Coleção pessoal de rosabergcine

141 - 160 do total de 369 pensamentos na coleção de rosabergcine

CONTRADIÇÃO

Amanheci sem previsão de tempo
Sem reticências.
Não gosto das reticências.
Reticências é o inacabado
O avesso
O avulso
O suplício
O impulso
O incauto
O desengonçado
O indefinido.
É malandra
coleira
insônia
prisão
sinal quebrado
Prefiro vírgulas e ponto final
Reticências são libertinas
Desordeiras
Conspiração
Desarrumam a imaginação
São pausas do sim e do não
Reticências são faltas de coragem
vestidas pela gala da omissão.

Tags: poemas contradição

HOJE, FICA PROIBIDO

Hoje fica proibido,
sentir preguiça, cansaço
ou sonolência.

Hoje fica proibido,
sentir dor de dente, dor na mandíbula,
ficar doente.

Hoje está proibido,
fazer bico, ficar com raiva,
sentir saudade,ser exigente.

Hoje, respire alegria,
faça poesia,
viva de verdade.

Tags: poesia proibido

BRINDE A UMA AMIZADE


Queria ter na boca o verbo certo
e nas veias um poema bem feitinho,
só para te dizer o quanto é importante,
tua companhia constante em meu caminho.
Ah! Se meus sentimentos fossem coloridos
e se incandescessem a cada palavra tua,
o céu não precisaria mais de sol
e a noite não ficaria mais sem lua.
E se, por descuido, a chuva caísse,
misturando as cores e fazendo o céu cinzento,
com trovões se arrebentando barulhentos
e relâmpagos azuis cortando o firmamento,
eu te diria, não tenhas medo,
eles estão de passagem,
vieram só para brindar nossa amizade.

Tags: poesia amizade

SENSAÇÕES
Sentimentos rabiscam-se em rascunhos
Reflexos da falta de nexos
das palavras que não me vêm.

Decepção a beira do abismo
Coração destruído pela audácia
das vozes interiores me dizendo não.

Emoções sem termômetros
Termômetros sem previsões.
Inverno na alma!

Tags: poesia sensação

HORA “D”...

Hora de arrebentar a linha.
Hora de atravessar a rua.
Hora de navegar por outro mar.
Hora de encarar o novo e experimentar o gosto de um novo tempero.
Hora de delirar com o acaso e não ter medo de descontrolar os controles internos.
Hora de estancar saudades e acender o sol para espanto do inverno.
Hora de pensar no seu caso e de deixar o cansaço morrer.
Hora de sair do lugar.
Hora de voar.
Hora de saciar vontades.
De ouvir uma canção e cantar.
Hora de olhar pra a lua e me reencantar.
De deixar sem freios os poemas circulantes nas veias.
Hora de me jogar, sem medo e sem culpa, no abraço que me espera logo ali.
Hora de tornar eterna e para sempre esta hora feliz.

Tags: prosa poetica

E AGORA?

O que faço com os espaços vazios quicando em meus dias?

O silêncio é pesado demais para esta minha alma velejante carregar.

Meu barco da vida, a mercê dos dias, navega em desalinho.

Estou à deriva.

Arrasto-me em aglomerados de sentimentos, hóspedes das palavras ecléticas e dos sonhos voláteis.

O vento sopra e empurra as minhas horas nessa viagem sem roteiro.

Nada de dor, nada de tristeza, nada de prazer.

Apenas uma realidade, sem sentido, sentida na essência do tempo despido, encarado em seu processo de transformação.

O corpo não pode fazer nada, a realidade do momento é emocional.

À tona, em minha alma, apenas o desejo de voar novamente.

Porém, preciso de paciência, pois antes de levantar vôo

“navegar é preciso”.

Tags: prosa poetica

GENTE QUE A GENTE AMA


Tem gente que a gente ama simplesmente porque ama. Não precisa de motivos, de explicações, de trocas ou adjetivos.

Tem gente que a gente ama só de olhar.

Tem gente que a gente ama pelo brilho dos olhos, pelo rosto sorridente, pela energia transparente.

Tem gente que a gente ama pelo jeito de conversar, pelo som de sua voz, pela maneira de sonhar.

Tem gente que a gente ama pela calma, pelo carinho, pelo seu modo de nos abraçar.

Tem gente que a gente ama pela sua simplicidade, pela sua vivência, pela sua capacidade de lidar com os problemas.

Tem gente que a gente ama pelo seu jeito carrancudo, pelo seu modo sisudo, pela sua falta de humor.

Tem gente que a gente ama pela sua impaciência, pelas suas inconseqüências, pelas loucuras fora de lugar.

Tem gente que a gente ama - ponto - e nem precisa explicar.

Tags: prosa poetica

À ESPERA DE UM TELEFONEMA

Sabe...

Ontem eu fiquei aqui esperando você retornar a ligação.

E você?

Nada!

Mas continuei a esperar, e esperando fiquei pensando:

Por que será?

Será que foi porque choveu?

Ou porque se esqueceu?

Ou porque não deu?

E você, nada!

E eu?

Esperando

e esperando pensando:

talvez a bateria arriou.

Quem sabe o cansaço lhe venceu?

Será que não estava a fim de conversar?

Então, por que não avisou?

E você, nada!

E eu? Esperando e esperando pensando:

Será que vai ligar?

Bom! pediu para esperar.

Mas será que vai retornar?

E você nada!

Depois de muito tempo, eu continuava esperando e esperando pensei:

Que bobagem a minha ficar esperando!

Os motivos de você não me retornar a ligação, no fundo, bem no fundo, eu sei.

Eu só não sei por que liguei.

Tags: prosa poetica

COBIÇO O SOL NESSA MINHA CARA DE CHUVA

Ponto de partida.
Eu e os meus contrapontos, nas suas complexas conexões.
Entre o branco e o preto, ilógica e incoerente minha alma navega em estado apocalíptico nos debates íntimos do paraíso perdido.
Sentimentos escondem-se em narrativas cifradas por suas rochas subterrâneas.
Uma forma crua de acesso aos sons desafinados dos desejos e anseios estanques revelados no universo onírico de minha alma alarmada diante de mim mesma.
Na ordem desordenada do abalo sísmico do abismo que me guarda e me amedronta, me debruço e invoco a calma.
Quero uma calma mediática, harmônica e voraz.
Quero pensamentos mágicos roubando-me desse isolamento que me prende, com uma âncora, às esquinas de meus medos e às zonas de turbulências.
Minha urgência reflete-se no visível, no grito da alma, nos sentimentos bailarinos de minhas veias, no cansaço da tristeza, nos sonhos caídos por terra, nas distâncias insanas, nas sintonias dessintonizadas.
Coração está asilado. Sufocado. Sentimentos no avesso.
Cobiço o sol nessa minha cara de chuva, porque a vida não peguei emprestada.

Tags: prosa poetica

INTROSPECÇÃO

Um plácido silêncio adormece, nesta tarde, em minha alma. O tenso frio do inverno contrai-se na inércia das horas do relógio da minha saudade. Um sino, ao longe, faz minhas lembranças regurgitarem devaneios latentes, mas ignorados, avisando-me que meus sonhos andam socados nas gavetas da vida. Em meus armários internos, há muito lixo para se jogar fora. Tenho caminhado sem batuta, sem maestro, sem notas musicais, sem importar se faz sol ou se chove. Tenho flores descuidadas nos vasos de minhas pulsações. Tenho janelas abertas nos quartos das emoções. Tenho ausências autografadas no meu coração. Tenho estilhaços de vidraças quebradas em meus sentimentos distantes. Tenho distancias desenhadas nos mapas de minha estrada. Já não sei mais de mim. Já não sei mais de coisa nenhuma. No cá-lice de meu refúgio, resta-me beber o vazio de meu ser para umedecer a poeira de minhas palavras mudas. Não estou triste, não estou cansada, não estou NADA

Tags: prosa poetica

NOSSOS SONHOS SERIAM, MAS NÃO SÃO.

Sinto muito! Mas não posso mais ignorar que esses meus sentimentos de encantamento não cabem no agora e nem mais nessa minha alma tagarela. As exigências da vida estão aí assinalando que fragrâncias desse amor evaporaram-se, apesar do meu torpor. Não vou dissimular minhas angustias em frases feitas, nem tão pouco privar os nós de minha garganta de se derramarem pelo meu rosto em teimosas lágrimas. Já não sei mais se essas lágrimas são eclosões de meus sentidos, ou dos meus muitos sonhos descabidos. Eu não tive intenção, mas quando dei por mim, havia consagrado a um amor minhas mais puras, simples e fortes emoções.

Acreditei na pureza das trocas e dos sentimentos, como uma criança acredita em Deus. Não importa. Reconheço que a vida é feita de fatias, de movimentos, de projeções contraditórias. Não existem bulas. Não existem fórmulas. Nos corredores da vida, os fatos têm sempre uma porta de entrada e outra de saída. E quando estamos no meio, nem nos lembramos disso. Ainda bem, porque só assim podemos desfrutar da sonoridade dos momentos para sempre inesquecíveis.

Aqui e agora, entretanto, minhas interrogações internas se fazem ávidas quanto à concentração de minhas forças, na tentativa inútil de encontrar a perfeição de minha realidade mágica. Nesta atmosfera, não se justifica mais nenhuma entrega. A distância também se faz presente em minha alma, e o silêncio, dos instantes e dos momentos, se coloca no lugar onde a alegria profunda de se estar perto era uma teia de felicidade em construção, quando os nossos sonhos seriam, mas não são.

Tags: prosa poetica

POETA, ESCREVA PRA MIM

Poeta,
Não quero tristeza escrevendo, em mim, rimas de dor.
Não quero sangrar a qualquer hora, sem ser nada, sem nada ser.
Não me dou bem com a vida quando estou assim.
Quero alegria da fantasia de uma lua em mim.
Quero perfume das flores do meu jardim.
Quero todos os meus sonhos saltando de um trampolim.
Não quero saudade batendo na porta pra me fazer chorar.
Nem as lembranças de outrora ocupando o meu lugar.
Poeta,
Devo-lhe confessar,
Quero um céu estrelado repleto de luzes
para o meu indicador em suas direções apontar.
Careço de alegria e companhia para tagarelar.
Quero o som de águas correndo nas pedras de algum lugar.
Preciso um pouquinho de tudo para sobreviver
Poeta,
Escreva para mim
Perdi por aí todas as palavras e não consigo me encontrar.
Não quero que este seja o meu fim.
Por isso eu insisto:
Poeta, escreva pra mim!

Tags: prosa poetica

SENTIMENTOS SEM CLICHÊS



Pouso o meu olhar sobre mim mesma, sobre meus sentimentos, sobre os meus sonhos, sobre minha alma, como um artesão buscando inspiração para o seu ofício.
Ando precisando fazer uma releitura das minhas ambientações internas nos moldes de um artista plástico quando da criação de um novo design e de uma nova estética.
A estrutura arquitetônica e o estado de conservação de meus sonhos estão visivelmente abalados nas suas estruturas poéticas.
Abro as portas do meu coração para resgatar e preservar as emoções silenciadas e estocadas nos armazéns de minhas lembranças.
Meu espírito critico e inquieto anda cochilando pelos botequins dos pensamentos viciados e anseios confusos.
Preciso do cheiro de perfume bom em minha pele.
Quero essa minha alma atrapalhada caminhando pela vida fotografando sentimentos sem clichês.
Quero um beijo da lua no meu rosto de presente.
Quero beber a lagrima da saudade, num cálice de cristal.
Quero pescar risos de alegria, nas horas do meu dia
Quero a surpresa da frase feita de uma poesia.
Não quero sonhos sem futuro.
Quero cuidar de mim

Tags: prosa poetica

SOU CAMALEÃO - NÃO SEI CHORAR


Eu cresci, amadureci, envelheci e não aprendi algumas coisas na vida. Entre elas, a lidar com os momentos de perdas, seja lá do que for. Mas a vida não poupa ninguem e assim fui perdendo coisas, porque perder não depende de mim. Perdi as minhas idades, algumas felicidades,algumas pessoas queridas, amores que eram para sempre, perdi até saúde por sofrer por bobagem. Já até me perdi de mim mesma.. Confesso, perder não é fácil para mim.
Não sei chorar e na perda a dor da minha alma borbulha em minhas veias até me sufocar. Por sorte, nunca perdi a memória, mas nos momentos das perdas,
como não gosto de reviver histórias para não entregar a dor o troféu da vitória, aprendi a virar camaleão. Eu sou um camaleão e mudo de cor.
Tenho esse jeito meio esquisito só pra esconder a minha dor.Se a tristeza tenta me fazer chorar, sufoco o meu grito, finjo um sorriso para que minhas palavras não se façam em movimentos bruscos e os meus sentimentos não me atropelem.Não gosto de me machucar, odeio machucar alguém. Sou camaleão. Levanto a cabeça e deixo o corpo preso nas paredes. Busco o sol às avessas. Se tenho medo, mudo de lugar , fico quieta até o medo passar. E nesse meu coração disparado, que vive atropelado pelos sonhos e a razão, a loucura tem o seu cativo lugar e me inventa mil razões para eu continuar a caminhar.

Tags: prosa poetica

Meu Refrão - Saudade


Hoje a lua me faz sentir saudade. Saudade das horas senhoras da poesia que, em noites frias, me fizeram viver um verão. Saudade dos sorrisos tontos e de nossos planos sonsos de, algum dia, sermos o que nunca fomos. Saudade das palavras não ditas, apenas entendidas por nossos olhos atentos aos movimentos da emoção. Saudade das palavras perdidas nos sorrrisos cumplices da paixão. Saudade dos toques pretensiosos de nossas mãos, fingidos não terem nenhuma pretensão. Saudade da fragrância quente e envolvente do calor do abraço presente em nosso coração . Saudade dos sentimentos intensos e descompassados vividos com sofreguidão. Saudade, também, de todas as interrogações nos porquês sem necessidade de explicação. Hoje, a saudade me abraça e me tonteia, do mesmo modo de quando eu estava pertinho de você.

Tags: poemas poesia

POESIA, MINHA FIEL COMPANHIA


Num dia fui inventada, no outro me reinventei. Já tive asas quebradas. Já as tive inteiras, outra vez. Já pisei em pedregulhos e sorri por puro orgulho, quando a dor me visitou.


Já me perdi no horizonte sem sequer sair do lugar, viajando ao ver os navios
dançando felizes, nas águas, em alto mar.Já sonhei com outras terras, outros portos, com as gentes de outro lugar.


Já bebi minha própria saliva; já provei do meu próprio veneno; já tive a boca rachada de tanto tagarelar.

Já rasguei minhas memórias escritas em um papel qualquer que o tempo, no seu tempo, esqueceu em algum lugar.


Já tive medo do escuro, já me perdi em atalhos, já enlouqueci por bobagens.
e distraidamente, tranquei minha alma num armário.


Já chorei quando perdi amores; já dei risadas quando recebi flores; já voei nas nuvens, inflada pela felicidade.

Até corri em disparada, só para ganhar um abraço dos braços de quem eu tinha muita saudade.


Já tive o coração na garganta, na boca, na cabeça com sentimentos que nem me deixavam a realidade enxergar.

Já amei quem não devia e tremi mesmo quando me diziam: “Não tenha medo não”.


Os anos foram passando e eu sempre esperando que minha alma estabanada sossegasse e, quieta devorasse essa tal de poesia, que os mais velhos diziam que com o tempo nos fugia, desfigurando todas e quaisquer emoções.


De fato, passaram-se os anos, os dias, as horas e meus planos.

Porém, a poesia, dona absoluta de minhas fantasias, numa doce e eterna teimosia, resistiu ao tempo, às dores, aos desencantos , ao meu cansaço e como uma bactéria resistente, continua presente em minhas veias ,correndo com sofreguidão como sangue quente me fazendo companhia nas minhas horas de total e irrestrita solidão.

Tags: poesia poemas

SE ME PERGUNTAREM DO QUE VIVO


Nas minhas dissonâncias, sou uma música que toca desafinada,mas feliz
Meus sentimentos consonantes em todos os momentos e por todas as horas são - VOCÊ
Se me perguntarem de que vivo agora, eu lhes direi:
Vivo
da esperança da manhã que nasce,
do calor do sol do meio-dia,
do colorido do céu das tardes de outono,
do luar que banha o meu quintal.
Vivo
da alegria de poder ouvir uma voz suave que me fala coisas bonitas,
do encontro com outra alma que a tenho em sintonia,
de um sorriso que se abre pra mim cheio de alegria.
Vivo
dos encontros possíveis de um amor intenso,
das horas vadias cheias de saudades
da felicidade da espera para sua chegada.
Vivo
do olhar nos olhos de quem me ama
dos beijos roubados em lugares proibidos
dos abraços apertados que se fazem sentidos.
Vivo
da quentura das vontades tortas,
da loucura dos sonhos que, por vontade própria,
tomaram conta de mim.
Vivo
dos carinhos que ganho sem ter que pedir,
da liberdade que me permiti sentir.
Vivo feliz por você existir.

Tags: prosa poetica

SE VOCÊ NÃO TEM TEMPO


Se você não tem tempo, invente uma máquina do tempo só sua, onde as horas fujam dos relógios, onde caibam todos os tempos de que precisa, onde caiba aquele seu tempo, tão particular.

Se você não tem tempo, se mude para uma folha de papel, vire um personagem e faça as suas vontades viverem em figurinhas de gibis.

Se você não tem tempo, peça carona ao vento que é sedento de movimento num tempo que ele mesmo inventou.

Se você não tem tempo, e isso lhe causa sofrimento, invente alguns sonhos e passeie feliz nos seus próprios pensamentos.

Se você não tem tempo, mude seus hábitos, corra atrás de um dia vadio, busque os seus amigos, faça festa ou não faça nada, fique de barriga pro ar, mas extravase a tensão.

Mas se achar que tudo isso é uma viagem, que não tem tempo para o ócio, que não tem tempo para viver bobagens, prepare-se meu amigo, o seu futuro promete, porque a vida é feita de bagagens e você resolveu carregar, a tiracolo, a solidão.

Tags: prosa poetica

Eu te esperei.

Eu te esperei em cada passo que dei, em cada esquina que virei, em cada palavra que pensei, em cada poema que escrevi.
Eu te esperei debaixo do sol quente do meio dia, na hora do sono da poesia, molhada de suor de tanto transpirar.
E morrendo de sede, te esperei.
Eu te esperei correndo na chuva que chovia, encharcada pelo êxtase da alegria, fazendo folia com os sonhos meus. E sonhando, eu te esperei..
Eu te esperei por muitas estradas empoeiradas, pela força do vento de outono nas baixadas, pelas insônias que me deixaram acordada nas madrugadas.
E morrendo de sono, eu te esperei.
Eu te esperei embrenhando-me nas páginas dos livros que devorei, sorvendo lentamente goles de bebidas que eu odiei.
Fiquei tonta, mas te esperei.
Eu te esperei na chegada primavera, no perfume das flores da janela, na cama de folhas secas do chão em que deitei.
E mesmo sem ter certeza de que vinha, eu te esperei.
Não queria chegar sozinha, tínhamos combinado.
E quando as horas já haviam se perdido, as minhas esperança se esvaído, ouvi a sua voz.
Você veio.!!!!!!
E foi para viver este momento que te esperei

Tags: prosa poetica

TUDO QUE FALAM DE MIM, POR AÍ, É QUASE TUDO VERDADE


A vida desfila na arena livre das possibilidades, nas encruzilhadas dos sentimentos pré-escritos, dos caminhos que se impõem por si mesmos. E eu carrego os meus desejos plásticos, fragmentados e diluídos na ausência de sentido, da liberdade imperativa conquistada. Já cometi erros monumentais e emprestei minha alma ao diabo. Já peguei carona em corações distraídos, sem nenhum pré–texto. Em um só tempo, fui capaz de andar no ritmo dos passos rudes de forasteiros que cruzaram minha estrada e me alimentar de fantasia para sobreviver na retórica da ilusão. Já expus minhas mágoas e minhas alegrias nas galerias dos poetas. Já me fechei em mim mesma e me isolei nas horas-ilhas que insistiram em se fazer presente dentro de mim. Nos meus equívocos, fui hóspede de olhares aventureiros e vontades loucas. Por isso, tudo que ouvir falar de mim, pode acreditar. É quase tudo verdade. Minha alma é uma janela aberta e nela não cabe a escuridão. Não me escoro e nem me escondo na tirania das mentiras do que não sou, apesar de que nem sempre uma boa pergunta terá de mim uma resposta, porque sou capaz de devolvê-la a seu dono. Eu apenas tiro do medo a coragem de não deixar a vida escorrer pelos meus dedos. Então, pode acreditar no que falam de mim, porque quase tudo é verdade.

Tags: prosa poetica