Rui Alexandre Cascão de Campos Oliveira: Ser humano visceral. Ser humano, ser...

Ser humano visceral.

Ser humano, ser assumido,
Presunção do ter sido.
Ser nota, triunfo sustenido.
Prototipo do acaso,
Empatia, introvertido.
Ser humano aurora... deslumbramento,
Carga boreal, forca viscera,
Saber sofrer, sem nunca ter sofrido.

Parede branca em quarto vazio,
Padrão de encanto no manto branco
Na tábua morta, desenho frio.
Ser humano... Ser tanto.

Cobaia poética, nascer contemporâneo,
Viver de encanto? Morrer no teu pranto!...
Som das teclas do piano,
Oh ser humano, Oh ser humano!...
De que tanto tens medo tirano?
Da ponta da espada?
Do reflexo do espelho?
Tirano do tudo ou nada...
Liberta-te, deixa voar o pensamento,
Oh novo ser humano...

Arquétipo! Super herói!
Salvador, mascara de humildade,
Predador da cabeçada, da lição tirada...
Lobo, caçador de coelho de pele mal amanhada.
Casca de árvore, cruz, trindade...
Predador da humanidade!

Vampiro condescendente
Observa o parir, do berço a puberdade.
Deixa em ti crescer sentimento,
Esconde-te por de trás da invisibilidade.
Oh ser humano... encontro singular, consciente...
Inspira pó e deixa em ti, de novo, entrar singularidade.
Oh ser humano de verdade!...

Epifania... esgotamento.
Varão roscado da sociedade ascendente.
Invisibilidade parada no tempo,
Momento...
Casa do passado, parede de pedra,
Antiguidade, família constelada.
Rejuvenescimento....
Oh ser humano castrado pelo tempo
Deixa em ti entrar de novo... sentimento!

Fotão de luz, folha que voa,
Portão de ferro,
Papel de jornal...
Voa...
Oh ser visceral
Sonhador, poeta de Lisboa
Maldito...
Bendito Animal.
Oh ser humano, tu que fazes do amor
Humanidade, ser carnal...

Gratidão universal...
Gratidão universal...
Ser humano, ser humano visceral...

Inserida por ruialexoli