As Dores do Mundo

Cerca de 127 frases e pensamentos: As Dores do Mundo

Se é certo que um Deus fez este mundo, não queria eu ser esse Deus: as dores do mundo dilacerariam meu coração.

Arthur Schopenhauer
248 compartilhamentos

A Arte

"A arte é uma redenção — Ela livra da vontade e portanto da dor — Torna as imagens da vida cheias de encanto — A sua missão é reproduzir-lhe todas as cambiantes, todos os aspectos — Poesia lírica — Tragédia, comédia — Pintura — Música; a ação do gênio é aí mais sensível do que noutra arte. "

Arthur Schopenhauer in As Dores do Mundo
Inserida por FabioSilvaDN

Hoje eu só quero pedir uma coisa: “Que nem todas as dores do mundo me façam desistir.”

Tumblr

O verão não apaga as lágrimas


O inverno é longo no país tropical.
Com o sangue de indígenas e africanos, regamos a terra fértil.
Nessa nação com palmeiras, onde canta o sabiá.

As aves que aqui gorjeiam marcam a canção dos excluídos.
As correntes dos escravos inundam nossos ouvidos
com as queimaduras dos que têm dedos pobres
esquecidos pelos Senhores do seu tempo.

Mesmo com o verão intenso,
as vidas dos condenados à miséria são sempre geladas.
Suas barrigas ainda estão com fome,
mas o inverno dá lugar à primavera.
O vento sopra o lamento.

oh inferno, onde está nossa dignidade?

confrontados com a pobreza, a dura realidade.
Devemos deixá-los morrer no verão para ajudar os sobreviventes no inverno.

O inverno dura o ano todo para os miseráveis.
Então, novamente aprendemos a compartilhar as migalhas do pão.

Suelen Queiroz

Para a mãe da criança eterna: Ives


Em lágrimas, você disse ao pobre anjinho:
há outros anjos lá em cima,
que a dor e o sofrimento não existem no céu, que nada muda.
Como é doce retornar ao criador.

O céu é uma cidade radiante com ruas de ouro e portas peroladas.
Uma tenda com cores novas,
um jardim do Éden azul cheio de lírios que são as estrelas,
e as estrelas são flores;

Um lugar mais alegre do que podemos imaginar.
Onde sempre há encanto,
os querubins passam o dia a brincar e rir, e que Deus nos ama;

Como é doce ser um coração ardente como a chama da vela.
E viver em qualquer época do ano,
perto do Menino Jesus e da Virgem Maria em uma bela casa!

E então, as palavras não serão mais necessárias, pobre mãe. Neste filho tão frágil e gentil,
não haverá lembrança da vida amarga.
Como ele é pequeno, mãe.
Mas com suas grandes asas, o anjinho a protege.



Não diga para esta jovem alma que Deus nos quer aqui.
Para que um dia, a tristeza! a perda
irreparável!
seja leve...!
Então, diga que a gaiola ficou aberta..
Deixe seu pássaro voar.

Suelen Queiroz

A vida de Georgina


Um dia o oceano inchou pela tempestade,
Iemanjá reuniu as águas de seus vários rios.
Orgulhosa de invadir tudo,
marchando para a conquista
neste vasto universo;

Uma voz levantou-se do meio das tempestades,
e Oxalá, com tantos testemunhos sofridos, agitou as ondas em grande tormenta. Assim, quando, atormentados pela raiva impotente,
os soldados da injustiça, ameaçados por um naufrágio,
comandavam o navio negreiro. Em nome do Reino da liberdade,
uma mulher, pairando sob o templo da suprema eternidade,
com a ajuda dos Orixás, regou com suas lágrimas as sementes da cura.
Curou as feridas abertas dos escravos, cobriu o lamento com seu canto triste, e o vento soprava o choro.

Georgina, a filha dos Orixás, uma heroína.
Os gemidos da África acordam seus filhos
com dificuldade.
As algemas cantam o lamento da solidão, seus campos de trabalhos forçados clamam o fim da escravidão.
O mar balança os grilhões,
e isso traz o ruído que irrita seus filhos.

Suelen Queiroz

Jardim de trabalhadores

Perto das velhas fábricas,
em uma pequena ilha de servos.
Jardim de pobres almas mecânicas respiram a fumaça química.

Os homens amaram sonhos
nas engrenagens das máquinas e no cimento.
Em bordas metálicas remendadas com pesadelos tristonhos
desses tempos de esquecimento.

As cores dos frutos no cheiro da primavera.
Eles renunciaram aos ruídos brutos: martelos de aço, fornalha infrutífera.

E a felicidade de óleo, graxa e querosene, do sangue do operário, a gangrena do maquinário.
Toda essa vida triste perene.
Dois passos para as portas da miséria, operário.

Suelen Queiroz

Há poucas dores no mundo que sejam maiores do que a dor de um coração partido.

Germana Facundo
21 compartilhamentos

Existem alturas da alma, de onde mesmo a tragédia deixa de ser trágica; e, se as dores do mundo fossem juntadas numa só, quem poderia ousar dizer que a visão dela nos iria necessariamente seduzir e obrigar à compaixão, e desse modo à duplicação da dor?

Nietzsche
205 compartilhamentos

São tantas as dores do mundo
São tantas as suas mazelas, que falar de amor, de paz, está como um sonho há muito esquecido, só os loucos ainda insistem, insistem porque vivem beirando a realidade, ali, na contramão, lutam, se arrastam.Não há mais lugar para o amor, a paz há muito se foi... Daqui ouvimos o lamento de pais, mães, irmãos, amigos que choram o fim..
E eu que acreditava que o mundo fosse acabar em fogo.

Lu Correia

E que as gargalhadas soltas e cheias de alegria, tragam alívio as preocupações e dores do mundo. Por pra fora a felicidade da alma é um remédio Divino, receita de amor sonoro aos ouvidos e corações sedentos por carinho!

Cleonio Dourado

Aos pisoteados
Este não é o cânone da Revolta dos Malês amordaçada.
Nem as balas de janeiro nem as bombas do Império.
Quem fez o ódio extinto e a úlcera fechada?
De falsidade acomodada, perecendo em vitupério.
A luz da Verdade duvidosa em tempos sombrios
Porque a lâmpada do entendimento se esconde
Debaixo do Horizonte escravocrata de sonhos tão vazios.
O vil interesse e sede inimiga do pérfido dinheiro a tudo obriga, Costa de ouro, marfim e almas aprisionadas.
Choraram Olorum, o Rio Volta, África, cativeiro
E toda a terra que o oprimido pisou nas Cortes afamadas.
O muro da iniquidade anda triunfante, cercaram a Justiça.
Diante dos nativos, nas artes bélicas o apito toca Tantos horrores, a disciplina militar, a força da cobiça
Do comandante devoto que medos invoca.
Em São Salvador, um ódio certo na alma ardia
Pacífico Licutã está no cativeiro, rogam resgate.

Chamem Luiza Mahin, a Rainha da Bahia, Pai Inácio, Luis Sanim e Calafate.
O sonho de liberdade, o grito de socorro na espada
Os revoltados inclinam-se para o som da guerra.
As mensagens em árabe da quituteira Mahin exalçada
Conspiram contra o Reinado de sangue e escravos da terra.
O resto vem depois. Pelas fazendas cobiçadas,
A obstinação feroz na Pátria gentil,
Os 4 dias sem descanso da tropa sem algemas e fardas.
O sonho de paz na nação mestiça nunca existiu.
O coração de Pai Inácio, velho e pensativo, ferido
Derrotado na batalha, a ferro, fogo e chicote ardido
Lavradores, pedreiros, sapateiros, alfaiates, barbeiros,
Na escravidão urbana, somos todos prisioneiros.
"Ao vento leve e a seta bem talhada, derrame
O sangue do infiel na terra" disse o padre infame,
A cabeça inclinada consentiu
O massacre do bando hostil.
Tão brandamente as lágrimas do firmamento Como quem o Céu tinha por amigo;
Sereno o ar e os tempos de fingimento
Sem nuvens, sem receio de perigo.
Na costa da Mina, um navio cantava triste cântico Quando o mar, descobrindo, lhe mostrava
O cemitério de cativos no Atlântico.
Senhor ilustre dos Engenhos
De uma terra sem Lei para almas africanas, das armas que trazia, das naus de lenhos.
O doce açúcar no amargo de vidas humanas.
Nem sou da terra, nem da geração
Dos reis de cadáveres da Europa belicosa de mísera sorte e estranha condição.

Suelen Queiroz

Estranho seria se depois de tantos sonhos, planos, estudos e empenho para alcançar algumas realizações pessoais e profissionais; a mim não fosse permitido vez ou outra sair por aí para conhecer um pouco das dores do mundo e, quem sabe, ofertar uma ínfima dose de bálsamo.
Autora: Helda Almeida

Helda Almeida

Poeta é o que canta as dores do mundo ...
e não chora ...

Jair de Freitas Junior
Inserida por jairfj

A alma suja da corrupção
Vampiros da sociedade causam pobreza
Nas obras do mundo, simulam justiça.
Amam somente os mandos da riqueza
Fraudulentos gestos que sempre atiça.
Leis em favor do ouro se estabelecem,
As em favor do povo só perecem.

Suelen Queiroz
Inserida por suelenqueiroz

A corrupção veste uma insana fantasia.
Em todos os lugares, está presente.
Administra prazeres com força e valentia.
Em nenhum lugar, deseja estar ausente.
Homens, mulheres, líderes e subordinados;
Ofertam ao rei ímpio tesouros corroídos
Nos tristes caminhos do engano trilhados.
A espada do espírito imaculado é inimiga.
A voz do oprimido, sua desgraça.
A corrupção fere a verdade, ao justo castiga.
Enfraquece nações, não há quem desfaça.
Embriaga corpos e ilude almas
mergulha em um drama sombrio.

Suelen Queiroz
Inserida por suelenqueiroz

Oh, corrupção, metamorfose perigosa:
deputados em covardes, astutos em tolos.
É evidente que gangrena a Presidência.
Prospera nas Comissões
e mesmo na Assembleia, com promoção.
Desperta paixões desenfreadas na nação.
Tenho dor no meu corpo e na minha alma.
Por todo o meu ser, a justiça clama.
Corrupção, vampira da minha sociedade;
seduz as mentes em um estado de enfermidade.
Ela se familiarizou com a Justiça;
e lucra, em abundância, onde semeia iniquidade.
Não há mais promotores, nenhum magistrado,
juiz, instrutor ou advogado,
para dizer o que é direito e novamente fazê-lo;
em esterilidade de dádivas, preferem falsificá-lo.

Suelen Queiroz
Inserida por suelenqueiroz

A corrupção veste a Justiça com ouro e prata.
Interrompe o equilíbrio, certidão de virtude aristocrata.
Elação do injusto e lasso do oprimido.
Ela brilha em sua alma e mergulha em um drama banal.
Isso distorce o campo da saúde,
os métodos pet-scan morrem antes da doença infernal,
onde a noção de qualidade é a quantidade sem virtude.
O juramento de Hipócrates vazio, e a saúde do paciente formalidade.
QUEIROZ, Suelen . As dores do mundo. 1. ed. Florianópolis: Bookess, 2017. cap. 1, p. 14-16. v. 1.

Suelen Queiroz
Inserida por suelenqueiroz

A vida de Curitiba
Curitiba está fria, Curitiba com fome
Curitiba não come mais pinhão na rua
Curitiba usa roupas velhas do passado
Curitiba dorme em pé no Circular Sul
Mais desgraça ainda é imposta aos pobres
E sabedoria, loucura
Da desafortunada Curitiba.
É ar puro, é fogo de Iansã
É beleza, é bondade
De seus trabalhadores famintos.

Suelen Queiroz
Inserida por suelenqueiroz

Não grite por ajuda, Curitiba.
Você está vivendo uma sorte sem igual
E por trás de toda nudez
Sua palidez de magreza
Tudo o que é humano, vendado em seus olhos
Curitiba, minha linda cidade.
Bem como uma espada de Ogum afiada
Engenhosa e bem trabalhada
Você não pode suportar a injustiça
Para você é a única bagunça
Você vai se libertar de Curitiba.

Suelen Queiroz
Inserida por suelenqueiroz