Gabriela Turrin.: Ele era um desconhecido, mas não para...

Ele era um desconhecido, mas não para os que lhe cercavam, e sim para si mesmo. Uma infelicidade tremenda, não conhecer o ser que habita em si. E por mais que perambulasse pelas ruas desertas procurando a resposta, jamais a encontraria. Poucos viviam com essa tristeza. Por ora, ele não era sortudo. E quando perguntou a si mesmo; quem eu sou? Percebeu o quão sem sentido era, e perdeu-se em seus pensamentos confusos. Percebera também que era meio infeliz. Sei que você, caro leitor – pelo menos, os que sabem interpretar – sabem que não existe meio amado, ou meio traído. Na verdade, não existe. Ou é, ou não é. Um tolo ingênuo sem o conhecimento de si, digno de pena.

1 compartilhamento
Inserida por gabrielaturrin