Monja Coen

1 - 25 do total de 35 pensamentos de Monja Coen

Está na hora do despertar da humanidade.
Bom dia!

Que haja discernimento correto na opção da vida.
Que conheçamos os três venenos temíveis a serem evitados: a ganância, a raiva e a ignorância, nos seus disfarces mais variados.
A maioria de nós demora a perceber o próprio envenenamento.
Devem ser apiedadas, orientadas e não apedrejadas.

Não queimem bandeiras.
Não joguem pedras.
Não gritem insultos.
Não condenem pessoas, mas situações.
Podemos juntos transformar a maneira de ser dos habitantes da Terra.
Com isso modificaremos o habitat.
Faremos daqui o local, não da espera, mas do chegar.
Onde se fica bem.
Onde a vida cuida com cuidado uns dos outros.
No afago ao recém nascido
A benção da esperança.
Tudo será diferente,
Pois tudo que queremos aqui mesmo se alcança.

Monja Coen
130 compartilhamentos

[...] Hoje eu sei que intersomos, interconectados com tudo que existe. Somos um só corpo e uma só vida. Estamos em rede. Na rede de Indra, feita de raios luminosos e em cada intersecção uma jóia recebendo e emitindo raios em todas as direções.

Hoje eu sei que somos co responsáveis pela realidade em que vivemos, pelo mundo em que estamos e que não adianta reclamar, é preciso agir para transformar. [...]

Monja Coen
48 compartilhamentos

Ser zen não é ficar numa boa o tempo todo, de papo para o ar, achando tudo lindo sem fazer nada.

Ser zen é ser ativo. É estar forte e decidido. E caminhar com leveza, mas com certeza. É auxiliar a quem precisa, no que precisa e não no que se idealiza.

Ser zen é ser simples. Da simplicidade dos santos e dos sábios. Que não precisam de nada. Nada mais que o necessário. Para o encontro, a comida, a cama, a diversão, o trabalho.

Ser zen é fluir com o fluir da vida. Sem drama, sem complicação. Na hora de comer come comendo, sem ver televisão, sem falar desnecessário. Sente o sabor do alimento, a textura, o condimento. Sente a ternura (ou não) da mão que plantou e colheu, da terra que recebeu e alimentou, do sol que deu energia, da água que molhou, de todos os elementos que tornam possível um pequeno prato de comida à nossa frente. Sente gratidão, não desperdiça.
Come com alegria. Para satisfazer a fome de todos os famintos. Bebe para satisfazer a sede de todos os sedentos. Agradecendo e se lembrando de onde vem e para onde vai.
A chuva, o sol, o vento, o guarda, o policial, o bandido, o açougueiro, o juiz, a feiticeira, o padre, a arrumadeira, o bancário e o banqueiro, o servente e o garçom, a médica e o doutor, o enfermeiro e o doente, a doença e a saúde, a vida e a morte, a imensidão e o nada, o vazio e o cheio, o tudo e cada parte.

Ser zen é ser livre e saber os seus limites.

Ser zen é servir, é cuidar, é respeitar, compartilhar.

Ser zen é hospitalidade, é ternura, é acolhida.

Ser zen é o kyosaku, bastão de madeira sábia, que acorda sem ferir, que lembra deste momento, dos pés no chão como indígenas, sentindo a Terra-Mãe sustentando nossos sonhos, nossas fantasias, nossas dores, nossas alegrias.

Ser zen é morrer.
Morrer para a dualidade, para o falso, a mentira, a iniqüidade.

Ser zen é renascer a cada instante. Na flor, na semente, na barata, no bicho do livro na estante.

Ser zen é jamais esquecer de um gesto, de um olhar, de um carinho trocado no presente-futuro­passado.

Ser zen é não carregar rancores, ódios, cismas nem terrores.

Ser zen é trocar pneu, as mãos sujas de graxa.

Ser zen é ser pedreiro, fazendo e refazendo casas.

Ser zen é ser simplesmente quem somos e nada mais. É ser a respiração que respira em cada ação. É fazer meditação, sentar-se para uma parede, olhar para si mesmo. Encontrar suas várias faces, seus sorrisos, suas dores. É entregar-se ao desconhecido aspecto do vazio. Não ter medo do medo. Não se fazer ou, se o fizer, assim o perceber e voltar.

Ser zen é voltar para o não-saber, pois não sabemos quase nada. Não sabemos o começo, nem o meio, muito menos o fim. E tudo tem começo, meio e fim.

Ser zen é estar envolvido nos problemas da cidade, da rua, da comunidade. É oferecer soluções, ter criatividade, sorrir dos erros, se desculpar e sempre procurar melhorar.

Ser zen é estar presente. Aqui, neste mesmo lugar. Respirando simplesmente, observando os pensamentos, memórias, aborrecimentos, alegrias e esperanças.
Quando? Agora, neste instante. É estar bem aqui onde quando se fala já se foi. Tempo girando, correndo, passando, e nós passando com ele. Sem separação.

Ser zen é Ser Tempo.

Ser zen é Ser Existência...

Monja Coen

Para Descansar a Alma

Arranje um cantinho sossegado e uma almofada gostosa. Acenda um incenso de sândalo. Sente-se com as costas bem retas. Coloque as mãos sobre os joelhos, com as palmas para cima e balance o corpo lentamente da esquerda para a direita, de movimentos maiores a movimentos menores, como um pêndulo, até encontrar o centro de equilíbrio do corpo.
Pare aí. Inspire profundamente e solte o ar lenta e completamente pela boca. Relaxe os ombros. Inspire novamente e solte o ar pela boca. Então cerre os lábios, coloque a ponta da língua no céu da boca e respire pelas narinas. Mantenha os olhos entreabertos, apenas pousados a sua frente.
Ouça todos os sons. Sinta todas as fragrâncias. Perceba o ar, a temperatura em sua pele. Você está pensando? Ou não está pensando? Verifique sua postura. Costas eretas. Cabeça como se um fio puxasse para o céu. Pernas firmes pela força da gravidade. Não julgue. Nem certo nem errado, nem bonito nem feio. Seja. Apenas sentar. Intersendo com tudo que existe. Que bom estar viva. Este instante aqui e agora é o céu e a terra. Isso é tudo. Tudo é nada.

Monja Coen
39 compartilhamentos

A sabedoria não vem do acerto, mas do aprendizado com os erros.

Monja Coen
74 compartilhamentos

"Só vou me sentir em paz quando terminar a faxina! Aí sim!" Isso é Felicidade Mundana. Eu me lembro da Monja Coen contando de uma vez que ela recebeu uma nova monja no mosteiro, e ela perguntou a nova colega: "O que a fez se tornar monja?" e ela respondeu "Vê-la limpando o chão. Nunca vi alguém tão feliz por estar limpando o chão.". Nós estabelecemos que só nos sentiremos felizes quando terminarmos a faxina, mas você é capaz de estar feliz enquanto faz a faxina?

Monja Coen
32 compartilhamentos

Se a paz não começar em mim, não começará. Se eu levantar a bandeira da paz em desafio, não será paz. É preciso erguer as bandeiras brancas com o coração de harmonia, respeito, compaixão.
Quando percebi do que é capaz, um ser humano que compreende e se transforma em agente da paz, pensei que era revolucionário demais.
Agora sigo o caminho e sempre me perguntando: como é que posso fazer para conduzir o maior número de seres à Iluminação, à Verdade e á Vida em comunidade?
Está na hora do despertar da humanidade.

Monja Coen

Faça o bem, fale o bem, pense o bem.
Perceba que cada ser que encontramos é um ser iluminado,disfarçado a nos mostrar o Caminho.
Alguns nos mostram como não devemos ser.
Outros como devemos ser.

Monja Coen
307 compartilhamentos

Mantenha viva a chama do amor incondicional e saiba se separar (se assim for) com a mesma ternura e respeito com que se uniu.

Monja Coen
19 compartilhamentos

Como é bom estar viva, respirar e apreciar cada instante, assim como eles são.

Monja Coen

Somos o resultado das circunstâncias da existência. Não só da genética que herdamos, como do processo intrauterino (dentro do útero), quanto ao processo de nascimento e das experiências que passamos.

Se quisermos um estado de bem-estar, que o budismo chama de nirvana. Não significa a ausência de dores e insatisfações, elas existem.

Monja Coen
Inserida por pensador

Amor incondicional é aquele que quer o bem do outro, independentemente do seu "eu" individual.

Monja Coen

Inclua em seu amor todo o planeta, com árvores e insetos. Flores e pássaros. Mares, rios, oceanos.

Monja Coen

Ame e manifeste esse amor agora.

Monja Coen

Vou fazer o meu melhor hoje, procurar a excelência em mim mesma.

Monja Coen

Hoje é um dia excelente para que eu descubra meu potencial de vida e o use sem desperdício e sem excessos.

Monja Coen

Cabe a nós, a cada um de nós criar esse relacionamento de carinho com a vida, de ternura com todos os seres, de compreensão, de sabedoria e compaixão para percebermos o Caminho Iluminado e o Nirvana permeando toda a existência. Isso é dar vida à nossa própria vida.

Monja Coen

Geralmente pensamos no mundo como alguma coisa distante e separada de nós, mas nós somos a vida do universo em constante movimento. Podemos até dizer que o mundo somos nós.

Monja Coen

É fácil provocar a raiva em outra pessoa, um olhar de pouco caso, um desrespeito, um insulto. Mas o grande guerreiro consegue vencer essa batalha. Não pelo soco, pelas técnicas de luta física, mas pelo controle de si mesmo.

Monja Coen
16 compartilhamentos

Algumas vezes, na rua, em casa, no bar, na vida comum, o golpe correto pode ser o não golpe, o silêncio, a humilde retirada do forte que não se dobra ao fraco, mas caminha livre pela senda da virtude.

Monja Coen

Como a vida está no fio. Se o planeta Terra levantar o ombrinho, tudo se desfaz. Esse é um ensinamento básico de Buda, que nada é fixo.

Monja Coen
Inserida por pensador

Naquele momento, eu achava que aquelas pessoas eram tão importantes e algumas delas eu não lembro nem a face. Nem o nome. Não é maravilhoso?

Monja Coen
Inserida por pensador

Não desistam de vocês. Não percam o maravilhamento com a existência. Ela está em coisas simples, numa planta, numa árvore, numa criança, em você. Em seus pensamentos e capacidade de acessar a sabedoria perfeita.

Monja Coen
Inserida por pensador

O que é conformar-se, o que é aceitar? O que é gratidão verdadeira mesmo sem ter nada? Às vezes tendo nada temos mais, por que não tem nada a perder. As coisas mudam. Não há nada fixo, nem nada permanente. Então não reclame. Quanto mais você reclama mais você entra num círculo vicioso de não poder sair do buraco em que se meteu.

Monja Coen

Temos uma tendência muito grande de olhar defeitos e faltas. Começa a olhar as suas qualidades, no que que você tem de bom. O que é bom em você? O que que você faz que beneficia a si e aos outros? E onde é que está faltando? Você sente que as pessoas não gostam de você? Você sente que você é menos do que alguém? É porque você ainda está comparando. Então é você deixar de lado as comparações. Você é quem você é! Resultado de todas essas experiências, inclusive da ancestralidade que faz com que você seja quem você é neste momento e perceba que é perfeita(o) como é… Que ao mesmo tempo está em transformação e que pode ser cada vez melhor.

Monja Coen