Naeno Rocha

226 - 250 do total de 424 pensamentos de Naeno Rocha

DEUS

Deus o ser invisível que se põe entre nós e os nossos olhos
Uma nascente borbulhante que levanta a areia da profundidade
Um silêncio que se ouve com a quietude do coração
Olhos atentos que nos conta um a um na escuridão
Que a todos se revela pela bonificação de acréscimo do seu amor
Um rebento que chora ao ver-Se sair de suas próprias entranhas
E que em nós se acomoda calmamente,
Dos mesmos hábitos os quais já fazemos costumeiros.
Deus que se perpetua a cada momento, desses momentos começos,
E que não se finda, mas que se renova todos os dias, nas manhãs
Que ele mesmo traz com o zelo por haver criado.
Deus que na sua magnitude, infinitude, criou um fim imprevisível,
Que a nenhum cabe conhecer. Só o começo, só o meio
Porque o fim, disto de Deus, foi criar-nos uma perfeita obra
Na complexidade de seres humanos. Amados pro Ele incondicional.
Deus, que viver não é morrer, mas consubstanciar-se Nele,
E de uma entrega, quase sempre dificultosa, por não sermos da sua mesma matéria.
Relutamos às vezes acreditar Nele
Que vemos, sem precisar dormir para sonhar.
Porque Deus
Não é sonho que se conte. E se alguém pensou assim.
Verdadeiramente O viu, e em vendo-O, voltou confuso
Da procura, que pode ser longa, demorada e curta.
Deus é ou deve ser assim:
Um presente que se abre todos dias e não se amontoa
Sobre nossa cama, porque a cada dia só temos um, o mesmo.
O Deus inigualável, o Deus inavaliável, o Deus que se dá mais.
Muito mais, distando consideravelmente, do que recebe de nós.

Naeno Rocha
Inserida por naenorocha
1 compartilhamento

" O sofrer de amor é o da dor mais profunda, e nem toda chaga que existe no mundo, faz tantos olhos chorarem e tantos penares. Ó meu amor nunca queira me amar como eu. Ó meu amor nunca queira me amar como eu te amo. "

Naeno Rocha
Inserida por naenorocha
1 compartilhamento

PARA ELLIS

Naquela manhã
O sol banhou teu corpo impune
Só pra depois fugir de ti
E te levar pra longe
Sem revolver, e a nós
Deixar sem voz.
Naquela manhã
Eu pressenti o tempo escuro
Do litoral ao centro do Brasil
Eu acordei inquieto
Com aquela música me perseguindo perto.
E eu senti que era noite no meu coração
Eu senti que findava em ti a paixão.
Naquela manhã.

Naeno Rocha
Inserida por naenorocha
1 compartilhamento

GINA

Ela é de uma pequenez
No seu tamanho chinês...
Mas bem de perto
Quando se mostra
Sua sombra vai às costaneiras,
Se curva nas ribanceiras,
Até chegar no luar.

Ela é de uma timidez
Com sua voz de escassez
Mas quando ela fala
Enche-se o mundo de música...
E quando sussurra no meu ouvido
Já tenho me recaído.

A mulher única, é como ela
E todas são tão iguais...
Mas é do mais
Que ela tem,
Do tanto que ela faz.
E é de tudo, que existe
Dentro de um átomo.

Mas não me iludo.
Todos têm suas miragens!
E não sou surdo
Nem calo de afonia.
Seguramente sei distinguir
A fruta doce
O fruto travo

Naeno Rocha
Inserida por naenorocha
1 compartilhamento

CORTINAS

A manhã eleva os cantos
No teu ventre, jogo flores.
Ante às cortinas de branco armadas.
Há lugares pelos caminhos
Onde se pode te esperar.
Fala-me o vento das matas
Dizendo-me que vais passar por ali.
Nas alturas se agitam ramagens
Flutua os teus lençóis cuidados,
Descobri-te há pouco, aqui.
Floram rapidamente os arvoredos
Frutifica-se em campanha, caem.
Fruto nas tuas mãos dispersas.
Surgem doces em tua boca
Teu riso da cor das nuvens
Largastes distante o tamanho.
Acatas todo o silêncio áureo
Da hora mais bela do dia.

Confundes-te com as nascentes da estrada
Declinas no empate das águas,
Conversa tempos com as nebulosas
Te entretes com o curió da mata.

Deus fez um conserto
Nas estradas pra tu andares
E ele ainda insiste fazendo.
A manhã derrama flores
No teu ventre cantam pássaros
Ante as cortinas amareladas.

Naeno Rocha
Inserida por naenorocha
1 compartilhamento

CORAÇÃO

Calma coração,
O pulo é mais pra esquerda
Pra onde o caminho estreita
E o sangue passa, entupido.

Veio de sonhar agora?
Deu para acordar mais tarde?
Ah coração retarda
A correria dessa gente
De todos os teus afluentes.
Contém-me na minha lucidez
Deixa-me inteiro e louco
E apeia de mim, me deixa.
Pois quanto mais eu rezo
Mais me despeço
Das lembranças boas.
E como escolha catada
Vou me lançando fora
Do prato, da boca audaz
Oh coração, me renega
Adianta-te aos da frente
Deixa-me ficar pra traz.

Naeno Rocha
Inserida por naenorocha
1 compartilhamento

POETAS

- Lanço o meu olhar, só quem que diz
Ouvir não é a mesma coisa que ver -
Sou mais amplo que a superfície do mar
Um irrequieto menino que dá conta da terra
E de um abraço envolvo o céu em meus braços
O meu pensamento tem vida, se mexem.
E recrio o mundo na minha livre vontade
Por mim é que brotam as sementes na terra
E se movem os peixes sob as águas,
O sol me aquece, em cortesia, por primeiro.
E amo, vivo, ando e passo
Para fazer como todos
A transubstanciação dos elementos de parte
Na unificação do espírito
Lá de onde vim, para onde vou.
Transpasso com facilidade os anjos divinos,
Dou a volta e ponho o dedo em cada anel de Saturno
Recebo o talismã da Rainha,
E beijo a linda dançarina do mar.
Até que diminuído em forças entrei num ônibus
Sentei-me perto de um menino triste,
Que tinha o rosto marcado de uma cicatriz.
E de uma senhora gorda com um guizo no pescoço.
O mundo irá e eu permanecerei
Os poetas mal começaram a falar
E mostrarem poesias.
O mundo ainda conta com a chegada do amor
Nesta noite prevê-se o fim das serenatas e da tristeza
A poesia é interminável, não acaba mais
Quantos homens chegam e vão cortejados
Com uma bandeira como lençol
Poetas existem em quantidade insuficiente.

Naeno Rocha
Inserida por naenorocha
1 compartilhamento

PARA JOSÉ ALMADA

O poeta escrevia e refreava a inquietude
Para observar de uma posição doçura
Se o que havia feito eram versos ou pinturas.
O poeta catava das rosas o seu cheiro e ficava em êxtase,
Tirava das pétalas mais envelhecidas
Aquelas que fazem sombra ao galho
Suas tintas matizadas,
E aí compunha o resto do poema,
E sua escrita invariavelmente,
Era um contraponto no último nó
Na boca dos proclames das diferenças
Dos que contava nos dedos,
Proletário, bóia fria, indigente,
Negro alforriado, corações aperreados
Dos que têm sede, como ele sentia. Gente.
E por vê-los gente
E só ele os via no dia e na noite,
Não largava a tinteira,
E com os dedos borrados de cores que não mais se distinguia,
De que rosa tritura foram extraídos,
Ele, almado, talvez o que mais expusesse a sua,
Lançava pela janela papéis com inícios malogrados,
Tintas com os tons mais misturados.
E lágrimas, vertidas da nascente de sua alma.

Naeno Rocha
Inserida por naenorocha
1 compartilhamento

PEDRAS

Embaixo das frondosas
Nascidas de sementes
Que eram pedras
E por serem pedras, já cansadas
Viraram sementes gordas.
Por conta delas pariram
As árvores e as sombras
Onde descansa o luar.
Podíeis dizer é um sonho
Um surto de uma doença
Quando eu digo do que vi:
Uma estrela descer só
Pousar numa dessas árvores
E ficar ficar um dia e meio
E começou a solfejar.
Virou um pássaro branco
E toda noite vem dormir
Nas folhas petrificadas,
Das mangueiras sombreiras
Que diferentes de todas,
Dos campos próximos dali,
Elas nascem e crescem assim, pedras
E de pedras são seus frutos
Suas folhas verdes, a sua flora no verão.
Pra quem duvida da estrela passarinho,
Tire uma noite vigilante de lá,
Também as frondosas mangueiras,
Estão lá de fronteira,
Com o que há e o que vai existir.

Naeno Rocha
Inserida por naenorocha
1 compartilhamento

O QUE FAZER

Amo-te muito, com suspiros de dor,
Quando me vem a tua imagem nos olhos
Quando me isolo com o teu rosto,
Vejo nele um tormento,
Do teu olhar insinuado.
Ofendido estou em teu rosto
Sob o teu amor suposto,
Os sinais de malícia marcados.
Amo-te e não é por gosto,
E ao ressurgir teu rosto,
Minha alegria é todo desgosto.
Quando o teu rosto revejo,
É como me ver morrer,
Amando-te no último arquejo.
È melancólico ver no teu rosto
Como terreno em braseiros,
Sobre, pairando, o deslize.

A agonia dos meus olhos
Em oposto ao um bem mirar,
O que renasce em abrolhos,
Teu rosto nem quero olhar.

Naeno Rocha
Inserida por naenorocha
1 compartilhamento

PLANO
Lego a quem quiser seja
A quem deseje, a quem sirva, a quem goste,
O desafio de reconstruir o mundo,
E fazê-lo novo.
Meu compromisso, o mínimo
Que inda posso fazer
É ser mais um operário
É ajudar acabar com este escuro
Onde displicentemente me lançou a
Senhora minha mãe.
Existem algumas maneiras de acabar com a escuridão
Uma é destronar-lhe ostensivamente
A outra é fazer até o requinte,
Transgredindo as regras do jogo.
Outra maneira é aumentar a escuridão fazendo mais filhos
Educando-os e ensinando-os,
Higienicamente a fazer outros filhos.
Ir à missa todos os domingos
E contribuir para as obras da paróquia.
Ou criar mais um jornal,
Mais um partido, mais um grupo de estudos,
Mas uma conspiração militar.

Naeno Rocha
Inserida por naenorocha
1 compartilhamento

MUNDO

Desde criança, ainda pequeno,
O meu desejo era ganhar o mundo,
Não em partes de latifúndio,
Mas por todo ele palmilhar,
Botá-lo por entre as pernas,
Varar seus veios, caminhos,
E assim seguir, indo, indo.
Queria me deparar
Com as diferenças previstas,
Um mundo todo à minha vista,
De ele todo me aproximar.
Carregando em meus bornais,
O pó fecundo das estradas,
Imagens de novas pessoas,
E assim seguir à toa,
Sabedor que o mundo foi,
E sempre será como é,
De Deus, de nenhum homem,
Quem só tem direito ao nome,
E não o pode demarcar,
Assim julgava eu,
Um dia me prolongar,
Nos retos estreitos e ir,
Voltar só quando bem cansado,
Das aventuras tresloucadas.

Naeno Rocha
Inserida por naenorocha
1 compartilhamento

AUSÊNCIA

Eu julgava ser a ausência
Uma divisão dolorosa do corpo,
Ou coisa sentida como prenúncio de morte,
Um buraco negro, sem fim sob meus pés.
Depois vi que a ausência
É uma companhia necessária,
Comigo, inteiro em dois, ela permanece,
A provar minha sanidade,
A dar-me os sentidos que não sabia,
A cativar-me como a melhor amiga.
E me acostumei com ela, tanto,
Que tanto faz o burburinho das ruas,
Ou o balbuciar risonho de um amor,
Colado aos meus ouvidos,
Que dou mais atenção a ausência.
Com ela a cadência do passo é mais livre,
A gente estanca, e abraça como quer,
Livre das dores que traz o abraço,
Distante dos olhares obrigatórios,
Que a companhia exige.
Alforriada dos escândalos
Quando queremos liberdade.
Hoje eu eu a ausência somos ímpares,
Um que se sente só mas seguro
Pelas duas mãos ocupadas,
Outro que se sente acompanhado,
Por um coração, guardado.

Naeno Rocha
Inserida por naenorocha
1 compartilhamento

VIDA

Sou um vazio tão imenso e fundo
Que tudo que me ponho vira vazio,
Uma casa desalojada
Que o número ostenta,
Um atrativo à vida, que nela entre,
E constate o seu vazio, vazio,
Nada ficou a não ser seu nome,
Sua essência, casa.
De tijolos, telhas, e tinta.

Naeno Rocha
Inserida por naenorocha
1 compartilhamento

EU E MEU PAI

Quando perdi meu pai
Foi como perder o meu lugar
On ele estava eu estava
Cavei com Ele covas no campo.
Selei cavalo, amansei burro
Queimei monturos
Pra outro fazer no lugar.
Fiz a escolha por ele como Pai.
Herói foi só uma tendência minha
A admirar tudo o que Ele fez
Um homem, não um aprendiz, de brincadeiras.
Quando deixei de ver meu Pai
Passei a enxergá-lo muito mais
Hoje tudo o que faço e sinto
Está ele a dizer baixinho:
- Quê que é isso rapaz,
E se a vida pensa que O me tirou,
Errou mais uma vez, comigo,
Ela O me deixou.
E mais íntimo, mais cauteloso,
Uma fala que escuto, um coração que perscruto,
E amo, amo demais, essa solidão do meu Pai.

Naeno Rocha
Inserida por naenorocha
1 compartilhamento

DESPRAZER

Alguém me ofereceu pela internet
Uma menina para que eu adotasse
De cara, fui com a cara dela.
Mas quando ela mostrou o rosto sem riso
E repetir o gesto, parecer domável
Uma menina, um passarinho amável
Que ainda tinha jeito e o mundo sabe
Que é mais fácil destruir, que ver construir,
Alguém assim tão belo.
Fiquei tendencioso a adotar aquela abelha
Que já adoçava, mel, seu nome era Izabel.
E depois de correr mundo gravar sites
Apagar os pretendentes, que eram tantos
Vi que aquele anjo, não era Izabel,
Também não era o diabo que se pinta
Era uma ninfa, só pra uma fodinha.
Em que mundo estamos, onde a beleza se estranha
Quando muda o papel deixa de ser a Isabel,
Pra ser uma babel, produto que se oferece no vento.
Meu Deus do Céu seja da Terra,
Que aqui que as coisas fervem, em alta compressão
Que ninguém põe a mão, por um irmão.
.

Naeno Rocha
Inserida por naenorocha
1 compartilhamento

QUEM TEM BOCA

Dizem de jeitos que sou
Falam misérias de mim
Que nunca vou ter um amor
Que em tudo eu sou assim

Caso sem jeito, anormal
Que eu ando mal e tão só
Que vou ser sempre abissal.
Que o que quero no momento

É inoportuno eu ganhar
Me citam inciso sem fim
Falam de mim porque gostam
Me dão só meio de mim

O bem que eu tenho nem notam
Será porque eu vivo assim
Interessado por mim
Sei que falam mais de mim.

Naeno Rocha
Inserida por naenorocha
1 compartilhamento

FÁCIL

Sou fácil de ser encontrado
Todos os dias eu me encontro com todo mundo.
E demoro em cada estação marcada
Como um trem de carga pesada
Deixando ali metade do que me exede.
Sou alvo fácil das frutas,
Dos dejetos dos passarinhos
Pois sob toda árvore me encosto
E ali faço meus votos diários.
Amo mas não me prende ninguém
Assim da mesma forma
Que seguro um fardo e converso
O dia todo sem perceber
Que perdi a hora de quase tudo,
Que aonde eu cheguei e estava claro
Agora está escuro,
Eu saio, dizendo e não, adeus,
Beijando e não tocando boca
Por algumas poucas vezes.
Mas mesmo assim,
Querendo ser um esquisito,
Só que nada premedito,
Eu sinto gosto na boca que beijei,
Eu sinto fogo no ventre que encostei,
Eu sinto a batedeira do meu coração,
Sou fácil de ser alvejado,
Em qualquer esquina
Ali faço uma mesa e várias cadeiras,
E lá me encosto em mim,
E encontro
O homem sem amor,
O ente sofredor.
Porque amar, além do sofrimento volátil
Tem as dores de dentro da gente,
Uma queimação, um desconjunto nos ossos,
Uma vontade de aos primeiros olhos,
Sair seguindo o rumo deles.

Naeno Rocha
Inserida por naenorocha
1 compartilhamento

FIRMAMENTO

Um dia eu descobri
Que lua é um espelho
E sua luz que veste as noites
De brancura e de saudades
É luz que o sol lhe dá em cortesia.
Quando ela lhe assedia
E lhe mostra sua face esguia
Nas horas do arrebol.

E que nenhum dos dois caminha,
Quem se movimenta é a gente
Que quem os procura é a terra
Em rodopios de fruta na água
E por isso lhes vemos rodar.
Por isso esse encantamento
Que a gente tem pelos astros,
Descompensados, olhamos suas danças.
Que quando, mesmo dormindo
Estamos andando, sem ver
E somos nós só,
Quem sós, que cansamos.

Naeno Rocha
Inserida por naenorocha
1 compartilhamento

O TEMPO DE AMAR

O tempo é próprio dos que amam profundamente,
Olhos e nós são espalhados pelo vento.
Chove muito e o tempo é bom para os que plantam.
O tempo assim, arremete o amor a outros tempos
Em que as tardes eram de gemidos e caras sorridentes.
Vai o dia e fica o tempo propício
Para os que têm no amor um vício.
Para os que vêem nos leitos precipícios.
E cai à toa, a loa é boa, sulcaram a terra
Erraram o ventre, a força da mente materializou
O amor que se quer, o amor que vier.
O tempo de hoje é propício à jogatina
Alguém olha nos olhos e se declina,
Até à boca, que se molha nas verdades.
Que amar é bom, que todo mundo sabe,
Que amar é tom de céu todo azulado;
Vai o tempo e fica o dia na metade,
E todo o dia foi por nós bem demarcado,
Manhã o sol clareei, tarde o amor melhorei,
De noite perdi-me contando estrelas
E olhos que brilhavam do mesmo tanto.
O mundo contempla o tempo, que há em todo lugar.
Nos pés de quem fareja uma perna e meia
Nas mãos de quem segura seu coração.
Para os que vêem nos olhos luzes,
Seguram a claridade e se dão na boca
Regujitos das entranhas expostas,
Amor que não vê pelas costas, e não se despede,
Prefere andar, montar o próprio nome,
E amar, montar o diagrama, se enclausurar
Aonde for bom, o tempo é todo para se amar.

Naeno Rocha
Inserida por naenorocha
1 compartilhamento

MÃOS DE DEUS

Mãos de Deus dentro das águas.
Apurando cores, entre o céu e o mar
O Criador vai contornando
O tom da tinta original.
Ai, quanta tristeza
Ver que o futuro é só isso,
Os homens arrendando, descolorindo
Deus consertando, de novo.
Mãos de Deus dentro das matas
Replantando, o igual
Um verde que nunca conhecemos
De outras cores pontilhados.
Ai, que amargura
Viver a vida no futuro.
Coaxando numa lagoa,
Teremos nos atrevido mais.
Mãos de Deus do azul do céu
Michelangelo refazendo
O que terminou por contestar,
De azul e branco retocados.

Naeno Rocha
Inserida por naenorocha
1 compartilhamento

INDIFERENTE

É indiferente o pensamento
Ao que ferve em sentimento
Parar a sofrer
Dores do inconsciente
Chora, acalma o momento
Dói
Tudo é um só tormento
Amar, viver, por descontento
O amor em tudo dói
Chora dores até ficar dormente
O sono vir e o sonhar intente
Novamente o choro
O amor em tudo acorda
Não dorme profundo
Dorme na pele
Dorme no esconderijo calado
O amor em tudo implora
Contra as referência do tempo fundo
O pensamento todo é de lembrança
O sentimento é todo de desesperança.

Naeno Rocha
Inserida por naenorocha
1 compartilhamento

ABRAÇO

Ainda não é noite
Mas já sumiram os entes
E o que adianta agora
Horas mais pra frente.

O amor chegou no tempo esperado
E a noite agora já tem mandatário
Veio o mais tarde possível de tudo
Um esguio rei um débil solitário.

Grito o teu nome mas a noite turva
Além dos olhos os esforços aéreos
Ninguém, se quer, tem de mostrar ternura
Que reclame a si a posse do império.

Laço, o meu anjo sem asas
Sem sentimento porque tudo foi
De a namorada elevar-se o abraço
Se dá num gesto que ninguém propôs.

Naeno Rocha
Inserida por naenorocha
1 compartilhamento

DESENCONTRO

Às vezes olho para mim e não me vejo.
É comum eu me deixar por onde estive
E voltar pra me trazer e não percebo
Que ainda estou andando como se vive.

Acontece até de me afeiçoar
Por argumentos soltos eu me escoltar
Da companhia boa de quem me cobiçar
Da presença doce de um bem beijar.

Tomo em conta direções contrárias
Nas investidas tolas de partir e vir
Contrafazendo minha falta etária
Isto me faz um bem sentir e rir.

Onde anda o homem que esteve aqui
E suas invenções expostas na calçada
Antes do meu olhar sentir, fingir
Um gesto néscio intento impensado.

Naeno Rocha
Inserida por naenorocha
1 compartilhamento

TRATADO

A quem pertencem as águas
Das outras ondas dos mares frontais
Houve uma alma que a pacificou
Nas bravuras de tudo e mais.

Recordo o rei e seu cavalo castanho
Andar por cima das águas num milagre
Mas antes Cristo já sabia o tamanho
Do pecado de quem se sabe náufrago.

Beijado o dorso pela areia grossa
Imposta a pena das águas torrentes
Quando ordenar, alguém decerto possa
Tomar de seu os peixes doentes.

Naeno Rocha
Inserida por naenorocha
1 compartilhamento