Jbcampos: Acocorado num canto d’alma Acocorado,...

Acocorado num canto d’alma

Acocorado, solitário encontra-se você
nobre e triste como forte guindaste
assegurando à vida, assim a natureza
espiritual lhe fez parte dessa proeza
querida. Porém, veja-se pela santa fé.
Um santo abandonado em si mesmo,
um solitário, retardatário do sistema.
Tem de ser diferente de muita gente.
Você é poeta, mesmo que não queira.
Escrevendo àquele de coração aflito,
concebe-se o amorável ensinamento
com qual se cala a voz do aflito grito.
Profunda fala que cala a fala inaudita
editada ao evento dum furioso vento.
a qual não sendo ouvida explodirá
ao estampido de perdida bala
ao contraponto do lamento.
Eis o livro consagrado,
há muito tempo,
ensinado
ao
desorientado.
Desde o relento,
de ensinamento
ao templo-crente
que se foi firmando
ao tempo - quente.
Por todos os lados
logo: adjacentes.
Isto que se fala
não é de fato
consumado?
Atualidade
depara-se
com
a virtualidade
de veraz realidade.
Deveras, sem a escrita
nada seria completo,
tudo estaria secreto,
fadado ao nada
do decrépito
momento.
Muitas vezes macambúzio
procura-se no livro refúgio
do alívio. Como o búzio
e o marujo confuso,
marejam no mar
de natural santidade,
enquanto, o ladino da cidade
ao recorrer pelo decorrer do ocorrer
da facilidade de seu destino.
Assim sendo, um dia
a morte há de viver
no seu dia a dia
matando
a própria
melancolia,
quiçá, suicidando-se também.

Nada quero que morra, porém,
a morte o que é que tem;
eu a mataria e seria
santo criminoso
também...

Amem o
amém.

jbcampos

1 compartilhamento
Inserida por camposcampos