Coleção pessoal de milenabatalha

1 - 20 do total de 116 pensamentos na coleção de milenabatalha

Eu sou chato, até te ver triste... Eu sou insensível, até te ver chorar... Eu sou maduro, até te ver sorrir... Eu sou completo, até perceber que você é a minha metade.

Leon Tolstoi
81 compartilhamentos

Ao fim de tantos anos
não há tempo a perder
A nossa história começa hoje

Com a tua mão no meu peito
também sentiste o ritmo suspeito
de quando o coração se esmera
quando se aproxima o momento perfeito
para quem esteve sempre a espera

Se ambicionas ser a flor
prometo eterna primavera de cor
num futuro colorido de jardim
se aceitas o que estou a propor
é fácil, diz que sim

Anônimo
1 compartilhamento
Tags: casamento pedido

A cultura é um ruido de fundo que não me deixa ver a vida tal como é. A cultura não faz ninguém feliz. Quero ser alguém ignorante, ou um camponês sábio que adivinha quando choverá e se deita e levante com o sol.

Francesc Miralles
1 compartilhamento
Tags: amor minúscula

Toda luz tem sua sombra. As pessoas aparentemente mais simples ocultam um mundo no qual acontecem coisas impensáveis. Quando penetramos nele por acaso, somos invadidos por um sentimento de desconcerto e temor, como quem invade um jardim alheio. De repente nos damos conta de que algo que sempre estivera ali nos passara despercebido. (...) Você pode descobrir que não sabia nada de quem vive ao seu lado, ou até agora fechara os olhos para não vê-lo. E desejaria que essa primeira revelação - que rompeu a doce rotina - não tivesse chegado nunca. Por isso, às vezes é conveniente não querer saber tudo.

Francesc Miralles
2 compartilhamentos

"Já sei que cabelos grisalhos são sinal de sabedoria", pensei arrancando-os pela raiz com uma pinça, "mas não quero que os outros saibam que sou assim tão sábio. É uma mera questão de modéstia."

Francesc Miralles
1 compartilhamento
Tags: amor minúscula

O contrário é o conveniente. Sempre que você sentir raiva de alguém, aplique esta máxima. Trata-se de fazer exatamente o contrário do que seu corpo está pedindo. Acredite em mim: produz milagres.

Francesc Miralles
2 compartilhamentos
Tags: conveniente amor

Tem sempre presente, que a pele se enruga, que o cabelo se torna branco, que os dias se convertem em anos, mas o mais importante não muda! Tua força interior e tuas convicções não têm idade. Atrás de cada linha de chegada, há uma de partida. Atrás de cada trunfo, há outro desafio. Enquanto estiveres vivo, sente-te vivo. Se sentes saudades do que fazias, torna a fazê-lo. Não vivas de fotografias amareladas. Continua, apesar de todos esperarem que abandones. Não deixes que se enferruje o ferro que há em ti! (...) Nunca te detenhas!

Camille Claudel
54 compartilhamentos
Tags: arte perseverança

Nós não precisamos de mais herois, só precisamos de alguém para levar o lixo reciclável lá para fora.

Banksy Guerra e Spray
2 compartilhamentos

As conversas não ficam melhores a medida que você envelhece

Banksy Guerra e Spray
1 compartilhamento
Tags: conversas velhice

Quando chegar a hora de partir, apenas saia andando calmamente e não faça confusão.

Banksy Guerra e Spray
1 compartilhamento

Não há exceções a regra quando todos acham que são uma exceção às regras.

Banksy Guerra e Spray
1 compartilhamento
Tags: exceção regra

Muitas pessoas nunca têm iniciativa por que ninguém mandou.

Banksy Guerra e Spray
1 compartilhamento

Todos os artistas estão preparados para sofrer por sua obra, mas porque tão poucos estão preparados para aprender a desenhar?

Banksy Guerra e Spray
2 compartilhamentos

As pessoas que mandam nas cidades não entendem o grafite porque acham que nada tem o direito de existir se não gerar lucro, o que torna a opinião delas desprezível.

Banksy Guerra e Spray
2 compartilhamentos

"Era uma vez um rei que comandava uma grande e gloriosa nação. Ocupando um lugar especial entre seus súditos encontrava-se o pintor da corte, de quem o soberano muito se orgulhava. Todos concordavam que o enrugado ancião era quem pintava os mais primorosos quadros em todo o reino, e o monarca passava horas por dia admirando tais obras, maravilhado. Um dia, no entanto, um forasteiro sujo e desgrenhado se apresentou na corte afirmando que, na verdade, era ele o melhor de todos os pintores. Indignado, o rei decretou que haveria uma disputa entre os dois artistas, confiante de que daria uma constrangedora lição àquele vagabundo. Ao final de um mês, os dois teriam que apresentar uma obra-prima que superasse a criação um do outro. Após trinta dias de trabalho incessante, dia e noite, os competidores estavam prontos. Os quadros, colocados em cavaletes e escondidos sob panos enormes, foram levados para o salão do castelo. Diante da multidão que se formou , o rei ordenou que o pano que cobria o quadro do pintor do quadro fosse retirado. Todos suspiraram ao se revelar uma deslumbrante pintura mostrando uma mesa posta para um banquete. No centro, uma tigela de prata ornamentada repleta de frutas exóticas que brilhavam , úmidas, à luz do alvorecer. Enquanto a multidão observava admirada, um pardal empoleirado em uma viga no alto do salão fez um voo rasante e, esfomeado, tentou pegar uma das uvas da tigela pintada, colidindo com a tela e caindo morto, aos pés do rei, com o impacto. "Ah ", exclamou o monarca, "meu artista realizou uma obra tão perfeita que enganou a própria natureza; com certeza você há de concordar que se trata do maior pintor que já existiu!" Mas o vagabundo nada disse enquanto fitava solenemente os próprios pés. E o rei gritou: "Agora, tire o lençol que cobre sua pintura e revele o que tem para nos mostrar." O forasteiro, no entanto , permaneceu imóvel e mudo. Impaciente, o monarca foi até o quadro e esticou o braço para arrancar o pano, mas no último momento, se viu paralisado por uma onda de terror. "Veja bem", disse o sujeito em voz baixa, "isso não é um pano cobrindo um quadro. E, se seu famoso artista enganou a natureza, eu fiz o rei de uma grande nação parecer um pouco idiota".

Banksy Guerra e Spray
1 compartilhamento
Tags: historia banksy

Houve uma época em que eu pensava que as pessoas deviam ter um gatilho na garganta: quando pronunciasse — eu te amo —, mentindo, o gatilho disparava e elas explodiam. Era uma defesa intolerante contra os levianos e que refletia sem dúvida uma enorme insegurança de seu inventor. Insegurança e inexperiência. Com o passar dos anos a idéia foi abandonada, a vida revelou-me sua complexidade, suas nuanças. Aprendi que não é tão fácil dizer eu te amo sem pelo menos achar que ama e, quando a pessoa mente, a outra percebe, e se não percebe é porque não quer perceber, isto é: quer acreditar na mentira. Claro, tem gente que quer ouvir essa expressão mesmo sabendo que é mentira. O mentiroso, nesses casos, não merece punição alguma.

Por aí já se vê como esse negócio de amor é complicado e de contornos imprecisos. Pode-se dizer, no entanto, que o amor é um sentimento radical — falo do amor-paixão — e é isso que aumenta a complicação. Como pode uma coisa ambígua e duvidosa ganhar a fúria das tempestades? Mas essa é a natureza do amor, comparável à do vento: fluido e arrasador. É como o vento, também às vezes doce, brando, claro, bailando alegre em torno de seu oculto núcleo de fogo.

O amor é, portanto, na sua origem, liberação e aventura. Por definição, anti-burguês. O próprio da vida burguesa não é o amor, é o casamento, que é o amor institucionalizado, disciplinado, integrado na sociedade. O casamento é um contrato: duas pessoas se conhecem, se gostam, se sentem a traídas uma pela outra e decidem viver juntas. Isso poderia ser uma coisa simples, mas não é, pois há que se inserir na ordem social, definir direitos e deveres perante os homens e até perante Deus. Carimbado e abençoado, o novo casal inicia sua vida entre beijos e sorrisos. E risos e risinhos dos maledicentes. Por maior que tenha sido a paixão inicial, o impulso que os levou à pretoria ou ao altar (ou a ambos), a simples assinatura do contrato já muda tudo. Com o casamento o amor sai do marginalismo, da atmosfera romântica que o envolvia, para entrar nos trilhos da institucionalidade. Torna-se grave. Agora é construir um lar, gerar filhos, criá-los, educá-los até que, adultos, abandonem a casa para fazer sua própria vida. Ou seja: se corre tudo bem, corre tudo mal. Mas, não radicalizemos: há exceções — e dessas exceções vive a nossa irrenunciável esperança.

Conheci uma mulher que costumava dizer: não há amor que resista ao tanque de lavar (ou à máquina, mesmo), ao espanador e ao bife com fritas. Ela possivelmente exagerava, mas com razão, porque tinha uns olhos ávidos e brilhantes e um coração ansioso. Ouvia o vento rumorejar nas árvores do parque, à tarde incendiando as nuvens e imaginava quanta vida, quanta aventura estaria se desenrolando naquele momento nos bares, nos cafés, nos bairros distantes. À sua volta certamente não acontecia nada: as pessoas em suas respectivas casas estavam apenas morando, sofrendo uma vida igual à sua. Essa inquietação bovariana prepara o caminho da aventura, que nem sempre acontece. Mas dificilmente deixa de acontecer. Pode não acontecer a aventura sonhada, o amor louco, o sonho que arrebata e funda o paraíso na terra. Acontece o vulgar adultério - o assim chamado -, que é quase sempre decepcionante, condenado, amargo e que se transforma numa espécie de vingança contra a mediocridade da vida. É como uma droga que se toma para curar a ansiedade e reajustar-se ao status quo. Estou curada, ela então se diz — e volta ao bife com fritas.

Mas às vezes não é assim. Às vezes o sonho vem, baixa das nuvens em fogo e pousa aos teus pés um candelabro cintilante. Dura uma tarde? Uma semana? Um mês? Pode durar um ano, dois até, desde que as dificuldades sejam de proporção suficiente para manter vivo o desafio e não tão duras que acovardem os amantes. Para isso, o fundamental é saber que tudo vai acabar. O verdadeiro amor é suicida. O amor, para atingir a ignição máxima, a entrega total, deve estar condenado: a consciência da precariedade da relação possibilita mergulhar nela de corpo e alma, vivê-la enquanto morre e morrê-la enquanto vive, como numa desvairada montanha-russa, até que, de repente, acaba. E é necessário que acabe como começou, de golpe, cortado rente na carne, entre soluços, querendo e não querendo que acabe, pois o espírito humano não comporta tanta realidade, como falou um poeta maior. E enxugados os olhos, aberta a janela, lá estão as mesmas nuvens rolando lentas e sem barulho pelo céu deserto de anjos. O alívio se confunde com o vazio, e você agora prefere morrer.

A barra é pesada. Quem conheceu o delírio dificilmente se habitua à antiga banalidade. Foi Gogol, no Inspetor Geral quem captou a decepção desse despertar. O falso inspetor mergulhara na fascinante impostura que lhe possibilitou uma vida de sonho: homenagens, bajulações, dinheiro e até o amor da mulher e da filha do prefeito. Eis senão quando chega o criado, trazendo-lhe o chapéu e o capote ordinário, signos da sua vida real, e lhe diz que está na hora de ir-se pois o verdadeiro inspetor está para chegar. Ele se assusta: mas então está tudo acabado? Não era verdade o sonho? E assim é: a mais delirante paixão, terminada, deixa esse sabor de impostura na boca, como se a felicidade não pudesse ser verdade. E no entanto o foi, e tanto que é impossível continuar vivendo agora, sem ela, normalmente. Ou, como diz Chico Buarque: sofrendo normalmente.

Evaporado o fantasma, reaparece em sua banal realidade o guarda-roupa, a cômoda, a camisa usada na cadeira, os chinelos. E tudo impregnado da ausência do sonho, que é agora uma agulha escondida em cada objeto, e te fere, inesperadamente, quando abres a gaveta, o livro. E te fere não porque ali esteja o sonho ainda, mas exatamente porque já não está: esteve. Sais para o trabalho, que é preciso esquecer, afundar no dia-a-dia, na rotina do dia, tolerar o passar das horas, a conversa burra, o cafezinho, as notícias do jornal. Edifícios, ruas, avenidas, lojas, cinema, aeroportos, ônibus, carrocinhas de sorvete: o mundo é um incomensurável amontoado de inutilidades. E de repente o táxi que te leva por uma rua onde a memória do sonho paira como um perfume. Que fazer? Desviar-se dessas ruas, ocultar os objetos ou, pelo contrário, expor-se a tudo, sofrer tudo de uma vez e habituar­-se? Mais dia menos dia toda a lembrança se apaga e te surpreendes gargalhando, a vida vibrando outra vez, nova, na garganta, sem culpa nem desculpa. E chegas a pensar: quantas manhãs como esta perdi burramente! O amor é uma doença como outra qualquer.

E é verdade. Uma doença ou pelo menos uma anormalidade. Como pode acontecer que, subitamente, num mundo cheio de pessoas, alguém meta na cabeça que só existe fulano ou fulana, que é impossível viver sem essa pessoa? E reparando bem, tirando o rosto que era lindo, o corpo não era lá essas coisas... Na cama era regular, mas no papo um saco, e mentia, dizia tolices, e pensar que quase morro!...

Isso dizes agora, comendo um bife com fritas diante do espetáculo vesperal dos cúmulos e nimbos. Em paz com a vida. Ou não.

Ferreira Gullar
64 compartilhamentos
Tags: amor mentir

Você não ama a vida pela própria vida. Você ama lugares. animais, pessoas, memórias, comidas, literatura, música. E às vezes você conhece alguém que requer todo o amor que você tem para dar a ela. E se você perde este alguém, você acha que tudo vai parar também. Mas todo o resto continua. Giradoux disse, você pode perder um único ser mesmo estando cercado de inúmeros outros. E essas pessoas são como... extras. Ofuscam a sua visão, são como uma multidão. Uma distração indesejada. Então você procura por esquecimento na solidão, mas a solidão só lhe faz mais seca.

O Último Amor de Mr. Morgan
27 compartilhamentos

Os bons trovadores de outrora, Béroul e Thomas e monsenhor Eilhart e mestre Gofried, contaram este conto para todos os que amam, e não para os outros. Por mim, vos transmitem a sua saudação. Saúdam cuidadosos e os felizes, os descontentes e os desejosos, os alegres e os tristes, saúdam a todos os amantes. Possam eles aqui achar consolação contra a inconstância, contra a injustiça, contra o despeito, contra a aflição, contra todos os males do amor!

Tristão e Isolda
1 compartilhamento

Ah, Isolda, tarde esquece quem muito ama! Isolda, é bela coisa uma fonte abundante que se espalha e flui em ondas largas e claras. Mas o dia que seca, nada mais vale: tal é um amor que acabou.

Tristão e Isolda
2 compartilhamentos

Todos os crimes são perdoados, menos os crimes contra o amor...

Tristão e Isolda
2 compartilhamentos