Coleção pessoal de Eu1695

1 - 20 do total de 73 pensamentos na coleção de Eu1695

Sem nome (2012)

Correndo pelo pasto
com os pés cheios de calos
Uma vida de grandes abalos
com o destino nos varais
vendo a vida lá de fora
os sofrimentos tão banais
e uma dor que não tem hora
(e um ai que não demora)

eu

Três pensamentos soltos
Data incerta (de maio a junho de 2012)

Saída a pouco tempo de uma tristeza profunda, sentia-me renovada. Amparada por sair de casa (algo incomum na época) e conhecer uma pessoa muito semelhante a mim.

Um sorriso grande
sem compromisso
seu olhar distante
como um fugitivo
de que tu se escondes?
Que queres comigo?
O quê, quando e onde?
Quer ser meu amigo?

Não me paquera de longe
Não se faça omisso
Não se afasta, por favor
Não some
Cadê meu sorriso?

eu

Alguém especial
(Como viver um grande amor)
16.12.12

Todo dia uma dose de você
É um vício que faz tão mal não ter
Dia a dia hei de sentir...
Mas como gostar todo dia tanto assim?

Sem teus abraços a apertarem meu corpo
Meu coração se apertará
Sinto dizer que meu peito não é oco
E de apertada a alma tende a dissipar.

eu

Diário de uma adolescente comum (vidinha, essência)
16/04/2012

Na verdade, não é uma vidinha, porque não há vida pequena por mais curta que seja. A vida não se calcula por tempo, mas por intensidade; e esta, por sua vez, é interligada a quão grande é a alma de um indivíduo.
Dessa forma, vidinha é a vida na perspectiva de alguém cuja alma é pequena, sem horizontes ou intensidade.
E varo a escrever nesta noite por me sentir dona de uma alma pequena, incapaz de saborear dos prazeres e dores mais intensos.
E varo a escrever neste momento por me sentir presa a situações e conveniências, por ter encurralada a alma no corpo, por ter encurralado o corpo no mundo.
Essa realidade me é menos frequente que há tempos, mas de mim não se desvaiu, e há mais de uma frase que lateja sobre minha cabeça: "nada vale a pena se a alma é pequena".

eu

Cada dia que te via
Quantas lágrimas sorviam entre nós
Tu enxugavas os suspiros
do teu choro de menino
num blusão preto encardido
ou na ponta dos lençóis.

Eu te abraçava forte
entre o peito e o colchão
acho que eu absorvia
cada lágrima vertida.
Tuas lágrimas rodavam
a engrenagem do meu coração.

Ah, meu Deus! Eu não sabia
que a matéria prima eram lágrimas e dor.
O nosso amor (quem diria!) que pudesse terminar
com um sorriso de alegria.

eu

Poema sem nome (2012)

Inventei uma palavra
Me mandaram corrigir
Minha palavra tinha asas
Logo pôs-se a fugir.

Minha palavra, ouvir falar,
Restaurava a alegria,
hoje vive escondida
nos sonhos de uma menina!

eu

Chorava todas as noites ainda
vieste enxugar minhas lágrimas de medo
sem medo, me disse rindo que sou linda
escondias, cruel, terrível segredo
não me amavas, me iludia
e eu que nada além da dor conhecia
me iludia e fingia que me amavas.


Como a lua cede ao sol à madrugada
toda minha tristeza já então cedia
às primeiras esperanças de um compromisso
felizes, seremos felizes: juntos!
E tantos afagos recebia
que um futuro juntos já se construía
sem que eu pensasse em construí-lo.


Era eu que não me amava e não sabia
que acreditava que me amavas por carência
e lançava meu corpo contra ti
como uma criança morta cai aos braços de um pai.

E lançava a ti os meus dilemas
e tudo que em mim já não cabia.
Viraste um anexo de mim, Rubem.

eu

O amor não precisa ter sentido.
O amor basta ser sentido.
Por você, meu amor, suplico:
O amor é um precipício;
Mas é também o chão acochoado.
É a vida;
E, por isso mesmo, é a morte.

Eu

Asco

A cabeça tonta cede a ronda
E o pescoço solto torno tomba
E o corpo morno compra
Um sorriso frouxo que assombra.

O corpo em retalhos
Quase um espantalho
Tenta disfarçá-lo
Um sorrir amargo
Um sentir tão asco

Eu

Tento prever a curva do a
Não é um a? O que será?
Tento prever um movimento de linha reta
Mas o pincel ziguezagueia sobre o ar.

Tento decifrar os lábios
Mas as sílabas se juntam umas às outras
Mas os lábios ziguezagueiam palavras soltas.

Assisto meu destino
Meu destino de rabisco
Sobre a tela um arabesco
Um rabisco pitoresco

Meu destino, meu destino, meu destino de rabisco
Aramaico? Argentino? Que desenho formará?

Fará uma cruva completa antes de a tinta acabar?

Eu

Tem gente que dá nó no osso
vontade de mastigar-lhe o miolo
querer que lhe atingisse um raio imenso
um raio do céu do firmamento.

Tem gente que dá gelo e fogo
gelo que não sara e fogo que não ferve
tem gente que não serve
com gelo ou fogo, queima
e tenta a paciência
é gente que só teima!

eu

A mão sobre o lápis desenha
nosso destino de papel
tão frágil.
Antes molhava bico da pena
Hoje molhava o bico do seio
Se a caneta não presta, saculeja
O lápis é de grafiti, de diamante.

Sou eu, presa a uma folha de papel
é uma representação de mim
mais contente, mais completa
poderia me substituir
é mais eu do que eu mesma.

Mas a folha entra em decomposição
mais rápido que meu corpo
vida curta e feliz
vida longa e duvidosa...

meu corpo é de carbono
o lápis é de carbono
é de grafiti, de diamante
meu corpo de grafiti
meus corpos de carbono
sorriem com a analogia.

Você me desenhou
quantas vezes mesmo?
Você me desdenhou
ou me desdenhará?
Me sinto tão amada
mas amar não sei.
Me vejo desenhada,
desenhar não sei.
Parece que estou viva,
mas não sei viver.

Tentei te desenhar,
ficou engraçado...
as proporções corretas,
como faço?
Ora cabeçudo, ora cabecinha
Ora barrigudo, ora barriguinha.
Pego meu lápis e rabisco
um movimento inconsciente
talvez movido por um subconsciente
o destino do lápis incerto
na minha mão o destino do lápis
e minha vida de rabisco.

eu
1 compartilhamento

Ateu, ateu, ateu
o que movem os caminhos teus?
A quem entrega os apelos teus?
Quando nós recorremos a Deus?

Ateu, ateu, ateu
o que te motiva a viver?
No que a vida te cativa?
O que vai ser quando morrer?
Vai viver só por dinheiro?
Vai viver só por viver?
Sem acreditar em nada...
sem ter nada a perder...

E o seu eu? É só ciência?
Sua alma, sua consciência?
Meu querido amigo ateu
Se esse mundo é fruto da ciência
e não de Deus
Façam um altar pra ela
Seguirei os passos teus!

eu

Se a pena que pusesse uma poesia
uma poesia a cada dia na folha de papel
365 poemas, quantos seriam
feitos de mel? Quantos de fel?
Os poemas se embebiam de sentimentos sutis
engoliam cada centelha de vida em mim.
Serão mais embreagados da inóspita tristeza
das águas salgadas das marés?
Ou da distinta alegria dos rios doces?
Como fosse água boa, límpida, transparente;
o poema investiga meu corpo como bisturi
e as palavras inauditas se derramam.
Ai de mim!

eu

Era um mar de rosas, violetas, jasmins.
Mergulhávamos sobre pétalas, o perfume do primeiro amor.
Mas a correnteza corre e todo o cheio se dissolve.
Deságuam as rosas sobre as cachoeiras.

Então sob as pétalas, no caule, os espinhos.
Os meus espinhos, os seus espinhos.
Qualquer aproximação brusca, machucávamos um o outro.
O espinho é a defesa da rosa, como o orgulho e vaidade na gente.
Espinhos sobre espinhos e todos já estavam feridos.

Feridos, sem lembrar bem do que houve, só o peso do ódio, do mal humor.
Tentamos nos aproximar pouco a pouco
Era quase um estudo anatômico.
Cutucávamos as cicatrizes. Doía.
Eu cutucava suas feridas ferozmente,
queria chegar à raiz, à verdadeira natureza de si.
Não podíamos remover o passado,
mas remoíamos paulatinamente.

eu

Era um caminho. Aberto. Vago. Alheio.
Pesava sobre meus ombros posses, abstrações.
Não há setas, bússolas, perdões.
Não há um destino, mas vários ou nenhum.
As pegadas dos últimos passos, eu vi adiante.
Que garantias isso me dá?
O que é o destino se não a morte?
Caminho em direção a ela?

E eu tentei ver nas réstias do horizonte onde dará.
Dará na última pegada, ao cair numa armadilha.
E o que será adiante se não um ponto de vista?
20 anos e os ombros pesados.
A dificuldade de se desvencilhar…
É preciso estar leve pra escalar montanhas.

Um dejá vu. Me pergunto se já estive nesse ponto
Ou se os pontos se repetem gradativamente.
Talvez a natureza não seja tão criativa.
Parece que o ar se torna cada vez mais rarefeito.
Ou eu me sufoco com meus próprios ombros.

Fui tirando pedaços da bolsa. Um apelido, uma mentira...
Alguns pedaços saíam com muita dificuldade,
um chiclete grudado aqui e ali.
No final… no final… estava leve?
Mas afinal alguma coisa permaneceu, aguada e inconsciente
e essa coisa afinal sou eu?

Havia um vazio pesado. Como o ar rarefeito.
Como a melancolia que inunda os domingos.
Um cemitério vazio encharcado de medo.
Afinal, quando acabara já estaria acabado?
O mais se temia já teria se adiantado?
Não sei o que eu era e o era um estado de mim.
Nem ao menos sei a diferença.
Sei que quando chegar a hora
a hora já terá passado.
Tão lógico e paradoxalmente.

eu
1 compartilhamento

POEMA SEM METÁFORAS

Eu primeiro fui criança
antes disso já nasci
não consigo me lembrar
só me lembro que cresci
que a vida era brincar
uma hora a eternidade
e a maior tristeza
era ter que entrar pra casa
o mundo uma brincadeira
o olhar de sinceridade.

Mas eis que surgiu a mentira
a gula e a vaidade
a bem da verdade já havia
só não sabia nomear
as crianças pouco a pouco
deixavam se abandonar
o quintal vazio e oco
e a maior tristeza
era ter que crescer também
achar na vida a rudeza,
as primeiras brigas de traição…

Era poquinha, mas já pude
entrever pela fechadura
os sentimentos mais rudes:
a solidão, o medo, amargura
quis fugir pro passado,
pro futuro, pra um lugar imaginário,
fugir de casa, de mim,
chorei, me bati,
com meus próprios punhos,
e ai, a maior tristeza
era não saber desintristecer…

Eu cresci. Fui adolescente.
Na verdade, já sentia um peso nos ombros,
não beijei, tive poucos amigos.
Esqueci de rimas e fui
rumando o desconhecido.
A maior tristeza, ai
era minha indiferença.
Queria sentir e não sentia,
era quase uma doença
sem cura que me atingia.
Quis fugir, quis morrer
planejei calculadamente
já náo tinha o que perder
tão perdida em mim somente
sem pra quê, sem por quê
toca meu peito e sente
não sabia mais bater…
Fui adulta. Não se engane
não deixei de sofrer
aprendi a enganar,
aprendi as frases feitas.
Poucos, raros amigos
o trabalho sobre a mesa
as folgas aos domingos…
não sei se era indiferença
não me lembro de pensar
de sentir o que sentia
só me lembro de me guiar
uma consciência quase vazia…
Uma casa escura e limpa.
Mas não posso afirmar
me ouve com atenção
quem sabe se não há
nessa casa um porão
abre a porta devagar
lá estão e estarão:
o brinquedo, a inocência,
o medo, a solidão,
a morte, a indiferença.
Se há, se houve, se haverá,

eu
1 compartilhamento

Madrugada madre da ressurreição
madrugada fonte de inspiração
madrugada, o dia que já vai raiar
os olhos vermelhos e o céu escuro
a lua já esconde no clarão
e os meus pesares mais profundos
afundam as raízes no colchão.

Madrugada, o dia que já vai raiar
me permita um pouco mais a divagar
porque logo logo o raiar do dia
as palavras correm, o relógio grita
ai que prazo curto ai que agonia ai que frenesi
uma esteira infinda olha o fim do mundo
será o fim de mim?
infinitos meios, infinitos fins
infiltrados no massa do encéfalo.

Doce madrugada, prefiro a tristeza
a eterna tristeza sentida e calada
a pobreza do verso, sincero,
terminado na beira da calçada.

Olha o meio fio olha a moto o carro
olha o pé no ralo olha o sol ralado
vai ralar também!
O ócio é a loucura
o vício só procura
quem deixa brecha quem
deixa o tempo frouxo.
Deixa tudo justo
não sobre um segundo
gasta, consome, devora.
Sabes que na liberdade mora
as enfermidades todas?

Protejo o corpo nas cobertas
e me encolho caramujo
a face do fim de um segundo
é a divisa da seresta.

É cedo. O carro de mão carreira
A torradeira belisca. O alarme buzina.
A estrada chega. O sol se descortida.
O aviso avia o grão de aveia
o ovo frita firgideira
a cidade frita clareia
os cachorros os miados
Os povos apovalhados
debatem e debatem-se.
A meia. A empresa fervilha.
O tempo consome não some
causa caos desmonte.
O café da manhã servido:
gente, torrado, ovo, povo, frito, mexido.

me
1 compartilhamento

Viver em vão
O que é isso?
Como se a vida tivesse algum sentido, além de ir e vir.
Tanta gente me diz pra viver pra ser feliz.
Mas se feliz for apenas esquecer de si?

Oh, meus irmãos, não se enganem,
Qualquer um que pense minimamente,
Sabe pesar as carnes mais doentes,
Sabe que a felicidade é uma semente
E este solo é cru.

Como hei de ser feliz em um mundo degenerado?
Ser feliz é deixar tudo de lado?
É se apaixonar? Ter muitos hobbys?
Ter carro, casa, navio?
Que felicidade frágil, que se mede por pequenos prazeres
Pedacinhos que alimentam a vaidade
E preenchem um espaço vazio de tempo.
Que tal deixar o vazio oco? Se entregar um pouco ao ócio...

Quando me perguntam o que te faz feliz,
Imagino “o que poderia fazer-me”.
Ontem um episódio de uma novela, hoje um abraço.
Amanhã talvez um abraço cause tristeza,
Ou indiferença...
Porém, não se engane,
Não estás no teu controle plenamente
Sobre estares feliz ou triste.
Pois, se tiverdes tudo, um vento mau,
Uma brisa fresca podem trazer em um segundo
Um vazio intenso e mudo.
E tu pensarás: “Meu Deus, que será de mim?
Eu que achei que fosse feliz e em verdade não o sou?”.
Mas, amigo, não se engane, não lance tudo pro alto,
Pois, por mais que se assombre o homem mais degenerado
Achará num poço de lama um brilho da luz do sol.
E um momento surpreso, um vento, uma brisa estranha,
Podem lançar em um segundo
Todo amor que há no mundo
Nas costas de um moribundo.

me
1 compartilhamento

Temos família, casa, dinheiro
não pra jogar pelos ares, mas pro básico de tudo
temos espaço, beleza, amor
temos também um desejo profundo.

Ó Deus, as mães não deviam chorar
os filhos não deviam vê-la acabrunhada.
Ó Deus, não devíamos estar felizes,
mas felizes felizes não estamos.

As minhas lágrimas desabam no chão frio
e ninguém vai ouvir seu desabar.
Se eu sofro tanto em segredo, meu amigo
talvez eu também não saiba amar.

Mas a vida, oxalá, a vida
é preciso suportar…
Estou viva, não há nada além de mais,
é preciso resistir pra vivir.

Mas os sábios já disseram sabiamente
é preciso viver, não sobreviver
mas os sádicos, os medrosos, os dementes,
estes só sabem sofrer.

Mas os hindus, os cristão, os mulçumanos dirão
“é preciso buscar ser feliz pelas coisas eternas’.
A eternidade, quem me dera!
Cada um tem uma ideia do que seja!

me