Bruno M. Tôp: Havia aquele cafajeste, que estava...

Havia aquele cafajeste, que estava mudando, ele havia enjoado de uma vida de infinitos perfumes femininos diferentes, e nenhum amor, estava carente, precisa focar seu coração num sorriso e acabou conseguindo. Só que ela, era diferente de todas as anteriores, não combinava com seu gosto normal de beleza, seu jei de ser e agir, não se adaptavam bem ao que o ex-cafajeste queria de sua mulher, mas ele a aceitou mesmo assim.

Talvez por comodismo, talvez por covardia, ou preguiça, ele se amarrou à ela. No começo já sentia um carinho enorme por ela, mas ainda não era amor, ele sinceramente não acreditava no amor. Tinha sofrido demais por ele, para querer algo assim, queria só uma companheira para fazer sua vida mais agradável.

Acontece, que logo ele, quem não queria o amor de jeito nenhum, por saber a dor que este sentimento infligia, foi deixar o amor conquistar todo seu coração, antes que percebesse, antes que pudesse impedir, estava amando, e o pior ele não tinha percebido isso. Só se deu conta, quando ela se magoou, com ele, e foi o medo de perdê-la, que o fez perceber que a amava. No começo foi interessante, pois ele não sabia se deveria fugir dela, ou se deveria seguir com ela, acabou escolhendo a segunda opção, mais por comodismo, do que por escolha.

Só que, a partir daí, ele passou a entender quem ele amava, ela além de manter todas aquelas diferenças que ele aprendera a aceitar, ele agora se deparara, com uma caracteristica dela que nunca quis perceber.

Ela era tão defeituosa quanto ele, não conseguia demonstrar carinho, não por escolha, mas o passado dela, a impedia que o fizesse, pois também tinha um passado complexo o bastante, que a fizera deformada ao ponto de não conseguir demonstrar carinho pras pessoas que gostava.

Ironicamente, ou não, o destino quis que a tampa da panela daquele cafajeste, fosse um brinquedo torto. E ele percebeu isso, percebeu isso antes que estivesse envolvido o bastante naquele amor para voltar atrás, mas ele diferentemente do que sua razão falava, não quis abandonar aquele brinquedo torto, ele o quis pra si, só pra si.

Pois ele acreditava no destino, acreditava que se ela o aceitara com seus defeitos, ele também teria que aceitá-la com os defeitos dela, era o destino, uma força maior que havia juntado-os, e agora ele não se importava o quão ruim fosse não receber carinho, ele iria conseguir ter o carinho dela, já que era amor, e o amor muda tudo.

1 compartilhamento
Inserida por brunomtop