenta;
foi daquelas versões de adesivo nos olhos,
para nem perceber que sentia sozinho...
Era tão consistente, sem arma e defesa,
que não tinha segredo; nada pra esconder;
tive minha certeza do quanto sabias
que não tinhas razão pra temer tanto afeto...
Guardo ainda resquícios daquele sentir;
poderia mentir, nem mentiria tanto,
mas ainda não sei me camuflar pra mim...
Entretanto é verdade que já vejo as horas
e não dói como antes; não sangra saber
como sabes me ver com frieza e distância...

Demétrio Sena, Magé - RJ.

SEM PINGO NO I

Demétrio Sena, Magé - RJ.

Uma vida em conserva não serve pra mim;
sempre fui a varejo; fora do pacote;
um caminho sem fim, sem atalho pra outros
não é mote pro sonho que levo comigo...
Há um mundo em redor e preciso entendê-lo,
percorrer o que os olhos alcançam daqui,
pois o gelo da espera sobre as esperanças
é um pingo no i que se perde no mar...
Ser feliz no caixote não faz o meu tipo;
quem me planta não colhe, pois o vento extrai;
sou a folha que vai, ao sabor do que vem...
Sempre volto, mas venho pelas minhas asas,
Tenho casas no espaço e são todas de ar;
um amor só me prende se me libertar...

Demétrio Sena, Magé - RJ.

O AMOR NÃO TEM PREÇO

Demétrio Sena, Magé – RJ.

Ela pode somar dez mil defeitos;
tenho tantos, que devem ser o dobro;
sou salobro, ranzinza, trago espinhos
que me tornam difícil de abraçar...
Pode ser até fã do presidente,
não achar que o “juiz” foi desonesto,
ser ardente, fiel, cantar louvores
pros heróis da carência nacional...
A paixão me cegou pra tudo isso,
é ouriço-cacheiro a porco-espinho,
deve haver uma bula pra dar certo...
Ela pode fazer sinais de arminhas;
tenho minhas loucuras; reconheço,
e amar não tem preço nem padrão...

Demétrio Sena, Magé - RJ.

EGO INGÊNUO

Demétrio Sena, Magé – RJ.

Sei fingir que não sei que alguém me usa;
faço a minha expressão de nada sei,
minha lei do silêncio sobre o quanto
sou ordenha; colheita; extrativismo...
Tenho fama que nunca me deu pão;
ai de mim se taxasse o meu talento;
não buscasse o provento noutros campos,
minha mão não tivesse chapéu extra...
Ego ingênuo, não sabe declinar,
novamente acredito e me diluo
no luar ilusório dessa poça...
É que sempre acredito que acredito,
quando finjo que dito as minhas regras
ou que uso quem pensa que me usa...

Demétrio Sena, Magé - RJ.

PÁTRIA NADA

Demétrio Sena, Magé - RJ.

A indústria do medo fabricou heróis
que não têm heroísmo; só conveniência;
foram muitas as iscas em belos anzóis
nestas águas eivadas de funda carência...

Patriotas doentes, beirando à demência
se deixaram levar como ciscos na foz,
pelas águas raivosas da falsa decência
que lhes deu a quimera de povo com voz...

Os heróis de festim rasgam toda fachada;
pátria amada Brasil se tornou pátria nada;
o poder é carrasco em todos escalões...

Brasileiros vendados ainda risonhos
perdem tino, sentido, remendam seus sonhos
e rejeitam saber que os heróis são vilões...

Demétrio Sena, Magé - RJ.

SANTOS MODERNOS

Demétrio Sena, Magé - RJ.

Negociam chantagens e trocam de sonhos
como quem barganhasse qualquer bugiganga,
desidratam verdades com belas mentiras
e têm carta na manga para qualquer truque...
Tudo vai depender das vantagens em tudo;
nada vale uma pausa pra ponderações;
corações estão mudos, as mentes fechadas
para o quanto não renda poderes e bens...
Manipulam conceitos e trocam de Cristo,
têm as cristas mais altas do que dá pra ver,
ha um misto insondável de soberba e gula...
Pregam isto e sabemos que vivem aquilo,
com estilo e certeza que o momento aponta;
fazem conta e professam a fé mais rentável...

Demétrio Sena, Magé - RJ.

HUMANOS

Demétrio Sena, Magé - RJ.

As pessoas permutam seus modos de ser;
gente sempre se usa numa roda insana,
pois humana é a espécie que perdeu essência,
pra viver apesar do seu desprezo à vida...
Ter amigos não conta pra se ter certeza;
é saltar no vazio como quem aposta;
todos trocam vantagens, beleza, quantias
por passados de afetos um dia pra sempre...
Minha lida com gente não tem utopia;
tem um dia mais dia do que a vida expõe
entre paz e conflitos de muitas verdades...
A pessoa de agora se desfaz no fim;
ser humano é assim, também sou esse bicho
e reviro esse lixo desde que nasci...

Demétrio Sena, Magé - RJ.

LIVRE

Demétrio Sena, Magé - RJ.

Não quero ser como pipa,
pois a pipa voa,
mas não voa sozinha.
Carece de linha,
de vento e cabresto
e quem a empine.
Quero ser como águia,
que mergulha no céu
até que o céu não termine.

Demétrio Sena, Magé - RJ.

SAGAS BRUTAS

Demétrio Sena, Magé - RJ.

Corações inda verdes estão ressequidos;
os espinhos rasgaram cada flor da idade;
a verdade ferina promove seu caos,
sem escolha de classe, raiz ou família...
Sagas brutas mordidas por um mundo cão;
inocências roubadas pela tirania,
pela mão desumana da precocidade
aposentam brinquedos que nem conheceram...
Crias tristes de casas onde falta lar,
onde falta e fartura dão no mesmo abismo,
por faltar o que tem ou nunca terá preço...
O rancor alcançou as idades mais tenras
e tingiu de maldades as mentes mais puras;
vidas duras e vagas despertam vilões...

Demétrio Sena, Magé - RJ.

FANATISMO

Demétrio Sena, Magé - RJ.

Quem se dá por feliz é porque se rendeu;
ficou cego pros fatos e ri de mesmo,
se vendeu pro cansaço das desilusões
quando viu que só via o que deixavam ver...
Ou se faz de rogado porque nada importa;
leva sua ilusão de privilégio e pódio;
tem um ódio de opostos às suas versões
e a porta fechada pra visão dos fatos...
Fanatismo injetado por um falso herói;
um amor doentio que já dói nos seus,
mas o seu sacrifício já não tem limite...
Só se dá por feliz ante a visão do caos,
com as perdas e os danos da própria nação,
quem é mau ou perdeu a noção de quem é...

Demétrio Sena, Magé - RJ.

PRO SEU CORAÇÃO

Demétrio Sena, Magé - RJ.

Na manhã de neblina bocejo e fumego;
minhas mãos "quentam frio" numa esfregação;
me recolho e me pego em lembranças remotas
que me levam pra "ontens" de muitas histórias...
É manhã de saudades grisalhas e lentas
diluídas do véu onde os ventos se filtram,
assoadas das ventas da temperatura
delicada e grotesca; dama bipolar...
Quase durmo acordado no banco do clima
e minh´alma já sonha no hall da estação,
sobre a crina da brisa que o momento amansa...
Inspirada manhã que floreia o meu tino;
nebuliza o meu ser pra respirar poesia
que refino e repasso pro seu coração...

Demétrio Sena, Magé - RJ.

POESIA DE VIVER

Demétrio Sena, Magé - RJ.

No princípio foi o verbo;
por princípio ainda é.
No meio, a ida e a vinda,
na esperança, o já, o ainda
ou na revolta e na fé.
Como nunca vou saber,
pois ninguém estava lá,
quando nem havia nada,
já vivia o verbo haver...
já tinha o verbo calar,
para quando até se tem,
mas é melhor não dizer.
Desde sempre foi o verbo.
Ele sempre foi ação,
não o é senão assim.
Ser humano é ser verbal...
verbo é verso de viver.
É sem fim do início ao fim.

Demétrio Sena, Magé - RJ.

SÓ POR DENTRO

Demétrio Sena, Magé - RJ.

Invadissem minh'alma e lêssem minha mente;
adentrássem meus olhos no rumo e na pausa;
Minha causa secreta de amor e desejo
passaria por todos os bancos dos réus...
Eu até me perdoo por minhas fraquezas,
porque sei que sou forte como só eu sei,
cumpro a lei social de conter a paixão
cuja carga de mágoa seria fatal...
Mas o meu sentimento é maior do que o ato;
desejar é maior do que o grande silêncio
a guardar sob o tato a velha fantasia...
Eu te amo e jamais vou dizer eu te amo,
quero tanto e não quero nem posso querer;
só te chamo por dentro e sem nada esperar...

Demétrio Sena, Magé - RJ.

SANTÂNICOS

Demétrio Sena, Magé – RJ.

Tenho visto essa raiva que os santos propagam;
esse tom de vingança que levam na voz;
pagam dente com dente, são olho por olho,
dão seus nós onde os laços podem ser de amor...
Eles pregam brandura nos palcos e templos,
mas anseiam ter armas, pois querem dar tiros;
são exemplos orais de perdões infinitos
e promovem batalhas contra os diferentes...
Falam sobre a não força e sobre o livre arbítrio,
porém sempre admiram governos tiranos;
auxiliam nos planos dos poderes maus...
Decidiram que o próximo é quem os eleva;
sua treva se arma sobre as mentes amplas,
onde caçam as almas que ainda são próprias...

Demétrio Sena, Magé - RJ.

PAR OU ÍMPAR

Demétrio Sena, Magé – RJ.

Quando a fila se formava para voltarmos à sala de aula, dois aluninhos empacaram, encrencando entre si. Ambos queriam ser o primeiro da fila. Parecia importante para eles. Olhei-os fixamente com cara de bravo, à espera de uma explicação.
- Professor, eu estava na frente, mas ele me passou! Eu não vou aceitar!
- Não, professor; quem estava na frente não era ele. Juro que cheguei primeiro!
Não havia como saber quem estava certo. Se é que existia o certo em uma questão banal como aquela. Resolvi usar uma estratégia que julguei inteligente.
- Muito bem; não sei quem diz a verdade. Vamos resolver no par ou ímpar, quem fica na frente.
No exato momento, iniciou-se um burburinho entre outra turminha que também voltava do recreio. Justo nesse momento, meus meninos iniciaram mais um conflito em razão de minha tentativa de resolver o conflito inicial.
- Tá bom, eu sou par!
- Não! Quem é par sou eu!
- Professor, eu disse primeiro que sou par! Ele é ímpar!
Aquilo estava ficando interminável. Virando questão insolúvel. Mas não tinha jeito; eu realmente não atentara sobre quem era o par, pois nem havia como passar pela minha cabeça que o par ou ímpar também se tornaria um problema.
- Calma; calma. Vamos fazer o seguinte: Agora vou ficar bem atento, e antes de resolvermos no par ou ímpar quem será o primeiro da fila, vamos fazer um par ou ímpar para decidir quem é par e quem é ímpar.

Demétrio Sena, Magé - RJ.