Maria Lu T S Nishimura: Ai, de um mim I Não sei se triste,...

Ai, de um mim I Não sei se triste, carente Se fez o vácuo, nem claro... Tampouco tão negro, ecuro, Claro demais, de repente! Tivera por um instante Que se perde... Frase de Maria Lu T S Nishimura.

Ai, de um mim

I

Não sei se triste, carente
Se fez o vácuo, nem claro...
Tampouco tão negro, ecuro,
Claro demais, de repente!

Tivera por um instante
Que se perder, sem sim,
Sem passado, presente,
Ou o futuro! Ai, de um mim!

Na penumbra do incerto
O rumo escolhido do não
Quiseramos o fim por certo!

Perdido em meio a solidão
Em meio ao árido deserto,
Iludir saciar a sede o coração!

II

Ai, de um mim com o lamento,
Á derramar lágrimas ao vento,
Fosse clamar um grito ao mar
Tivesse, somente, que chorar!

Desfiando- te num vale escuro
Sepultasse a lua na cova da mão,
Á apagar a noite apta de devoção,
Sentenciando á dor e ao obscuro!

Na labuta do ora e o infinito agora
Quão efêmero o diáfano precipício,
Estingui-lo-ão todos, sem demora!

Depois cobrir-nos- ão o escuro véu
Nosso fim, traçado desde o início...
Voltaremos a Deus, para alto do céu!