Beatriz Alvarenga: Olho a bagunça do meu quarto. Me afogo....

Olho a bagunça do meu quarto.
Me afogo.
Sem respirar,
com água nos meus pulmões,
choro.
Um choro xoxo, sem paixão ou vivacidade.
Raiva.
Uma raiva apática. Como pode?
Pelo menos era pra eu ficar um pouco energizada.
Não é mesmo?
Nem isso.
Apatia.
Entreguismo.
A insatisfação se somatizou,
pois não dei lugar a ela,
não dei lugar,
não dei lugar.
A lágrima escorre, um pouco mais caliente.
O que é ser feliz?
Será que eu me distanciei mesmo tanto de mim?
Aversão.
A tudo e a mim.
É difícil viver com esse sentimento.
A solidão tão profunda definiu minha normalidade,
e não gerava tristeza,
até que gerou.
Ignorância.
Essa palavra é talvez a que carrega mais sofrimento,
pois,
ela é tão grande,
em mim,
e no mundo,
que eu só sei que nada sei;
mas desejava tanto saber.
Respira.
É o que me resta.
Espelhos e projeções que eu engajo sem ver.
Será que eu me conheço assim tão pouco?
Felicidade -
uma lenda não-urbana;
pois a cidade é bruta,
e nos massacra,
ou talvez,
me massacra,
talvez os outros estejam bem.
Respira,
esse ar poluidinho,
pois é o que tem pra hoje.
Melhor ar sujo do que nenhum ar.
Ou água nos pulmões.
Né?

Inserida por biaalvarenga