Madalena Ferrante Pizzatto

1 - 25 do total de 61 pensamentos de Madalena Ferrante Pizzatto

Eu me alimento de lembranças e me empanturro de saudades.

Madalena Ferrante Pizzatto
Inserida por MadalenaPizzatto

A saudade cresceu,
explodiu na minh' alma
e desceu nos meus olhos.

Madalena Ferrante Pizzatto
Inserida por MadalenaPizzatto

Evaporou a emoção,
acabou a fantasia
e associou - se à razão:
emudeceu a poesia.

Madalena Ferrante Pizzatto
Inserida por MadalenaPizzatto

Uma Gralha Azul no céu,
fertiliza a natureza,
gira, galga e voa ao léu,
cheia de graça e beleza.

Madalena Ferrante Pizzatto
Inserida por MadalenaPizzatto

Sou tolhida quando falo.
Aí eu fico sentida.
Quando eu me calo,
eu escrevo.
Ultimamente,
meus dedos estão cheio de calos...

Madalena Ferrante Pizzatto
Inserida por MadalenaPizzatto

Aroma e alegria,
em uma atmosfera floral
brisa e poesia.

Madalena Ferrante Pizzatto
Inserida por MadalenaPizzatto

Hoje fiquei só,
eu procurei minha sombra,
vi, então me deu dó.

Madalena Ferrante Pizzatto
Inserida por MadalenaPizzatto

Uma poesia vagueia.
Ela precisa de um abrigo
e invade o meu quarto na madrugada.
Por isso, atrevida, me acorda.
As palavras chegam e partem
(alegres ou tristes).
Ecoam seus versos
igual ao som de sino rouco.
Envolvem minha alma.
Em troca, florescem os meus sonhos.

Madalena Ferrante Pizzatto
Inserida por MadalenaPizzatto

Quando percebi,
não era mais criança,
quis segurar minha infância,
mas não deu:
Cresci....

Madalena Ferrante Pizzatto
Inserida por MadalenaPizzatto

As folhas no chão
inverno surge com graça
o sol sai de cena

Madalena Ferrante Pizzatto
Inserida por MadalenaPizzatto

Maio enche de flores
outono de céu azul
com jardim de cores

Madalena Ferrante Pizzatto
Inserida por MadalenaPizzatto

Uma sinfonia
são pássaros no quintal
festança musical

Madalena Ferrante Pizzatto
Inserida por MadalenaPizzatto

ESTA CONSUMADO

Abriu um novo caminho
à caminho do calvário,
coroado com espinhos.
Foi maltratado e ultrajado.
no alto de uma cruz.
Alongou seus braços num abraço.
No abraço que envolve,
espelha e espalha o perdão.
Na dor da crucificação,
cravou e provou seu amor.
Neste dia sombrio,
a terra tremeu e o véu rasgou.
Sua cabeça inclinou
e sem ressentimento,
Eis que Rei dos reis bradou:
“Esta consumado”.

Madalena Ferrante Pizzatto
Inserida por MadalenaPizzatto

RETRATO DE CURITIBA

Minha amada, gelada, cinza e nublada,
de inverno com o céu azul translúcido,
outros muitos bruscamente escurecidos,
o sol tímido algumas vezes brilha aqui.

Queridinha do vampiro e polaquinha,
do Poty, da Elena Kolody e Leminski.
da “vina”, do“penal” do “piá” e Au Au.
Tem o Pierogi do Tadeu e tem Cini,
a cocada do Bomfati, a rua Teffé.
da Boca Maldita e o chique do Batel.

Sorriso e cores, flores no calçadão
Suas Torres, palácios e casarões.
tem também a feirinha do Poeta.
A Curitiba de natais inesquecíveis,
musicais, teatros, do antigo e do novo.
Aqui tem Gralha Azul, pinheiros, pinhão

Domingo no Tangua, Tingui e no Barigui.
Porque é linda e Santa a Felicidade,
hoje eu te envolvo com meu abraço
Curitiba, é muito bom viver aqui !

Madalena Ferrante Pizzatto
Inserida por MadalenaPizzatto

CANTO TRISTE

Hoje penso no meu Brasil
outra vez, meu verso chora.
Um lampejo fulminante,
as palavras cambaleiam,
se metem na poesia.
E num brado retumbante
no qual desafina incerto,
neste instante, canta um canto
tão triste e desencantado.

Madalena Ferrante Pizzatto

Crianças fora da escola
nas ruas pedem esmolas.
Dormem nos bancos da praça,
nos viadutos ao relento.
Dias de frios e vento
cobrem com dores e mágoas,
carentes de amor e pão.
Maltratadas e exploradas,
vagueiam sem rumo e drogadas
matam por alguns trocados.

Crianças sem esperanças,
caminham soltas, acuadas
E cansadas de sofrer
vagabundeiam por aí
porém, ninguém quer ver.

Madalena Ferrante Pizzatto
Inserida por MadalenaPizzatto

Num instante, um hiato de sombras gélidas,
me sufocam numa transição final.
Com um breve suspiro, inesperadamente,
sem palavras, fechei os olhos e adormeci.

Minh`alma viaja ao pólo oposto
hesitante tento impedir o passo
Mas, com cautela e um compasso lento
atravesso um sinistro limiar.

Poderoso vento vem ao meu encontro
vejo esplêndida veloz luz que se aproxima
e os meus olhos se ofuscam…flutuo…

Pasma ao ver o resplendor da glória de Deus
a minha`alma agora anela ao inexprimível.

Uma grande porta se fecha atrás de mim.

Madalena Ferrante Pizzatto
Inserida por MadalenaPizzatto

um frio sem sol
sossego com aconchego
luva e cachecol

Madalena Ferrante Pizzatto
Inserida por MadalenaPizzatto

Fogo na lareira
geada na madrugada
e o chá na chaleira.

Madalena Ferrante Pizzatto
Inserida por MadalenaPizzatto

Saudade é o retrato da ausência
emoldurado pela distância.

Madalena Ferrante Pizzatto
Inserida por MadalenaPizzatto

A CHUVA

Através da janela
vejo a chuva que caí.
Insiste mansamente…
Sons das gotas da chuva,
a sinfonia fria
bate e molha a vidraça.
Divina fina chuva!

Vejo luzes dos reflexos
da chuva no asfalto.
As minhas lembranças
retornam ao passado.
Saudade e melancolia
da minha doce infância.
Aí meu coração chora
O ritmo da chuva insiste…

Madalena Ferrante Pizzatto

SAUDADE

Embalo uma saudade
nas palavras do verso
e danço num poema.
Emolduro a distância,
suavizo minha dor
quando guardo você
em um porta retrato.

Madalena Ferrante Pizzatto
Inserida por MadalenaPizzatto

BRASIL
Ó Pátria tão calada
Salve ! Salve !
Salve o nosso povo

Brasil, um povo heroico e sofrido .
bravo povo, onde ficou o sonho intenso?Gente de esperança de olhar confuso…
desafiando em seu peito a própria sorte
com enganos, sofrimentos sem norte.


Brilhou no céu da pátria nesse instante
Diante do penhor da desigualdade
do flagelo da injustiça e corrupção,
com seu direito corroído pela inverdade.
Imagem de um Cruzeiro de indagação!

O seu passado espelha sua tristeza
dos políticos insensíveis sem corações
deitados em seus berços esplêndidos.
sem dignidade assaltam o cidadão.

Diante de toda esta corrupção
Como ficará o futuro da nação?

Ó Pátria amada, tão calada
Salve ! Salve !
Brava gente brasileira!

Madalena Ferrante Pizzatto
Inserida por MadalenaPizzatto

CREPÚSCULO
( de Madalena Ferrante Pizzatto )

Na rotina do tilintar dos sinos,
no céu, o sol fecha sua cortina,
mancha de rubro a linha horizonte,
com calma vai embora pela campina.
No fim do dia, cumpre seu destino,
entrega - se a mais um novo crepúsculo.

Similar a musica de um triste hino
mansamente sem nenhum alvoroço
vão com ele em revoada, os meus sonhos…

Esperançosa, olho para a colina:
espero por mais uma nova aurora,
amanhã posso de novo sonhar.

Madalena Ferrante Pizzatto
Inserida por MadalenaPizzatto

DIA DO TROVADOR.
Meus irmãos, os trovadores,
de almas que pulsam nos versos,
acalentam suas dores
em seus poemas diversos.
( Madalena Ferrante Pizzatto )

Madalena Ferrante Pizzatto
Inserida por MadalenaPizzatto