tadeumemoria

1 - 25 do total de 604 pensamentos de tadeumemoria

CONFIDÊNCIA
Conta-me teus segredos,
Teus sonhos, o que tanto almejas...
De que, tu tens medo, me dizes
Como são teus dias,
Que música ouves,
Que filme assistes
À quem te confidencias
Como dormes, como acordas,
Tens pesadelos?
Como caminhas,
Conta-me teus segredos,
Quais são tuas dores,

O que te confunde,
O que te deprime,
O que te exaspera,
Que são tuas fobias
O que te apavora
Conta-me teus segredos
De que gostas
Teu prato preferido, o que bebes
Um drinque, um aperitivo,
O que te seduz, se abre comigo
Revistas, jornais, livros, o que lês?
Rubens, Millôr, Machado de Assis?
O que preferes, drama, épico, clássico
Quem sabe, um bom poema,
Um soneto de amor,
Algo bem apaixonado
que te deixe a imaginar
e a querer saber
as vontades, os desejos,
os traumas da pessoa amada...

tadeumemoria
Inserida por tadeumemoria

SOBRE A PERFEIÇÃO

tinha a lua como testemunha,
flores que ornamentavam um jardim,
de tão nervosa, ruía as unhas
jurando-me amor sem fim

nos olhos, a profundidade de um oceano,
na alma trazia o paraíso,
dentes de madrepérolas no riso,
mas não sabia dizer eu te amo...

tadeumemoria
Inserida por tadeumemoria

perdoe-me por tudo o que fiz,
eu já me perdoei pelo o que eu não fiz...

tadeumemoria
2 compartilhamentos

Aqui Jaz o Amor...
Na vereda tem uma tumba,
Uma coroa de flores,
Pássaros que cantam,
Uma brisa reconfortante
E uma melancolia
Quando leio no epitáfio,
‘’Aqui jaz o amor...’’
Este lugar não está dentro de mim!
Este lugar não está dentro de mim!
Eu queria ter esta certeza,
Mas as borboletas vão se transformando
Em lagartas como uma metamorfose ao contrario
As flores vão se fechando,
Uma por uma, os pássaros silenciam
Pessoas que acompanham um féretro
Aproximam-se e alguém coloca
O caixão naquela tumba,
Percebo que todos que estão ali
São pessoas que eu já vi morrer,
É um funeral ao contrário...
Este lugar não está dentro de mim!
Este lugar não esta destro de mim!
Agora todos sorriem,
E os pássaros voltam a cantar,
E as flores se abrem novamente,
As borboletas se transformam novamente,
A brisa volta a soprar, é um ciclo,
O amor morre de novo,
Porque a vida continua para novos amores...

tadeumemoria
Inserida por tadeumemoria

De tanto amor se fez saudade
De tanta ausência, solidão
De tanto querer, ansiedade
De tanto desejo se fez paixão

tadeumemoria
Inserida por tadeumemoria

Contatos imediatos
Fragmentado, eu canto
E sorrio, eu sou um verso
Em cada esquina das minhas emoções,
Sangria madrugada a fio,
Teus dentes me trituram
Num sorriso irônico,
Anseio a insanidade
Para te ver varrendo a lua,
Sonhar e desejar contatos imediatos
Num beco da tua rua,
Mas, o que me resta é o atlântico,
Sou pirata de barcos de papel ,
Em batalhas memoráveis
Contra um capitão gancho,
Naufrago derrotado sem nem poder dizer- te amo
Mas as esmeraldas, as pérolas esse tesouro
Teus olhos e teu sorriso
Prometem batalhas inesquecíveis
Numa aventura eterna
Por mares nunca dantes navegados...

tadeumemoria
Inserida por tadeumemoria

O mar é lindo, é do tamanho da generosidade divina é o abraço do pai em todos nós o mar é vida. É a dádiva maior do senhor diante do mar ninguém é infeliz ninguém sente dor

tadeumemoria
Inserida por tadeumemoria

Muitas lembranças e nenhuma saudade é referencia de solidão...

tadeumemoria
Inserida por tadeumemoria

SERVO
A tirania do amor me fez seu servo
Escravo da paixão e do desejo
Alimentado somente por sobejos
Pedindo um olhar , mendigando um beijo...

Sonhar, e, só sonhar é do que vivo
agarrando –me a mais ínfima da esperança
Iludido como a mais ingênua das crianças
Pra subexistir, me agarrando a qualquer motivo...

Querer-te, e, só querer-te , é minha sina
E, se existo é somente por querer-te
por querer-te perdi minhalma e o meu coração


Desejando tua presença que fascina
Desesperado por não querer perder-te
E alucinado por toda essa paixão...

tadeumemoria
Inserida por tadeumemoria

JURUNA no PLENÁRIO

O passarinho te viu tão sozinho,
Que se fosses passarinho
Jamais serias um bem-te-vi,
Tão triste, que se fosses
Rouxinol, jamais terias alpiste,
E se fosses um pardal, jamais estarias tão mal
E se fosses um canário, não sairias do armário
Se fosses corrupião, morrerias de paixão...
O passarinho te viu tão só,
Que jamais serias um curió,
Tão aflito que jamais serias um periquito
Tão jururu que, jamais ouvirias um uirapuru,
E nesse mundo de penas,
Tanta pena tenho de ti,
Que te trago do cacique, um cocar guarani,
Te trago penas de pavão,
Pra te lembrar da paixão,
Te trago tons de lilás, tons celestiais
De um mundo colorido de araras e tuiuiús
Te trago lembranças do pajé,
que cuida de bichos de pena...
De todo índio com fé...

tadeumemoria
Inserida por tadeumemoria

GARIMPEIRO
A vida é um rio,
E o poeta garimpa todo sentir,
Diamantes e esmeraldas
Seriam grandes amores,
Eu só tenho cascalhos
Numa estação de estio...

tadeumemoria
Inserida por tadeumemoria

SENTINELA
A madrilenã é uma guerreira de pele tão branca
Que me passa lembrança de outros planetas,
De estações repletas de borboletas,
De memoráveis outonos em Florianópolis,
Vejo-a com a espada incandescente,
Cavalgando às savanas, destroçando dragões e alienígenas,
Galopa num puro sangue árabe,
Enfrentando espúrios e tiranos,
Que violaram leis e mancharam de rubro de sangue,
A honra dos espanhóis...
Voa no seu cavalo com a magia dos bruxos e o poder dos deuses,
Ela é a sentinela do sistema solar,
Vigia a via láctea, protege o brilho das estrelas,
Ela mergulha no mar com seu corcel,
Conversa com o polvo e com as baleias,
Canta com as sereias,
E renova o desejo e o encanto de amar
Pra se entregar nos bosques
Ao prazer e a magia delirante de ser mulher apaixonada e frágil...

tadeumemoria
Inserida por tadeumemoria

o amor é o deus da ansiedade,
amigo da insônia e saudade...

tadeumemoria
Inserida por tadeumemoria

PARALELEPÍPEDO
Escrevo um poema num caroço de arroz,
Escrevo teu nome no meu navio de papel,
Onde navega um paralelepípedo apaixonado,
Jack sparrow e seus asseclas em busca de aventuras
E tesouros inimagináveis nalguma ilha misteriosa...

As lembranças mais doces que eu tinha,
Rimavam com jiló
Hoje sou um pirata pirado nesse mar imenso,
Nos pergaminhos das minhas saudades
Escrevo o silencio das minhas agruras,
Bando de surdos e mudos fazendo muito barulho,
Conversando sobre maremotos e temporais,
No triângulo das bermudas
Femeeiro mencionando transas’ memoráveis,
Escravos em fuga para um quilombo,
Na terra do nunca e do nada,
O meu poema no caroço de arroz,
Menciona uma noite clara,
Uma clara manhã, uma tarde clara,
Uma claridade vinda de santa clara,
Vinda de santa Clareana, com seus cabelos de fogo,
Com seus cabelos azul turquesa,
Com seus cabelos de turmalinas,
Com seus cabelos negros como a asa da graúna
E nesse oceano tem esquadras armadas,
Submarinos nucleares, cruzadores e porta-aviões,
E o meu barquinho de jornal,
Veleja incólume nessa incongruência,
Este paralelepípedo...
Esse mar imenso, piratas...

tadeumemoria
Inserida por tadeumemoria
1 compartilhamento

• TRES MESES ANTES
• Autor: Tadeu G. Memória
o Apesar do sincero arrependimento, do pedido de perdão, ficou a lembrança de sua amiga Lucila, ali com seu marido, no seu leito conjugal. Dimas, o marido, também se mostrou arrependido e pediu-lhe perdão.
o ¨ Setenta vezes sete¨, ficava tentando fazer essa conta, sem entender a parábola; sem compreender que cristo com aquilo queria dizer: perdoai infinitas vezes. Mas como, se uma única vez já parecia impossível? Na verdade dissera que perdoara, mas aquela cena não saia da sua mente: lucila sobre Dimas, subindo e descendo, ali no seu leito conjugal...
o Ali, da janela do vigésimo andar, de frente para o mar, ficava olhando a ilha, ali adiante da praia do Leblon, parecia uma aquarela, aquela vista. Se fosse uma ave, voaria para a ilha, porque, talvez só a ilha lhe compreendesse por parecer tão só como si mesma. Lá embaixo, os carros, as pessoas, tudo parecia tão pequeno, parecia um mundo de brinquedo... seríamos isso para Deus? Com quantos perdões se faz uma vida? Olhava os casais lá embaixo, imaginando quantos dramas.
• Olhou novamente a foto do seu casamento, fazia isto toda vez que estava insegura; vestido branco, véu e grinalda, quinze anos, feliz e apaixonada; evitara filhos, foi uma decisão mútua, mas agora, talvez estivesse melhor com alguém para dividir aqueles momentos: talvez este alguém desse mais sustentabilidade ao seu casamento. Reparou novamente nos aposentos como se buscasse quaisquer resquícios daquele sentimento; olhou o liquidificador, o ventilador, a cama; era a testemunha de que ela se entregara totalmente... no guarda-roupas, sua saia jeans dizendo sim pra calça dele... bonés, cuecas, calcinhas e sutiãs naquele afã de cumplicidade... resto de café no copo e migalhas de pão por sobre a mesa. Beijou seu retrato de casamento de maneira que ficasse ali a marca dos seus lábios, escreveu algo no espelho: “três meses antes...¨
• Esforçara-se para que tudo voltasse a ser como era antes. Festas, reuniões nos finais de semana entre os três, para que não ficasse nenhum constrangimento. Mas : ¨nada do que foi será do jeito que já foi um dia...¨ ficava sempre um pé atrás, uma desconfiançazinha, por mínima que fosse. Voltou novamente à janela, à aquarela que era sua vida; se fosse uma gaivota e não se sentisse tão idiota... se fosse um condor e acreditasse no amor, planaria sobre o Himalaia. Tomou uma decisão, despiu-se totalmente, soltou os cabelos longos e dourados, subiu na janela, cantarolou novamente a música do Lulu: ¨tudo passa, tudo sempre passará...¨ subitamente formou-se lá embaixo uma multidão, já se ouvia a sirene do carro de bombeiros... três meses antes sentia-se tão feliz, e, Lucila era o grande motivo da sua felicidade. À ela se entregara três meses antes... até conseguia perdoar Dimas. Mas Lucila, era uma mágoa muito mais profunda.
• Dimas ainda entrou no apartamento, mas não teve tempo de segura-la. Ela voou como uma gaivota pra ilha... ela planou como um condor sobre o Himalaia ... e como um beija-flor, ali no jardim do condomínio, ela viu a multidão ao redor do seu corpo caído, sobre uma poça de sangue, sem entender tanto estardalhaço, e, como uma ave, subiu para o infinito...

tadeumemoria
Inserida por tadeumemoria
1 compartilhamento

LOBOS

Na única doce visão que eu trago na lembrança, ela caminha numa manhã ensolarada, entre rosas, acácias e gardênias, aquela ingenuidade e castidade me seduzira, todavia, isso, foi algo que ficou bem distante, muito longe, quase inalcançável como o horizonte. Caminho hoje sob neblinas frias, ou chuvas torrenciais, sentindo a fúria desta natureza implacável e insaciável, neste inverno que habita em mim; mas só essa lembrança, essa única lembrança, acalma os lobos. Procuro ainda entender o que eu sou nessa alcatéia, o que não se perde nessa vereda, nesse labirinto, o que pode persistir em mim depois das trevas; uivar é próprio dos lobos, dos solitários, mas isso não faz de mim um lupino. Eu sei que a lua me fascina, e lá no meu intimo, lá no côncavo do meu ego, eu sou um predador, nos meus delírios crescem dentes caninos proeminentes, pelos em abundancia e um pântano com árvores altas de copas espessas, mas é um delírio ou um pesadelo, aquele adolescente ainda procura no jardim, aquela candura, a castidade entre as flores; isso é um raio de luz num horizonte cinzento, espantando esta alcatéia, este lobo; o meu temor pelo desconhecido. A luz persiste á escuridão, aliás, há um elo entre ambas, um equilíbrio, e, este equilíbrio traz o alvorecer, trazendo as luzes e campos imensos, deixando o pântano pra trás, então percebo um rio caudaloso com águas cristalinas, ali está ela, à margem do rio, agora uma mulher feita, curvas generosas, adorno à uma natureza profícua e cheia de luz. Sabemos o que queremos, caminhamos juntos, sei que nos conhecemos de outros tempos... muito antes das tranças e das flores. O silencio é cúmplice de algum enigma. Na tarde , afora o barulho da correnteza das águas e seus movimentos graciosos na praia, tudo é muito silente. Ela caminha à margem do rio, altiva como uma princesa, soberana como uma diva, depois de uma manhã cheia de êxtases e prazeres quando ela se entregou como uma loba, na casinha de palha entre os coqueirais, nas proximidades do rio... mas, agora o silencio... e, o silencio é cúmplice de algum enigma. Ela caminha soberba pela praia, imagino um rastro de sangue a cada passada sua; ela não explicou aquela cova cheia de ossos no quintal da cabana. Vejo uma alcatéia ao seu redor; acho que deveria pegar a canoa e descer o rio, aproveitar o crepúsculo e fugir; mas, longe os lobos uivam, a lua se insinua com os primeiros raios, denunciando uma lua cheia; espero, impassível, lembrando momentos de prazer durante a tarde, esqueço fêmures e crânios que eu vi na cova, esqueço evidências incontestáveis; a lua cheia desponta no horizonte com promessas de sangue e muito prazer...



L

tadeumemoria
Inserida por tadeumemoria
1 compartilhamento

somos um caminho para a vida, a morte é o atalho...

tadeumemoria
Inserida por tadeumemoria

Você nem sabe o que é solidão
Por ser assim tão bela,
Tem sempre alguém a tua disposição
Em alguma janela...

tadeumemoria
Inserida por tadeumemoria

LUAR
Esse encanto que aos apaaixonados engana,
Semeando a fantasia de uma noite eterna de amor,
Que aos poetas românticos, que juram que amam
Mas se embriagam e se esvaem na desilusão da dor,

Boêmios profanam a noite pelo vicio,
Às noites, se desintegram no brilho das estrelas,
E os vampiros, os lobisomem, os predadores,
Notívagos com a aurora se transformam em borboletas...

Nos meus desalento é contigo que eu conto,
Solitário que sou, sob a tua luz se derramam
Minhas fáceis angústias, meus raros medos...

Acreditar no amor não faz de mim um tonto
Pois os incautos e os brutos também amam
À paixão se entregam e não fazem segredos.

tadeumemoria
Inserida por tadeumemoria

TODAS AS ESTAÇÕES
Ontem nos amamos tanto
Que nem os dourados ocasos
Sobre as colinas de mesquita
tinham tanto calor...

Ontem nem as mais coloridas primaveras
De Holambra com suas flores cálidas
Jamais demonstraram tanta paixão...

Ontem nos amamos tanto,
Que nem os mais extremos
Invernos da Amazônia
Se derramaram tanto...
Ontem nem os mais profícuos
Outonos de Florianópolis
Jamais se despiram tanto...

Ontem aconteceram todas as estações...
Ribombaram todos os trovões,
Caíram todos os raios,
Despiram-se todas as árvores,
Desabrocharam-se todas as flores...
E as metamorfoses estão a acontecer...
Então por que continuas ausente...?

tadeumemoria
Inserida por tadeumemoria

PREFÊRENCIAS
Gosto muito de você...
Gosto tanto de você...
Gosto mais de você
Do que o sol se pondo...
Gosto mais de você
Do que ficar compondo...
Gosto mais de você
Do que fla x flu em decisão no maracanã
Do que das manhãs
Ensolaradas de Nova Iguaçu,
Do que sorvete de cupuaçu...
Gosto mais de você
Do que mocinha de minissaia
Gosto mais de você do que banho de praia
Gosto mais de você
Do que das lembranças de Del Castilho,
Do que do shopping lá do Iguatemi
Do que um mergulho lá no piscinão
Gosto mais de você
Do que domingo na Quinta
Do que do fantástico de antigamente
Do que da Ana Paula Padrão
Gosto mais de você
Do que doce de jaca
Do que soltar pipa
Do que lingüiça na feijoada
Gosto mais de você do que das letras do Chico
Do que dos poemas de Drummond
Do que da sensibilidade pungente de Cecília
gosto mais de você do que pensar que eu sou uma ilha...

tadeumemoria
Inserida por tadeumemoria

O prazer de querer o amor e amar o querer se equivalem como clones...

tadeumemoria
Inserida por tadeumemoria

MENSAGEM DE NATAL

Dezembro, a maior festa cristã aproxima-se e o espírito cristão aflora,
ou pelo menos deveria aflorar em nossos corações.
A paupérrima, em relação a valores materiais,
lembrança do Cristo criança ali naquele estábulo,
entre eqüinos, caprinos, bovinos, deveria servir-nos de exemplo,
que fosse uma pequena dose de humildade,
um pouquinho do gosto do desprendimento
às nossas almas tão atadas aos faustos prazeres e valores fajutos.
Que a luz do santo espírito que Luzia nas pupilas daquele recém nascido,
luzisse ao menos por um átimo
nos lustres luxuosos dos palácios dos nossos líderes
para iluminá-los para leis mais justas e medidas amplas
que varressem toda a espécie de injustiça do nosso tão carente quadro social.
Que entre um aperitivo e outro da nossa burguesia,
ficasse um pouquinho do intragável amargor da miséria do nosso semelhante
para ter-se um mínimo de noção do quão deprimente
é a angústia da criminalidade, da prostituição infantil e da fome.
E assim, mesmo que laconicamente, tivéssemos pelo menos por instantes no natal
a vaga ilusão de que um dia aquela criança
não fora sacrificada pela nossa mesquinhez...

tadeumemoria
2 compartilhamentos

claro que a beleza não é fundamental

tadeumemoria
Inserida por tadeumemoria

jesus cristo tinha multidões a segui-lo e ninguém para acompanhá-lo...

tadeumemoria
2 compartilhamentos