Michelle Wundervald Zanelatto: Entre nós nada nunca foi muito claro....

Entre nós nada nunca foi muito claro. Trocas de olhares, trocas de palavras, de costumes, de momentos. Você surgiu na minha vida e eu surgi na sua e então tudo estagnou-se. Nada de paixão avassaladora ou algum sentimento que nos prendesse na necessidade de um pelo outro. Foi apenas liberdade, a nossa, que acabou nos prendendo pouco a pouco. Sem nada precisar ser dito nasceu um amor. Subentendido.

Sempre foi assim entre a gente, eis uma grande ironia da vida: não lembro desde quando te conheço, tampouco lembro o que nos levou a uma aproximação tão intensa. Tenho certeza que precisava te conhecer e que essa necessidade também é sua. Parece que tudo foi para eu ver meus defeitos e virtudes espelhados em outra pessoa. Somos de personalidades idênticas, temos gostos tão parecidos que às vezes penso que não poderíamos ter nada além do fraterno. Vai que somos irmãos separados lá na maternidade.

Eu sou você.

De uma forma ou outra acredito que teríamos nos encontrado. Eu precisava ter vivido todas aquelas situações. E sei que você vai lembrar quando ver a minha foto no outro lado do mundo. Ou talvez você esteja lá comigo – por que não?

O abraço sincero naquele gol decisivo, o sorriso provocado por uma besteira qualquer, o beijo inesperado dentro do elevador, o porre para afogar mágoas que nunca precisaram ser ditas – afinal você sabe que tipo de coisas são essas, não é mesmo!? Até mesmo a noite no quarto que nunca aconteceu. Eu sei de tudo isso e você sabe o motivo do meu saber.

Acontece que eu sou você.

Sou seu escárnio, suas dúvidas, suas paixões e suas certezas. Eu sou a sua revolta com os problemas do mundo, sou a sua alegria com a beleza das tardes. A sua força de viver algo além do padrão, a sua sede pelas conquistas que a vida oferece.

Sou seus olhos, suas convicções, seus interesses, seu coração.

No fundo você sabe quem eu sou. Mas isso também fica subentendido.

1 compartilhamento
Inserida por Michellewundervald