John Lopes: Sou uma garota normal, ruiva, estatura...

Sou uma garota normal, ruiva, estatura mediana e magra… Que cresci dentro de uma realidade totalmente distinta da que vivo hoje. Nasci e fui criada em uma religião altamente rigorosa em questão de namoro, só podíamos beijar na boca de um rapaz aos 21 anos de idade e se o mesmo fosse de família que tinha algum membro da nossa religião, então obedecendo às regras cultas da igreja, hoje tenho 19 anos, terminei o ensino médio, curso medicina veterinária em faculdade pública, que fica próximo a minha casa, minha casa é uma casa humilde, onde mora apenas eu, meu irmão Tony (Toninho), 20 anos, noivo de Angelia que também é da igreja.

22 de Outubro, um dia aparentemente normal para mim, voltando da faculdade umas 16h52min passo sempre por frente uma favela onde está sempre um rapaz de blusas apropriadas para o ambiente onde ele convive, algo me chamou atenção, é que ele sempre usava o mesmo boné e sempre parado no mesmo local, embaixo de um alpendre próximo ao telefone público, todos os dias, na mesma hora…

25 de Outubro - Estavam voltando para casa, era sexta-feira, estava entusiasmada, pois amanhã não haveria aula e hoje iria para o culto da noite, já que a faculdade comia muito do meu tempo, então iria apenas ao final de semana. Passei por frente à favela de novo, o rapaz estava vindo em minha direção, parou de frente a mim, centímetros de distância do meu rosto estava o dele, me olhou profundamente dentro dos meus olhos e me disse: - Olá meu nome é Gustavo. Apenas respondi com um singelo sorriso entreaberto no canto da boca. Deu-me um beijo no meu rosto e logo se afastou.

Hoje já é domingo, estava enlouquecida, pois queria ir para faculdade para na volta ver o Guga (já até dei apelido carinhoso) - risos

29 de Outubro - Aniversário da minha mãe, caminhando em direção à faculdade, passei por frente à favela, me pus a virar para frente à favela, olhando às vielas que ali se encontravam, marcas de sangue estavam espalhadas em todas elas, parecia que tinha acontecido, um massacre. Quando me virei para continuar o meu caminha diário, vejo Gustavo na minha frente novamente a centímetros de distância, levei um susto, claro. Mas não liguei, pois Guga - risos - chegou perto da minha boca e me olhou dentro dos meus olhos e me disse: Que vontade de ter em meus braços, ruivinha… Novamente sorri entreabertamente e não resistir de um beijo em Gustavo passará o dia ali com ele, nem se quer lembrei-me da comemoração do aniversário da minha mãe, em uma casinha simples que ele alugou para morar ali, percebi que o amor não tem barreiras que ele pode ser encontrado nos locais mais impróprios.

Hoje - Gustavo virou devoto da minha Igreja, casamos, após várias sessões à laser Guga apagou as tatuagens que tinha no seu corpo, meu pai o convidou para morar conosco e o preconceito que a minha família tinha contra os moradores da Favela foi completamente banido pelo o comporto de Guga para com eles no dia que foi apresentado oficialmente como meu noivo. Casamos-nos tenhamos três filhos, onde um deles tem síndrome de down, mas isso não nos abalou e continuamos felizes, até o dia que chegou a falecer , de câncer no fígado , antes de me conhecer ele era Usuário de drogas e viciado em bebido alcoólatra… Infelizmente, mas às lembranças boas e ruins continuaram Onipresente na memória da minha família e dos meus filhos, em pensar, olhava para ele com um olhar de desprezo por que morava ali na favela, meu, qualquer pessoa pode mudar, apenas dê uma chance, mas mostre firmeza e que você acredita na possibilidade da pessoa mudar. Acredite , lute , persevere.

1 compartilhamento
Inserida por JohnMateus