Coleção pessoal de tadeumemoria

1 - 20 do total de 697 pensamentos na coleção de tadeumemoria

VERDE OU AZUL
Ainda acontece como se minha alma
afugentasse a calma...
Já adolesci faz tempo, faz tanto tempo
Que as tardes agora ardem de saudade
De algo que agora caminha nesse teu caminhar...
Quero entender toda a magia do verde ou azul
Que agora abriga a minha alma...
Sabe o que é ser tão triste, tão triste,
Profundamente triste de felicidade...
Ainda acontece caminhar sobre as águas...
Esta coisa divina me leva
Como se todas as coisas fossem novas,
Como se paixão fosse novidade
Fico na expectativa de que todos os dias sejam sábados
De que o céu tenha esse azul ou o mar tenha esse verde
E o que se perde entre o olhar e o sentir vire encanto
Sonho que todos os dias sejam sábados
E que todos os sábados sejam assim,
Mágicos, verdes ou azuis eu não sei...
Ou não tenho certeza mas hoje é sexta feira
E amanhã já é sábado de novo...

tadeumemoria

DEZ OLINDAS
se ela não fosse bonita
com a beleza que eu vejo
ela já era linda

mas ela era bonita
com a beleza que eu penso
e a beleza que eu penso,
penso mais que dez Olindas

tinha todos os deslimites
que a beleza do mar
tinha a imensidão do sonho
e o sonho imenso de amar

tadeumemoria
1 compartilhamento

O sempre é o atar o tempo aos nossos sentimentos

tadeumemoria
1 compartilhamento

TINO NORDESTINO

Se tudo se perde na cinza com o tempo

E no crepúsculo apagam-se todos os momentos

Se verde eu me prendo nesse fruto,

Essa cica de um azedo absoluto,

A alma seca de tempos de estio

O coração árido e vazio

Nossas essências vagam entre os fantasmas

Que gemem no crepitar da caatinga

O vento alimenta a ilusão de mudanças

Como se ainda fôssemos crianças

E na sede, na fome nesse destino

Nessa eternidade sem tino

Que seca açudes, que racha a terra, que mata o gado,

Não passamos de meninos...

tadeumemoria
1 compartilhamento

ALGO NOVO
Eu queria te dizer alguma coisa nova...
Mas parece que tudo já foi dito;
Inédito mesmo só o que deixamos de viver...
Então eu digo: desculpe-me por tudo o que fiz,
Eu já me perdoei pelo o que não fiz...
Corriqueiro, sempre digo:
Me arrependo mais pelo que deixei de fazer;
E não são raras as vezes que eu questiono
Meu Deus, o mundo ainda não acabou!...
O mundo ainda não acabou. Somos sobreviventes...
Vencemos o tempo; o tempo de todas as coisas,
O tempo de olhar os horizontes... de observarmos os pássaros,
De ouvirmos a brisa...
Perdoa por tudo o que fiz eu já me perdoei pelo que não fiz...
Isso clareou meus cabelos, riscou meu rosto
E as noites são longas, perdidas nos abraços
Que deixamos de dar...
Em tudo o que deixamos de entender...
Mas isso já foi dito; eu queria te dizer algo novo...
mas alguma coisa esmaga o silêncio...
Uma verdade pesada, numa manhã luminosa,
Uma luz intensa... que não cabem nas palavras...

tadeumemoria
1 compartilhamento

O que se perder pelo caminho

Sem o consolo de um carinho

E as lembranças dos dias de glória,

A parte mais triste do que fomos,

A quantia mais ínfima do que somamos

Subtraída de nossas memorias

Ah, o amor cobra à juros todo zelo,

Eu velo todo silencio de amar

Sou feliz nesse vazio e oco no seu sonhar

tadeumemoria
1 compartilhamento

São felizes, são tão felizes
sem nenhuma noção do que é felicidade
são felizes com toda força de suas imbecilidades
afinal se você não conhece o paraíso
torna-se fácil ser feliz em Paris
e eles são felizes porque são imbecis

tadeumemoria
1 compartilhamento

Não posso imaginar que num mundo conturbado por drogas prostitução e violência alguém tenha paz de espírito.

Tadeumemoria
1 compartilhamento

Ante a solidão dos deuses

E o cintilar das estrelas,

Ante o fascínio das donzelas

E a brisa vespertina,

Ante o jogo de rima dos sonetos

E a droga que marca profundo os guetos

Ante as dores dos mártires

E o prazer dos ímpios,

Ante a leveza insana do absurdo

E a agrura inquietante da lógica

Surge um ponto em comum

Onde se sustenta a filosofia

tadeumemoria
1 compartilhamento

Se algum dia eu sonhar com algo que não for poesia....
Se algum dia os desencantos não me encantarem...

tadeumemoria
1 compartilhamento

A coisa mais bonita do mundo dá uma ansiedade,

Quando não acontece dá uma saudade

Então eu penso que o mundo dá tantas voltas...

E eu não mudo... já ficou tarde e eu ainda penso em você

Uma canção de longe quando amar não era brega

Me devolve momentos bonitos,

Agora eu fico aflito e tenho que obedecer regras

Mas nada impede que eu sonhe e acredite no verso

O amor é sem dúvida todo esse universo

tadeumemoria
1 compartilhamento

Eu sempre quis de ti o que era fugidia

O que era fugaz, o que era quase ou por um triz
A loucura da procura, a aventura da caça;
Eu sou um predador...
O difícil de querer me seduzia,
Mas quando eu via e pegava,
Desacelerava, morria o interesse da caçada;
O prazer se reduzia a quase nada...
Acho que amo os desencantos
Eu não queria ser assim...

Se algum dia eu sonhar com algo que não for poesia,
Se algum dia os desencantos não me encantarem,
Talvez eu esteja preso
Entre tuas pernas e os teus braços
No abraço do poema do prazer,

Como se a vida fosse alguns gemidos de paixão ou de amor
Mas a vida é uma selva e eu sou um predador

tadeumemoria
1 compartilhamento

O que não for verdade vai a lua...
verdade cabe num cubículo
mas a mentira é um monstro infinito...

tadeumemoria
1 compartilhamento

FILHO DO SILÊNCIO

filho do silencio, eu e escutei cantigas antigas

que a ternura doce e materna soprava na brisa;

tinha a beleza de tudo que a infância embeleza,

a beleza do que não é belo, mas embeleza o espírito,

a beleza porque tudo é novo quando se é criança...

e tudo é paixão quando se tem espaço no coração;

guardei sorrisos, olhares, palavras,

alguém que passava mas deixava o perfume,

alguém que falava ou balançava os quadris,

alguém que só existisse na minha imaginação;

que contemplasse o que tivesse movimento, aroma e luz,

armazenei colinas e silhuetas, o que cintilasse, o que gorjeiasse,

o que sorrisse, o que vibrasse, o que silenciasse;

porque às vezes silenciamos para as coisas que partem

ou para o que não temos explicação

e assim eu me tornei filho do silêncio

quando silenciei pro meu pai, pra minha mãe,

pra todas as despedidas, pra tudo o que partia,

pra tudo o que se partia

e me transformei em órfão dos sonhos, das promessas, dos ideais...

tadeumemoria
1 compartilhamento
Tags: tadeumemoria

Então a mãe chegou para o filho adolescente, visivelmente drogado e aconselhou:
-meu filho, você já tem dezessete anos,
porque você não arranja uma namoradinha de quem você goste
e que também goste de você
e pense num futuro de construir um lar; pare com esse negócio de usar drogas!
Então o filho respondeu:
-Aos quinze anos eu ainda pensava assim mãe;
mas então começaram as bebedeiras,
brigas e seguidas traições entre a senhora e o pai;
naquele tempo eu ainda usava drogas, mas então vocês se separaram...
agora a droga que me usa...

tadeumemoria
1 compartilhamento

Para os insensíveis a poesia é muda...

tadeumemoria
1 compartilhamento

OUTONOS


Às vezes o amor parece belo
Às vezes é um elo com a dor
Às vezes tudo perece
E fica só uma flor
Marcando juras de um amor eterno
Presa entre as páginas
De um caderno perdendo a cor

Às vezes nada disso acontece
E a noite fica vazia

Às frases bonitas se calam
Se perdem na monotonia


Então os poemas não acontecem
As canções se perdem na nostalgia

As flores murcham entre espinhos

Nos outonos das nossas utopias

tadeumemoria
2 compartilhamentos

TEMPO

O tempo já levou o meu olhar faz tempo...

Faz tempo que eu olhava o tempo

Com a esperança vã de um dia em algum tempo

Que essa coisa toda que envolve a gente...

Nem sei se é assim...

Mas pelo menos em mim, faz tempo...

Sempre quis entender, mas essas coisas do coração...

O tempo foi passando e passou o tempo do entendimento

Agora eu só percebo que o silencio

Vai além do que comove e o que se locomove

Rodopia com a poeira dos meus pensamentos...

Eu sei que vou sonhar ainda até que entenda

Que o tempo já levou o meu olhar faz tempo

Faz tempo que eu tento entender o que se passa

E não passa este acreditar no amor,

Esse ter fé e esperar nos meus pressentimentos

Faz tempo que eu olhava o tempo,

Faz tanto tempo... tanto tempo, que naquele instante

Que ainda não era o nosso tempo e as nossas mãos

Se uniam a tecer a eternidade

E éramos deuses de todos os momentos

Que nem percebemos o galopar veloz

Desse corcel indomável que se chama tempo

tadeumemoria
1 compartilhamento
Tags: tadeumemoria

MEMORIAS DE UM FANTASMA

Foi como desligar uma televisão, apagar uma lâmpada,desconectar algum aparelho. Então quando eu abri os olhos, ainda ecoavam as palavras, alguém sussurrava alguma coisa, muitos falavam ao mesmo tempo; todos penalizados. No entanto, então diante de mim uma paisagem esplêndida de um rio caudaloso, uma brisa silenciosa numa tarde tranquila. Depois vieram as lembranças daquele sorriso que embalou toda a minha existência; a minha infância, a adolescência, a igreja enfeitada, todos os parentes e entes queridos; todos os votos de felicidade até o capotamento na estrada: foi a desconexão. Porém diante de mim todo aquele relevo, o rio, toda aquela luz silenciosa e tranquila quebrada apenas pelos passos e os risos de Bem-te-vi que corria ao encalço de uma linda borboleta azul; ele me contou que Denise nada sofrera, Catarina nasceria saudável; foi só um susto. No crepúsculo seguinte fui ao outro lado do rio, era um lugar sombrio e havia um elo com o material; alguém acompanhava sempre alguém como se não entendesse o que se passara. Denise estivera no médico e pude entender que em alguns dias nasceria Catarina; eu podia ver, era uma imagem embaçada, mas eu percebia tudo, tentei me comunicar, mas não era ouvido nem percebido por ninguém. Fiquei por algum tempo ali, até que Bem-te-vi surgiu na minha frente e me conduziu de volta ao relevo. Os dias que se seguiram foram de uma ansiedade impar pelo possível nascimento de Catarina; dia 27 de setembro era o aniversário de Denise e provavelmente fosse programado para que nesse dia acontecesse o nascimento, o que aconteceria no próximo sábado . Bem-te-vi com sua roupa amarela fazia umas piruetas numa brincadeira ingênua com os insetos e os pássaros, entre as árvores do vale, sua imagem me faz lembrar de mim mesmo na minha adolescência, com a diferença que ele pode flutuar. Além de bem-te-vi, tinha outros, todos com aparência de adolescentes e roupas, provavelmente de cetim, de tonalidades claras e que também atendiam pelo nome de pássaros: campina, pintassilgo, curió, cardeal; cada um desses guardava alguém. O rio representava a vida; os seus dois lados; Bem-te-vi já tinha me dito isso, mas não me respondeu onde desembocava aquele rio.

Era o aniversário de Denise e Deus lhe presenteou com uma menininha que mamava com a volúpia de quem tinha muitos anos pela frente, tinha os cabelos negríssimos como os do pai e recebera o nome de Roberta, e não mais catarina, em homenagem a mim. Denise tinha os olhos brilhantes de felicidade e por alguns momentos acho que ela percebeu a minha presença; alguém lhe deu as flores que eu lhe daria, era um amigo do cartório onde trabalhavam; acho que Denise merecia ser feliz, afinal, a Vida continua.

Nunca mais me foi permitido atravessar o rio, mas sei que Denise frequenta uma igreja e Roberta já é uma mocinha; Bem-te-vi soube através de um tal de Serafim. Estamos agora numa parte bem alta da montanha; dia desses Bem-te-vi me empurrou lá de cima, foi maravilhoso... eu ainda não sabia, mas assim descobri que podia flutuar...

tadeumemoria
1 compartilhamento
Tags: tadeumemoria

A vida e uma estrada a morte e o atalho

Tadeumemoria
1 compartilhamento