Daniel Melgaço: Nem sempre a voz do povo é a voz de...

Nem sempre a voz do povo é a voz de Deus. Ou vocês pensam, que o Holocausto na Segunda Guerra Mundial foi a voz de Deus exercida a partir do povo alemão? Não, não foi. Assim como outros fatos da história, diversos outros genocídios que partiram primeiramente da voz dos reis/ditadores e etc. mas que depois tornaram-se, também, a 'voz do povo'. Como por exemplo: os europeus no continente americano; a União Soviética e as medidas que tiveram consequência na Ucrânia; a China a respeito da tentativa de apagar todos os traços da cultura e da identidade dos tibetanos; entre outros. Mas é claro que na maioria das vezes na qual NÃO houver violência, ou objetivo assassínio, provavelmente será a voz de Deus sendo exercida, mas é claro que não devemos generalizar. Aliás, por que o Holocausto na Europa tomou maior repercussão negativa do que o genocídio dos europeus em cima dos índios, se houve o triplo de mortes na América em relação ao Holocausto? Há vários motivos: primeiramente, pois o Holocausto aconteceu mais recentemente; os outros motivos são a época - pois os valores ainda eram distorcidos - e também o preconceito e a xenofobia. Se o preconceito, a xenofobia e etc. são absurdos hoje, imaginem naquela época, no qual já foi dito anteriormente. Não percam a esperança na humanidade, as desgraças e genocídios só tenderam a reduzir, e inclusive, o número de mortos quando ainda houve. O progresso se deve também a partir do tempo, pois nada nunca se resolverá apenas num piscar de olhos.

1 compartilhamento
Inserida por danmelga