Coleção pessoal de daliahewia

61 - 80 do total de 208 pensamentos na coleção de daliahewia

O que eu tenho de mais confiável é meu riso, nada tira ele do sério.

Dalia Hewia
1 compartilhamento

Algumas pessoas se atraem por energias semelhantes e ganham muitas oportunidades da vida para um contato mais profundo, mas as vezes não se enxergam, até que a urgência do momento se revele.

Dalia Hewia

É noite. Meu silêncio grita teu nome e as paredes tremem de desejo quando subo por elas, pra te alcançar em êxtase, na beleza de um luar sereno.

Dalia Hewia

Somos a todo momento assediados pelos sinais da vida , somos o alvo a ser atingido ou não, por flechas velozes, capazes de curar ou ferir o coração.

Dalia Hewia

Quando temos a coragem de transgredir, o novo passa a existir, como uma recompensa. Um novo mundo de cores, sabores e amores se descortina então, na janela de nossa ânsia.

Dalia Hewia

Liberdade é o sabor de cada instante, porque ser livre é ser amante: de si e da vida.

Dalia Hewia

LIBERDADE:

Ser livre é ser feliz, mas a liberdade é uma coisa estranha, porque quando você a possui se torna também seu escravo e não deseja mais nada e não deseja mais ninguém, nenhum vintém e nenhum bem material ou imaterial porque nada existe que possa se comparar. Liberdade é ter a escolha de amar e também outras escolhas e mudá-las se quiser, liberdade é bem me quer, é sacar as rolhas de vinhos que se estragaram presos por anos a fio, cheios de amargor. Liberdade é o sabor de cada instante, porque ser livre é ser amante: de si e da vida, que cobra um preço alto pra que você conquiste a tal soberana. No entanto, essa vida te engana, já que a liberdade é inerente ao ser humano, mas o dia a dia insano te faz esquecer disso.
A liberdade, ainda que tardia, ainda que pareça arredia, nos pertence em confiança, é como se a gente assinasse uma aliança com a alegria, é o maior bem que alguém pode ter.
Liberdade é carta de alforria e escravidão que sacia, liberdade é prazer.

Dalia Hewia
1 compartilhamento
Tags: liberdade escravo

FALANDO DE AMOR:

Vamos falar de amor, de mão na mão, olho no olho, de beijo, de olhar profundo, vamos calar o mundo com sua evidência de caos, vamos esquecer os maus e enfim falar de mim e de você, que juntos, podemos espalhar amor, que como flor, deixa seu perfume, sua beleza e a certeza de que ninguém caminha sozinho.
Precisamos todos uns dos outros, precisamos ser menos intolerantes, mais amantes, menos críticos, menos cínicos, mais atentos, porque o outro nada mais é do que você mesmo em algum momento do tempo, ele age como um reflexo do que você mostra ou tenta esconder, as vezes daquilo que te faz sofrer. O outro é teu espelho, aquele mesmo outro que você critica ou condena, ele é você ontem ou amanhã, é seu direito ou seu avesso, e não há preço que pague um pouco da sua compreensão. Vamos parar de racionalizar tudo, vamos então sentir e parar de correr tanto, de tanto medo de se expor, vamos calar nossa própria dor e nosso egoísmo cada vez mais forte. Ache seu norte, ame, não importa se você recebe amor de volta ou não, faça sua parte, tenha compaixão e deixe tudo de melhor que você tem transbordar, deixe fluir e fugir do seu peito, porque o desmerecimento do outro só existe na sua imaginação. Compactuar com a injustiça? Não! Apontar para o outro o dedo em riste? Que triste! Destilar ódio? Jamais! Nem adianta dizer que tanto faz, porque aí você se omite e se omitindo de uma ação, compactua com o não.
Ame o estranho, o familiar, o cachorro, o gato, o vizinho, o namorado, o amante, o ficante, o importante é amar.
Ame também o distante, que não está nem aí pra você e assim amando, entregue-se, porque nesse instante com um olhar cheio de calma, você verá que o outro é apenas você mesmo, sua essência, sua cara, sua alma.

Dalia Hewia
1 compartilhamento
Tags: amor injustiça

Com um olhar cheio de calma, você verá que o outro é apenas você mesmo, sua essência, sua cara, sua alma.

Dalia Hewia

Eu podia estar roubando (beijos), eu podia estar matando (desejos), mas estou aqui pensando, que o crime não compensa.

Dalia Hewia

Vou seguindo pela rua querendo apenas dar, num gesto, palavra ou olhar, todo amor que tenho em mim e que já não acha mais lugar.

Dalia Hewia

Casa Vazia

PODE ENTRAR A CASA É SUA, uma casa vazia, paredes rachadas, fachada antiga. Ninguém aqui habita, mas existem potes: de mágoas, de lágrimas, de tristeza. Sirva-se a vontade, perdoe a aspereza, mas é o que se tem a oferecer. A casa quase desabou, por isso quando sair feche a porta com cuidado, porque a casa vazia, fria, não quer mais visitas nem agrado, quer ficar em silêncio e na solidão, pra que ninguém nunca mais ouse, de novo, quebrar seu chão.

Dalia Hewia
1 compartilhamento

Fecho os olhos e parece que você está aqui. Lembro das loucuras que eu fazia enquanto você dirigia,na volta de uma praia ou na ida pro paraíso. Me recordo do teu riso.Menino maluco,lindo, sem juízo.

Dalia Hewia

Abraço bom é aquele que penetra manso, no silêncio do outro.

Dalia Hewia

Beijos são vírgulas colocadas em palavras de amor, sussurradas.

Dalia Hewia

O ego é apenas uma pedra que provoca tropeços no caminho, a humildade faz a pedra virar pó.

Dalia Hewia

Acho que fiquei imediatista quando percebi que 90% das minhas esperas eram em vão e 10% iam acontecer de qualquer jeito,eu esperando ou não.

Dalia Hewia

Preciso colocar um freio em minhas palavras, porque elas saem correndo da minha boca atropelando todos que estão na minha frente na ânsia de serem entendidas.

Dalia Hewia

Soneto de separação

De repente do riso fez-se o pranto
Silencioso e branco como a bruma
E das bocas unidas fez-se a espuma
E das mãos espalmadas fez-se o espanto.

De repente da calma fez-se o vento
Que dos olhos desfez a última chama
E da paixão fez-se o pressentimento
E do momento imóvel fez-se o drama.

De repente, não mais que de repente
Fez-se de triste o que se fez amante
E de sozinho o que se fez contente.

Fez-se do amigo próximo o distante
Fez-se da vida uma aventura errante
De repente, não mais que de repente.

Vinicius de Moraes
11 mil compartilhamentos

Somos ao mesmo tempo os viajantes persistentes, incansáveis mas perdidos nas estradas, e a bússola que os salva.

Dalia Hewia