Jamila Mafra: Secretas Secreções Solto os purgos da...

Secretas Secreções

Solto os purgos da memória
Porque a mágoa sempre fica,
Desamores e revoltas
São as secreções da vida.

Não há bodas,
Não há festas,
Não há prêmios,
Não há nada,
E não existe mal pior
Do que a solidão
Dessa estrada.

Tal qual um intenso corrimento
As lágrimas da dor vão escorrendo,
Nunca ouvi que houve remédio
Pra esse tipo de tormento.

Dessa vez não foi bacilo,
Não foi nem mesmo o tricomonas,
Dessa vez foi o vacilo
De querer e não ser dona.

Solto os purgos da memória
Porque a mágoa sempre fica,
Desamores e revoltas
São as secreções da vida.

Não há moldes,
Não há gaze,
Nem nenhum absorvente
Que contenha a secreção
De sentimentos tão doentes.

Para essa mórbida infecção
Chamada desilusão
Não existe antibiótico,
Pois são seres abióticos.

Todo mundo nessa vida
Já segregou pus algum dia,
Mas eu tenho um corrimento
Que me atrapalha na corrida.

Todo mundo tem um medo
Mas por falta de coragem
Segrega o pavor em segredo.

Todo mundo me acha estranha
Por eu não ter vergonha
De dizer toda a verdade,
Mas quem esconde o que sente
Acaba na insanidade.

Todo mundo tem a mácula
Guardada no coração
E quem disser que "Não"
De fato está vivendo na ilusão.

Não há moldes,
Não há gaze,
Nem nenhum absorvente
Que contenha a secreção
De sentimentos tão doentes.

Solto os purgos da memória
Porque a mágoa sempre fica,
Desamores e revoltas
São as secreções da vida

1 compartilhamento
Inserida por jamilamafra