Poemas de Jaak Bosmans

Cerca de 143 poemas de Jaak Bosmans

Código do desencontro

O sabor que te fez em mim se desfez por entre as nuvens
Perdendo o encanto de tantas entregas agora perdidas
Tirei da gaveta a roupa mais nova, só pra despedir, ainda solene.
Como foi o encontro, em um dia qualquer, agora distante.

De encontros sonhados, prazeres em esperas, de nunca mais!
Desfez-se o encanto, de tanto desejo se transformando em visões.
Querer- te em meus braços, no aroma de incensos agora apagados.
Descer das nuvens em forma de chuvas de gotas amargas.

Surpresa? Quem me dera ainda fosse!
Previsto no código do desencontro e desconfiança.
Que se reparte entre os nefastos e doídos da vida.
Para a preservação de uma espécie em extinção.

Jaak bosmans 7 -2- 09

Jaak Bosmans
Inserida por JaakBosmans

Vista a fantasia

Passou o ano e é hora de brincar
Carnaval na porta, na janela e no ar.
Palhaços se vestem como se nunca tivessem sido,
Mulheres que dançaram o ano todo,
Sem perceber, se fantasiam em bailarinas.

É hora de brincar apenas com ritmos e cantos repetidos,
Serpentinas rasgam os céus e enforcam tristezas, mágoas e saudades.
Confetes colorem os copos já cheios, logo tragados sem recatos.
Olhares se confundem, beijos são trocados, outros só tocados.
Agora bem juntos já não sabem nem brincar.

Corpos vestidos de pele humana é fantasia barata.
E na sua simplicidade faz mais sucesso que penas de pavão,
Em desfiles, nos concursos, clubes e nas camas.
Entre na brincadeira porque depois tudo vira cinza mesmo.
Retira essa tua máscara de ano inteiro e desfile a fantasia que você é.

Jaak Bosmans 21 -02-09

Jaak Bosmans
Inserida por JaakBosmans

Futuro conjugado

De virtudes e cumplicidades se refez passados
Nunca como o presente vivido em tantas agonias
Passado de glória do sangue inocente
Se é que possa existir algum sangue culpado.
Desfez-se a humanidade em pretéritos inacabados
Em mais do que perfeitos sinais de decadência
De tudo que construímos no presente imperativo
Sem nenhuma importância do afirmativo ou do negativo,
Desde que o imperfeito conceda lugar à desesperança.
Mas jamais se esquece dos inesperados intransitivos.
Que tardam aconteceres e precipitam o final das histórias.
Apenas para se fazer Verbo e voltar a existir entre nós.
E assim já sinto saudades.
Saudades do futuro.

Jaak Bosmans 14-02-09

Jaak Bosmans
Inserida por JaakBosmans

Entre o fim e o início.

Percorri todos os meus lugares de estar,
Para me perder em tuas promessas, afagos, e fuga.

Não que te quisesse até algum final, enganoso e infiel.
Muito mais por acreditar na magia dos finais infelizes,
Nos inícios remarcados por incertezas, aventuras e eu.

Respostas cruéis de quase nada do que pergunto,
Guardo sempre como não experiência para tudo renovar.

Jaak Bosmans 11-03-09

Jaak Bosmans
Inserida por JaakBosmans

Sonhar um beijo

Quando me perco nas alamedas escuras da cidade
Guardo o tempo em calçadas de pedras onde me deito.
Olho apenas estrelas esperando por algum beijo perdido
Disparado em direção a algum amante bêbado e tolo.

Janelas se fecham, e luzes se apagam em ritmo de noite.
Os pertos mais lentos, e os longes bem rápidos.
Sincronizam sempre com os choros e gritos.
Dos amores e das dores, que a noite sempre agasalha.

Adormeço nas pedras coberto de estrelas, quando me chamam.
Ainda sonhando ouço tua voz bem perto sussurrar meu nome.
E em deboches, risadas e com certeira facada, gritas em ecos:
És um bêbado! És um tolo!

Jaak Bosmans 12 -03-09

Jaak Bosmans
Inserida por JaakBosmans

Dia da poesia

Que pena
Um dia dedicado à poesia.
Que se perdeu entre a vaidade
De ser poeta.

Poesia não há que ter poetas
Existe pela forma bela e simples
De tudo que é.
Poeta morre poesia não.

Dia permitido para se ver e escutar
Versos que inventamos ser nossos
Que se fez antes mesmo de existir
Por simples razão de ter sido a primeira Criação.

Que pena.
Um dia que se esquece a poesia
Para o poeta se exaltar em si mesmo
Pelos versos que apenas colheu.

Ai de mim!

Jaak Bosmans 14-03-09

Jaak Bosmans
Inserida por JaakBosmans

Corpo sonoro

Em teu corpo negro de braços tracejados
Silencia agora todas as minhas canções.

Perdi o ritmo, atravessei nas pausas.
Desafinei os acordes da velha canção.

Não era o blues quem reclamava.
Os improvisos de solos tristes.

Eram lágrimas sobre as cordas tensas.
Delays e distorções sobre a cor da pele.

Colei assim mais ainda o teu corpo ao meu,
Para no silêncio refazer nosso encontro.

E num sorriso de belas notas amplificadas,
Voltastes a vibrar teu corpo ao toque dos meus dedos.

Jaak Bosmans 17-03-09

Jaak Bosmans
Inserida por JaakBosmans

Lugar de te encontrar.

Na conquista de cada altura do meu Himalaia.
Busco transformar minhas vertigens em simples brincadeiras de amor.
Retiro todas as impurezas do caminho, e lentamente vou te conquistando.
No frio sopro de ventos e brancura alva de minha inocência, me perco.
Tua beleza me sangra o olhar.
Quando gotas vermelhas caem no branco de meus cabelos neve.
Purifica assim minha presença.
Desencanta e abre os portões, gelos, brumas e alegrias.
A cada passo uma descida, galgando os montes da tua beleza.
Himalaia de grandeza rude, perdido no horizonte de luares e sorrisos.
Lugar de te abraçar, e escutar repetindo em ecos.
Nossos beijos, ternura e paz.

Jaak Bosmans 09 - 11 -2008

Jaak Bosmans
Inserida por JaakBosmans

À flor da minha pele

É na flor da minha pele que estão meus versos
Minhas loucuras, minhas guerras
Lugar de sustentar agonias, insônias e pernilongos.
Flor de desperfumes sem caules sem pétalas,
Apenas produz o pólen dos meus sentires.
É a flor que enraíza no meu coração,
Sensíveis marcas de amor e de dor.

Jaak Bosmans 3- 04 - 09

Jaak Bosmans
Inserida por JaakBosmans

A Páscoa -De Ostera ao Chocolate-

Em símbolos do equinócio é a primavera
Comemorada em passagem,
Quando cantam os pássaros e brotam árvores.
Renovação

Pechad – Paskla -Pache-
Ostera tem nas mãos o Ovo Cósmico da vida,
Enquanto persegue em olhar de deusa
Aquele coelho inocente que permanece símbolo
Fertilidade

Ostera- Persephene-Ceres-
Anjos passam em matança dos primogênitos,
Por ordem Divina -pelo relato Mosaico -
Numa libertação entre o sagrado e o profano.
Êxodo !!!

“Judiados “pelo Egito permanecem em fugas,
Por lugares onde mares já não se fecham sobre exércitos
Enquanto aguardam e comemoram.
Pesah - Matsah – Maror
Seder

Ovos coloridos de interiores infecundos
Aparências do nosso mundo real.
Sorrisos, presentes e dívidas.
Comércio

Ainda que chocolates se fundam em valores Maias e Astecas
Não há como o da a água da vida, o fogo novo, o pão e o vinho,
Como passagem da morte para a vida!
Ressurreição.

Assim se faz em Páscoa o verdadeiro descanso dos anjos
Que desconhecem festas de ovos, chocolates e coelhos.
Escute!
ELE ainda está dizendo

“FAZEI ISTO EM MEMÓRIA DE MIM”

Jaak Bosmans 10-04-09

Jaak Bosmans
Inserida por JaakBosmans
1 compartilhamento

Letras em jogo

Pegam-se todas elas sem distinção
Nem de cores nem valores
Algumas sempre vêm repetidas
E há curingas misturados.

No tabuleiro branco do papel
Distribui-se uma a uma sem apostas.
No jogo participa apenas nós dois
Minha razão e a minha emoção.

Às vezes na melhor jogada ganha a razão
E sorrindo a emoção mostra o curinga.

Confusão final na contagem dos pontos
Se a cedilha vale mais que dois esses,
Se abajur pode ser em francês
E se homem ainda é com H.

Na poesia as letras nunca se embaralham,
Apenas o poeta se perde no meio delas.
E ao final deste jogo tão disputado
Poeta vencido... a poesia ganha!!!


Jaak Bosmans 5 -04 -09

Jaak Bosmans
Inserida por JaakBosmans

Desembarque!

Bagagem sempre leve,
Carrego só no coração.

Estação abandonada de chegadas
Recorda ainda apenas as partidas

No velho banco já gasto de lágrimas
Sentado nele, ainda te sonhava ali

Cabeça entre as mãos, em negações,
Recordava teus abraços, adeuses e cartas.

Num perder constante da hora do embarque
Tornou-se mais fraco meu coração

E num ímpeto de loucura e vertigem
Me desfiz logo daquela leve bagagem.

Apito distante eram ecos do passado
Que se aproximou num real acontecer

Parando entre ruídos e fumaças
Quando em novo bater me fez o coração.

Era o último desembarque possível
Em te trazer de volta para nós!

E assim meus olhos te viram,
Afinada com meu sorriso.

Triunfou todas as velhas vontades
Como fogo que nos fez um louco-mover

No trilho brilhante, um vagão em por do sol,
Desliza agora em nova viagem de recomeço.

Jaak Bosmans- 13-04-09

Jaak Bosmans
Inserida por JaakBosmans

Flores da ribalta

Cenário sempre quase pronto
Figurino ainda em retoques
Texto passado por trás das rotundas
Luzes ensaiam o anoitecer da cena
Num paradoxo de já ser noite
Platéia sempre cheia
Com lugares reservados nunca usados.
Roldanas levantam paredes
Como se tudo fosse mentira.
No espaço de um palco
Cabe o mundo, o universo.
Objetos ainda faltam!
Que falta poderiam fazer?
Completo pode ser qualquer vazio.
E no abrir da cortina os atores!
Sempre fingem representar,
O que na vida sempre fazem.
Apenas aguardam os aplausos finais,
Que na vida é apenas silêncio,
Com algum choro, flores e cortejo.

Jaak Bosmans 19-04-09

Jaak Bosmans
Inserida por JaakBosmans

ELA

Ela?
Nunca deu pra ninguém!
Apenas se dava...
E nunca se perfumou.
Só se entregava de alma lavada.
Jaak Bosmans – 14-04-09

Jaak Bosmans
Inserida por JaakBosmans

Única razão

Sabes de conhecer saudades?
Sabes de ver-te em tudo?
De colocar colares em torno da lua e pensar que é sempre você?
Não de tirar coelhos de cartolas que é mágica simples,
Mas de me tirar de mim e te entregar o melhor que posso?
Razão estranha essa,
sem nenhuma razão .
A não ser você.

Jaak Bosmans

Jaak Bosmans
Inserida por JaakBosmans

Dor holística

Das faces que oculto
Só me permito a da dor
Nela encontrei regozijos
Nos olhares e desejos dos que me invejam

Recorro à anestesia, de versos, cantigas e estrelas
Já que podem me suportar sem inveja, e sem carícias
Apenas porque aprendi que
Nossas dores são as mesmas!

Jaak Bosmans 29-05-2008

Jaak Bosmans
Inserida por JaakBosmans

Sem volta

Em cada compasso
Me seguiam teus passos,
Em valsas bailando em meus braços.
Seguia sem som em planos trocados.
De fundo um sol a se por
Notas que só os pássaros contêm
Em belezas de cintilos nas águas
Apenas com reflexos de nossos passos.
Presença de valsa,
Ausência de chão!
Apenas estrelas, lua ainda nova, e sonoro silêncio.
Assim nos perdemos em alturas, em delícias, sem palavras,
Carinhos e ternura.
Sem valsa.
Sem volta!
Jaak Bosmans 21-05-2008

Jaak Bosmans
Inserida por JaakBosmans

Cores e gritos

Me encostei na cor fria do entardecer
Enquanto em suculentos gritos
Derramei , em todo o gramado,
Algumas lágrimas que me restavam.

Apenas uma placa
“Proibido pisar na grama”

Jaak Bosmans 13-06-2008

Jaak Bosmans
Inserida por JaakBosmans

Desprezo!

Porque me fizestes sólido
A ponto de me quebrar?
Porque não me fizestes líquido para saboreares?
Ou mesmo gasoso para que te exalasse perfumes?
Porque?
Onde me esqueci que eras escrava de tanta maldade?
Porque de nuvens fizestes somente raios e vendavais?
Desnuda da tua voraz inocência,
Diverte em quebrar sonhos, desejos e purezas.
Mas a cada lágrima que fizestes derramar,
A cada coração ferido,
Há de se transformar os três estados em apenas um!
A tua solidão!

Jaak Bosmans 21-06-2008

Jaak Bosmans
Inserida por JaakBosmans

Onde planto

Percorro caminhos de incertezas
Sempre plantando alimentos de paz
Não por acreditar que as armas não me atinjam
Com cada gota de sangue posso regar uma semente
Corro por campos azulados onde nada me detém
Nem mesmo a fúria dos monstros apocalípticos
Deslizo suave sobre as tentativas de me ferirem
Porque em cada nova paisagem encontro minh’alma
Ela nunca se perde e me conduz para um abraço
Um carinho, uma ternura, um sempre transparente
Gosto de toda essa vida,
Onde cada cicatriz é sempre uma bela melodia
Um poema, e teu retrato!

Jaak Bosmans 19-06-2008

Jaak Bosmans
Inserida por JaakBosmans