Coleção pessoal de AntonioPrates

1 - 20 do total de 444 pensamentos na coleção de AntonioPrates

Depois das batalhas que venci na vida apareceram sempre os valentes e os oportunistas.

António Prates
Tags: depois batalhas

Rir é muito bom, mas em demasia pode ser sinal de tristeza.

António Prates

Não vejo nenhuma diferença entre um homem agarrado ao poder e um cão agarrado a um osso.

António Prates
1 compartilhamento
Tags: nenhuma diferença

É mais do mesmo... As altas cantoriás nos triunfos, um jogo de mil cartas com dez trunfos, num céu que se não mostra para todos.

António Prates

Os negócios que mais prosperam são os que exploram a vaidade humana.

António Prates
Tags: negócios prosperam

Qualquer pobre, a meu ver,
com uns tostões é mais foito,
mas se o dinheiro lhe bater,
pode ostentar, sem saber,
o seu juízo num oito.

António Prates

Para mim sou o que sou, para os outros sou o que pareço ser.

António Prates

Que a altura o nosso carácter acompanhe sempre a altura do nosso tom de voz.

António Prates
Tags: altura carácter

Há tanta coisa perdida
nesta passagem singela,
e passamos pela vida
sem entender nada dela.

António Prates
1 compartilhamento

Quando desejamos felicidade a todas as pessoas, esquecemos que há pessoas que são felizes com a nossa infelicidade.

António Prates
1 compartilhamento
Tags: desejamos felicidade

Tenho constatado que, para prejuízo da sociedade, o disfarce mais usado pelos seres humanos é o da bondade.

António Prates
Tags: constatado prejuízo

São poucos os parasitas que reconhecem a sua posição social.

António Prates
Tags: poucos parasitas

Podemos sempre meter as pessoas a pensar, quando elas têm cabeça.

António Prates

O excesso de parasitas numa sociedade causa quase sempre cegueira e bancarrota.

António Prates
Tags: excesso parasitas

Cada ano que nos invade
é um trecho pra depois,,
e ao certo a minha idade
já conta cinquenta e dois..

I
Meus amigos, companheiros,
semelhantes, camaradas,
das horas ultrapassadas
nestes anos conselheiros…
Sei que os anos verdadeiros
são os que nos dão saudade,
pela sua afinidade,
por agrado, ou algum plano,
e é sempre mais um ano
cada ano que nos invade.

II
Esse tempo inexplicável
tanto dá quanto nos tira,
num período que se expira
a um ritmo inalterável;
e por ser inevitável,
não tem isco nos anzóis,
pra fazer dos maus lençóis
uma história divertida,
e o certo é que esta vida
é um trecho pra depois.

III
Tanta gente eu conheci,
nesses anos que existiram:
os amigos que partiram,
as pessoas que esqueci,
aquelas que lembro aqui,
nesta minha anuidade,
com franqueza, com verdade,
recordo que o tempo foge,
sendo os dias que sou hoje
e ao certo a minha idade.

IV
E agora, meus amigos,
camaradas, semelhantes,
sou o mesmo que fui antes,
nesses tempos mais antigos,
onde as loas e os castigos
perfazem milhares de sóis...
Os exemplos serão, pois,
os parabéns de cada ano,
e este simples ser humano
já conta cinquenta e dois.

António Prates
Tags: aniversário

A inveja e a hipocrisia só podem ser obra do Diabo. E é assim que ele escolhe os seus discípulos.

António Prates
Tags: inveja hipocrisia

Todos queremos ser felizes na fachada do que realmente somos e seremos menos infelizes se dissermos que somos felizes, sobretudo porque nos convencemos de que conseguimos convencer a fachada de quem é tão feliz quanto nós somos, o que, ao fim e ao cabo, acaba por nos colocar quase todos ao mesmo nível de felicidade.

António Prates
Tags: felizes fachada

O silêncio, esse estado de quem se abstém ou pára de falar, essa cessação de som ou de ruído, essa interrupção de correspondência ou de comunicação, essa omissão, essa quietude, essa calma, esse desassossego, esse estado de letargia amordaçada, que continua a constranger os valores da liberdade, apenas e só, única e exclusivamente, para continuar a dar guarida a todos aqueles que desejam que se faça silêncio, através do medo que difundem e do peso das palavras que não suportam.

António Prates
Tags: silêncio palavras

Muitas das nossas perguntas ficam para sempre sem resposta quando perdemos a nossa mãe.

António Prates

De que nos valem todos os bens materiais da nossa egoísta ilusão se a matéria do nosso maior bem me parece ser sempre a mesma loucura?

António Prates