Frases de Eugénio de Andrade

Cerca de 16 frases de Eugénio de Andrade

A boca,
onde o fogo
de um verão
muito antigo
cintila.
O que pode uma boca
esperar
senão outra boca?

Eugénio de Andrade ANDRADE, E., Obscuro Domínio, 1972

Devias estar aqui rente aos meus lábios para dividir contigo esta amargura dos meus dias partidos um a um.

Eugénio de Andrade ANDRADE, E., Poesia e Prosa, 1987, Círculo de Leitores

Havia
uma palavra
no escuro.
Minúscula. Ignorada.
Martelava no escuro.
Martelava
no chão da água.

Do fundo do tempo,
martelava.
contra o muro.

Uma palavra.
No escuro.
Que me chamava.

Eugénio de Andrade ANDRADE, E., Matéria Solar, 1980

Param as fontes a beber-te a face.

Eugénio de Andrade ANDRADE, E., As Mãos e os Frutos, 1948

Creio que foi o sorriso,
o sorriso foi quem abriu a porta.
Era um sorriso com muita luz
lá dentro, apetecia
entrar nele, tirar a roupa, ficar
nu dentro daquele sorriso.

Eugénio de Andrade ANDRADE, E., 30 Poemas, Poemas, Poèmes, Poems

Sê paciente; espera que a palavra amadureça
e se desprenda como um fruto ao passar
o vento que a mereça.

Eugénio de Andrade ANDRADE, E., Os Amantes sem Dinheiro, 1950

É urgente inventar a alegria,
multiplicar os beijos, as searas,
é rgente descobrir rosas e rios
e manhãs claras.

Eugénio de Andrade ANDRADE, E., Até Amanhã, 1956

Hoje roubei todas as rosas dos jardins
e cheguei ao pé de ti de mãos vazias.

Eugénio de Andrade ANDRADE, E., As Mãos e os Frutos, 1948

Foi para ti que criei as rosas.
Foi para ti que lhes dei perfume.
Para ti rasguei ribeiros
e dei ás romãs a cor do lume.

Eugénio de Andrade ANDRADE, E., As Mãos e os Frutos, 1948

Levar-te à boca,
beber a água
mais funda do teu ser -

se a luz é tanta,
como se pode morrer?

Eugénio de Andrade ANDRADE, E., Obscuro Domínio, 1972

Diz homem, diz criança, diz estrela.
Repete as sílabas
onde a luz é feliz e se demora.

Volta a dizer: homem, mulher, criança.
Onde a beleza é mais nova.

Voa coração, ou então...Arde!

Eugénio de Andrade Poemas de Eugénio de Andrade Seleção, estudos e notas de Arnaldo Saraiva, Editora Nova Fronteira

Nota: Trecho do poema "Epitáfio"

Procura a maravilha.

Onde um beijo sabe
a barcos e bruma.

No brilho redondo
e jovem dos joelhos.

Na noite inclinada
de melancolia.

Procura.

Procura a maravilha.

Eugénio de Andrade ANDRADE, E., Obscuro Domínio, 1972

Entre os teus lábios é que a loucura acode,
desce à garganta, invade a água.
No teu peito é que o pólen do fogo
se junta à nascente, alastra na sombra.

Eugénio de Andrade ANDRADE, E., Obscuro Domínio, 1972

Nota: Trecho do poema "Retrato Ardente"

Nem os olhos sabem que dizer
a esta rosa da alegria,
aberta nas minhas mãos
ou nos cabelos do dia...

Eugénio de Andrade ANDRADE, E., Até Amanhã, 1956
Inserida por Siby

"Toda a poesia é luminosa,
até a mais obscura.
O leitor é que tem às vezes,
em lugar de sol,
nevoeiro dentro de si.
E o nevoeiro nunca deixa ver claro.
Se regressar outra vez e outra vez
e outra vez a essas sílabas acesas
ficará cego de tanta claridade.
Abençoado seja se lá chegar."