Coleção pessoal de camposcampos

1 - 20 do total de 166 pensamentos na coleção de camposcampos

Camões x Musa

Glória incomparável da amada Musa.
São Camões vossa mão não pára mais
de confundir o meu coração com a paz,
peço a vossa licença para parar antes
que aqui jaza voando em suas asas.
pois, depois, continuaremos muito mais
e para concluir, à Musa peço escusas
e a Camões: Sua bênção parnasiana.

jbcampos
1 compartilhamento
Tags: camões taprobana

Nirvana o prazer de sentir o óbvio

Para se conquistar o bem-estar é preciso enxergar com os olhos do espírito o momento pelo qual se sente a simplicidade da vida, apenas isto, nada mais pode ser importante do que entender o nada, o vazio, o vácuo donde todas as almas são procedentes. A emoção do ego nas grandiosidades desta vida efêmera só pode trazer constrangimentos ao empafioso que se encontra cego ao não ter a óbvia consciência de sua própria mortalidade...
No momento em que se pode realmente olhar e contemplar o sorriso de uma criança, o andar encarquilhado dum ancião, o desabrochar duma flor, a verdade duma simples gota de orvalho a refletir todo o firmamento divino. Então pode dizer que está começando a enxergar o óbvio, apenas o óbvio.
Quando a alegria for apenas pela própria alegria, sem esperar ou por ter conquistado um prêmio boçal qualquer, então, a evolução d’alma começa a florescer.
Quando você sentir o prazer da felicidade por nada, apenas nada, cresceu sobremaneira, pois, não discute mais, não tendo de provar nada, absolutamente nada a ninguém. Agora se você não está entendendo, sinto muito, pois, terá de descer do seu altar e aprender a mais simples lição desta vida, a humildade...
Feche seus olhos esvaziando a sua mente, deixe que o amor, apenas o amor invada todo o seu ser...
Se conseguir essa simplicidade, acaba de atingir o nirvana e pode esquecer os céus e os infernos, pois, atingiu o fim colimado d’alma humana, e não queira mais do que isso...
Modestamente este seu conservo pede-lhe a receita de chegar ao auge da singeleza.
Bons sonhos, onde mora a sua essência.

jbcampos

jbcampos
1 compartilhamento
Tags: feliz amor

 
depressão

é
de
pres-
sa  es-
sa   mal-
vada  mal-
dição a qual
violenta   men-
te da gente pela
desordenada   ima-
ginação.  A vida  é  e-
fêmera    sobremaneira,
portanto, para  que  a pres-
sa em anuir à  essa pressão.
asneira,  meu irmão, deixe  o
seu  pensamento de  lado  e
fique bem  relaxado e verá
desaparecer o seu falso
cuidado o qual o tem
desviado  do lado
alado  ao qual
foi enviado.
ame  a si
primeiro
depois o
irmão do
lado   até
ao seu  der-
radeiro compa-
nheiro. vele e clame
pela chama desta vela  que  o  chama por inteiro à paz
desse  candeeiro, a  vida  ferida vale menos que dinhe-
iro. cuja chama  que  o  ama, chama ao rol da maior fa-
ma à paz  daquele que se  ama. muitos carecem de vo-
cê o tempo  inteiro que não  quer  isso enxergar o quan-
to  os  pode  ajudar, se o seu  irmão  regozijar ou chorar,
por favor entenda, não faça nada que se arrependa, não
dê azo ao azar dessa fenda, pelo amor maior se defenda,
pois, é você no seu lugar. você  é  o seu próximo, indepen-
dentemente  de  estar  próximo. caso  ouse tirar a própria vi-
da, terá tirado a do seu irmão querido, e da sua família por on-
de  você trilha a qual vai desaguar no mar da dor, tire  essa ideia
da cabeça e sinta o calor do amor, antes que o dia anoiteça, pois, a
vida é muito curta, sem necessitar de você nada anteceder, procure a
paz  para o seu bem-viver;  não esquente a sua cabeça, não permita que
sua  base  se entorte e pode contar com a base deste forte o  qual lhe legará
a boa sorte. deixe  tudo acontecer, sabendo que a mãe  natureza sempre cuida
de  sua realeza. vela a queimar calorias noite e dia até que venha derreter a sua
agonia, então,  pressa por que? a depressão pode durar  por uma noite  fria de a-
çoite, mas a sua esperança pode ver  que logo raiará o dia  de alegria. pelo  enre-
do da vida pela  qual se cria toda a hora  todo o dia a nostalgia de viver. mas atra-
vés de  um  bom relaxamento,  creia, e  firme o pensamento que  a glória irá rever
com  muita alegria de  viver. assim falou um dia, o  Senhor da alegria, pronunciou:
amarás  o próximo como a ti mesmo.então meu irmão não viva  a esmo, ciente de
que este mundo é feito  de ilusão, porém,  com ardor compreenda que apenas so-
breviverá o amor. guarde esses três mandamentos: ame-se - ame-se - ame-se pa-
ra conseguir amar o próximo como a si mesmo com amorável coração!

JAMAIS SUICIDE O AMOR, POR FAVOR!

bcampos

jbcampos
1 compartilhamento
Tags: depressão amor

Pineal

ouro;

teso-

uro

real

pode

ser uma

singela pa-

lavra, porém,

indo além é algo

simplesmente imor-

tal a fazer da vida uma

bela ou desajeitada aqua-

rela real a deixar o indivíduo

pinéu ou iluminado especial.

Pituitária para pessoa otária,

hi-

pófise

para enfe-

itar a nossa estrofe. Para simplifi-

car o seu entendimento, se é que

já não sabe que se trata da terce-

ira visão, a qual dá vida a ilusão

do bom coração. É inteligência

da própria ausência qual a-

vença qualquer tradição e

traz saúde e desajuste

amiúde pela atitude,

pseudo virtude

do velhaco

irmão

trans-

gressor,

sem amor.

Pineal, pon-

to ideal para

a iluminação

real. É o va-

lor do pen-

sar na vi-

da do

mor-

tal

imortal.

O seu lindo e amorável olhar está

no fechar de suas pálpebras.

Não se engane não, é na

treva que se encontra

a luz da iluminação.

Acenda essa luz de sua visão

e ascenda à visão da terceira visão.

Abrase o seu bom coração e abrande

aquela exagerada emoção, pois, tudo

não passa de mais uma ilusão à re-

petência da cósmica informação.

Se tiver dúvida atual, atualize-se

sobre a glândula pineal. Pra

que serve o Google

afinal?

Eis a bem-

aventurança da

Kundalini, abertura

do chakra central.


jbcampos

jbcampos
1 compartilhamento

Viver é a arte de se inspirar no germinar gracioso dessa divina semente plantada no ar de nossa mente-imaginação. É muito mais que simplesmente. É sentir a brisa ao zurzir do vento lento ao balouçar das folhas no firmamento, é força imorredoura da percepção. É olhar ao mar, ao pó, ao amor maior, ao dó da dor na cor da degradação. É sentir o gesto dissimulado do irmão. É enxugar as lágrimas, conter o riso, ver o lixo ao enxergar o bicho com ramalhete de rosas brancas em suas mãos de pelúcia dentro de sua amarga astúcia. Viver é o amor sem tradução. É a estrada desobrigada da obrigação. É a carga sobre a ilharga é o luxo desvencilhado do orgulho oco. É se fazer de moco aos gritos apavorantes da ilusão. É notar o tempo inteiro a atitude certa do companheiro para aprender a sábia arte de sobreviver entre o bem e o mal, sem a ousadia de julgar sem conhecer. É a sabedoria de entender a feiura e a beleza dum amanhecer ao degustar o açúcar e o sal da natureza. Viver é a beleza da sorte de morrer na morte da ilusão. O resto é vida, meu querido irmão.

jbcampos

jbcampos
1 compartilhamento
Tags: imaginação arte

Gostaria muito de ser feliz, porém, isso me é impossível, enquanto, você estiver sofrendo!

jbcampos
1 compartilhamento
Tags: redentor chorou

Postado por João Batista De Campos em 13 de Setembro de 2018 às 7:07pm
Somos volúveis sobremaneira ao passarmos pela vida inteira, inteirando ideias conexas e desconexas, verdades & mentiras anexas. Caímos em ardilosas armadilhas gostosas, porém, elas veem retirar até o nosso último vintém. É a lei da sobrevivência implacável, e somente o ser humano pode e deve defender-se de todas suas tramas as quais podem sobrecarregar a concordância do amém em desajeitada patranha. O homem também vai além, criando guerras infindas pela eternidade advinda. Poder e riqueza reforçam essa mesa. Momentaneamente, incoerentemente pela ilusão de vida passageira e indevida, endividada pela vida inteira. Na realidade tudo não passa de ilusória besteira. O assunto que aqui nos convém, convenhamos, é cuidar da nossa orbe mental, que tal? É neste exato momento que entra o nosso Guardião mental, sujeito pouco sentimental. Sem a sua providencial interferência o nosso sonho pode se tornar desastroso pesadelo, ao desenrolar desse antigo novelo chamado de: Medo, com várias alcunhas: Insegurança, Inveja, Ódio, Vingança, Morticínio, Matança, covardia, enfim os demais companheiros dessa nojenta facção que produz o excesso de medo, eis o Guardião guardando seu mais íntimo segredo. Se o nosso Guardião mental, estiver sóbrio, e nessa lucidez separar cuidadosamente a dor e o prazer em seus devidos lugares, com certeza, teremos maiores momentos de felicidade em vez de tormento à espera da atrocidade, este é o conhecimento óbvio de nossos movimentos. Vamos simplificar o nosso entendimento: No presente momento, ao plantarmos mamão, temos a plena certeza de que colheremos mamão, isso é bem óbvio e bom, porém, a sua qualidade não depende somente do nosso cuidado, mas podemos deixar de lado maiores preocupações, portanto, melhorando a nossa qualidade de vida psicossomática ao se preocupar com esse plantio o qual depende do sol, da chuva, da praga e do estio. E não pense que a vida nossa de cada dia é diferente, apenas temos de fazer a nossa parte, o resto, com certeza, ficará ao deus-dará. Nada podemos fazer além da nossa limitação. Quando um mau pensamento se aproxima da nossa mente esse Guardião chamado de subconsciência deve estar treinado para repeli-lo tranquilamente, sem medo, sem cisma, sem ódio, sem fobia, sem rima, coisa que o subconsciente não tem, somente quando o condicionamos, então dá pra se ter uma ideia de que ele realmente é o nosso mais fiel companheiro, obedecendo nossa ordem sem discussão alguma, apenas obedece à robô mental. Esse Guardião de tão fiel passa por burro, literalmente falando, condicione-o a crer na mais espúria mentira e ele a terá como a mais pura verdade. Peguemos um simples exemplo do nosso cotidiano atual: Se alguém perguntar em quem alguém vai votar, com certeza a maioria vai fazer um discurso em defesa de algum político ladrão, corrupto, idiota, é isso mesmo, temos vários que já foram depostos de seus cargos por corrupção e ali se encontram como se nada tivesse acontecido, tem uns que estão presos e ao mesmo tempo são candidatos, e se porventura você declinar ser apolítico, vai receber um belo sermão ao ser julgado como impatriota e assim por diante, mesmo que não tenha em quem votar, já que você não tem a capacidade de julgar quem seja o bom político, filho ou neto de outro político que há décadas continuam a perpetuar a mesma geração. O Guardião da maioria recebe uma ordem nefasta para que não enxergue, literalmente, e simplesmente obedeça cegamente o sistema. Na realidade é mesmo a maneira mais inteligente para que se viva melhor, porém, nada impede de que se enxergue realmente o fundamento da hipocrisia humana. Peça ao seu Guardião que lhe indique o melhor caminho a seguir. Porém, isso somente acontece quando a gente se entrega à meditação profunda e constante até que se reconheça seus benéficos e maléficos efeitos, quais sejam bons ou desastrosos e que podem afetar a vida familiar e social. E você, já encontrou o seu ilibado candidato? Eu? Bem, prefiro ser hipócrita como o próprio sistema, estou proibido pela ética eleitoral em declinar o meu voto secreto, talvez eu pague a multa. Ah… Estava esquecendo, talvez pelo adiantado do tempo, não preciso votar, estou na democracia e tenho 73 anos de idade. “A democracia não obriga ninguém a votar”. Seja feliz meu irmão e, vou além; se encontrar o seu nobre e probo candidato, então posso até fazer um sacrifício, diga-me o seu nome e o seu ofício, que quero nele votar também. Só não me venha com chorumelas!

jbcampos

jbcampos
1 compartilhamento
Tags: redentor chorou

A força que move o poeta

Ei... Poeta, não tem desconfiado de que o divino está ao seu lado, e indo mais fundo, ele se encontra à nano divino no universo do seu mais profundo âmago, à mago a lhe ditar o destino. Você é poeta-profeta, já que canta o amor, decantando-o ao coração doentio e apaixonado. Seu evangelho é perfeito, pois, é refeito do amor-perfeito, por isso ao poetar, poetize direito, para obter com ciência o direito autoral-divinal de sua consciência.

Que tal?
 
Forças divinas e impelentes fazem o poeta escrever constantemente alegre e contente como a fala do mais erudito magistrado ao deixar registrado seus pleonasmos forenses, porém, somente se ajuizado condignamente.
  
Amigo poeta e poetisa, vocês foram contaminados pelo dom mais sagrado a escreverem um bocado. À sacerdote repleto de dote, e à sacerdotisa que avisa ao irmão arrasado o qual já perdeu a divisa. Para não se sentir fracassado é somente olhar ao Pai da semente, Jesus, que ante a sua sorte à morte de cruz, pediu ao Clemente a lhe passar o momento cruel de acérrimo fel para lhe dar a flor já com o valor do mais puro mel e a fazer jus ao seu amor advindo do céu. Cujo Senhor levou sua dor ao suador de sangue e já exangue lhe mostrou o quanto lhe amou. Deus, à otário; ao famoso calvário por você se arrojou. Poeta, você fala do amor, e só por isso muitas almas salvou. Porém, nem dá conta da boa semente a qual semeou.

Está enganado ao pensar no pastor, no padre alado, ou no confrade do avô de algum frade. Poucos destes são escolhidos a poeta-profeta a professarem a linha reta que leva ao amor. Muitos estão dizendo adeus ao Amor-Deus que a nós já há muito nos deu e provou que, a ação não é tese a forjar o doutor que se preze. “A prática vale mais do que a gramática”. Então ao seu divino dom não despreze, meu poeta-irmão. Cumpra a sua missão com emoção e fervor de um alegre trovador. Se apenas um ser ler e sentir o seu amor, já resgatou com louvor o direito de amar outra vez com plena emoção.
Somente o amor é maior do que a sua missão; pode crer, poeta-escrivão.
 
jbcampos
 

jbcampos
1 compartilhamento
Tags: redentor chorou

Ego do alter ego

Hoje, nesta madrugada fria, treze de julho de dois mil e dezoito, acordei meio afoito, minha visão ardia, sono não havia; encasquetado, girando para os dois lados com uma fórmula matemática na cabeça, daquelas que não servem para muita coisa a não ser para a matemática pura que o ego apura, fazendo resplandecer tal cultura e que a ela enriqueça.
Uma imagem em meu ego fazia-se aparecer, era um tal Pitágoras que se dizia filósofo e matemático e a mim me exprimia:
- Sabia João, que ao olhar com exatidão, atualmente vejo sem termo de comparação que; apenas dois números tomam conta desta digital situação. São os binários em fantástica correria os quais no meu tempo não urgia, meu irmão, esse atletismo de histeria.
Ai lhe perguntei:
- Mestre; realmente seriam dois mais dois iguais a quatro?
A mim me parecia velho conhecido de tempos idos.
Surpreendia-me, quando dizia o sábio em seu sábio relato com certa supremacia, velhaca ironia:
- Analisando os fatos, os números não são exatos, pois, nada sendo igual a nada, torna-se essa relação apenas relativa. Dízimas periódicas simples ou compostas com os logarítmos já dão essa simples resposta, ciência exata não existe não, a não ser no sistema sistêmico de escolar organização.
Enquanto, proseava com o matemático, cheio de cismas, eis que se aproximam dois cavalheiros, e ao lhes voltear meu olhar, na mão de um deles avistei um voltímetro, e na do outro um violino roto.
Meio atônito com aquela visão, e por não ter muito a ver com essa relação, levantei-me para saber se sabia escrever.
Oh… Meus Deus!
Ah… Já me esquecia do que Pitágoras dizia sobre o número de ouro; e do pi por não ser exato também, porém, mudando o assunto vamos além.
Quanta cacofonia redundante e pleonástica em mim adjetivei. Analisei, analisei tudo aquilo que lia, e me orgulhei de ser mais um brasileiro-lusófono, pois, meus companheiros de poesias naquele momento me deram enorme lição de alegria pela sabedoria de seus pensamentos, pois, em suas poesias, textos e poemas, somavam-se só maravilhas maravilhosas, somente para alimentar o meu ego-vício novamente redundei com redundância desastrosa, somente para rimar o que dizia sem o menor sacrifício, pois é, sem demagogia, não sou sequer um pequeno apóstolo em suas epístolas poéticas, sem rimas ou com métricas.
Naveguei, naveguei, até porque já ouvi dizer que navegar é preciso, porém, o que realmente é preciso: É se olhar e ver com bom e humilde juízo, foi assim que ajuizei, e entendi de que nada sei de preciso, porém, gostaria de ser preciso ao escrever.
Apenas o meu ego alisei.
Cada poeta-escritor caracterizando o seu bom odor, perfume dos deuses, do divino amor, traduzido em alegria e humor.
Nomes não citarei para injustiça não cometer.
Parabéns aos meus poetas-professores com muitas flores, simbolizando o amor pela alegria em poemas e poesias, diademas de suas lindas postagens revertidas em mensagens, linimentos, alimentos de nossas almas, armas preferidas e proferidas como espadas nas mãos de exímios espadachins do amor. Como diria em frase informal: Etcetera e tal à maravilhosa poesia digital.
Com muita licença poética:
Saudações ao poeta digital, ou a qualquer poeta que digite ou declame seu reclame desigual.
Ah… Aqueles dois cavalheiros que seguravam os instrumentos nas mãos; eram nada mais nada menos do que Paganini e Tesla, dois xarás que vieram a tomar chá com os mestres daquela visão, porém, a lhes esperar Patativa estava também, com seu cordel na mão esquerda para que a direita não a visse, vice...
Então me apercebi daquilo que via, tal grandiosas eram minhas companhias, quando meu querido neto bate à porta para me beijar como o faz todos os dias. Quando ele me beijou esqueci as demais companhias, e até agora é só alegria.

jbcampos

jbcampos
1 compartilhamento
Tags: redentor chorou

O Redentor chorou



Jesus

chorou

por amor.

Hoje chora

O Redentor

por esse terror.

Na ressurreição do leproso Lázaro, Jesus chorou de compa-

ixão. Hoje chora de vergonha por esta grande nação brasile-

ira, como se sentiu seu Pai ao criar o homem do qual também

se arrependeu. O ser humano, criado por Deus, por ser mal-

criado e quem o

criou achou ter

feito a besteira.

Não, não estou

falando asneira

não faça disso

uma má intriga

isso está escri-

to lá na Biblia.

Pedro descobriu

o Brasil, Cabral

descobriu o Rio

expondo suas par-

tes pudendas, pa-

ra se apropriar de

nossas rendas o

qual já passa

muito frio

nessa mi-

séria tre-

menda.

Dr. Rui ruiu

quando sen-

tiu vergonha

de ser hones-

to e o povo

vergonha

de ser o

resto.



Agora o Poderoso

leva sua mão à testa,

e atesta muita tristeza di-

ante de tanta natural beleza,

porém, por ter vindo do além, ago-

ra tem muita vergonha de ser honesto

também.



Com o pensamento extraviado

minh’alma sobe ao Gólgota

bem perto do Corcovado

é esse aí logo ao lado.

E os bandidos sendo

perdoados e povo

de novo lascado.



É um prende e solta

mas, o dinheiro

inteiro não

volta.



Que pena!



No meu costado, muitos janeiros plantados,

porém, sinto vergonha de ser brasileiro

também, está ouvindo meu bem?

Depois dessa. Passar bem!



Se conseguir, né.



jbcampos

jbcampos
1 compartilhamento
Tags: redentor chorou

 

A bola da vez

meu Deus, o Senhor não é brasileiro, cadê o  seu jeitinho?

com todo o respeito e carinho, apesar  de doer no meu pe-

ito, na  realidade não estou  pensando direito. tem  sujeito

que  morre  por  causa  de  uma mera  ilusão  recheada  de

ignorância nessa velha ânsia anciã de  ser campeão. boba-

gem eles ficam com a derrota da glória  de falsa vitória, en-

quanto, você  morre do coração, além do  dinheiro de mon-

tão,  se  você é patriota, com mil perdões, ou  idiota a pagar

pseudo derrota? e eles felizes em suas  mansões que valem

bilhões, afinal o que esses caras produzem? agora servindo

de  chacota  o nosso pavilhão se apresenta diante dessa en-

crenca.  você já se apercebeu o quanto está  pagando para o

cabral, cabra safado, e ao  josé dirceu, e lá na cidade maravil-

hosa,  que  coisa  hodienda  e  odiosa,  crianças sem remédios

morrendo de  fome, enquanto,  em  suas residências  maravilho-

sas cumprem  pena, que pena que  não seja  no inverno do  infer-

no, agora se o  inferno é aqui, nós  povo, de longe  perdemos a es-

ses anjos de luz. é, aqueles  despejados dos céus pelo todo  Pode-

roso. não  é o escritor que diz, está lá no livro santo, Jesus à destra

do  Pai, aí  houve uma desavença  qualquer lá no céus, e o escritor

sem entender que no céus hajam  desavenças quais avençam man-

dar  alguns  diabos  aqui  para  nos  tentar.  será que esses caras

não estão sentados lá no Senado, ou  na  Câmara dos deputa-

dos? ganhando um dinheirão safado  e o país desgraçado!

multidão  pedinte  de  esmola, ainda  se  fala  em  eleição.

país  democrático,  onde se obriga a votar, ora  bolas, cadê

aquela bola que iria  rolar para  o bem da nação?  vou  parar por

aqui, porque, pode  sobrar para mim, tenho de ser um patriota  covar-

de  com  medo até de morrer não sou nem saci.  Dá para  você  entender?

volto a escrever: Demo = demônio - Cracia = governo? quem tiver entendi-

mento  entenda  ou  mais tarde  se  arrependa, por não ter  consultado a ne-

urociência para destrinchar essa  sua  cabeça  que  os  prestidigitadores es-

garçam  através   de  suas  velhas  farsas.  você  enxerga  mais  não  vê  seu

coelho  enfiado  em  sua  meia  de  futebol,  se  deliciando  em  seu arrebol.

rindo  da  nossa  cara,  nêgo,  cadê   o  seu  velho  emprego? tá  no bolso

de  alguém,  cuidado  que  esse  bicho  vem  chegando  de  lado é mui-

to  engraçado  esse  trem,  tome  todo  o  cuidado.  sim!  é  o  trem

vindo  de  lado  com  o  mal  complicado,  até  logo,  obrigado.

 Satanás está solto por aí!

 

jbcampos

 


 
 

jbcampos
1 compartilhamento
Tags: paraíso perambulando

O pintor de paredes

Um dia, há várias décadas o amanuense
pensava em ser pintor. Não, não é de parede não;
até porque de parede já o era e naquela espera de pintar
tela, também meditava naquilo que acreditava. Em sua falta
de modéstia meditava em Rafael, Da Vinci, Van Gogh, enfim como
deve ser um poeta sonhador. Numa confortável tarde, num profun-
do relaxamento, após já haver pintado mil telas, ouviu uma meiga
voz: Escreva meu filho, essa é a sua missão, o pintor retrucou,
mas; meu Senhor, “ um quadro fala por mil palavras”, ouviu-
se a tréplica, levanta-te daí vagaroso ser, pois, acabo de
me compadecer de ignóbil ser sem querer me abor-
recer, quando um quadro fala por mil palavras
não se lavra para qualquer ser, esse ser há
de ser quase iluminado, como esse aí ao teu
lado. Ao meu lado? Pensou que fosse o seu cunhado
o qual passava todo empertigado, o cara era meio enjoado.
Ah… Qual era o assunto mesmo? Ah… Sim sobre o cara que
queria pintar e bordar o sete. Porém, o pintor era teimoso e
manhoso, passando a mão num cinzel foi quebrar pedras
para disfarçar a insensatez da sua morbidez como se bu-
rilasse os céus, porém, naquela virtual besteira, sobre uma
esteira ao esculpir tanta poeira não a resistiu. Mas aquela ben-
dita poeira o fez desistir ao invés, êpa, ou em vez de resistir?
Ah… Só por essa vez, ou por esta vez, agora sou escritor, faça-
me o favor, que se lasque o português, ele que fique lá na sua
padaria todos os dias com seu freguês, somente desta vez.
com o circunflexo e tudo, seu português barrigudo. A medi-
tação foi a sua salvação, foi de lá que veio a
amorável imposição. A musa o tomou pela
mão e o fez escrever ao lado duma tela para sair
daquela megera rejeição e partir para uma nova
era qual não era a sua menor intenção, ou era?
Lembrou-se do seu quadro chamado: Pantera
Negra, enquanto em sua testa formava uma nesga,
quando o pintor acordou, acordou que uma no-
va era chegou, então pintor-poeta pensou, a-
gora vou escrever poesias, tentando sair da
pintura, qual tortura o fez escritor estético
com teclado cheio de pinceladas enxoval-
hando o monitor de uma dessas máquinas
modernas com tinta azul claro, como di-
ria Pablo Neruda a um Carteiro qualquer
em seu poema raro na intenção de que
dali saísse um salvador Dali
esperando Gala e Pablo Picasso
dentro de tempestuosa Guernica violenta.
Ah… o pintor já estava esquecendo de Victor
Brecheret empurrando uma manada numa praça
da São Paulo da Garoa um “Monumento às Ban-
deiras”. Daí pra frente passou a escrever até que
perdeu o senso tornando-se dependente do vício.
Até o velho negro felino do poeta ficou boquiaberto,
já, meio digitalizado com qualquer editor apropriado.
Aí, meio contrariado o poeta resmungou: Que se dane
a orelha de Van Gogh e foi escrever todos os dias suas
poesias!
Pode?

O vício da arte é um problema muito sério!

MUNDO MÁGICO DAS ARTES.

jbcampos
1 compartilhamento
Tags: paraíso perambulando

versando a morte

há muito tempo
numa noite fria,
falava com ela,
com a morte,
foi logo ali
quando
nasci.
esse se nos parece
ser realmente à nossa
mente tema muito forte.
diante dela nada vai mudar
a sorte, pois, parece ser igual
a todos os mortais, porém, vem
uma reflexão nos nortear o norte.
leitor, pelo amor faça-me um favor,
aliás, vamos pensar em dois: sofrimento,
dor, prazer, afinal qual será o sentimento
que vai acontecer em seu exato momento?
Ora, ora, ora se você viver apenas duas horas
com certeza viverá mais que a morte a qual
durará alguns segundos, o que é pior ainda
você fica na berlinda ao saber que morre
a cada segundo, vida e morte se fundem.
pois, devia ter se acostumado posto que
a todo segundo você morre, já está selado!
desde de que nasceu tanto você como eu
pela vida fomos interpelados sobre aquele
que morreu o qual também sem pensar no
além envelheceu, ou seja a cada instante
fica-se mais longe da vida a morrer a cada
segundo. isso tudo é arte da vida, da qual
a morte faz parte, aliás, morte é um verbe-
te inventado pelo mortal, que não enxerga
em todo o instante essa morte constante.
para ficar bem sacramentando e ratificado:
então; você deveria já estar acostumado
a conviver com ela ao seu lado, olhe um
pouco ao passado, e olhe aos seus pés
de galinha, se já os tiver. hei… não fuja
da linha ou se for galo não fuja da rinha,
e se for galinha, me perdoe amiga minha.
então fique feliz porque você dorme e an-
da com a morte que no fundo é vida as-
sistida por Deus, em seu
glorioso eterno apogeu.
aprendeu?

ou quer mais?

Não tema a morte, ela vive intrinsecamente em você.

jbcampos

jbcampos
1 compartilhamento

Gosto

Gosto não se discute
pois, apenas escute
a voz da experiência

com eficiência na ciência
que sua vida incute, desfrute.
experiência é a mais perfeita ciência,
os anos passam e a experiência renas-
ce, é assim a vida reconstruída de acertos,
porém, vamos além, é periodicamente
constituída de amor, de encrenca, ódio,
mas existe sempre alguém a pensar
também no bem. neste resumido
episódio quel nesse pequeni-
no frasco está você com
fino perfume a nos de-
fender. porém volto
a dizer: há gosto pra
doce perfume
e gosto pra
perfume doce,
deu pra chegar junto e entender?
não permita que o gosto alheio entre
no meio e estrague o seu particular prazer
de fazer sua alegria que é o seu bem-querer.

boa sorte.

jbcampos

jbcampos
1 compartilhamento
Tags: empáfia sobretudo

anacoreta

zé perneta, mais conhecido por anacoreta,
havia perdido uma perna ao cair da biciclêta.
esse acento da bicicleta é somente pra dar
rima e não dar cisma. pois, bicicleta não rima
nem com corneta. não, não faça confusão
não é acento de seleta de bicicleta,
até porque, zé mané, acento de
bicicleta é assim que é:
assento de colocar
as nádegas,
quase
que
fa
lo
bun-
da na
qual aval
de acidente
é minha gente,
pois, minha mente
quase se aprofunda
numa ideia moribunda.
vamos ao que interessa,
anacoreta é o cara que de
cara fica insulado de um lado
qualquer. bem essa didática está
faltando emoção, vamos lá então:
anacoreta: cara que perdeu a reta
e partiu para solidão, ermitão meu
amado e querido irmão qual está
longe ao meu lado da multidão.
espero, não faça mais confusão.
seleta? sei lá deve ser coleção
de trechos, ai de mim por não ter
“dito” - resumo de benedito.
Ah... sim, selim, ainda bem
que falo de sela e
não: falo de falo
na cela.

agora vou sair do meu tugúrio.
vou andar alhures, obrigado.

jbcampos

jbcampos
1 compartilhamento
Tags: empáfia sobretudo

mente secreta

hei… amigo, pense um pouco comigo
você sabe bem o que é consciência?
você sabe bem o que é hipnose?
ah... a você pensa que sabe...
quiçá, seja por osmose.
quantas vezes você
passou de marcha
o seu carro hoje,
por quantos
faróis você
passou
hoje?
não
sabe.
pare!
parece
sentar-se
na ponta
de um
sabre.
é assim
sua mente,
muito ausente,
pra você ela mente
constantemente, não é?
por que você faz tantas compras
por compulsão, até casaco de lontra,
agora então; com essa tal digitalização,
se descuidar é capaz de comprar até casaco
de leão, companheiro... olhe para seu dinheiro
lojas virtuais rolando pela Internet, de montão.
cuidado acompanhe de lado a campanha em
suas entranhas à campainha dum coração
afetado de afeto descontrolado e ligado
ao supermercado da sua maior confusão!
então meu amigo-irmão tome atitude-ação.
por que você não se controla, meu irmão?
é hipnose de montão desde o berço à escola!
a hipnose universal faz o ser humano divagar
mecanicamente, escravizando-o, sem que tenha
a menor ideia disso. o sistema cega a sua visão
mental, não me leve a mal, acorda meu irmão!
controlar sua mente secreta
é como andar de bicicleta
não se esquece jamais,
porém, há de se relaxar,
à meditação se entregar
sem pestanejar, então meu
irmão você há de começar sem
jamais rejeitar essa ideal condição
a andarilhar pela sua mente atrás de
velha semente a lhe condicionar,
de carro, ou de bicicleta sua
mente secreta também
você há de decifrar.
a mente humana é
demente e dona
de doída-doida
consciência
proibida.

saia dessa
vida.

ah… agora, sem rima:
por que você magoa
a pessoa que mais
ama na cama, à toa?

faz-se uma ilha do mal
onde se inclui bela
família ideal.

lavagem cerebral
para celebrar o
mal do vil metal.

Pense sobre isso!

jbcampos

jbcampos
1 compartilhamento
Tags: ouro negro

Nada



Olha que lindo diamante você acaba

de encontrar logo aí adiante,

apenas adiante para

pegar!



Olá meu camarada; você já ouviu falar do Nada?

O papo  é  sério, não  é próprio às suas risadas. Hoje

acordei de madrugada bastante gelada,  porém,  pesava-

me um pensamento muito além. Forrei o chão com meu

velho tatame e acionei o antigo aquecedor, estiquei-

me todo à felino, espojando-me, então pensei:

Por que não entregar-me ao nada? Um

estampido fez-me ouvir enorme

gargalhada nada fiz,

não fiz nada,

porém,

pensei

em espírito

zombeteiro o qual

gargalhou lá no terreiro,

mas o Fofo não ladrou, o canil

não se manifestou, bem,

só pode ser coisa

do além, bem do além.

Na verdade não gostaria de

manifestar isso a ninguém, porém,

meditei em  covardia, mudei de  ideia,

como realmente deveria. O tempo passava

rápido e rasteiro já quase raiava o dia. Era a

minha amiga Musa que sempre me abusa a dizer-me:

Ei  você  aí, é  do vácuo que eu venho, e  sempre vim

carregando  pesado  lenho, ao engenho das letras

para que você cresça  e  seja alguém no nada

do  além,  ou  seja: É  ao  nada  a  quem

você  também  quer se  entregar,

vai ter de  se preparar, pois,

esse é o melhor lugar para

se estar, creia

verdadeiramente.

Quando de si mesmo

se despojar a mim me

virá desposar, vai se

enxergar em todos e em todo o lugar.

É o decantado Nirvana o qual lhe vai

decantar, simplesmente sem nada

ser e sem nada querer pensar,

a inspiração vai tomar o seu lugar.

Seu descanso será perene e sem igual

o que você levou tempo para enxergar.

O nada é o paraíso da simplicidade

dessa vida querida a se viver.

e a ela se entregar sem nada

antever, posto nada entender

ao se morrer vivendo no espaço

sideral, ou no vácuo

cósmico do nada.



Resumindo:



Ao querer

cultivar o juízo,

meu  amigo, terá  de se

anular, haverá de ser um santo

criminoso ao seu ego matar sempre

de novo.



Quando você se anular plenamente

terá encontrado a felicidade.



Não confunda humildade

com humilhação, apenas

controle o assédio de

sua velhaca ação.



Quem  tem entendimento, entenda.

Ou no silêncio e na paz procure a Musa

e não se arrogue, porque se assim o fizer

ainda não é chegada a hora, porém, procure

sempre a hora agora. Então apreenda essa feliz

prenda, sem temporalidade e sem idade. Para o nada

caminha a humanidade onde mora a amorável felicidade

só tem um porém, estamos na eternidade e nada

sabemos para vaticinar quando lá

a humanidade vai chegar.



Então seja uma ovelha

a desgarrar dessa

grei-centelha.



jbcampos

jbcampos
1 compartilhamento
Tags: empáfia sobretudo

Piscar d’olhos

Há muito tempo por aqui apareci olhando
montanhas, sanhaços, pintassilgos, beija-flores
beijando bem-te-vis, despencando de penhascos
gorjeando louvores. A pradaria murmurando
o vergel-lilás de suas flores. Era o lugar
que sonhava para os meus amores.
Então nada mais me faltava.
E foi ali que escolhi. O meu
alvorecer era em cores,
a chuva me iluminava,
o sol me inspirava
ao destilar de
deliciosos
licores.
No conforto informal, no
desejo de mais um mortal.
No crepuscular das tardes
de magia, embriagado ao tom
do doirado som a acariciar meus
ouvidos, qual a todos os lados naqueles
dias a mim consagrados. Tudo e a todos tingia.
Nesse mel de melaço, no mais puro regaço que no
profundo minh’alma regava, e me fundia em alegria.
Foram belos os meus dias os quais minha mente
arejava. À rede me embalavam as noites calmas,
meus pensamentos voavam em nuvens alvas.
O meu espírito se projetava além de coisas
humanas. Nas longas tardes de frescor-
rupestre dos fins de semana,
”muito além de Trapobana”,
aliás, estava pra lá de “Pasárgada,
onde eu era amigo do rei” e assim,
muitas vezes, pensei: “Jamais escolherei
qualquer mulher, pois, muito além dessa eu já
tinha, mesmo sendo amigo do rei”, com certeza
de tanta beleza, e convicto de que não a merecia,
por isso foi que não errei! Foi aí que compreendi:
sou um privilegiado e o meu lar construí dependurado
no topo de um monte encantado, porém, alicerçado com
cascalho dali. Belos e floridos jardins, com melífluo odor
de jasmim. Em cima do vale, com minha visão deslumbrada.
Minha família; presença marcada. Parece ter sido ontem.
O tempo passou ligeiro e neste comboio fui passageiro.
Meus filhos se casaram, meus netos se foram...
A minha companheira de tantos janeiros a
partir foi à derradeira, mas partiu pra va ler,
enfim, o meu coração se partiu por inteiro.
Restou-me a oração, pássaros e a canção
do meu velho travesseiro enfronhado de
emoção. Confessor e confessionário
esplêndido cenário passo o tempo
a escrever com alegria e prazer,
como se fora mais um otário
teimando em reviver. Não sou hipócrita
em meus apócrifos. E não quero me enganar.
Aprendi a ver a vida em sua plenitude, encaneci
com saúde e não posso reclamar. Partida é partida.
A existência é efêmera e, nem posso chorar.
Chegamos-voltando à frente de câmeras
registrando os relatos, de fato; relatando
os fatos. Alcovitamos em nossas câmaras,
regurgitamos desagravos ao nosso Criador
Pai. Melhor nos fora juntar os favos da gloriosa
e eterna Paz, do que os trapos que o mal sempre
nos traz. Caro irmão-leitor pense como for, mas,
por favor, não tenha pudor dessa falsa dor com pavor.
Nem seja acre, do seu coração tire o lacre, e no amor
seja craque sem o menor palor. É a realidade da vida, flor
em botão qual murcha dando-nos o seu tom chamando-nos
à atenção. Qual à bucha, com água e sabão, no banho é algo
estranho, verdadeiro estrebucho no antigo corpo de um bruxo.
Às vezes velho-tacanho aos olhos de estranho. Pode ser, mas não
é se ele sabe o que a vida é! Pois, fez-se amigo de tudo e
até da boa solidão, na realidade é sortudo, meu caro-querido
irmão, ele enxerga até pelo pé sendo provecto ancião. Solidão
pode ser desespero ou tempero de se encontrar com o “Eu”
por inteiro. “As aparências enganam”. A solidão pode ser uma
ótima companheira. Essa amiga vem para burilar a nossa alma
dando-nos a condição de vencermos a nós mesmos, já que o
nosso maior inimigo está no interior do nosso coração o qual
deve ser cinzelado com o amor da mansidão no universo dessa
eterna imensidão. Na realidade o meu coração mora nos universos
dos universos juntamente com o seu.

Esta historieta faz parte da vida deste modesto amanuense...

Muita paz e amor à sua pseudossolidão.

jbcampos

jbcampos
1 compartilhamento
Tags: clemência crer

alheio ao lado da musa

começo a escrever
neste exato momento,
às doze horas deste dia
seis de junho de dois mil
e dezoito, porém, alguém
à procura de alguma alegria
aproxima-se, trazendo biscoitos,
bom café com leite qual anestesia
velho frio desta manhã, gélida tersã.
quisera ter agora bela e divina mente sã.
é intrusa gripe meu companheiro, atchim!
está servido, meu amado leitor querido?
não é o espirro, é o café com biscoitos.
bem que podia ser um chá de alecrim,
apesar desta alegria gastronômica.
encontro-me em palpos de aranha,
a escrever anônimo pelo conselho
parecendo-me situação bisonha.
debaixo de relho, pois, minha cabeça
tropeça no avesso desse acontecimento
ao se ver num espelho a lhe espelhar
o movimento lento, deve ser
pela idade-bedelho.
devagar a divagar
vai-se ao longe
diz a musa
a qual do
poeta
usa.
e a gripe, minha deusa?
vamos desengripar
primeiramente
a sua mente,
o resto
vamos
deixar
para o
ar quente.
claro, se ele
não estiver
ausente.
escrevendo apenas uma
estrofe por semana,
conquanto, seu
conteúdo seja
autêntico
é andar
à galope.
preste
atenção
a musa
não diz:
trote, de pura ilusão.
estará lentamente
cumprindo a sua
missão, assim
fala a musa,
ao pensar
pelo meu
pensar,
porém,
de coração!

e a musa acrescenta: quer ser poeta
então escreva, escreva,
quem sabe se…

porém, da gripe não falou mais nada
pareceu-me completamente desinteressada,
porém, uma coisa eu sei ela nunca fica estressada.


jbcampos

jbcampos
1 compartilhamento

Chico

Você já ouviu falar do Chico?
Sua elevação é tamanha quanto
à manhã da esperança-fé à candura
de santa criatura divina ao cumprir bela
e amorável aliança-sina. “Chico” por amor
esculachado, e por respeito de inocente
escracho. Cândido pela candura santa
de muitas reencarnações passadas,
perdão pelo cacófato sagrado.
por nações desta terra
onde o valor se encerra.
Xavier pela disposição
humilde, confundida
com avexamento fino.
de tudo o que ante vier ao
bom coração do irmão menino,
neste momento o escrevente é
esculachado por ser achado fora
do razoável, pois, jamais existirá
o irmão menor, não deste lado
onde reside agora o Chico
de outrora, porém, sempre
presente agora advindo
de além-memória,
O Chico não
está gostando
de tamanha adulação,
porém, tem enorme coração
pra entender a fraqueza dum irmão
beleza, em autocomiseração fraqueza
ao pensar estar psicografando no
ufanismo de santa realeza.

Ou não?

Coisa de mero mortal.

jbcampos

jbcampos
1 compartilhamento
Tags: clemência crer