Coleção pessoal de MARISAM

1 - 20 do total de 122 pensamentos na coleção de MARISAM

Como o bálsamo depois da inflamação

Inesperadamente, sou atacada por uma sensação súbita e repentina. Podemos chamar-lhe talvez, arrevesado e confuso sentimento de alívio. Como se deixasse finalmente o meu coração repousar, como se eu própria lhe tivesse oferecido um bálsamo depois de tanta inflamação. Agora tenho absoluta certeza de que estás certa quando me tentas mostrar que, sim, existem feridas e contusões em que somos quase obrigadas a deixar que as mesmas inflamem durante alguns instantes, para que então possam ficar totalmente sanadas.

Marisa Martins in Remoinho de Emoções
1 compartilhamento
Tags: coração balsamo

Estive a pensar nos precipícios que se abriram à tua frente, nas dezenas de obstáculos que se ergueram perante ti, nas centenas de vezes que perdeste o controlo dos teus sentimentos. E reparei que soubeste sempre quando não podias dar mais um passo pois esse passo significaria a queda do precipício. Contornaste os obstáculos como te foi possível e mesmo com os sentidos débeis e fracos nunca deixaste de acreditar nos teus ideais. Essa é uma característica de peso, ainda mais quando estamos a falar de uma pessoa tão desequilibrada como tu.

Marisa Martins in Remoinho de Emoções
1 compartilhamento
Tags: desequilibro sentimentos

Sinto-me uma espécie de bolsa a rebentar de palavras e opiniões intercaladas. Ao mesmo tempo sinto-me várias pessoas que coordenam e organizam essas palavras num formato desigual. Não me imagino a estancar essas palavras numa parte qualquer do meu pensamento e abandona-las por lá. Sinto os meus valiosíssimos neurónios a agitarem-se em movimentos compulsivos e destrambelhados uns contra os outros.
Definitivamente têm toda a razão quando dizem que mais pareço uma cisterna de emoções. Não sei disfarçar o que sinto. Não sei mesmo, em nenhuma situação. Dizem que eu tenho o coração muito perto da boca. Dizem e dizem bem. Penso e quando dou por mim os meus pensamentos já ganharam vida (...)

Marisa Martins in Remoinho de Emoções
1 compartilhamento

Sinto-me apta para trancar um ciclo, apta para banir os pavorosos pensamentos que muitas vezes me atacam. Não posso autorizar, nem consentir que a minha postura seja dobrada ou abatida pelas ciladas da minha existência.

Marisa Martins in Remoinho de Emoções
1 compartilhamento
Tags: pensamentos ciclos

(...)Arrumo esta máscara a um canto. Hoje renuncio a tudo. Entrego-me a mim, desisto e deixo de fingir que estou bem. Cedo às lágrimas que querem cair e ando a tentar travar. Desisto, suspendo esta máscara por esta noite e arrumo-a a um canto. Olho para ela, e até ela me diz que esta noite prefere ficar arrumada a um canto. Então consinto a mim mesma que a água salgada acumulada há dias me banhe o rosto. Abstraio-me de tudo. Hoje autorizo que a dor fique aqui. Talvez precise dela para crescer mais um pouco, ou me elevar e reconstruir ainda mais. (...)

Marisa Martins in Remoinho de Emoções
1 compartilhamento
Tags: máscaras lágrimas

(...) Estou demasiado embriagada de sentimentos e ao mesmo tempo num completo momento de lucidez, e nestas alturas sei que me faz bem optar não me partilhar com ninguém. Ignoro as variadas investidas para me tirarem de casa e até desligo os meus inseparáveis telemóveis. Conheço bem as minhas tentações, e sei que nestes meus momentos sou facilmente tentada, na maior parte das vezes até sou eu que me deixo tentar…e deixo-me ir ao sabor das tentações, umas vezes com a máscara, outras vezes nem preciso dela, porque essas tentações fazem-me sentir bem, gosto do seu sabor e não o posso negar. Fujo das tentações e mantenho-me neste momento de lucidez e transparência para comigo mesma, onde a única coisa que me embriaga e me faz sentir atordoada é aquilo que sinto. Fujo das tentações, mas não dos meus sentimentos. (...)

Marisa Martins in Remoinho de Emoções
1 compartilhamento
Tags: tentações sentimentos

Costuma dizer-se que : " quanto mais alto se voa , maior é o tombo" .Mas na verdade , se tiverem um solo protegido ...a queda até pode nem doer muito. Eu acho que a intensidade do tombo tem mais a ver com a forma como se voa, do que com a altura que se atinge.

Marisa Martins
1 compartilhamento

O melhor que uma pessoa pode fazer quando sente que a inveja paira à sua volta, é ser ainda melhor do que já se é.

Marisa Martins
1 compartilhamento

Estou sempre a crescer e parece que à medida que vou crescendo e amadurecendo me vou apercebendo de que são feitas muitas pessoas, ou que afinal existem pessoas feitas de nada.

Marisa Martins in Remoinho de Emoções 2009

Nem todos funcionamos da mesma maneira, assim como uns são mais racionais, outros mais emocionais. Já se sabe de que lado me encontro. As pessoas racionais são mais prudentes e precavidas, conseguem reflectir sempre antes de agir, são mais comedidas, conduzem a sua vida e imagem de forma cautelosa. E conseguem assim que um ou outro estado de demência ou loucura não seja desvendado e desmascarado perante a sociedade. Logo aos olhos dessa mesma sociedade são declaradas pessoas mais ajuizadas.
As pessoas em que a balança tende para o lado emocional, são impetuosas, mais velozes nas suas acções, muito mais descuidadas na forma como gerem as suas emoções, exaltam-se com o mundo e para o mundo. E conseguem com isso que o mundo as julgue e apelide de altivas ou descontroladas, porque declaram ao mundo um pouco de ousadia e orgulho.
Eu tenho quase nada de racional, por vezes até me sinto num mundo um pouco platónico, e a minha sanidade mental é automaticamente sentenciada e apontada.
Não sei se admiro essas pessoas detentoras de uma lucidez majestosa e ilustre. Talvez admire. Provavelmente são essas as pessoas que menos sofrem. Mas por outro lado essa lucidez tão invejável aos olhos da sociedade não as deixa errar tão facilmente, logo a meu entender, não as deixa aprender tanto como as pessoas menos lúcidas. Afinal são os erros a fonte de grandes lições.

Marisa Martins in Remoinho de Emoções 2009
1 compartilhamento

“Verdades não se decifram, simplesmente são”.

Marisa Martins (in Pessoas especiais) - Remoinho de Emoções
2 compartilhamentos

“Com muito, pouco ou algum sentido, o importante é que estou impressa em cada linha que escrevo”

Marisa Martins ( in Palavras ) - Remoinho de Emoções 2009
1 compartilhamento

“Não existe fase mais dramática e aflitiva, mas ao mesmo tempo mais libertadora do que matar uma soma gigantesca de pormenores para iniciar uma nova fase “

Marisa Martins (in Começar de novo) - Remoinho de Emoções 2009
1 compartilhamento
Tags: fases liberdade

“Se conseguisses ver, abraçar ou sentir os meus olhos, de certeza que irias perceber o autêntico significado deste pensamento”

Marisa Martins (in Mergulha no meu olhar). Remoinho de Emoções 2009
1 compartilhamento

Numa ligação entre duas pessoas, em que a amizade se sobrepõe a todos os outros sentimentos nada se suplica ou e nada se implora. Não há espaço para cobranças. Este é um dos muitos pontos do meu conceito de amizade.

Marisa Martins
1 compartilhamento
Tags: amizade pessoas

Ser o mau da fita aos olhos de um hipócrita é a coisa que menos importa para uma pessoa no seu perfeito juízo.

Marisa Martins
1 compartilhamento
Tags: hipocrisia pessoas

Gostar de alguém é acima de tudo conceder-lhe a liberdade de ser ele próprio em todas as circunstâncias...

Marisa Martins
1 compartilhamento

Com o tempo percebes que o Mundo é mesmo assim, e pessoas hipócritas há aos montes. Vamos tropeçando em algumas, mas temos sempre a opção de as desviar do nosso caminho. É o melhor de tudo. Somos nós que escolhemos . Quem não interessa, não interessa. E isso basta.

Marisa Martins
1 compartilhamento
Tags: pessoas hipocrisia

Eu não sei sentir em silêncio. Nem tenho a serenidade necessária. Muito menos consigo manter-me calada diante do que me magoa. Entre os diferentes sentimentos que vivem em mim, está um que se apodera quase por inteiro do ar que respiro e me fura completamente o corpo, a mente, e o meu ânimo. Talvez tenha perdido em ser como sou em certas situações. Talvez. Noutras alcancei a confiança de quem gosto, obtive a resolução de um problema, mantive a firmeza de uma amizade, consegui a coragem para não cruzar os braços, e encontrei risadas espontâneas. Algumas não me trouxeram tanta alegria, roubaram-me o sorriso, desencadearam-me ataques de choro, e trouxeram à superfície da minha pele emoções que teria optado por esconder, mas que ainda não assimilei como isso se faz. E então mostro-me aos olhos de todos, inclusive daqueles que menos queria, pois sei que as minhas agitações, ou a minha dificuldade em gerir emoções me torna um bocadinho mais fraca. Ou talvez um bocadinho menos forte. Mas isso não significa que consigam derrubar-me, porque a única pessoa que consegue derrubar a autora destas palavras sou eu própria. E era exactamente isso que eu estava a fazer, eu sei. De repente parecia que tinha arrumado a minha inteligência numa gaveta e me tinha esquecido como usa-la. As tuas palavras fizeram-me abrir essa gaveta e perceber que não adianta eu tentar ser mais racional do que emocional, pois não o conseguirei. Isso seria uma luta contra mim própria. Não sou assim, o meu coração andará sempre um passo à frente da razão, mas as tuas palavras relembraram-me que com inteligência eu consigo gerir melhor essa característica da minha personalidade. E sabes uma coisa Inês? Talvez tenha perdido em ser como sou, mas os meus ganhos acabam por superar aquilo que perdi, mesmo que nesse rol de derrotas esteja alguém que gosto muito. Uma derrota dura, um preço demasiado alto que paguei por ser quem sou. Mas não vou ficar aqui imóvel a olhar para essa derrota, enquanto a hipocrisia do Mundo continua a levar a melhor. Já não quero saber o porquê das atitudes que me magoaram. Isso é problema das pessoas que as tiveram. Faz-me feliz saber que ganho sempre mais do que aquilo que perco em ser como sou. E sabes o que vou fazer? Soltar as amarras que me têm mantido prisioneira de mim própria e voar. Porque voar é o meu lema.

Marisa Martins in Remoinho de Emoções ( Março 2009 , Corpos Editora )
1 compartilhamento

É inacreditável que a imbecilidade de certas figuras ainda consiga espantar-me nos tempos que decorrem. Existem pessoas que tem o cérebro mais pequeno do que uma formiga, a boca maior do que um elefante, e ainda se acham os reis da selva. E são essas figuras que incitam na minha pessoa, um enorme, intenso e mais do que merecido enjoo, muito perto de me provocarem vómitos. Não tenho a inércia ou apatia necessária para deixar passar em branco certas crueldades e deixar que os contrabandistas de histórias, os ladroes de almas e as víboras humanas escapem impunes aos feitos repugnantes e nauseabundos que derramam sobre o mundo e as pessoas. Será que alguém lhes ensinou os valores de vida? De certeza que não. Há pessoas que se revelam autênticos presentes envenenados. Pessoas que avistamos de relance e nos parecem tão agradáveis, que à primeira vista parecem interessantes, e depois se revelam repugnantes e desprezíveis. Quantos de nós já não tiveram este tipo de surpresa. Ou nos enganamos na primeira impressão, ou somos enganados nessa primeira impressão. E o pior é que alguns de nós já teve essa surpresa por diversas vezes. Dou por mim a pensar o porquê de mordermos o isco lançado por elas, e acho que esse porquê está relacionado com os sonhos e as expectativas que criamos em relação às pessoas. Porque apesar de existirem pessoas que se revelam presentes envenenados, existem as outras, que são verdadeiras caixinhas de surpresas, aquelas que nos fazem bem, que nos prometem e oferecem realmente sorrisos…como este que sinto rasgar nos meus lábios neste preciso momento. E são essas a quem dou valor e nunca esqueço. Porque essas sim, são importantes. As outras ficam com o estatuto e a importância que já têm, que é tanta quanto nenhuma.

Marisa Martins in Remoinho de Emoções ( Março 2009 , Corpos Editora )
1 compartilhamento