Cinema Magia

Cerca de 29 frases e pensamentos: Cinema Magia

Cinema-verdade? Prefiro o cinema-mentira. A mentira é sempre mais interessante do que a verdade.

Federico Fellini
58 compartilhamentos

Num filme o que importa não é a realidade, mas o que dela possa extrair a imaginação.

Charles Chaplin
2.5 mil compartilhamentos

É curioso como as cores do mundo real parecem muito mais reais quando vistas no cinema.

Laranja Mêcanica
76 compartilhamentos

O cinema é um modo divino de contar a vida.

Federico Fellini
70 compartilhamentos

O que falta no cinema nacional é a "mentira".

Kirk Russo
Inserida por kirkrusso
1 compartilhamento

Muitas pessoas querem ter poderes, poderes que são mostrados nas telas dos cinemas, poderes que são criados por pessoas. Seja o poder de voar, de ficar invisível ou outro qualquer. Mas muitas pessoas esquecem que possuem um poder capaz de tudo, que pode levar a vitória ou a derrota, este é o poder de mentir. Um poder da qual quase todas as pessoas carregam, mas a qual nem todos percebe. É incrível como este poder faz as mais diversas pessoas acreditarem em coisas absurdas ou não, e como podem usar a seu favor.

Vitor A. S.
Inserida por quemsabela
1 compartilhamento

"Na vida real, a maioria dos atores de cinema é uma decepção. Eu, por outro lado, sou melhor na vida real do que no cinema."

Marlene Dietrich
Inserida por jcsalomao

Não vou pro cinema pra assistir filmes de drama baseados em fatos reais, de realidade e drama, já basta o meu.

Tiane Fróes.
11 compartilhamentos

Se tu queres uma alma gêmea vá ao cinema assistir Walt Disney do contrário encare a realidade, saia da casca tenha coragem, olhe pra frente e veja alguém que vá te revelar, te expor na intimidade e descubra que não importa os dias bons ou ruins e sim o que fez nestes dias.

Alexandre Scaldaferri
3 compartilhamentos

No Festival de Cinema de Sundance, "Wolf Creek"- escrito e realizado pelo australiano Greg McLean – foi aclamado, pelo público e pela crítica, como um thriller ousado, hipnótico e visualmente original, com uma mistura intolerável de filme de terror. Não chegou para tanto, mas não restam dúvidas no aspecto da fotografia, simplesmente soberba. A forma como McLean consegue transformar a liberdade de que o deserto supostamente deveria proporcionar num puro aperto de coração para cada um de nós espectadores, num lugar fechado e sem fuga, é de bradar aos céus.

O filme conta a história de três amigos que decidem visitar o espantoso Parque Nacional de "Wolf Creek", para verem a misteriosa cratera provocada por um meteoro. Quando voltam para o carro, o mesmo não funciona, os relógios estão parados e tudo indica a presença extra-terrestre. Felizmente, ao cair da noite chega Nick, um homem local, com o seu enorme camião, oferecendo ajuda. Mas será mesmo ajudar a sua intenção? Baseado em factos reais ocorridos na Austrália entre 1989 e 1991 e nomeado a sete categorias dos Prémios do Cinema Australiano, "Wolf Creek" tem provocado ondas de choque um pouco por todo o lado. Mas repito, sem ser pelo fantástico ambiente e fotografia do filme, não percebo a razão de tanto alarido. Este é apenas mais um filme de gore, que nunca consegue assustar o suficiente o espectador, mesmo com o suplemento de estar a contar algo que se passou na realidade.

Bastante parado nos primeiros 20 a 30 minutos, o filme tarda a arrancar para algo sério e perturbador. Aliás, esta primeira parte do filme é recheada de momentos e conversas patéticas que simplesmente serviram para encher chouriços e fornecer maior duração ao filme. Até ao momento em que entra a personagem de Ben, fantasticamente estudada e assustadoramente banal. E só esta personagem vale todas as estrelinhas do filme, já que as restantes pouco interesse acarretam consigo.

É certo que não fosse este "Wolf Creek" baseado em acontecimentos veridícos e pouco seria o alarido à volta do mesmo. Mas tal não leva esta produção australiana ao ponto de merecer as "zero estrelas" atribuídas pela primeira vez (que tenha visto!) por Roger Ebert. Mas que fique claro que todas as que leva devem-se pura e simplesmente a dois factores: o arrojo visual fantástico tendo em conta o orçamento do filme, baseando-se em imagens poéticas do deserto e a Nathan Phillips, que é simplesmente magistral na interpretação do famoso psicopata australiano, que ainda hoje está em liberdade por falta de provas.



Escrito por.Knoxville às 23:39

Wolf creeck
3 compartilhamentos

O cinema é mágico. Através dos filmes: Viajamos no tempo, voltamos ao passado e, por alguns instantes, nos sentimos em outras épocas. Visitamos lugares que não imaginávamos que existia, pequenos paraísos aqui na Terra. Conhecemos culturas e costumes de povos tão distantes. Descemos até às profundezas dos oceanos, adentramos em florestas densas e podemos sentir a fúria da natureza. O cinema é a arte dos sonhos, mistura fantasia com realidade e, mostra mundos que só existiam na nossa imaginação.

Scheila F. Scisloski
Inserida por ScheilaScisloski
1 compartilhamento

São como as cenas de teatro, magico como o ilusionismo eo final? o final é de cinema americano... nem todos saem felizes!

Alisson abou ali
Inserida por alissonpitu
1 compartilhamento

No cinema o vilão tem cara de mau,
e o oposto acontece na vida real.

Vil5on 62
Inserida por Vil5on62
1 compartilhamento

E lá estava ele. Parado. Completamente estático olhando aquela tela de cinema da vida real.
Com seu bloco de anotações ao lado, de vez em quando escrevia. De vez em quando pegava o lápis e seu bloco de anotações na mão, e devolvia logo em seguida no mesmo lugar, sem nada anotar.

E lá estava ela. Na tela do filme. Totalmente em movimento mas com o pensamento estático. Vivendo o papel de miss Dorian Gray. De vez em quando ela esquecia qual a próxima fala e ficava calada. De vez em quando ela falava tudo de uma vez.

O filme ainda não havia chegado ao final. Porém não mais interessava para ele.

O filme ainda não havia chegado ao final, mas ela já não sabia se queria continuar atuando naquele filme.

Levantou-se e foi ao banheiro.

Resolveu sair da tela, largar aquele filme sem sal nem açucar e foi ao banheiro.

Se encontraram na porta dos banheiros enquanto ele lavava as mãos.
Sabiam que já se conheciam.
Ela parou e ficou olhando para ele.
Ele por sua vez levantou a cabeça e a viu pelo espelho. O mesmo espelho onde os olhares se encontraram.
Ela, não sabia o que falar.
Ele não sabia o que falar.
Ela abaixa um pouco o seu olhar.
Ele resolve se virar e encarar ela frente a frente.
Ela ainda não sabia o que falar.
Ele caminha na direção dela.
Ela ainda não sabe o que falar.
Ele para, frente a frente.
Ela abaixa a cabeça.
Ele ergue a cabeça dela levemente com uma de suas mãos, segurando pelo queixo dela.
Respiração ofegante, mãos geladas, os olhares se fundem...
Ele a beija. Um beijo em câmera lenta. Suas mãos passeiam pelo corpo dela causando sensações que até ela mesma desconhecia.
Ele para.
Ela vai falar algo.
Ele a encara.
Ela precisa falar algo.
Ele passa uma de suas mãos pelos cabelos dela.
A voz não sai.
Ele a abraça e os dois saem caminhando pela calçada iluminada por luzes amarelas...
O orvalho cobre eles com seu fino véu de água.
O silêncio impera, como se conversassem por telepatia, eles não dizem uma só palavra.
Por mais incrível que parecesse, se entendiam até no silêncio e isto quase os bastava.
E eles caminham noite adentro até o apartamento dele.
Ele abre a porta para ela que por sua vez entra.
Ele coloca uma música, abre um vinho, serve duas taças...
Os olhos dela se enchem de lágrimas.
Ele pega a taça da mão dela, coloca em cima do balcão. Olha para ela e diz:
- Dança comigo?
Ela sacode a cabeça afirmando que sim.
E eles dançam...
Ela sente a respiração profunda dele.
Ele sente as batidas do coração dela.
E eles dançam...
E eles fazem amor ali mesmo, no meio da sala. Com as luzes da sala apagadas. A única luz incidente que vem de fora é a luz da cidade, que entra pela porta de vidro da sacada.
O dia amanhece...e lá está dona abelha que não consegue encontrar sua flor para retirar o mel, parou para descansar e assistiu toda a cena.
A abelha sai voando e...
Eles tem muito o que conversar...

Jr. Pereira
Inserida por jrsoundmaker
1 compartilhamento

Na vida real, a ficção parece coisa de cinema; enquanto, na ficção, a vida real é, realmente, coisa de cinema.

Saint-Clair Mello
Inserida por SAINTCLAIRMELLO
1 compartilhamento

É que estou vivendo num cinema. Descobrindo as fantasias, fantasiando a realidade; tecendo as alegrias, numa alegre liberdade.

Denis José dos Santos
Inserida por djdossantos
1 compartilhamento

Certos diretores de cinema insistem nisso de que "a cena tem que ser realista". Pra quê? Se a porcaria do filme é todinho ficção, invenção, cenário ou mentira... Pra quê "realismo de mentirinha"?

Horlando Halergia
Inserida por HhorlandoHhaleRgia
1 compartilhamento

E a vida poderia ter a magia e o encanto das telas de cinema. Certamente tem, nós que estamos Ocupados/preOcupados demais para enxergar isso.

Iedda Carolina
Inserida por ieddacarolina
1 compartilhamento

A Magia do Cinema acontece quando você atravessa a porta que diz saída, e continua acreditando no Mágico.

Ruisdael Marques
Inserida por RuisdaelMarques
1 compartilhamento

O que vejo na tela de cinema,
é uma imagem colorida,
feita de cores imagináveis,
que transformam meus sonhos
em uma realidade alternativa.

Guata Maftum
Inserida por GuataMaftum
1 compartilhamento