Nathália Tomaz: ocê (...) Começando minhas longas...

ocê (...)
Começando minhas longas palavras com você na primeira linha. Você, apenas você neste breve momento. Com meus lábios secos pela sede, eu vou lendo em voz baixa para mim mesma, o que lhe escrever, minhas mãos um tanto geladas, suando frio, procura o telefone, para talvez por descuido meu, te ligar discretamente, e ouvir essa sua voz cansada, e então te dizer um Alô com a voz tremula. Ocorre tanta coisa na minha cabeça, que eu vagarosamente tento organizá-las dentro de mim mesma, para que as palavras saiam explicitas e com clareza. Tenho que te dizer tantas coisas, mas ao mesmo tempo não sai nada. Eu sempre carrego comigo uma frase que se agravou em minha memória, acho justo usá-la na minha escrita — Nada me garante que você será o amor da minha vida.
Mas confesso, tenho que concordar com esse abestado clichê que anda por ai nos textos alheios. Deixe ir, se voltar é porque realmente é seu. Será? Talvez você seja mesmo meu. Pode não ser nessa vida, mas você ainda será meu. Assim, igual a esses casais vistos em filmes americanos. Naquela noite, antes de entrar para minha casa, o que era eu? Depois de ter ficado breves minutos entrelaça por seus braços, o que era eu? Era o que os outros sempre haviam ter visto. Mas eu ainda não me reconheço depois de ter você junto a mim. Eu novamente estou entrando em um túnel todo escuro, chamado amor. Onde no decorrer do caminho eu não sei o que poderei encontrar por lá. Estou me arriscando. Eram quase três da madrugada e há muito tempo eu não me pertencia tanto. Como é difícil a gente voltar a ser o que era antes depois do primeiro amor. Não é drama, mas todos sabem que ficamos com uma sequela. E já no segundo amor, a gente tenta fazer diferente, e se der sorte, dá certo. Eu vou contra o tempo, busco as melhores palavras que possam existir para te mencionar nessa minha escrita demorada. Mania boba que a gente tem, de escrever para quem não irá ler nossas palavras. Mas moço; e esses traços no seu rosto, que curvam o seu sorriso, não sai mais da minha cabeça. Esse meu par de olhos, que te olhavam a cada fração de segundo, que captava cada gesto seu, e tudo ficou guardado em mim como uma fotografia. Então antes que alguém diga qualquer palavra, eu interrompo com o meu silencio, e pronuncio — Eu estou te querendo, então por favor seja gentil e me queira de volta.

1 compartilhamento
Inserida por NathTomaz