Luciano Spagnol - poeta do cerrado: DICÍPULO Não anelo o alvorecer do...

DICÍPULO Não anelo o alvorecer do cerrado, belo Quero a inspiração do horizonte divino Talhando verso, ferino, donzelo e singelo Que outro, não eu! O faz tão cr... Frase de Luciano Spagnol - poeta do cerrado.

DICÍPULO

Não anelo o alvorecer do cerrado, belo
Quero a inspiração do horizonte divino
Talhando verso, ferino, donzelo e singelo
Que outro, não eu! O faz tão cristalino

Invejo o magarefe, na lida de seu cutelo
Com ele, harmoniza a carne em traço fino
Benino, na retidão e um esmero paralelo
Que reputa, tal o ouvido ao som do violino

Mais que bardo, um eminente extraordinário
Enfeita, desenha, ressona num campanário
A poesia, em alto relevo, em divinal destaque

Por isso, escolto, imito-o, com meu pincel
Meus rabiscos, sobre o branco dum papel
Cingindo honraria, ao maior - Olavo Bilac!

© Luciano Spagnol - poeta do cerrado
17/12/2019 - Cerrado goiano
Olavobilaquiando

Inserida por LucianoSpagnol