Valéria Piassa Polizzi: E agora, menina? A amarelinha borrou a...

E agora, menina?
A amarelinha borrou
a brincadeira acabou
o faz-de-conta sumiu
o tempo passou,
e agora, menina?
e agora, você?
você que é sem fronteira,
que se busca nos outros,
você que faz amigos,
que se apaixona, odeia?
e agora, menina?


Está sem correntes,
está sem exemplo,
está sem trilha,
já não pode chorar,
já não pode conter,
eximir-se já não pode,
a noite estrelou,
o príncipe não veio,
a liberdade não veio,
o sonho não veio
não veio a perfeição
e tudo virou
e tudo explodiu
e tudo desapontou,
e agora, menina?


E agora, menina?
Seu pronto sorriso,
seu tempo de fantasia,
sua vontade e desespero,
sua festa,
sua roupa de mulher,
seu jeito de criança,
sua inconstância,
seu encantamento – e agora?


Com o desejo no corpo
quer sair pela janela,
não existe volta,
quer correr o mundo,
mas o mundo a engoliu,
quer colo,
Colo não há mais.
Menina, e agora?


Se você ouvisse,
se você recuasse,
se você deixasse
a mão guiá-la,
se você serenasse,
se você pedisse,
se você consentisse...
Mas você não retorna,
você é grande, menina!


Solta na vida
qual gata de muro,
sem medo de altura,
sem beira segura
para se equilibrar,
sem anjo alado
que proteja sua sorte,
você continua, menina!
Menina, para onde?

3 compartilhamentos
Inserida por paloma182