Linaveira: QUARTA-FEIRA, 25 DE JUNHO DE 2014...

QUARTA-FEIRA, 25 DE JUNHO DE 2014
DETALHES OFUSCADOS DA ROTINA ATUAL PAI X MÃE & TRABALHO.

& FILHOS?


Não que eles tivessem necessidade de mais um salário para garantir a confortável vida de sua família, não que isso incomodasse sua esposa. Ela era feliz assim cuidando dos seus filhos, da casa de seu marido. Acompanhando cada fase dos seus. Porém, seu marido nunca aceitou que em pleno século XXI ainda existissem mulheres apenas “donas de casa”. E sabem por que eles não toleram mais isso? Por que simplesmente não reconhecem e nunca reconhecerão a árdua e rotineira tarefa de uma casa. Entretanto, sua família não tinha parentes nem familiares próximos, sempre foram eles os protagonistas de suas histórias, mas sempre com o sufoco de conciliarem seus trabalhos, compromissos e estudos das crianças. Logo de uns tempos para cá, com os meninos já crescidinhos e desgastada das arrogâncias e ofensas do marido, das humilhações e conflitos, que a maioria das mulheres que trabalham em casa passam, sua esposa começa num serviço. Mas sem aquele apoio familiar de perto, deixa seus filhos com a vizinha num período, e no outro o ônibus escolar toma conta. Viva o mundo moderno! Papai agora está feliz! Quanto a casa? Está fica para os fins de semana, não tem problema.E a atenção as tarefas das crianças? Ah elas sabem se virar. E assim se passam os primeiros três meses. O marido este, continua o mesmo, arrogante e ofensivo com todos em casa; pois a realidade de sua esposa trabalhar fora nunca mudaria isso. O que muda são as coisas por fazer. As contas para pagar. As louças acumuladas para lavar, as roupas para passar, os brinquedos e acessórios das crianças jogados no canto e até esquecidos de brincar; porque o tempo encolheu e tudo se deixa mais desorganizado. Na geladeira, aquela comidinha pronta já não é tão certa e a esposa quando chega, são tantas coisas para organizar e fazer, que um lanche agora é tudo de bom e vira rotina. Ainda bem que as crianças não tem gripado, nem faltado às aulas, pois neste caso, um dos dois precisaria faltar o serviço e se explicar. E assim os dias seguem para se ganhar mais dinheiro na vida, alimentando sonhos de um mundo vazio e hipócrita.
No silêncio, a buzina do ônibus avisa que os filhos chegaram. A mãe corre na direção deles. Que alivio! O pai assistindo TV continua com os pés levantados para relaxar. Um grande abraço parece dizer tudo entre mãe e filhos. E todo cansaço do dia parece findar. As crianças chegam tão cansadinhas que nem tem mais aquela disposição para brincar em família, fazer gracinhas ou papear; vão direto para o banho enquanto a mãe acelera a refeição. Conversas sobre como foi o dia de alguém parece indiferente, todos estão cansados demais para se darem atenção.
-Como foi seu dia, filho? Quantas vezes se esqueceram de perguntar.
Mas para a mãe, tudo é inevitável perceber, e enxerga no olhar de seus filhos o desagrado pela agitação em suas vidas.
- Vamos Helena, vamos Gustavo! Terminem logo seus banhos e venham comer. Helena com seus quase cinco anos grita:
- Pode vir mãe, terminei... E sua mãe corre para lhe vestir. Tomou seu banho sozinha.
Gustavo já maiorzinho (8a) aparece vestido com seu pijama.
-Pai, tem recado na agenda para o senhor. Mas o pai concentrado na TV, apenas diz que agora é a hora do noticiário.
E a mãe com sua doçura pergunta:
- O que houve na escola Gustavo?
-Eu bati num colega, mãe; mas foi ele quem começou aquele chato do Jonas, lembra? Que estudou na minha turma ano passado. Dessa vez eu o peguei e não fui bobo.
Jonas era um menino muito implicante com todos, e sempre que podia, fazia algo contra Gustavo que era gentil. Seria consequência de toda essa mudança em nossas vidas, o comportamento de meu filho? A mãe se põe a pensar... Mas tantas coisas tinham mudado em suas vidas, que as que não aconteciam eram as que mais a preocupava...
Gustavo revidou uma briga na escola e foi chamado á direção. O que teria ocorrido realmente? Mas Helena já não brincava com sua boneca preferida... E a mãe muito mais cansada, já não contava àquelas histórias que ela gostava antes de ir para cama. Depois do jantar, a mãe foi conversar com seu filho, e embora o pai tenha se pronunciado com o seu “Muito bem, filho!”, agora ele vai lhe respeitar! Completou dizendo que estava muito cansado, e que ia dormir. Tudo ficou na mente de ELISA como um pisca pisca sem parar. Pois ela não tinha mais aquele tempo de dedicação com as crianças, com conversas e histórias, risadas e brincadeiras... E às vezes chorava sozinha por isso.
Quando procurou Helena, para lhe dar atenção, sua filhinha dormia no sofá. Leva sua filha para o quarto e com um beijo de boa noite lhe dá sua benção. Boa noite meus filhos! Mas um dia se vai. Tudo, tudo por uma vida melhor! Pensava, pensava e pensava... Uma vida de gente moderna e consumista que se alimenta do desejo de outros, de suas matérias e modas passageiras. Esse é um pouco do perfil da família de hoje, de seus filhos e de seus pais.

O fruto de tudo que plantamos , um dia vingará ! Enquanto temos tempo , o tempo passa, mas quando não temos, ele voa. Andrelina Oliveira

Inserida por andrelina_oliveira