Ariela Venâncio

1 - 25 do total de 43 pensamentos de Ariela Venâncio

Publicar.

Existir... Pra quê ?
Se tudo que mais gosto não existe.
Minha vida, meu amor... eu, você.

Ariela Venâncio
Inserida por arielavenancio

Ressaca

Eu quero que tudo se exploda enquanto eu uso meu banheiro
Depois de uma ressaca por conta do álcool e da dor alegre
Quero que tudo se exploda, com ou sem vomito.

Ariela Venâncio
Inserida por arielavenancio

Pique-Esconde

A morte me parece uma brincadeira boba de pique-esconde.
Da qual nunca sinto jogar, se ao menos nela eu confiasse lhe daria a mão para me levar,
Mas a traição de me tirar a vida me parece imperdoável, e o perdão pra mim é para os mal informados por que no fundo somos todos fracos.

Ariela Venâncio
Inserida por arielavenancio

Plural

Eu, você, nós, agora me parece realmente sustentavél usar essas palavras.

Ariela Venâncio
Inserida por arielavenancio

Vazio mal ocupado

Eu tenho essa sensibilidade de tinta velha.
Eu sempre tive isso aqui incorporando minhas veias em vez de sangue, e sempre que percebo que minha ave velha e triste inventa de sair pela garganta esmagando minhas tripas e sufocando meu ar, eu me seguro até encontrar um lugar vazio e escuro para engolir com uma dose forte de álcool a ave infeliz que tenta de alguma forma sair, demonstrando um outro eu que tão pouco existe, e sim ele existe.
Mas não, ele não ira sair,não é a hora de me desmanchar em lágrimas com plateia e falsos aplausos, num momento tão egoísta e tão meu.Tão seu, meu.
Agora sinto a garganta ardendo, invento uma gripe com a desculpa da inflamação, que joga fora uma grotesca dor de solidão, sim isso acontece quando se sufoca tudo dentro de si,sem arrependimentos ou reclamação volto pro meu quarto bebo um pouco de remédio querendo que cure a dor que machuca o meu coração, acendo um cigarro e paro por alguns segundos de sentir.
Já que em mim essa dor quase não para... e se para nem repara.

Ariela Venâncio
Inserida por arielavenancio
1 compartilhamento

Sinto me cômoda, ao vulto da minha voz
No reflexo do meu mundo destruído, talvez por mim mesmo
Já que todo esse egoísmo me força a pensar nos outros
Só para o meu bem, e não a nada que eu não faça
Para o meu bem...- E dou-me por satisfeito!

E carrego me pelos corredores da cidade
Isolado e sozinho, já que assim mesmo eu quis,
Eu poderia escolher qualquer mundo
Mas decidi viver no meu, frio e solitário
E me magoa pensar, que sofro sozinho.

E por fim tenho sono,
Porque na verdade não sou egoísta, mas triste.

Ariela Venâncio
Inserida por arielavenancio

Evidente.

Andei matutando os pés
Nunca gostei de autonomia
Me sinto fraca gostando de andar sozinha
Mas a culpa é sua garota por nunca entender o que escrevo
Seria fácil agradar se você não comparasse minhas palavras com esterco
Passei em uma loja cara de moveis, achei bonita a cama
Lembrei de você dizendo que me ama
A cama era bonita, mas você não merece uma cama nova
Nem uma chance, nem uma volta
Compreendeu que a multidão dos meus pesares te ignoram
Aqui, ali, do lado de lá, do lado de cá
Agonia, agonia

Ariela Venâncio
Inserida por arielavenancio

A caixa servia como contra mão, apoiando-a dando proteção
De coração ela não tinha mais nada, agora ela servia como aliada
A caixa dentro dela, e ela fora da caixa
A caixa tinha seus pertences que na caixa eram guardados com maior cuidado
Os pertences só serviam se no reflexo a encontravam
Não tinha esforço ou outro meio gosto, não se gosta de ninguém que te devolva o oposto.

Ariela Venâncio
Inserida por arielavenancio

A relutância míope não tão cega, pouco vista.
Aparentemente organizada na fila do pão, entre eu, meus olhos e o mundo.
Entre linhas cegas e surdas, faladas e escritas.
Embasam a pouca nitidez que tenho da realidade
Que adormece embriagada retraindo sons, falsos altos.
Adormeço sem saber se ali estou, viva-morta, tédio cego. Reto, quase infinito.
Percebo que tão pouco morta-viva, apenas existindo.Resistindo.

Ariela Venâncio
Inserida por arielavenancio

No intervalo o amor tornava-se a si mesmo, fugindo.
Ela corria com os olhos verdes claros que entre manchas de água se tornavam mar de agua salgada
Salgando a boca que no impulso beijei, Fechava os olhos e o coração batia além do meu corpo que me doía todo, sem mais nem menos eu descobri que toda essa dor era de certo alguma forma de amor.

Ariela Venâncio
Inserida por arielavenancio

Agonia de plateia mórbida, palmas seguidas e cabeças idiotas
Gritar, gritar, gritar, raiva, odeio, dor, esqueça vou procurar o doutor
Remédio pra loucura é o mesmo que pra dor de dente ?
Enrolar uma corda no pescoço, arrancar o dente e a vida
Corda flácida, mal sabe acabar com o tédio, me joga no inferno.

Ariela Venâncio
Inserida por arielavenancio

''Sinto que quando amamos tudo doe mais até um café frio.''

Ariela Venâncio

A minha vida acaba sempre quando de manhã acordo!

Ariela Venâncio
Inserida por arielavenancio

Ana, Ana, Ana seu nome me chama
Me ama, me ama, me ama
Me engana

Ariela Venâncio
Inserida por arielavenancio

Mas você me vem de volta desprezando as minha opiniões
Restringindo o meu mundo. Mas vizinho você é intimo, de certo seja eu!

Então eu e você estamos interligados, presos
Porem eu preciso tirar a poeira do tapete, tirar as vidas de baixo dele
Sufoca-las de uma vez ou adentrar dentro delas. Sufocar-me, adentrar-me !
O que posso fazer é segui-lá, segui-lá consciência
Mas agora irei ficar nos trilhos brincando de ser meu próprio hospede...

Hospede na minha consciência!

Ariela Venâncio
Inserida por arielavenancio

Sinta o gosto, repare o oposto
O igual é banal, chato, formal
Observe, confirme o engano
Aproveite o papo, relate o ato
Aprecie o desejo esqueça o erro

Fique mais um pouco, depois vá, depois volte.

Ariela Venâncio
Inserida por arielavenancio

Cansada, latente, arrogante e pouco vista
Dor de garganta sempre no final da dança
Mastigo meu odeio com rancor latente no coração
Constrangimento, míope, cega, como queira chamar
Tenho pressa que regressa no meu paladar a dor
Que batendo se mistura ao cansaço, visto - falado
Que se torna em mim uma montanha de elevador.

Ariela Venâncio
Inserida por arielavenancio

Agora preciso de uma cara madura para conseguir muito status
Nada me parece barato, nem a sola do meu sapato
Meu primeiro formigueiro em frente ao banco do estado
Parada, decidida, agora vivo sem garantia de trabalho
Bem informada, bem arrumada, de salto alto.

Ariela Venâncio
Inserida por arielavenancio

Eu odeio tornar cotidiano em mim esses sentimentos Banais, e por mais que me frustrasse como individuo eu os deixei entrar
Sem nenhuma cerimônia, habitando a caixa e a ocupando
Sufocando as regalias que me propus a ter das quais amar ficava em ultimo lugar
Para de propósito não ter a dor como aliada, mas já agora ela é intima
Se de certo comanda minhas duas mãos que enfraquecem o pincel e torna fraco o que havia a lhe dizer.
Foge de controle as minhas palavras e quando a mim voltam, se tornam essa rasura de dor
Essa fraca carta de amor.

Ariela Venâncio
Inserida por arielavenancio

- Seguindo eu mesma, sendo eu mesma, sendo de mais pra mim
Por que ando parando com essas, esses, se assim posso dizer seres que são meus vizinhos
Donos, ladrões, vespas, sangue sugas, que sugam, sugam algo inabitável dentro de mim
Eu mesma !

Ariela Venâncio
Inserida por arielavenancio

Era engraçado a dança
Meus pés cansadas
Meus cigarros
Minhas vidas
As suas, que foram minhas
As minhas que foram suas
Sufocadas
Eu apenas queria respirar
Não te deixar.

Ariela Venâncio
Inserida por arielavenancio

O pior é que admito não saber como reviver aquela moça, eu não sei...
Tentei esticar os dias, para que você me olhasse, na desculpa de encontra-la de novo
Mas tenho que me conformar sou viúvo agora, não sei como chorar a sua morta e a minha.
Meus olhos não sabem como encontrar o seus
Mas se aquela moça que conheci ainda viver, me procure
pois podemos tornar grande o que hoje é pequeno
E sobre a minha morte não me importo de morrer de novo, de novo e de novo por você.

Ariela Venâncio
Inserida por arielavenancio

- Parei de querer ser além do que meu corpo aguenta, por que não à sentindo em ser apenas corpo, carne, pele, osso. Talvez eu apenas sejá o que não caiba nem no papel, nem nós olhos, nem no mundo.

Ariela Venâncio
Inserida por arielavenancio

Moro perto de uma grande praça, aqui é frio, arrogante e calmo
Não me situei com datas, nem horários
Já deve ter percebido a minha rotina de tantas cartas atrás
Parece que do papel o nosso amor não sai mais
Estranho pensar que quando receber essa carta, talvez irá chorar ou rir de mim, por mim
Apenas se sinta no direito de algo sentir.

Ariela Venâncio
Inserida por arielavenancio

O amor e o cigarro
Quando menos se espera acaba.

Ariela Venâncio
Inserida por arielavenancio