Antonio Costta: DESABAFO DE UM POETA Que não me venham...

DESABAFO DE UM POETA Que não me venham colocar nome de praça, Que não me venham colocar nome de rua; Por que somente quando morre é que tem graça? É que reconhe... Frase de Antonio Costta.

DESABAFO DE UM POETA

Que não me venham colocar nome de praça,
Que não me venham colocar nome de rua;
Por que somente quando morre é que tem graça?
É que reconhecem o poeta em terra sua?...

A realidade que é sentida ela é tão crua,
Um desprezo cotidiano que não passa;
Mas depois que o poeta morre se atenua,
Ganha logo um busto de bronze na argamassa!

Não merecia ele sentir essa emoção
Aquele que amou e que cantou o seu torrão,
Propagando toda a grandeza que ele encerra?...

Não deveria ser, em vida, valorizado?
Infelizmente quando morre é que é lembrado,
Que o poeta é reconhecido na sua terra!

Inserida por Antonio_Costta