Marilina Baccarat - escritora brasileira

1 - 25 do total de 63 pensamentos de Marilina Baccarat - escritora brasileira

UM SER CHAMADO MULHER


Gostaria de falar de mulheres, que sabem ser uma mulher, no sentido mais amplo da palavra “mulher”. E isso inclui ser bela e faceira, vivendo cada fase, adaptando-se ao tempo, que, fatalmente, a deixará com rugas, que serão como sinais de experiência...
O tempo, também, certamente, a deixará com a barriguinha saliente, mas é um ventre, que gerou vidas, se tornou mãe no sentido mais vasto da vida...
Mas, ser mulher é muito mais do que isso, é saber guardar segredo e enfrentar tudo sem medo...
Ser mulher é ter a alma nobre, que sempre acaricia, mesmo tendo os olhos marejados de lágrimas pelo sofrimento... Ser mulher é saber compreender sempre...
Mulher tem que ser guerreira, mas, no dia a dia, criar poesias, lutar por um mundo mais justo, aprender a levar susto, quando a vida lhe surpreende, com amarguras, com angústias e tristezas, sem surtar...
Assumir que não é bonita vinte e quatro horas por dia, pois, há dias em que temos a cara de noite mal dormida, cara de mal agradecida, além de muitas outras... Mas, há dia em que temos a cara de noite bem dormida e bem vivida...
Ser mulher é saber aguentar os dissabores, os tropeços, que a vida lhe dá, mesmo quando lhe puxam o tapete e ela vai ao chão...
Ser mulher é saber enfrentar os enigmas, que encontram pela frente, tendo, sempre, um sorriso nos lábios e a mão estendida para quem precisar...
Ser mulher é saber acarinhar cada cabeça, que chora, tendo os braços como os de um polvo, para abraçar a todos e saber, carinhosamente, sempre, consolá-los...
Ser mulher é ser forte e resistente, suportar qualquer dor, seja a do parto ou de ser trocada pela melhor amiga... A dor é tanta, que chega a pensar “tinha que ser comigo?”... Mesmo, assim, não se entristece, porque sabe que a dor é passageira e logo virá a felicidade de outros momentos, de outras paisagens...
Ser mulher é ser feia ou bonita, é ver-se pelo avesso, olhar no espelho da alma e não saber perder a calma... No espelho, encontrar-se e, em seguida, reconhecer que errar e se perdoar é saber que a mulher é um ser de valor, pois, gera, em seu ventre, um outro ser...

Ser mulher é difícil, mas não é impossível. Se assim o fosse, não existiriam tantas mulheres maravilhosas, transitando e mudando o mundo para melhor...

Marilina Baccarat, escritora brasileira

Marilina Baccarat - escritora brasileira
Inserida por MarilinaBaccarat

Marilina Baccarat de Almeida Leão, é escritora brasileira, nascida em São Paulo -capital, onde passou sua infância e juventude. Casada com José de Almeida Leão. Moravem Londrina Pr

Marilina Baccarat - escritora brasileira
Inserida por MarilinaBaccarat

TOCAR NA ALMA

Tocar na alma é ter a sensação, que nem o pensamento poderá descrever. É estar presente, mesmo que, por breves momentos, na essência do outro em que tocamos, ou por que fomos tocados...
É ter a experiência da sensibilidade aguçada, de perceber o coração disparar...
Ter a habilidade de tocar na alma das pessoas é um dom que poucos têm. Pois a nossa alma anda descalça e não tropeça nos obstáculos...
E, assim seguimos procurando ter o dom de tocar na alma das pessoas, que não seria fácil...
Certo dia, ao acordarmos, vamos perceber, que, nossa imagem no espelho, há não é mais a mesma, gradualmente, nossa imagem vai se alterando...
Querendo ou não, começamos a envelhecer...Percebemos que nossa estatura está diminuindo. Os cabelos começam a embranquecer, as rugas aparecerem, e não ficamos satisfeitos com a imagem no espelho...
Chegamos até a perguntar a ele, como se ele pudesse nos responder: - Quem é esse, que me olha, como se os olhos fossem os meus?
Mas, acontece que a nossa alma não envelhece, continua com o mesmo abril, que tínhamos na juventude, a mesma alegria de outrora...
Tocar na alma, é o segredo que poucos conhecem, pois não são todos que conseguem tocá-la...Mas, nós conseguiremos, pois, a nossa alma continua com o mesmo viço dos vinte anos...
Tocar na alma, o segredo não é se olhar no espelho e procurar em nosso rosto, as rugas que surgiram, pois não adianta nada querermos melhorar por fora. O arremate externo, não vai resolver nada. Porque com o passar dos anos, a idade, se encarregará de marcar nossas faces com as rugas que, constantemente nos mostrará...
O importante, é termos convicção de que a nossa alma não envelhece, jamais terá rugas...
Ao olharmos no espelho, o nosso exterior, temos que procurar enxergar a nossa alma, que não envelhece e nos dá forças, para que saibamos tocá-la...Porque tocar na alma, é um dom, que muitos poucos já experimentaram...
O compositor brasileiro Antônio Carlos Jobim, o Tom, como era conhecido, possuía o dom de tocar na alma das pessoas, através de suas composições musicais, ele tocava na alma das pessoas, através de suas composições musicais, ele sabia tocar na alma do ser humano... Pois foi um mestre da harmonia...
Tom tocava em nossas almas, dando uma verdadeira aula de harmonia, quando tocava e compunha uma música, em seu piano...
Ele fazia com que a nossa alma, se tornasse mais harmônica e, dessa maneira, ele usando a sua habilidade, sabia tocar em nossa alma...
É admirável, acho que não vai mais, nascer outro mestre como Tom, que sabia tocar na alma...
Todas as vezes em que Tom abriu o piano, o mundo melhorou, ainda, que por poucos minutos, tornou-se um mundo mais harmônico...
Um mundo melódico e poético, pois sabia tocar na alma das pessoas...Todas as desgraças individuais ou coletivas pareciam menores, porque naquele momento, havia um homem se dedicando a produzir a beleza da música...
Tocar na alma de alguém é sublime, transmite muita paz, é tocar sem esperar retorno...
Com a sutileza do amor, com o seu gesto de tocar em nossas almas, ao abrir o piano, Tom, com uma nota, um acorde, uma canção, vinha tão carregado de sua essência, sensibilidade e sabedoria que, expostos à sua criação, todos nós, seus ouvintes, seus admiradores, também melhorávamos como seres humanos...Pois, ele sabia como ninguém, tocar na alma humana, com suas canções, quando abria o piano, para que o sofrimento se abrandasse...
Há várias maneiras de demonstrarmos amor e tocarmos a alma. Não exige nada em troca. É apenas um transformar de emoções...
Tom sabia fazer isso, quando abria o piano...Ele conhecia as limitações e necessidades de todos. Basta prestar atenção em suas músicas...Pois, sabia fazer, da tristeza, alegria, e sabia, como ninguém, tocar em nossa alma...

Tom fazia com que a alma do piano, além de sustentar a pressão das cordas, servisse, também, para tocar em nossas almas...

Marilina Baccarat- no livro "É mais ou menos assim"

Marilina Baccarat - escritora brasileira
Inserida por MarilinaBaccarat
1 compartilhamento

Vivenciando instantes passados, não podemos deixar de recordar aquele abraço, que ficou no passado, mas permaneceu em nosso eu...
Um abraço, que gostaríamos de relembrar,
mas ficou para trás e se perdeu no tempo, na memória...
Abraço, que chegou em forma de amor, mas,se arrastou no tempo, deixando um rastro de felicidade e emoção, que, mesmo o tempo passando,seu perfume ficou impregnado em nós...
Marilina Baccarat no livro "Sempre Amor"

Marilina Baccarat - escritora brasileira
Inserida por MarilinaBaccarat

Que, por onde eu passar, que transpareça em mim,
o fidedigno e puro amor, não o amor apócrifo...

Marilina Baccarat no livro "Sempre Amor"

Marilina Baccarat - escritora brasileira
Inserida por MarilinaBaccarat

Em algum lugar do passado deve estar o amor... Procurá-lo é impossível, mas, na memória, ele, sempre, estará, para que, jamais apague sua chama...
Em qualquer lugar do passado, ele, ali, se memorizou... Em cada canto, em cada encanto, sempre, lá, no passado estará presente...
Em cada janela, uma sombra, um vulto do amor... Nas noites escuras, às vezes, ele aparece...
Serenatas, que encantam a vida, trazendo junto, a ela, o amor, quando há luar e, atrás da cortina da janela, alguém surgir para ouvir a serenata, que a faz pulsar o coração...
Marilina Baccarat no livro "Sempre Amor"

Marilina Baccarat - escritora brasileira
Inserida por MarilinaBaccarat

E, assim, aprenderemos construir um mundo com amor, a partir de nós mesmos, saindo em busca do amar e aprendendo a amar verdadeiramente...
O amor tem urgência das coisas, que são desperdiçadas em nossos corações e nenhuma complacência da nossa essência... Ele se refugia no inferno dos desejos astuciosos e nas profundezas dos anseios quase esmagadores...
Enquanto os olhos desabotoam as fardagens, as mãos já levaram o coração para muito mais longe do que o amor poderia alcançar...

Marilina Baccarat no livro "Sempre Amor"

Marilina Baccarat - escritora brasileira
Inserida por MarilinaBaccarat

A mente inventa o amor, para que, depois, ele possa habitar, para sempre, em nossa essência, mostrando-nos o verdadeiro caminho, a seguir...
Esse caminho, que, talvez, esteja bem perto de nossos olhos, mas não havíamos enxergado...

Marilina Baccarat no livrio "Sempre Amor "

Marilina Baccarat - escritora brasileira
Inserida por MarilinaBaccarat

Que o amor, seja ele pequenos riachos
calmos, ou, turbulentas quedas d’água, que, ao passarmos embaixo, seja nosso elmo dourado, a nos proteger do desamor...

Marilina no livro "Sempre Amor"

Marilina Baccarat - escritora brasileira
Inserida por MarilinaBaccarat

Diz uma música que é preciso amor para poder viver e é preciso paz para poder sorrir.
Por mais que a pessoa acredite não ter boca bonita, o charme dela está no sorriso.
Os lábios foram desenhados com esmero para poder sorrir!
Quando se sorri de verdade, sem esforço e sem fingimento, é porque o sorriso veio da alma,aí é onde mora o amor que nos faz sorrir, eles refletem a luz da alma.
É através de um sorriso que você conhece a pessoa, porque sorrisos verdadeiros, não só mexem os lábios, eles refletem o interior, a luz que a pessoa trás dentro de si. Muitas não sorriem porque acham que sua boca é feia, os lábios são finos ou grossos, mas um sorriso aberto, sorrisos largos, são palpitar da alma. Pelo sorriso enxergamos a alegria ou a tristeza de uma pessoa.
Lábios que machucam os outros com palavras duras, infelizmente nada mais são do que portas abertas de um coração sem emoção. É triste pensar que ofensas saem por eles e não sorrisos. Lábios tão lindos e bem feitos ao invés de sorrir ferem outros com injurias, acusações e desprezo.
Desde cedo sorrir é o que o ser humano faz de mais encantador,a coisa mais linda é um sorriso banguelo do bebê, pode não falar nada, dar apenas uma puxadinha nos lábios, que imediatamente o mundo se ilumina para todos!
Seus sorrisos, mesmo que tímidos para os outros é um dever nosso, um sorriso aberto é um comprometimento com nosso bem estar,são eles, no rosto, que expressam maior confiança aos que te conhecem.
Quando eu nasci eu era a única menina que havia nascido naquele dia na Maternidade São Paulo, mamãe dizia que tanto os médicos como as enfermeiras vinham mexer comigo para que eu sorrisse e as covinhas aparecessem...srsrsr!!Eu acho que esses médicos nem vivem mais, eles me deram o nome de miss 'Maternidade São Paulo"!...Dizem que as covinhas dão ao sorriso a moldura e convencem qualquer pessoa a entregar o coração...rsrsrsr!!!
Mesmo os lábios já murchos na velhice, ainda assim carregam o espelho da alma. Cansados sim, mas sempre prontos a sorrir.
Você tendo covinhas ou não, tendo lábios finos ou grossos, sorria, mostre o seu interior,porque é preciso ter amor para saber viver e ter "Paz" para saber sorrir... Marilina Baccarat De Almeida Leão

Marilina Baccarat - escritora brasileira
Inserida por MarilinaBaccarat
1 compartilhamento

Inicia mais uma semana Por Marilina Baccarat de Almeida Leão

Sinto-me como se
estivesse caminhando por entre lírios, íris, glicínias lilases, rumo ao caminho das minhas lembranças... Sentindo um aroma de mel, abelhas voando, levando, nas suas asas translúcidas, perfumes, cheiros, aromas dessa doce manhã, que dá início a uma nova semana... Preparei tela, cavalete, pincéis, aquarela... Mas, a magnífica alvorada trazia pinceladas rápidas, com gotas de tintas, que a natureza pintou, antes de mim. A tela da vida, que eu via, ali, era pura magia! Amanhecia, no meu jardim, dando um colorido todo especial... As flores balançavam com o vento e eu me sentia como uma menina, estragando o jardim, arrancando as flores, que davam cor e beleza ao jardim... Eu era uma criança e não sabia o valor e o encanto, que há em um jardim, vivia estragando as flores... À véspera do início da semana, pensávamos que poderíamos colher todas as flores, até que a repreensão da mãe vinha: - Flor é para enfeitar o jardim e não para ser arrancada... As flores devem ter uma constituição entre elas, pois não é possível existir tanta beleza em um jardim florido! Flores, com espinhos, não deveriam se misturar, pois, uma hora, as melífluas iriam se ferir... A rainha de todas elas, que é a rosa, certamente, acabaria por machucar as outras coitadas... E, assim, me senti como uma menina, que gostava de estragar o jardim da mãe, sem saber que aquilo não era correto. Arrancava uma margarida e esfarelava o miolo dela e espalhava pelo jardim, adorava fazer isso. Depois de alguns dias, lá estavam as margaridas brotando e enfeitando o jardim. Não deixava nem uma margarida com o miolo, coitada, pois dizem que as flores, também, sentem dores... E, assim, sentindo dores ou não, se curavam e logo estavam lindas e formosas. Um verdadeiro milagre! Continuei nas viagens por minhas lembranças e veio-me, à mente, a vida dos girassóis... Como era interessante, poder acompanhá-los, no percurso, que eles faziam, acompanhando o sol... Em minhas lembranças, sinto-me como uma menina, que adorava o amanhecer, estando no jardim, observando as flores... O sol começava a despontar e parecia que as flores tinham luz própria... Quando a noite chegava, vinha o sereno e elas brilhavam, também, mas, sem aquele brilho do sol, que lhes dava luz própria... E eu, continuando a caminhar pelas minhas lembranças, relembrando de um passado, que está bem distante, mas, dentro de minha memória, é como se estivesse no presente, colhendo flores e desprezando os espinhos.

Marilina Baccarat - escritora brasileira
Inserida por MarilinaBaccarat
1 compartilhamento

Inicia mais uma semana Por Marilina Baccarat de Almeida Leão

Sinto-me como se
estivesse caminhando por entre lírios, íris, glicínias lilases, rumo ao caminho das minhas lembranças... Sentindo um aroma de mel, abelhas voando, levando, nas suas asas translúcidas, perfumes, cheiros, aromas dessa doce manhã, que dá início a uma nova semana... Preparei tela, cavalete, pincéis, aquarela... Mas, a magnífica alvorada trazia pinceladas rápidas, com gotas de tintas, que a natureza pintou, antes de mim. A tela da vida, que eu via, ali, era pura magia! Amanhecia, no meu jardim, dando um colorido todo especial... As flores balançavam com o vento e eu me sentia como uma menina, estragando o jardim, arrancando as flores, que davam cor e beleza ao jardim... Eu era uma criança e não sabia o valor e o encanto, que há em um jardim, vivia estragando as flores... À véspera do início da semana, pensávamos que poderíamos colher todas as flores, até que a repreensão da mãe vinha: - Flor é para enfeitar o jardim e não para ser arrancada... As flores devem ter uma constituição entre elas, pois não é possível existir tanta beleza em um jardim florido! Flores, com espinhos, não deveriam se misturar, pois, uma hora, as melífluas iriam se ferir... A rainha de todas elas, que é a rosa, certamente, acabaria por machucar as outras coitadas... E, assim, me senti como uma menina, que gostava de estragar o jardim da mãe, sem saber que aquilo não era correto. Arrancava uma margarida e esfarelava o miolo dela e espalhava pelo jardim, adorava fazer isso. Depois de alguns dias, lá estavam as margaridas brotando e enfeitando o jardim. Não deixava nem uma margarida com o miolo, coitada, pois dizem que as flores, também, sentem dores... E, assim, sentindo dores ou não, se curavam e logo estavam lindas e formosas. Um verdadeiro milagre! Continuei nas viagens por minhas lembranças e veio-me, à mente, a vida dos girassóis... Como era interessante, poder acompanhá-los, no percurso, que eles faziam, acompanhando o sol... Em minhas lembranças, sinto-me como uma menina, que adorava o amanhecer, estando no jardim, observando as flores... O sol começava a despontar e parecia que as flores tinham luz própria... Quando a noite chegava, vinha o sereno e elas brilhavam, também, mas, sem aquele brilho do sol, que lhes dava luz própria... E eu, continuando a caminhar pelas minhas lembranças, relembrando de um passado, que está bem distante, mas, dentro de minha memória, é como se estivesse no presente, colhendo flores e desprezando os espinhos.

Marilina Baccarat - escritora brasileira
Inserida por MarilinaBaccarat
1 compartilhamento

Grande evento em ambito nacional, acontece no dia 5 de agosto. Escritores de todo o Brasil, estarão reunidos em Curitiba.
Nessa ocasião, Marilina Baccarat de Almeida Leão, lança mais um livro "Sempre Amor".
Local do evento :Palacete Wolf
Praça Garibaldi 7 - setor hitórico- Curitiba - Paraná.

Marilina Baccarat - escritora brasileira
Inserida por MarilinaBaccarat

Quando tudo nos direciona para a busca da
ventura, parece mesmo ridículo afirmar que as pessoas
têm medo de amar e, com isso, não buscam o
amor, se esqueceram delas mesmas...

Marilina no livro "Sempre Amor"

Marilina Baccarat - escritora brasileira
Inserida por MarilinaBaccarat

Quem conhece o verdadeiro amor, é uma pessoa
corajosa, pois, se ela tem a paixão, estará livre da
platidude do comodismo, pois, com certeza, vivencia
o verdadeiro amor e, sempre, diz sim à vida, quando
há o amor...

Marilina Baccarat no livro "Sempre Amor"

Marilina Baccarat - escritora brasileira
Inserida por MarilinaBaccarat

Só quem tem passado tem futuro. Escolher a bagagem que há de se carregar, é decisivo para seguir adiante... Entre fardo e combustível, asas e correntes, você é quem vai decidir...
Marilina no livro "É Mais ou menos Assim "

Marilina Baccarat - escritora brasileira
Inserida por MarilinaBaccarat

Eterno é o amor, quando é verdadeiro,ele dimana do fundo do coração, reflete em nós, a felicidade...
Já a paixão não é duradoura, nunca será eterna, ela é uma semente que não germinou...
O amor é infinito, mesmo quando se vai pelo fato de a pessoa ter partido cedo...
Mas o amor nunca acaba. As pessoas se vão, partem, mas fica sempre um perfume de saudade, preso em nossa essência...Correndo em nossas veias... Deixando-nos perfumadas de amor...

No livro "Sempre Amor "de Marilina Baccarat de Almeida Leão

Marilina Baccarat - escritora brasileira
Inserida por MarilinaBaccarat

No silêncio, continuo no meu mundo de lembranças,
como uma chuva, que cai de mansinho a me
preencher de mim mesma, por toda a minha vida...
As lembranças moram em mim e, ainda bem, pois,
são incompreendidas pelos mortais...
Continuo, sigo em meu mundo de lembranças,
elas são alucinadas como eu, ninguém, nem mesmo
os solitários, não deixam de ter lembranças perfeitas
do passado...

Marilina Baccarat no livro "Viajando nas Lembranças"

Marilina Baccarat - escritora brasileira
Inserida por MarilinaBaccarat

Sou mulher , sou guerreira...
As vezes menina,
querendo brincar de roda,
As vezes, adulta , querendo dançar,
Mas, sou Aquela mulher,
Que nunca tomba,
Quando me puxam o tapete,
Pelas armadilhas da dor...
Sou guerreira, sou mulher...
Com coragem e certeza,
Pois vou descobrindo o meu valor...

Marilina Baccarat escritora brasileira

Marilina Baccarat - escritora brasileira

Você sabe quem é Marilina Baccarat?
Curiosidades da escritora brasileira Marilina Baccarat de Almeida Leão.
Nasceu em São Paulo - Capital, de família tradicional e nobre. Seu bisavô veio para o Brasil em 1870, para montar aqui, uma sucursal da fabrica de cristais Baccarat.
Neta de José Baccarat, que foi delegado e prefeito de Santos entre 1930-1940.
Marilina tem livros traduzidos para o francês e Inglês, é conhecida no mundo todo. Pertence a várias academias de letras, e a principal é de Valparaíso-no Chile.
É também musicista de renome.
Com mais de 16 livros editados, entre contos e crônicas, também é detentora de vários prêmios. Recebeu em Portugal, a medalha Luiz Vaz de Camões, o maior prêmio para os escritores portugueses.

Marilina Baccarat - escritora brasileira
Inserida por MarilinaBaccarat

Pequenos caminhos floridos fazem bem à nossa caminhada. Aquilo, que armazenamos no coração, determina nossos passos, durante a caminhada...

Marilina Baccarat no livro Musicalidade Colorida

Marilina Baccarat - escritora brasileira
Inserida por MarilinaBaccarat

Tudo passará, demora, mas vai passar e sobreviveremos...E aí, passada a tormenta, daqueles benditos raios, chega então a tranquilidade, o livrearbítrio...
Seremos bonitas, desejáveis, invejadas, admiradas por todos, e, o melhor ainda... “Gostosas”...
No livro É Mais Ou Menos Assim

Marilina Baccarat - escritora brasileira
Inserida por MarilinaBaccarat

Caminharei por caminhos áridos, tendo como companhia a audácia... Me afastarei de mim mesma, me perderei nas trilhas da solidão, pois, é ali, que me encontro, de onde observo um jardim secreto, com acesso ao templo que há em mim...Medo?... Sim, o tenho...Mas posso perfeitamente entender, que o pavor mora lá e a coragem vive em mim, dentro desse templo, para sempre..
.(Marilina no livro É Mais Ou Menos Assim )

Marilina Baccarat - escritora brasileira
Inserida por MarilinaBaccarat

Reformulamos premissas, em estar em um mundo mais relaxado... Já não queremos mais mudar o mundo e, sim, compreendê-lo...
A passagem do tempo, foi um cerimonial de pompas e circunstâncias. Talvez o último antes da definitiva passagem... Inevitável e necessária...
Marilina Baccarat no livro "É mais ou menos assim "

Marilina Baccarat - escritora brasileira
Inserida por MarilinaBaccarat

Muitas vezes deixamos de aproveitar abraços apertados, sorrisos espontâneos e amizades verdadeiras...Assim passamos pela vida sem a viver por inteira". (Marilina Baccarat De Almeida Leão)

Marilina Baccarat - escritora brasileira
Inserida por MarilinaBaccarat