Dr. Martyn Lloyd-Jones

1 - 25 do total de 41 pensamentos de Dr. Martyn Lloyd-Jones

A oração é vista como um mecanismo destinado a produzir certos resultados. Temos necessidade de algo, e acreditamos que tudo o que temos que fazer é pedir isso e pedir que Deus no-lo conceda. Não paramos para pensar em como devemos aproximar-nos de Deus, e se temos algum direito de fazê-lo. A idéia de cultuar a Deus e adorá-Lo nem aparece. Não consideramos as nossas respectivas situações nem nos lembramos de que Ele é "o alto e sublime, que habita na eternidade" (Isaías 57:15) e que nós somos totalmente pecadores - sendo que a nossa própria bondade e justiçanão passa de "trapos de imundícia" (Isaías 64:6) em Sua presença. Não nos ocorre ouvir Deus e esperarem Sua presença. Deus é apenas uma agência à qual podemos recorrer quando desejamos, e cuja única função é atender os nossos pedidos. Quando comparamos as nossas orações com as que vemos registradas na Bíblia, dos lábios de Moisés, Daniel, Isaías e dos apóstolos, e principalmente quando observamos a ordem e o lugar dados às petições propriamente ditas na oração modelo ensinada aos discípulos pelo nosso Senhor, não nos ficaria claro que temos a tendência de deixar fora o que é mais importante e primário, e de concentrar-nos somente em petições e na gratificação dos nossos desejos pessoais, egoísticos? É por isso que, naturalmente, a vida de oração de muitos é espasmódica e movida por caprichos,em tempos normais, e s torna urgente e regularsó na épocade desesperadora ansiedade.

Dr. Martyn Lloyd-Jones
Inserida por Poliana16
1 compartilhamento

Por que somos como somos? Por que há tantas falhas em nossas vidas, e tanto pecado? A resposta acha-se aqui: simplesmente não conhecemos a Deus! "Pai justo", disse o Senhor Jesus, "o mundo não te conheceu; mas eu te conheci" "Oh", disse Ele, "se eles tão somente te conhecessem, não viveriam como vivem, mas não te conhecem!" Eles falam de Deus, e argumentam, mas não O conhecem. "Pai justo, o mundo não te conheceu." Mesmo conosco, que somos cristãos, o problema é que não conhecemos a Deus. Esqueçam das suas fórmulas, esqueçam-se de si próprios, e daquilo que os está mantendo na fossa. Não é esse o seu problema. A sua natureza é corrupta, e se vocês se livrarem desse problema particular, terão alguma outra coisa contra o que lutar. O verdadeiro problema é que não conhecemos a Deus. Os homens que buscavam a Deus e buscavam a Sua face é que foram mais santos. O de que necessitamos primordialmente não é de alguma experiência, é deste conhecimento de Deus, dos atributos de Deus - Sua glória, Sua inefabilidade, Sua santidade, Sua onipotência, Sua eternidade, Sua onisciência, Sua onipresença. Se eu e você simplesmente tivéssemos a percepção de que onde quer que estivermos, e o que quer que fizermos, Deus nos estaria vendo, isso transformaria as nossas vidas!

Dr. Martyn Lloyd-Jones
1 compartilhamento

No Sermão do Monte não nos é recomendado: "Vivei deste modo e vos tornareis cristãos." Pelo contrário, somos ali ensinados: "Visto que sois cristãos, vivei deste modo."

Dr. Martyn Lloyd-Jones
25 compartilhamentos

Se eu e você simplesmente tivéssemos a percepção de que onde quer que estivermos, e o que quer que fizermos, Deus nos estaria vendo, isso transformaria as nossas vidas!

Dr. Martyn Lloyd-Jones
30 compartilhamentos

Não devemos esperar demais do Estado porque as atividades que compete ao Estado é principalmente negativa. Sua principal função é controlar e limitar o mal e as manifestações do mal. O Estado, seja monarquia, oligarquia, democracia, ou qualquer outra forma que vocês queiram escolher, pouquíssimo bem positivo pode fazer, e as pessoas entram em dificuldade quando pensam que ele pode fazer muito.

Dr. Martyn Lloyd-Jones
Inserida por Poliana16

Como cristãos, como crentes, como aqueles que estão em Cristo, não estamos mais debaixo da lei. Estamos "mortos para o pecado", "mortos para a lei". Terminamos com a lei. "A lei do Espírito de vida em Cristo Jesus, me livrou da lei do pecado e da morte" (Romanos 8:2). Significa que não estou mais sob a condenação da lei. Não só isso, significa também que não fico mais tentando cumprir a lei e falhando. Terminei com isso também. E então, qual é a minha situação? Bem, como Paulo nos diz constantemente, estamos "debaixo da graça" (Romanos 6:14). Mas, significaria que por isso eu não tenho mais nada a ver com a lei? Ora, nós terminamos com a lei na questão de inutilmente tentarmos justificar-nos por ela. Também terminamos com a condenação pronunciada pela lei contra nós. Mas ainda podemos receber mensagens e apelos em termos da lei porque ela continua sendo a expressão perfeita de como Deus quer que vivamos. Ela ainda se aplica a nós nesse sentido.

Dr. Martyn Lloyd-Jones
Inserida por Poliana16

Nova vida foi introduzida em nós. Por quê? Porque sem vida não podemos fazer coisa alguma. A primeira coisa que o pecador necessita é vida. Ele não pode pedir vida, pois está morto. Deus lhe dá vida, e o pecador prova que a tem crendo no Evangelho. A vivificação é o primeiro passo. É a primeira coisa que acontece. Eu não peço para ser vivificado. Se eu pedisse para ser vivificado, não precisaria ser vivificado, já teria vida. No entanto, estou morto, e estou em inimizade contra Deus e a Ele me oponho, não tenho entendimento, tenho ódio. Mas Deus me dá vida. Ele me vivificou juntamente com Cristo. Portanto,a jactância é inteiramente excluída, gloriar-me das obras, gloriar-me até da fé. Isso tem que ser excluído. A salvação é inteiramente de Deus.

Dr. Martyn Lloyd-Jones
Inserida por Poliana16

Essa é a verdade real e concreta acerca do cristão: ele é escravo de Deus. Esse é o segredo da santidade. Compreender esta verdade constitui o segredo da santidade e da santificação. O que necessitamos não é de uma experiência, e sim, de entender qual é a verdade a nosso respeito, entender quem somos e o que somos. Essa é a chave da santidade e da santificação.

Dr. Martyn Lloyd-Jones
Inserida por Poliana16

Os sentimentos não podem ser a nossa autoridade final, porque, como bem sabemos, eles são instáveis e não são confiáveis. Eles vêm e vão, e você nunca sabe o que poderão ser. "Não ouso confiar na disposição mais fina", diz um autor de hinos, porque amanhã ela poderá ter desaparecido. Se eu estiver sendo governado por meus sentimentos, ver-me-ei mudando constantemente - às vezes feliz, às vezes infeliz, às vezes achando que está tudo bem, ora achando que tudo vai mal, ora emocionado pela leitura da Bíblia, outras vezes tendo que me esforçar para extrair algo dela, sentindo-me frio, árido, lerdo, tolo! Não seria essa a sua experiência? Se é assim, como você pode confiar nos sentimentos como sua autoridade?

Dr. Martyn Lloyd-Jones
Inserida por Poliana16

Não há valor nem propósito em ler a doutrina e entender o ensino, se não fazemos nada a respeito. Temos que transferi-lo para a prática. Há sempre um elemento de aventura na fé. A fé é inteiramente diferente do assentimento e da crença meramente intelectuais. Fé é pôr o que cremos em prática e ação.

Dr. Martyn Lloyd-Jones
Inserida por Poliana16

Não devemos ser tagarelas o tempo todo, falando sobre coisa nenhuma. Ah, as horas que temos desperdiçado na vida, com prosa ociosa, tagarelice inútil e conversa fiada, tudo para nada! O cristão deve desfazer-se disso. Ele não tem que necessariamente estar sempre falando em religião, porém toda vez que falar, terá que haver no que fala algum conteúdo, algum valor. Terá que ser sempre uma palavra boa, sempre limpa e sempre terá que ser edificante, num sentido ou noutro, para que as pessoas digam no fim: foi uma boa coisa passar algum tempo com esse homem ou com essa mulher; sinto-me melhor por tê-lo feito.

Dr. Martyn Lloyd-Jones
Inserida por Poliana16

Um dos nossos problemas atuais é que não pensamos mais por nós mesmos. Os jornais o fazem por nós, as pessoas entrevistadas no rádio e na televisão o fazem por nós, e nós nos sentamos e escutamos. Essa é uma das manifestações do colapso da autodisciplina. Precisamos aprender a disciplinar as nossas mentes.

Dr. Martyn Lloyd-Jones

Se vivemos com o objetivo supremo de alcançar a aprovação dos outros, consequentemente vamos nos concentrar mais nas aparências externas do que na realidade interior. Sabemos que os homens, por mais inteligentes e astutos que sejam, realmente não podem discernir as profundezas que há em nós; eles têm que tirar conclusões baseados inteiramente no que fazemos ou dizemos. Portanto, se quisermos agradá-los, temos que concentrar todos os nossos esforços em nossa aparência externa, mantendo o estado íntimo do nosso coração em segredo. Por isso é que pessoas que vivem preocupadas principalmente em receber honra dos outros raramente gastam tempo em meditação, auto-análise e oração. Estão sempre com seus olhos voltados para os outros. O resultado é que nunca enfrentam a si mesmos. Estão sempre calculando e tentando determinar que efeito vão ter sobre os outros. Portanto, outras pessoas se tornam a sua consciência. O resultado disso é que sua própria consciência se atrofia e morre por falta de uso! O homem que está preocupado acima de tudo com suas aparições públicas diante dos outros em geral nunca se preocupa muito com sua atitude íntima diante de Deus.

Dr. Martyn Lloyd-Jones
Inserida por Poliana16
1 compartilhamento

Deus nos perdoa, porque, e somente porque, o nosso pecado foi punido, e a nossa culpa foi expiada.

Dr. Martyn Lloyd-Jones

O pecado vem da forma mais atrativa possível, e naturalmente, sempre oferece "vida", sempre oferece diversão, sempre oferece sucesso, sempre oferece felicidade. Se não fosse assim, ninguém olharia para o pecado.

Dr. Martyn Lloyd-Jones

Se tentação não fosse atraente, ninguém jamais olharia para ela. E é dessa maneira que o pecado sempre se aproxima de nós - enganando, seduzindo, cativando, cheio de beleza e atração.

Dr. Martyn Lloyd-Jones

Amigo, o que esse mundo lhe oferece que seja de real valor? O que todo esse entretenimento, que todos desejam loucamente, realmente lhe ofereceu? Quão melhor ele lhe tornou? O pecado é como objetos de consumo anunciados nas propagandas. Maravilhoso! Olhe as cores. Maravilhosas! Mas não são nada. Pareciam ser algo concreto, mas não são nada mais que ar, insuflados, e desmoronam. O que esse entretenimento do mundo traz para sua mente? O que traz de bom ao seu espírito? O que dá à sua alma? Ajuda-lhe a viver? Eleva sua visão com respeito à vida? Ajuda-lhe quando adoece - quando você fica desesperadamente doente? Esse entretenimento parece mais um escárnio quando você fica doente assim, e você então não o quer mais. Tome tudo o que o mundo lhe oferece e que é oposto ao Evangelho e, quando analisá-los, você verá que nada tem.

Dr. Martyn Lloyd-Jones
Inserida por Poliana16

As pessoas nunca são salvas antes de compreeenderem que não podem salvar a si mesmas. Não há nada que nos afaste mais da salvação do que pensar que podemos salvar-nos a nós mesmos.

Dr. Martyn Lloyd-Jones
Inserida por Poliana16

Conheço muitas pessoas hoje em dia que não pensam, só sabem ler livros! Ah, mas vocês afirmam que ler livros os faz pensar. Têm certeza disso? Têm certeza de que ao ler um livro vocês não apenas repetem, como um papagaio, o que está escrito? Repetir coisas lidas não é pensar. Uma máquina pode fazer isso, um papagaio pode fazê-lo!

Dr. Martyn Lloyd-Jones
Inserida por Poliana16

A coisa extraordinária que o pecado faz é que nos leva a agarrar-nos às nossas próprias opiniões e aos nossos próprios pontos de vista, e portanto, mesmo que o mundo esteja em chamas ao nosso redor, ainda assim pensamos que podemos entender e lidar com a situação! Todavia se vocês realmente querem saber o que fazer a seguir, diz a Bíblia, aqui está a sua resposta: "Ouvi a palavra do Senhor".

Dr. Martyn Lloyd-Jones
Inserida por Poliana16

Não poderemos experimentar libertação do poder do pecado enquanto não formos, primeiramente, libertados da culpa do pecado.

Dr. Martyn Lloyd-Jones
Inserida por Poliana16

Se você pensa que é a sua vida virtuosa que faz de você um cristão, está tornando a ficar debaixo da lei. Mas é inútil fazê-lo por esta razão. Se você tornar a colocar-se debaixo da lei, estará condenando a si próprio, pois "nenhuma carne será justificada diante dele pelas obras da lei, porque pela lei vem o conhecimento do pecado." Se você quiser tentar justificar-se por sua vida e por suas obras, você estará indo direto para a condenação, porque as melhores obras do homem não são suficientemente boas aos olhos de Deus. Todos fomos condenados pela lei - "Todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus". "Não há um justo, nem um sequer".

Dr. Martyn Lloyd-Jones

Não há valor nenhum numa profissão de fé cristã, se não for acompanhada pelo desejo de ser semelhante a Cristo, pelo desejo de livrar-se do pecado, pelo desejo de obter santidade positiva.

Dr. Martyn Lloyd-Jones

O teste final quanto a se Deus está atuando em nós é ver se desejamos ser cada vez mais como Cristo, santo e puro, separado do mundo e do pecado, famintos e sedentos de justiça, para que agrademos a Deus que assim começou a agir em nós.

Dr. Martyn Lloyd-Jones
Inserida por Poliana16

Visto que Deus já tratou com o pecado da maneira explicada nas Escrituras, somos perdoados absolutamente e uma vez por todas. O perdão é definitivo. Somos reconciliados completamente com Deus pela morte de Seu Filho. "Deus estava em Cristo reconciliando consigo o mundo, não lhes imputando os seus pecados." "Àquele que não conheceu pecado, o fez pecado por nós; para que nele fôssemos feitos justiça de Deus" (2 Coríntios 5:19-21). Deus tratou dos nossos pecados de maneira tão completa em Cristo, e por Seu sangue, que Ele os pôs para fora uma vez para sempre, e nunca mais os tornará a ver.

Dr. Martyn Lloyd-Jones
Inserida por Poliana16