Marcinha Babinsk

Encontrados 6 pensamentos de Marcinha Babinsk

E DA FILOSOFIA BABINSK:
"O amor esquece mágoas, o amor perdoa erros, o amor aceita e recebe!
-O amor é um tolo que se deixa enganar?
Não! Respondi a mim mesma, o amor é um sábio, que se deixa aprender!

Marcinha Babinsk
Inserida por marcinhababinsk

Estou doente,
muito doente de amor,
estou morrendo,
morrendo por você,
me entreguei à morte,
fugi das pessoas,
pois sem você não tenho motivos para viver,
quero não trabalhar mais,
quero não sair de casa,
quero beber sangue da minha vida
e me apagar sumindo...
Quero desejar as cinzas e sê-las,
quero um vento forte para que as leve para longe,
dissipar-me no caminho,
quero apenas desaparecer!
E me afogar no choro de minhas lágrimas infinitas,
quero morrer de sede sim,
tomar ácido, envenenar-me de dor,
sentir o fime apagar você de mim!
(Marcinha Babinsk)

Marcinha Babinsk
Inserida por marcinhababinsk

ELEVADOR!!!

Crônica da Babinsk - Marcinha Babinsk


Era noite de sábado em novembro e o tempo veio com a intenção de apenas bebermos e falarmos muita bobagem...eu a olhei diferente, foi assim que chegamos à casa de uma amiga comum...mesmo que eu não olhasse, eu a desejei pra mim, confesso!
A música era um complemento daquele ambiente agradável e manso...assim como a mansidão de seus olhos, nos falamos e trocamos algumas ideias ( mas eu não tirava os olhos da sua boca...eu precisava morder aquela boca, sentir o calor dela em mim....eu precisava!!!) e como eu precisava...rs...você comentou que tocava violão e disse que iria buscá-lo em seu apartamento, me prontifiquei a ir com você....imagina se eu iria perder a oportunidade de estar sozinha com você? Nunca!
Entramos no ELEVADOR....a conversa fluía sobre amenidades...papo leve pra cá...papo leve pra lá e o ELEVADOR descendo...entrei no seu carro e disse pra mim mesma: É agora!
Dei-lhe um beijo...você um pouco assustada....porém me beijou mais ardente, me beijou com força, me beijo com todo carinho e uma pitada inicial de desejo, daquele que dá vontade de rasgar a roupa...
E o violão?
Na sua casa!
E nós iríamos pra lá...bom...a continuação do beijo?
As pessoas estavam nos esperando, inclusive minha namorada...sim eu tinha namorada, mas a gente andava dando brecha para outras pessoas entrarem...e entrou!
Voltamos ao apartamento...claro no ELEVADOR, agora testemunha de uma amor que surgia, de uma manifestação da VIDA, de uma insana loucura de beijar você!
E os beijos foram ganhando força e espaço em nossas vidas...dos beijos fizemos amor e do amor criamos laços, de um nó tão forte que jamais conseguiremos desatá-los...seguimos, andamos juntas na mesma direção, olho pra você e lhe puxo a mão,você me olha e me conduz...às vezes nos desentendemos...raras... contudo nosso gostar é tão intenso que nessa hora ELEVA A DOR!

Marcinha Babinsk
1 compartilhamento

Crônica da Babinsk- Marcinha Babinsk

ÉRAMOS TRÊS

Éramos um casal composto por TRÊS pessoa...não está entendendo? Eu explico: morávamos no interior de São Paulo, eu e meu marido, sim fui casada e com um homem, um homem maravilho, fraco, mas um homem maravilhoso,tivemos TRÊS filhos, lindos, fortes como a mãe, depois de TRÊS anos de casados meu marido foi transferido para São Paulo - capital, e promovido a gerente tinha TRÊS secretarias, jovens e belas, isso é até redundância, toda jovem é bela mesmo!
Uma viúva, uma noiva e outra solteira e todas amigas nossas, após TRÊS meses na capital a casa de um passou a ser a casa de todos, uma equipe, uma família e foi assim que me senti, totalmente à vontade para convidar uma das secretaria para que viesse morar conosco, numa dessas peripécias da vida seu apartamento havia sido pedido pelo dono do imóvel, eu solícita e mãe não iria deixar uma amiga desamparada. Eu vi como amizade, ela como brecha para se aproximar de mim. Meu inferno começou nesse dia,fugi dela dentro da minha própria casa, no fundo eu até queria me permitir e conhecer essa estranha forma de amor, mas e a razão e a religião gritando aos meus ouvidos e dizendo que algo errado seria se eu o fizesse...TRÊS gloriosos dias e eu cedi... E de repente eu a amei em sua intensa busca de me dar aquilo que eu jamais havia conhecido com o fraco do meu marido: Prazer.
E isso definitivamente me fez ver meu marido como amigo e sua amiga como minha esposa, e a confusão em minha cabeça estava formada e crescia a cada dia como um desafio em cada minuto do dia de vinte e quatro horas, de dia eu era mãe e dona de casa,à noite eu era amante e de madruga esposa com dor de cabeça, vida atribulada e sentimentos tortos...meu marido finalmente tomou uma atitude e saiu definitivamente de nosso quarto, foi dormir no quarto de hóspede e pediu que sua secretaria me fizesse companhia...assim formamos uma família bem diferente, mas tão feliz em nossa vontade de entendermos um ao outro, nunca nos separamos...somos um casal sempre, eu e meu marido, eu e minha esposa, moramos juntos e somos um casal de TRÊS pessoas!
Se os casais modernos acham que já viram de tudo é porque ainda não conhecem a minha história...isso em 1963, quando poucos respeitavam ou sabiam o que era ser homossexual...é Daniela Mercury bons tempos são os teus, que felicidade é sinônimo de sucesso, na minha época isso seria caso de polícia,bom que os tempos mudaram e eu tenho a sorte de presenciar isso!

Marcinha Babinsk
1 compartilhamento

A vez que foi a primeira vez

Crônica da Babinsk - Marcinha Babinsk

O filme era de terror...mas a gente ria...ríamos das vitrines e roupas engraçadas e da moda do shopping, ríamos das pessoas que nos sorriam...ríamos dos planos da próxima viagem...do trânsito, da fila do banco, da hora de sair, dos shows, do restaurante...o amor fazia de nós pessoas que navegavam em sentimentos únicos, era uma paixão que causava dor...tão forte que nos unia, tão forte que nos fazia uma só pessoa...esse amor invadiu nossa mente, nosso corpo, nossa alma...invadiu nossos planos, invadiu nossa vida...caminhamos por uma estrada escolhida por nós e há tanto tempo desejada e querida...chegou sem avisar e esse presente chamado amor foi contemplado e compartilhado por nós...não havia espaço para mais ninguém e nos sentíamos realizadas!
De portas fechadas nos trancamos em nós...pra quê mundo, se meu mundo era você, se para você seu mundo era eu, juntas descobríamos o corpo uma da outra, exploração ao limite do prazer e uma, duas...inúmeras vezes preferimos não ver ninguém, apenas nos bastar em nossa companhia. Escolhas nossas, meu primeiro grande amor, meu verdadeiro amor...medo de ser tão grande esse amor, vontade de te devorar nesse amor, vontade de comer você e ter você em mim, dentro de mim e assim viver, olhando-te de dentro para fora...você ao meu lado dormindo, imaginei seus sonhos e se neles eu estarei...uma mistura de ciúmes com raiva percorreu minha mente...o amor tomou outro rumo...me perdi na incontrolável versão da traição...e o filme de amor passou a ser de terror...e chorávamos, chorávamos por tudo e de todos...nem em pensamento conseguímos pensar uma sem a outra!
E o medo corria os trilhos da nossa relação, trocamos mel e agora sentíamos o gosto do fel...nesse momento delicado escolhi deixar você...vendo você dormindo imaginei toda a cena do término numa única noite, chorei amargamente e senti a mesma dor do amor, agora a dor da solidão, da paixão abandonada e adornada por lágrimas de desespero...era madrugada...você parecia um anjo sonhando...e eu divagando nos maus pensamentos, culpa sua que não sonhava comigo, que não em tinha em seus pensamentos enquanto dormia...te via como culpada e traidora, mentirosa que me enganava...e nas minhas lágrimas adormeci...
Logo cedo você me acordou cheia de mimos, beijos e afagos...bom dia, beijos...quer café...beijos, eu te amo...beijos, dormir com você é uma delícia...beijos...sonhei com você...beijos...
Respirei fundo...ALIVIADA, em sonhos tinhas a mim, levantei fui trabalhar e nosso dia foi coberto por bons pensamentos...é difícil ser uma mulher transparente em seus sentimentos, tanta dor por nada...quem entende o ciúmes? INCOMPREENSÍVEL!!!

Marcinha Babinsk
1 compartilhamento

O filme!

Não me perguntem o que foi???
-Porque eu não saberei responder, só sei que foi por acaso que nos encontramos, ela me olhou, mas não me viu, eu a vi, mas não a fiquei olhando.
De repente sentamos no cinema uma ao lado da outra, estava sozinha, com um saco enorme de pipoca, mal podia enxergar a tela, tinha os cabelos anelados, mais curtos, usava um óculos como o meu, claro o filme era em 3D!
No início me senti incomodada, aquela mesma mulher que estacionou o carro ao lado do meu, que estava na fila comprando ingresso na minha frente, que sentava ao meu lado parecia que estava me perseguindo....
foi então que ela esbarrou seu braço na minha garrafinha de água e descemos juntas para pegar e um olhar estranho eu percebi. Um pedido sem graça de desculpas, duas palavras, não mais que isso...e o filme!
Quê filme????
Passei e nem me lembrar mais que estava no cinema, seu braço encostava no meu, eu ouvia sua respiração....e o filme? Nem sei que cena estava, se era ação ou terror, passei o filme inteiro sonhando o que falaria depois do filme:
- E aí gostou? Bom filme né?
Mas, se ela me perguntasse sobre alguma cena, algum personagem?
Falaria amenidades....aquela coisa do tipo também concordo, porque nem mais o nome do filme eu sabia...
ah! sabia sim, mas já tinha esquecido, porque uma mulher ao meu lado que eu nem conhecia estava "prendendo" mais minha atenção do que o filme...teve uma hora que ela olhou levemente pra mim, fez um pequeno comentário sobre o filme, sorri.
O que mais eu podia fazer?
Se nem filme eu estava assistindo....e passei uma hora e meia sonhando com essa desconhecida e amedrontada com a aproximação do fim do filme, enfim luzes acessas, olho sua mão: solteira, podia não ser!
Procuro rapidamente dentro da memória uma ou duas, talvez três palavras para conseguir me aproximar dela.
Logo nós que sentamos ao lado uma da outra, que estacionamos ao lado uma da outra, que vimos o mesmo filme, na mesma fileira...quantas afinidades, pensei.
Tomei coragem:
-Essa blusa é sua?Tinha uma blusa de frio largada na cadeira ao nosso lado
-Não. É sua, você chegou com ela. Ela me notou, pensei.
Despediu-se e nunca mais a vi, mas confesso foi o melhor filme que vi na minha vida.
( Marcinha Babinsk)

Marcinha Babinsk
Inserida por marcinhababinsk
1 compartilhamento