Naeno Rocha

126 - 150 do total de 424 pensamentos de Naeno Rocha

LINDEZA

A vida é bonita
E é luminosa a rosa no seu cheiro e sua cor.
A borboleta é estrema
É de uma boniteza a mata
No dia entardecedor.
É lindo o amor demonstrado, puro
Como são belos os olhos que o constata perto.
É pulcro o nascer de cada estrela
E é esplendoroso quando chove serenoso.

É bonita a naturalidade de uma mulher
O que se põe num pedestal sob sua medida
E é linda a ave cantando na copa da árvore.
Como são lindos os africanos na sua cor noturna
Envolta de vestes vestes estampadas
da mesma beleza ver-se o ocidental sobre seus saltos altos.

É de encher os olhos uma criança nascendo
É de merejar os olhos o rosto da mãe, preparada para amar.
É notável o verde de quem os olhos se enchem da mesma cor
A relva naturalmente exalada verde
E é abissal a beleza dos animais quietos pastando.

É bonita a consistência da força de Deus,
Como são lindos os seus anjos benfazejos.
É bonito se olhar a fundo, que em tudo tem beleza
E a lindeza está em se olhar e ver tudo bonito.

E bonito tudo
Como é lindo o nada em seu momento
Porque dele tudo é originado.
É bonito o cheio
E o vazio explícito, depósito de algo bom
É bonita a pureza com que falam os homens, dizendo a verdade,.
E é linda a verdae esclarecedora do homem íntegro.

É bonito o terço
É linda a ladainha
E é lindo o sermão do padre versando Deus.

Naeno Rocha
Inserida por naenorocha
1 compartilhamento

MEU PEDRO

Meu filho

Pedro, naturalmente tu nascestes lindo
Principalmente
Os teus olhinhos rindo
Pedro, tu ris quando choras.

São tuas a fauna e a flora brasileira
Deus te deixou este legado inteiro.
Da mata em canto os pássaros trigueiros.

Ele espera agora que inventes a paz
Ninguém mais sabe, e os que tentaram jazem.
Mas tens de sobra, amor, vontade, faz.

Está escrito que seria mesmo tu este menino
Que criaria os versos e as rimas
Tocar as alma com este cavaquinho
Feitos por mim, bom só um sonhador.

Naeno Rocha
Inserida por naenorocha
1 compartilhamento

CHEGADA

Apeio do caminhão de paixões e sonhos
Possivelmente conduzido por Deus.
Senti uma tristeza cobrindo os telhados
As cigarras tecendo a tarde murada
O trovão quietou as cordas do piano.
Aparece repentinamente o arco-íris
Pacto aleatório entre Deus e os homens
Sem a confirmação da benzedura divina
Paira sobre os apenados, mendigos, marginais
Sobre os desenganados tristonhos..
De todos os cantos de mim
Rebenta um dedo terribilíssimo a me apontar
Porque sem os notar não faço conta
Das sobras terminais do mundo.
O céu agora se transfigura, em branco puro.
Céu pintado, que escorria tinta.
Céu sempre futuro e desesperançoso
E como são necessários
Estes sofrimentos de planos desiguais.
E do que mesmo eu me lembre?
Só destes puxados caranguejos da vida.

Naeno

Naeno Rocha
Inserida por naenorocha
1 compartilhamento

INFÂNCIA

Quando eu era menino
A vida era minha namorada.
E foi o tempo da melhor amada.
A vida também era menina,
E brincávamos de viver,
Desfazíamos tudo
Só para acomodar de novo.
Tínhamos tempo para tudo,
Até que a vida e eu fomos mudando
Eu me esticando
E ela se encurtando.
E por desavença, numa dessas brincadeiras,
Bati nela com uma cadeira,
E desencadeou-se um desencanto.
Duas caras de espanto.
Do meu lado, eu a desfazia,
Do seu, ela me agoniava
Com seus achaques de pura raiva.
E nunca mais nos demos bem,
Embora nos abracemos todos os dias,
Não passam de normalidades,
Um fala e o outro responde.
De mim, não há um amor que volta,
Dela recebo beijos à toa,
Acho que nos esquecemos, um do outro.

Naeno Rocha
Inserida por naenorocha
1 compartilhamento

SABE AMOR

Sabe, amor
Sem ti, a vida espera
Num canto esquecida.
Os meus olhos só se alegram
Quando te vêem de perto
Colada aqui em mim.

Sabe amor
Pense em toda armadilha
Em todas me alcei
Querendo te encontrar
Como faz um bicho displicente
Levado pelo cheiro
Da inconfundível flor.

E se eu chorei
Não cabe a ninguém
Não choro por alguém
E se a vida passa vagarzinho
Eu fico no meu ninho
A proteger meu amor

Naeno Rocha
Inserida por naenorocha
1 compartilhamento

FAZ TEMPO

Tanto tempo faz,
Tempo já demais
E este tempo jaz
No meu coração.
Tempo que eu nem conto,
E este contraponto,
Dado em minha vida,
Sem mostrar saídas,
Tempo que me assusto
Dava tanto assunto,
E eu nem sei ligar,
Uma coisa a outra.
Se a vida é autora,
Desse meu penar,
Se a vida tem
A ver com esse desfecho,
O preço é muito mais,
Do que avalio e penso,
O tempo não se ausenta,
E eu larguei de contar.
Contar as desventuras,
Minhas amarguras,
Vou te suportar.

Naeno Rocha
Inserida por naenorocha
1 compartilhamento

UMA TENTATIVA

Revolva-se o bom do tempo,
Todo silêncio.
Estanque-se os batimentos dos corações,
As pancadas das águas no fim do mar,
Silencie a abelha em sua arquitetura
Doce, doce.
Clareia e o mundo guisa, e faz barulho.
Quando não se emudece com o teu grito.
Tempo, para o silêncio,
Ou dá uma trégua
Da comoção de se estar vivo.
Vivo e só.
Morto e vivo, uma contracena,
Mentiras reveladas ao vento. Deus,
Feridas sem o vermelho rubro,
Tampa que não cobre a extinta morada.
De vertentes escorra, repúdio –
Tal como acostumaram a morte.

Naeno Rocha
Inserida por naenorocha
1 compartilhamento

VINTE E QUATRO HORAS

Ontem as vinte e duas horas e quarenta minutos
Horário oficial de Brasília
Eu estava ardendo em febre, suando.
E na tiragem dos meus uis, contados
Uns vinte e tantos mil, falei, quietei
Aos teus ouvidos.
E de febril, de puro amor, o meu remédio
Tomei por tantas horas, em tantos goles
Que me embriaguei. Caí sobre o teu corpo
E amando-te voluptuoso, transpirei
E a febre não passava, passavam as horas
Já pela madrugada, ainda eu te amava.
E pela manhã, à hora da voz do Brasil
Eu te amava.
Em meu delírio, uma poldra branca
De crinas alvas e esvoaçantes
Carregava-me sobre seu dorso.
E eu galopei vinte e quatro horas
Sobre um leito de areia fina.

E nas esquinas por onde andei
Espantava-me o medo, de cair
Por tua cabeça,
Quando te inclinavas a me beijar
Fazendo. Aproximadamente
Um tempo impreciso e gigantesco
Sem que o espólio se passasse.
Eu na tua crina seguro,
E tu em meus flancos grudada.
Amar faz a gente ganhar a medida do tempo,
E se tem ciência dos espaços
E não se perde o tempo, se acha,
Mesmo que estando no silêncio mais escuro,
Como eram as grutas por onde passamos,
E vimos dentro animais atônitos,
Encontrávamos-nos,
Permitíamos-nos
Como os ponteiros dos relógios,
Ora encima, ora embaixo,
Ora não se distingue o prazer do bom,
Quão bom é o prazer das horas.

Naeno Rocha
Inserida por naenorocha
1 compartilhamento

FULGOR

Inquestionavelmente tu
Rosa sobre as outras rosas,
Que sol e vento beijam primeiro
Que à minha boca bate certeira
E os meus olhos, ainda longe,
Avistam-te fulgurosamente
Desta beleza soberba.
Quando te abocanho
Não vejo espinhos
Mas eles já estão mordendo a minha carne.
Trabalho de nada, coisa feita à toa,
De saborear teus lábios
Jamais me cansaria,
Que assim a vida fica boa.
Fico mais, como quem ficasse
Rente a esta imagem linda,
Cativo teu.
De tocá-la enlevam-se minhas mãos
E te colho, lançando dentro de mim
Uma profusão de amor.

Naeno Rocha
Inserida por naenorocha
1 compartilhamento

DETALHE

Era o brilho do teu olhar entre as pessoas
a buscar-me sorridente em cada canto
e a festa esverdeada do encontro.
Detalhe:
Era a piscada alegre
no outro canto da sala cheia
convidando... insinuando aproximar...
Detalhe:
Era teu rosto preocupado
por uma dor ou na tristeza que eu tivesse
era teu sorriso orgulhoso
pela nota dez que fiz no teste.
Detalhe
A tua mão pousada em minha perna na estrada
E a tua voz "boa viagem pra nós",
Acompanhada do beijo que trazia.
Detalhe:
O teu prazer vazado e descarado
Somente por estar na minha companhia.
Detalhe:
O teu abraço no meu erro
E a frase de cumplicidade:
“Tudo bem! Na próxima a gente acerta!”.
Detalhe:
Para mim, não são detalhes
São pequenos feixes de luz
Compondo e enfeitando a nossa história
Pirilampos brilhando na paisagem
Mostrando a vida que deixaste...
Detalhe de eternidade na passagem.

Naeno Rocha
Inserida por naenorocha
1 compartilhamento

DISTANTE

De longe sei vou te amar
Na contada distância
Onde o amor é ficar
E a vontade uma instância.

Deste lugar cativo
Onde a vida se encurta
Tudo é de eternos vivos
E os meus olhos me assustam.

Quem precisará saber
O meu tempo e sofrimento
A flor que eu quero ter
Outra tortura, outro tempo.

E nas colinas deixadas,
A lua passa e se esconde
E eu lembro, distanciado.
Estais com todos meus sonhos.

Naeno Rocha
Inserida por naenorocha
1 compartilhamento

VISIONÁRIOS

O teu coração ateu
Dissertava com as mesmas coisas
E a mesma disposição geográfica, o céu.
A dura paixão de Deus,
Hostilidade de sua eternidade
Já neste plano, o mundo igual:
Ódio Americano marcado
Nas teimosias, do teu coração
Latino-americano, África-sem-valor.

Restrito, do plano compreensivo,
Relutou sem se dar conta, o abismo
Que por ele todo tu andarias
Até ao mínimo que te coube
Enquanto os aludidos das capitais
Sabem mais do homem que tu?
Sabes que não.

Nada, de nascimento
Fé, trabalho e sonho
Do teu quinhão difícil
Contrário à morte, lutador.

Da visão tida, de Deus
Dissestes a todos, uma vez
Será sempre, sempre sem fim
A obra inacabável,
A visão turva, ali, do futuro.
Não, nunca será verdade
A forma como nos permitem
De saber do infindável.

Contrastante dessa possessão
Eu te daria o bom descanso
A ti que comes teus próprios sonhos
Na altura desse outro mundo
Que realiza o homem novo
Em partes mais fundas, agora
Com a desocupação do fosso.

Naeno Rocha
Inserida por naenorocha
1 compartilhamento

UM DEUS QUE VIRÁ

Eu pressinto um Deus oculto
Que se vê em todas os pontos mirados.
- Não é o Deus dos vencedores,
O Deus que anda à frente dos exércitos.
Nem o Deus dos caminheiros
Suspenso por uma nuvem densa
Armado de espadas, vidas, amores
Não se investe conta as montanhas
Não tem destaque nos altares.
Entre os paramentos e folheados
Nem no meio dos potentados, engano
Nem nas bênçãos do clero.
É um Deus quase invisível
Que nasce nas minas quentes
Das explorações particualres
Nasce na fome faminta
Nasce da falta de água
E da inversão de vinho em água
Nasce da profunda revolta
Do medo contido nas voltas
Na roda do cargo puxando
Trigo, mandioca, arroz, feijão
Que são dos outros, para eles
Nasce da fé tripudiada.
Ofuscada, mal definida.

É um Deus dos proletários
Atentos, em voz de guerra,
Filhos de outros sofríveis,
Tombados nas guerras civis.
É um Deus dos estudantes
Sem dinheiro para os cadernos
É um Deus dos aprisionados
Em cárceres, em seu poder de vida
Que na quietude cultivam
A linda flor da esperança
É um Deus de homens-libélulas
Com fome, inacabados,
Morando em brechas escuras
Do deserto do nordeste.
É um Deus das expectativas
De padres inconformados
Que não comungam as espadas
Nem incensam os detratores
É um Deus que vem a ser
Feito só de coração
No lastro de terra movediça.

Naeno Rocha
Inserida por naenorocha
1 compartilhamento

TEMPO TEMPO

O tempo continua sua contagem e ninguém sabe,
A que alturas já está, em seu dedilhar acertado,
Se o que me resta ainda sonhar, me cabe
O querer mudar em mim a sorte, que delicado.

Eu ignoro desde quando fazes tuas contas
Mas consciente de que a cada dia aponta,
Essas mudanças que me fazem afrontas,
Pois recontar nos dedos, sabe-se dele pronto.

Ah tempo das discórdias resolvidas, mas
Ah tempo das feridas inda hoje abertas,
Ah tempo destemperado, frágil fugaz,
Considera meus ais, nas tuas contas certas.

Tempo em que posição estais agora, finda,
Em mim o tormento de querer saber de ti,
Mostra-me o teu rosto e verei ainda,
No crepúsculo um vulto a se espargir.

Conta-me de ti, que tudo de nós já sabes,
Acertas tuas contas, o que levastes a mais,
Ou o que deixastes menos, do que a ti cabes
Deixa-me quieto, passa, são só meus ais.

Naeno Rocha
Inserida por naenorocha
1 compartilhamento

TÁXI DE ESTRELAS

Eu encontrei a chave do universo
E às vezes penso
Que tudo é sacramentado.
Eu encontrei você
A chave do meu verso
No motor de um velho carro envenenado.
E ainda sou capaz de achar
Que seus olhos são brilhantes lapidados.

Eu busquei o seu élan de luz
Nos shoppings, galerias
E nas bocas mais secretas da cidade.
Minha fera de pelúcia
Minha lágrima de gim
Meu ritual.

Seja meu mapa astral
Seja bem vinda.
Eu quero mesmo é voar com você
Num táxi de estrelas
Sob o céu, sobre mim.

Naeno Rocha
Inserida por naenorocha
1 compartilhamento

SUBMARINOS

Esta noite me encontrarei contigo na solidão dos corais
Onde o ímpeto da vida nos resgatou pela mão.
No mais alto das redondas luzes em concha
Uma dançarina de desfolha.
Os sonhos da tua infância
Se mostram das bocas das sereias.
A notável borboleta azul no fundo do mar
Que só nasce de mim em mil anos
Adeja em torno a ti para te servir
Mostrando-te o espelho em que a água se vê
E os frágeis peixes amarelos e vermelhos
Passam penteando os teus cabelos
Te servem o líquido que adormecem os nadadores.
Mergulhamos mais fundo sem um medo
Pelas fundas regiões onde dorme o veleiro,
À espera que o irreal não se levante com a aurora
Sobre nossos corpos que retornam às águas do céu.

Naeno Rocha
Inserida por naenorocha
1 compartilhamento

JARDINEIRO

Um homem que em tudo vê flores
Vive num alqueire de jardim
Limitado mundo de suas cercas
Sem saídas.
Há uma entrada que dá para casa
Que ele ignora, fácil o cheiro das Paroaras.
Ágeis espinhos que por ele choram.
Já se acostumaram, jardineiros
Já são amigos pela vida inteira.
Amigos não se larga ao léu
Quando a casa que ocupa, sua mágica
Fica logo ali, encostando pela porta
Pra dormir quietinho,
E pensar sozinho,
Rimas comuns de cantigas velhas
Que sempre o acompanham,
Quando se esquece das rosas
Do mutirão de sauadades
Povoado de sonhos, de insinuações
De que tudo corre para os seus braços.
Abarrotando de cores e bálsamos.
O homem rente ao paraíso
Que, numa provação, antes da terminante chegada
Cultiva outras vidas, dentro de si
Amoldado na areia,
É outra roseira que está pra surgir.

Naeno Rocha
Inserida por naenorocha
1 compartilhamento

SEI DE COR

sei de cor
cada traço do teu rosto, do teu olhar
cada sombra da tua voz e cada silencio,
cada gesto que tu faças,
meu amor, sei-te de cor

sei cada capricho teu e o que não dizes
ou preferes calar, deixa-me adivinhar
não digas que o louco sou eu
se for tanto melhor
amor, sei-te de cor

sei porque becos te escondes,
sei ao pormenor o teu melhor e o pior
sei de ti mais do que queria
numa palavra diria
sei-te, de cor.

Naeno Rocha
Inserida por naenorocha
1 compartilhamento

DISTANTE

De longe sei vou te amar
Na contada distância
Onde o amor é ficar
E a vontade uma instância.

Deste lugar cativo
Onde a vida se encurta
Tudo é de eternos vivos
E os meus olhos me assustam.

Quem precisará saber
O meu tempo e sofrimento
A flor que eu quero ter
Outra tortura, outro tempo.

E nas colinas deixadas,
A lua passa e se esconde
E eu lembro, distanciado.
Estais com todos meus sonhos.
.

Naeno Rocha
Inserida por naenorocha
1 compartilhamento

DIVAGAÇÕES

Ah, esta vida sestrosa,
Em que tocaia me espera,
No tanto que ela é medrosa,
Não dá um passo sem a escora.
Que sou eu, sua confiança e o esteio.
Veja o disparate: a agonia,
Em vez de uma aliada,
Ela se perde no dia,
De noite eu deixo ela de fora
E morro mas nada dela eu imploro.
Nem que arrede o pé,
Nem que inútil deite,
Num pano que eu largo armado,
Longe da porta do quarto,
Até que o dia amanheça.

Vida tão maliciosa!
Fala pra todos de fora,
Que é ingratidão o que lhe faço,
E nem me pega na mão.
Só que elas tem seus dias,
E eu tenho só, minhas noites,
Isso na vida é tão bom,
Não viver só de açoites.
O dia pra ela é dado,
E a noite pra mim é ludo.
Eu chamo a ela de ausência,
E ela me chama de escuro.

Naeno Rocha
Inserida por naenorocha
1 compartilhamento

PADROEIRA DOS VAQUEIROS

Oh Mãe de Deus,
Padroeira dos vaqueiros
Ouvi nossas orações
E sempre rogai por nós.

E nos proteja
Dos perigos que cruzamos
Quando à mata nos juntamos
Por entre galhos de fios.

Com confiança
Vimos a tua presença
Amores de numa nascente
Que depois transborda em rio.
E não só pedimos
Mas também te ofertamos
Como luta, a fé, a falta
Nosso amor em vossas mãos.
_________________________
Segunda melodia (não é refrão)

Oh Mãe de Deus, escutai
Nosso clamor, nossos ais
Pois sempre, sempre serás
A Virgem a santa, a mais bela.
AO amor maior e verdadeiro.
Oh Mãe de Deus, escutai
Nosso clamor nossos ais.
Pois sempre, sempre serás
A Virgem a santa, a mais bela.

Mãe de todos sertanejos
Protetora dos vaqueiros.
O amor maior, verdadeiro

Ouve Oh Mãe a nossa voz
Por Deus, por vez escutai
Não queremos ficar sós.
Venham como um relampejo
Teu olhar pleno de amor.
Tuas bênçãos sobre nós.

Naeno Rocha
Inserida por naenorocha
1 compartilhamento

SAUDADE

Quando a saudade bater
A porta do teu coração
Insistente, manda-a embora
Deixa ela dormindo fora
Não abra a porta, não.

E se assim ela insistir
Apontado, o seu arpão
Reza para Jesus, contida
Que até Ele foi, em vida
Ferido no coração.

Ah, amor, também
Fiquei refém do mesmo algoz
Tempos eu fiquei
Sem poder soltar a voz
Só o que nome vinha
Envolvido num soluço.
E da janela, quando abria e via a lua
Eu confundia a imagem dela com a tua.
Dava vontade de sair como um cachorro pela rua.

Naeno Rocha
Inserida por naenorocha
1 compartilhamento

TODOS SOBREVIVEM

Este momento, todo um nada,
Um arquétipo no escuro.
Mas minha alma
De semente boa,
Qualquer hora poderá ser tudo.
E na minha volta
Virão mais comigo
Os que adestrei,
Que dei abrigo.
Pensar bom nesses momentos é bom
É bom construir amigos
Erguer abrigos.
Subir à proa das barcas já imergidas,
Que alguém toca
Em conduzi-la no desafogo.
E botar força, ajudá-los na vencida,
Pra depois vencer, ganhar o troféu erguido.
E já levantadas almas,
Cantam hinos da procissão sumindo,
A canção da vida, a superfície calma.
E já de novo cortam-nos desafios,
Em leves embarcações de arrimos,
Agora, com a cara suja do lodo,
Cabe escolhermos: Ou o desfrute
Da serenidade do andar erguido,
Ou do que sabemos ser perigoso,
Mas contornável, e removível.

Naeno

Naeno Rocha
Inserida por naenorocha
1 compartilhamento

O P R Ó B R I O

Uma coisa eu desejo muito. E de sua concretização, dependem muitas coisas afins, de mim.
Dotar-me da astúcia do audaz Zaqueu, uma figura malvista por muitos, um cobrador de impostos que vendo poder redimir-se de seus atos infratores, de sua mesquinhez, usou de tudo que aprendera ao longo de sua vida tacanha. E teve a idéia de subir num galho em posição estratégica, sabendo ser ali o corredor por onde passaria o Cristo, com a paciência que praticara, dando prazos e fazendo ameaças àqueles que não tinham, no momento de sua visita, a quantidade de dinheiro suficiente para recolher os impostos a que todos eram submetidos.
Fazendo assim, com que Cristo, que tudo sabia e previa, por seu poder divino, se deixasse enganar, dos mesmos métodos utilizados pelo infrator. Como costumava fazer com os triturados sonhos da população da época. Permaneceu sobre a árvore, quem sabe pensando o quê, talvez da ingenuidade do próprio Deus, a quem talvez julgasse mais uma pessoa, entre tantas. E ficou, até que Deus, sob ele, vitimado de sua astúcia, ao ouvi-lo gritar por seu nome, deu a ele seus ouvidos, e deu sua sentença, por aquele rosário de mentiras. Palavras que arrependimento, juras de que sempre estivera a agir por uma obediência a um outro deus terrestre, Cezar, a quem servia cegamente, diretamente.
E Cristo o ouviu como procedia com todos, aos que se mostravam arrependidos da história. Ali mesmo lhe perdoou e marcou para a sua casa um encontro, que nem todos entenderam.
Eu, carregado da mesma mesquinhez, da mesma ruindade, dos mesmos infortúnios por ser um representante de mim mesmo, nunca das massas sofredoras, perseguidas, retaliadas, escoriadas, pelos novos poderosos que represento, e satisfaço os interesses, não de Deus, mas de mim mesmo, ou de quem para quem trabalho diretamente.
Não presto. Me cubro das nuvens mais espessas que não conseguem tapar ou amenizar a evidência dos meus traços de um ser abominável e dispensável ao mundo.
Sou por natureza um péssimo exemplo aos humanos, e de forma mais marcante e mais doída aos que convivem comigo mais diretamente.
Massacro meus filhos como minhas dores inventadas, com as minhas estratégias erradas de parecer aos olhos deles um homem santo e digno das benesses de Deus, enquanto Este, por saber que falho, que sou reles, que não valho nada, e ninguém arrisca uma moeda no meu todo, não faz comigo como fez com Zaqueu, a quem deu perdão e guarida, e a salvação.
Sou o que se pode chamar apenas um nome. Uma identidade perdida entre tantas que destacam e qualificam outro a quem não me igualo em nada.
Sou a pedra despejada no meio do caminho de todos. O galho de espinho de uma árvore grossa caída sobre todo o vão do caminho, que impossibilita a passagem dos bem intencionados. Um estorvo na vida do mundo.
Sou o que Deus deixou de lado para cuidar dos mais interessantes, dos que tem mais a oferecer a Ele, além de lamúrias e pedidos sem pé nem cabeça.
Sou um desafeto da natureza, dos pássaros, das águas que nunca me permitiram chegar perto deles para, sequer admira-los no que esses têm de belo, a pura feitura do Pai.
Sou para quem o restante do mundo aponta a nuca, e vira o rosto, às vezes para onde nasce um vento fétido, que poucos agüentam, ou para a vertente do sol quando este está a pino, escaldante, a um desastre ecológico. Tudo isso preferem, a mirar o meu rosto cheio de malícia e truques já conhecidos de todos.
Sou o incapaz de criar minhas próprias caspas, de lavar o meu rosto cheio das marcas feitas por minhas mãos imundas.
Sou o contratempo do tempo, o revés da história, talvez o causador de todos os desencontros, o cultivador das bombas mais poderosas sob meu colchão. O que ganha dinheiro de forma ilícita e, da mesma forma se desfaz, em orgias, em supérfluos, sem dá sequer uma moeda a um pobre faminto que me estende a mão nas vias da cidade, que marco por minha feiúra, pelo destoar de minha presença com os canteiros floridos, com a felicidade dos outros, contados e amparados por Deus.
Mas por que Deus me fez assim, tão sem sentido, tão descompleto, tão desonesto, tão nefasto, tão infecto.
Porque perdeu seu tempo tão precioso criando algo inservível. Algo dispensável, que não ocupa lugar, que não senta, não dorme, não fala, não pensa, faz, que seja o mal?
Porque Deus na sua querência a todos foi abominar quem mais precisa dele, e não se esforça em distinguir o meu todo ruim de um todo bom e quem, sabe, o aproveitamento de mais uma alma não faça o esforço de também a mim recuperar, a mim aproveitar.
Qual a diferença que existe além das inúmeras que carrego comigo, como estigma, como breu grudado em ave arquejante, se Ele vê todos iguais. E com todos laçou o compromisso de resgatar em sua bondade. Por que o Deus, Pai, tão amoroso e compassivo, iria me largar, único, num vale sem vale, num oco sem fundo, sendo para Ele muito mais fácil dizer uma palavra e eu ser salvo com a minha alma.

Naeno Rocha
Inserida por naenorocha
1 compartilhamento

PARA COMER NA ESTRADA

Eu sinto ser um pedaço de Deus
E Ele um todo fragmentário,
Me sinto um tanto de semente guardada,
Um pouco de esperança nas chuvadas.
Me vejo como um fio de água escapada,
Um sonho que se esquece, na madrugada,
A vontade insana pela paz, isolada,
E às vazes me sinto assim,
Como se fosse nada.
A gente vive pelas ordens de Deus,
E em se transgredir esses assentos seus,
O mundo muda, a gente passa a ser,
Um tronco solto, uma raiz já morta,
Um fio seco, por onde a água não se entorta.
Um solo infértil, uma beleza feia,
Por diferentes vertentes correm nossas veias,
E não resiste o sangue, o coração se seca,
Porque em tudo Ele, se nos dispõe e tira,
E bota. Aqui foi o bom lugar,
E é ainda de se ficar, mesmo sonhando,
Sonhando e não vendo os rostos,
Comendo e não sentido o gosto,
Amargo da sentença arbítrio
O livre consenso a que chegamos,
Cépticos, sem braços, sem nada,
Sem olhos, sem luz,
Às vezes me sinto um pavio escuro,
Uma lenda antiga que não se passou no mundo.
Deus que continue, a acharmo-nos ignorantes,
Que ele mesmo cuide dos tempos avantes.

Naeno Rocha
Inserida por naenorocha
1 compartilhamento