Coleção pessoal de Marcial1Salaverry

1 - 20 do total de 992 pensamentos na coleção de Marcial1Salaverry

Como tudo começou, e continua resistindo à passagem do tempo, há mais de 60 anos, e vai continuar até quando nos for permitido...
Foi assim que começou o que é o namoro de toda uma vida...
A receita é simples: RESPEITO, COMPREENSÃO, DOAÇÃO, AMIZADE, MUITO AMOR E CARINHO E SINCERIDADE TOTAL...
Ósculos e amplexos,
Marcial

NAMORO DE TODA UMA VIDA
Marcial Salaverry

Tudo começou em um baile de formatura, dia 27/12/1958, no Clube Transatlântico em São Paulo.
Fôra a essa baile, muito a contragosto, apenas e tão somente para acompanhar um amigo, com a idéia de ficar algumas poucas horas, e me retirar. Estava cansado, pois chegara de viagem. Aborrecia-me naquele baile, tudo me parecia entediante. Estava disposto a afogar meu tédio em alguns Cuba-Libre.

De repente, vi aquela jovem loura, alta, esbelta... Com seu vestido rosa, seus lindos olhos azuis, seu sorriso angelical, compunha a mais linda figura feminina que jamais vira. Foi a primeira vez que senti aquele bater forte do coração, e naquele momento, pareceu-me ver um anjo descendo do céu. Pareceu-me que o salão se esvaziara, e os únicos que lá restavam, eram ela e eu. Nunca uma garota me houvera despertado tal impressão. Impressionou-me tanto, que comentei em voz alta com meu amigo:" Caramba... com essa eu me casaria amanhã mesmo." Quase cumpri a palavra... Casamo-nos alguns meses depois.

Há que se notar que sempre tivera extensa lista de namoradas, mas nunca houvera sentido a emoção do amor. Mas aquela moça, ela superava a todas. Jamais havia sentido algo parecido.

A música recomeçou. Despertei de meu enlevo, e tirei-a para dançar. Ao rodopiarmos pelo salão ao som de Fascinação, decretei que aquela seria a música de minha vida, e que aquela linda jovem iria acompanhar-me para sempre. Seu doce sorriso cativou-me ao primeiro momento. A primeira perguinta que me fez, foi:"Voce fuma?" Quando falei que não, e pelo contrário, tinha ojeriza pelo cigarro, ela disse: "Que bom..." De imediato, tratei de assegurar que o resto da noite, ela só dançaria comigo (como se fazia naquela época). A princípio relutante, terminou por concordar, e assim fizemos par constante o resto do baile.

Meu amigo, a quem dissera que iria embora cedo, quis se retirar. Disse-lhe que se fosse. Eu ficaria. Garanti que havia encontrado a garota de minha vida.
Ele debochou, lembrando que eu já havia me apaixonado um sem número de vezes. Rebati dizendo que desta vez não estava apaixonado, mas sim, que havia encontrado o Amor de minha vida. Que a paixão é fugaz, mas o amor é perene. Sempre fui um romantico incurável, em busca do amor...E encontrei...

Ao terminar o baile, quis acompanhá-la até sua casa, não me permitiu, pois afinal, acabáramos de nos conhecer. Eram outros tempos...
Marcamos encontro para o dia seguinte, para ir ao cinema. Lembro-me ainda, fomos ao Cine Marrocos, assistir Sayonara. Cometi a audácia de beijar-lhe a mão. Por pouco não se levantou a saiu do cinema. Imaginem só. Beijar a mão logo no primeiro encontro. Eram outros tempos...

Foi dessa maneira que tudo começou. Foi uma mudança radical em minha vida. Sempre fôra dado a aventuras, era boêmio por excelência. Houvera abandonado os estudos, para ter mais tempo, como dizia, para as garotas, mas esse encontro contudo, determinou novos rumos, afinal havia encontrado o amor...

Meus familiares apenas sorriam, acreditando ser mais uma de minhas loucuras. Ninguém acreditava quando eu dizia que o que havia sentido era para valer. Alguma coisa me dizia que fôra realmente "fisgado".

Começamos o namoro, como convinha na época, na sala de visitas de sua casa, sempre com a presença de algum familiar, "para manter o respeito". Quando saíamos, nunca era a sós. Ao cinema podíamos ir sem companhia, mas com hora marcada para voltar para casa. A bailes, nem pensar que poderíamos ir a sós. Sempre alguém "para segurar a vela". Eu sempre estivera habituado a sair com as chamadas "garotas fáceis", de repente sair com uma "de família" (essa era a diferenciação na época), era complicado, mas houvera decidido mudar de vida e assim fiz. O amor realmente é lindo... Rompi completamente com tudo que me ligava à vida noturna, às farras, às rodas de amigos. Ninguém acreditava no que estava acontecendo. Nem eu...

Devido uma série da circunstâncias, entre as quais uma briga familiar, decidimos antecipar nossos planos de casamento. Fiz com que, tanto ela, quanto sua família, entendessem que deveríamos nos casar logo, pois, como saíra de casa e estava morando em uma pensão, sempre havia o perigo de eu ter uma recaída, e começando a sair novamente, voltar para a boemia. Claro que houve resistência por parte da família. Todos acreditavam que estávamos sendo precipitados. Nada justificava a pressa.
Ainda como agravante, não tínhamos uma base financeira sólida para encarar uma vida conjugal, e mesmo assim decidimos. Resolvido o detalhe, marcamos a data do casamento.

Havia ainda outro problema. Uma ex-namorada grávida, ameaçando fazer escândalo na igreja. Felizmente havia contado tudo sobre minha vida anterior. Assim a ameaça da outra não surtiu efeito. Por fatos como esse, ninguém em minha família acreditava que o casamento durasse muito tempo, duvidavam da seriedade de meus propósitos. Meus irmãos fizeram um bolo esportivo, para ver quem acertava quanto tempo duraria o casamento. O mais otimista, palpitou 1 ano. Errou por pouco, pois já lá vão quase 61 anos.

Nossa vida é uma prova cabal da força do amor. Nestes 61 anos, cujo inicio foi contado acima, claro que tudo não foi um eterno mar de rosas, pois tivemos toda a sorte possível de problemas que poderiam ocorrer a um casal. Tivéramos tipo de vida completamente diferente. As engrenagens foram se ajustando a pouco e pouco. Cada qual cedeu em algo, e fomos nos acertando. Dificuldades financeiras foram uma constante, problemas de saúde com filhos nos custaram uma casa. Sempre um apoiava o outro. Quando um começava a desanimar, o outro o puxava pela mão do fundo do buraco, trazendo-o para a luz. Quando começávamos ambos a desanimar, apoiávamo-nos em nosso amor, e conseguíamos recuperar o ânimo, principalmente com a ajuda de nossa Fé em Deus, sempre inabalável. E como Ele sempre nos ajudou...

Um amor construído à base de muito respeito, muito diálogo, muito carinho, muito companheirismo, e, principalmente de uma amizade inquebrantável.
Acima de tudo, sempre fomos amigos um do outro. Essa é a base uma união completa, que já dura há 61 anos, e foi essa amizade que nos ajudou a suportar, primeiro uma mudança de cidade devido saúde de nossa filha. Viemos para Santos, sem apoio, sem base, só confiando em nosso amor.
Depois, devido a uma fase difícil que estávamos atravessando, decidimos tentar a sorte na África. Coisa de loucos? Claro... mas de loucos com uma fé inquebrantável no amor, que nos permitiria superar tudo, sempre com a ajuda de nosso Amigão...

Não posso dizer que nosso amor é o mesmo de quando começamos. Na verdade, agora é muito maior. Cresceu quando superamos nossas crises financeiras. Cresceu quando superamos nossas divergências pessoais. Cresceu quando superamos nossos problemas de saúde. Cresceu quando superamos as dificuldades de relacionamento que uma longa convivência traz. Hoje contudo, quando olhamos para trás, e vemos o longo caminho que percorremos juntos, agradecemos ao Amigão o fato de nos colocado no mesmo caminho, que nos levou àquele célebre e inesquecível baile do Clube Transatlântico, e que nos fez conhecer de fato, o que é a força do amor. Posso dizer com segurança, que nunca fomos apaixonados, nunca estivemos perdidamente apaixonados um pelo outro. Não é a paixão que determina a felicidade de uma união, mas sim o AMOR, a AMIZADE, o RESPEITO, o DIÁLOGO...

O amor que nos permite hoje, como sempre, desde o primeiro dia, olharmo-nos um dentro dos olhos do outro e dizer com absoluta segurança EU AMO VOCÊ, algo que nos permite fazer de cada dia, sempre UM LINDO DIA, desde a manhã do dia 28/12/1958 até hoje e sempre...

MARCIAL SALAVERRY

Marcial Salaverry

Com o passar do tempo, vamos vivendo diversos episódios, dos quais,
existem aqueles que podem deixar marcas em nossa alma, algumas muito boas, outras nem tanto...
Ósculos e amplexos, Marcial

VALE A PENA CURTIR CERTAS LEMBRANÇAS Marcial Salaverry

Certamente existem certas verdades em nossa vida que são iniludíveis, pois sempre temos perdas e ganhos, e é preciso entender que a vida sempre nos reserva muitas surpresas. Algumas boas, outras nem tanto, outras que por vezes nos levam ao desespero. Todas fazem parte da vida, e precisamos saber aceitar tanto as vitórias como as derrotas. Ambas inevitáveis, eis que fazem parte da vida. As boas surpresas sempre são gostosas de viver, e de ser lembradas depois.

Quem não gosta de reviver momentos agradáveis já vividos? Muitas vezes certos episódios nos parecem ainda mais prazerosos quando nos lembramos depois, revivendo o que tanto curtimos, do que naquele instante em que foi vivido. Assim, quando nos entregamos à meditação, fazemos verdadeiras viagens ao passado, e com toda certeza, relembrar episódios gostosamente vividos, é algo bom demais, e certamente é exatamente essa capacidade de recordar fatos agradáveis e sentir prazer com as lembranças, que pode nos ajudar e muito, a superar certas perdas que sofremos ao longo de nossa vida.

Vejam esta citação de Gibran Khalil Gibran, que me veio às mãos:
"Quando a voz de um amigo se cala, nosso coração continua a ouvir o seu coração, porque na amizade, todos os desejos, ideais, esperanças, nascem e são partilhados sem palavras, numa alegria silenciosa. Quando nos separamos de um amigo, não devemos nos desesperar, pois o que nós amamos nele pode tornar-se mais claro na sua ausência, porque a amizade é o amadurecimento e que o melhor de nós seja para o nosso amigo."

Indiscutivelmente uma perda de alguém que nos é caro sempre será dolorosa. Na maioria das vezes, é-nos difícil aceitar o porque dessa perda. É-nos difícil administrar o sofrimento. Se nos deixarmos levar pelo desespero pela tristeza, apenas lamentando quem se foi, vai ser muito complicado aceitar a situação. Seja qual for o motivo dessa perda. Por falecimento, ou por abandono, ou mesmo por um rompimento de relações. É preciso entender que não se deve ficar lamentando o fato, lembrando da tristeza que isso nos provoca, uma vez que a melhor maneira de se administrar essa situação, será aferrar-se ao que de bom foi vivido junto com esse alguém, pois a verdade nos diz que as boas lembranças é que devem ser chamadas.

Devemos procurar pensar apenas nas alegrias desfrutadas em sua companhia. Em como tivemos bons momentos, num passeio, numa festa, naquela convivência gostosa, naquela tarde de amor, naquela viagem, naquele final de semana tão especial, naquela churrascada, naquele porre tomado. Enfim, em tudo que de bom houve nessa convivência, e essa com certeza, é a melhor maneira de superar traumas que sofremos quando ocorrem essas perdas. Sempre que pintar aquela dorzinha provocada pela saudade de alguém que queríamos a nosso lado, não lamente a presença ausente, mas lembre-se da ausência presente. Essas recordações agradáveis, poderão fazer com que a saudade seja amenizada, e a dor seja menos doída. Poderá ser esse o seu “doril”, que fará a dor sumir. Experimentem. Sei que dará certo, pois sempre faço assim.

É o que ocorre muitas vezes com as amizades internetárias. Forma-se um vínculo de amizade com alguém, e de repente esse alguém “desaparece”, sem que saibamos o que pode ter ocorrido. E muitas vezes ficamos mesmo sem saber. Simplesmente pessoas somem na Internet, sem que saibamos porque. Lamentar a perda de uma amizade que parecia ser tão firme, não irá no-la trazer de volta. Então, simplesmente poderemos, seja por uma poesia, seja por um e-mail guardado, recordar aqueles papinhos agradáveis, e esquecer uma eventual saudade de alguém que “sumiu”, sabe-se lá porque. Talvez porque encontrou novos interesses. Talvez por problemas de conexão. Talvez por problemas financeiros que não lhe permitiram continuar internetando. Talvez por estar vivendo intensamente um amor real, e não lhe sobre mais tempo para as amizades virtuais. Talvez por ter sonhado com algo que não deu certo, e então preferiu cortar a amizade. Os “talvezes” sempre serão muitos. Até mesmo por um chamado divino.

O bom mesmo seria que, quando por seja qual for razão, não desejarmos manter alguém em nosso círculo emaillatorio, pelo menos dar um “ciao bello”, foi bom enquanto durou, mas fim de papo, para que não reste qualquer dúvida a respeito do que pode ter acontecido, explicando uma súbita ausência, mostrando alguma consideração pela amizade que um dia existiu... E assim sendo, o melhor é procurar viver, e a todos desejar UM LINDO DIA.

Marcial Salaverry
1 compartilhamento
Tags: perdas sofridas

A recíproca é verdadeira...
Com bom humor podemos viver um bom amor,
e um bom amor ajuda manter o bom humor...



BOM AMOR E BOM HUMOR
Marcial Salaverry

Manter seu bom humor,
é sinal de viver um bom amor...
O bom humor faz bem ao coração,
e além de bom amor, diminui a tensão,
e dá à vida mais emoção...
Bom humor, é manter um alegre sorriso,
que atrai o amor, e afasta o siso...
Bom amor, para o sorriso manter,
e mais gostosamente viver,
confirmando a teoria que diz,
que para ser sempre feliz,
viver um bom amor,
para manter o bom humor...

Marcial Salaverry

Com certeza não existe nada melhor do que ter a nosso
lado uma boa, sincera e real amizade...
Assim, apertemo-nos as mãos, com uma real amizade...
Osculos e amplexos,
Marcial

O QUE PODE SER UMA SINCERA E REAL AMIZADE
Marcial Salaverry

Realmente o que de melhor pode acontecer na vida, é encontrar o que se pode chamar de uma sincera e real amizade, sempre lembrando que com certeza a amizade, é o mais belo sentimento que pode unir as pessoas, mas não consegue ser definida ou mesmo explicada, pois jamais conseguiremos entender que estranho mecanismo age em nosso emocional, definindo simpatias ou afinidades que sentiremos ou não em nossa vida.

Até agora, existe uma pergunta que pede uma resposta, e que, apesar de não querer calar, permanece irrespondível: "Quando podemos definir alguém como amigo? Como saber se alguém é nosso amigo?"

Encontrei uma linda tentativa para definir o que é amizade, numa mensagem de L'Inconnu, que nos diz o seguinte:
"Certamente amigo é aquele que te acolhe quando te sentes perdido, e sem esperanças, é aquele que te consola com palavras sinceras quando necessitas."

Essa é uma verdade realmente indesmentível, pois todos sabemos que sempre será fácil encontrar bons amigos quando as coisas nos correm bem, e claro que sempre teremos bons amigos compartilhando de nosso êxito, e até mesmo se vangloriando de nos haver ajudado, de nos ter dado o famoso "primeiro empurrão". E nunca falta a frase: "Desde o primeiro momento soube que seria sucesso..."

Contudo, quando estamos na pior, esses mesmos amigos ocasionais serão os primeiros a se afastar, a nos voltar as costas, e o fazem, pois existe o perigo de que possamos pedir ajuda. São os tradicionais ratos que sempre abandonam o navio quando está afundando.
Porém, é justamente esses momentos que saberemos encontrar os verdadeiros amigos. Serão aqueles que permanecerem ao nosso lado, nos dando a mão, ou mesmo apenas um apoio moral. E como é necessário termos alguém a nosso lado quando o barco está à deriva, termos alguém que nos ajude a equilibra-lo, que nos ajude a carregar o fardo quando estiver muito pesado.

Com certeza, para termos bons amigos, sempre será necessário que também o sejamos, pois amizade é algo que vai e volta, uma verdadeira "estrada de mão dupla", e assim, muitas vezes precisamos nos esquecer de nossos próprios problemas, quando precisamos socorrer um amigo em dificuldades. Aliás, uma vez resolvido o dele, ele poderá nos ajudar no nosso. É a famosa troca de favores entre amigos, pois amizade é um autentico bumerangue, e assim, o que vai, volta...

Muitas vezes estamos por realizar um sonho, algo que muito desejamos. É quando conseguimos ver quem realmente está ao nosso lado. São aqueles que nos ouvem e procuram ajudar de alguma maneira. Seja com atos, seja com palavras. Muitas vezes, um apoio moral tem um resultado fantástico.

A grande verdade é que realizar um sonho sozinho, sem ninguém para trocar idéias, para compartilhar seus ideais, para emprestar aquela colaboração, dar aquela força, sempre será mais complicado, e chegamos muitas vezes a desanimar, ao perceber que as pessoas com quem mais contávamos, são justamente aquelas que retiram o apoio em horas decisivas, mas isso, são coisas da vida, e nessa hora, é lindo quando surgem os verdadeiros amigos, pessoas que jamais poderíamos suspeitar que nos iriam ajudar, e que vem em nosso socorro.

Isso, crianças, é amizade de fato e de direito. Não é necessário proclamar sempre que é amigo, pois é com ações que isso é demonstrado, não apenas com palavras...

Nunca esquecendo que sucessos e percalços fazem parte da vida, vamos seguir em frente, abrindo nosso caminho com a alma limpa, cheia de amizade e bons sentimentos, pois sempre vale a pena sonhar, viver e ir em busca de seus ideais.

E o primeiro passo, sempre será UM LINDO DIA, que será melhor vivido tendo ao lado uma sincera e real amizade...

Marcial Salaverry
1 compartilhamento
Tags: amizade sincera

Precisamos aprender a aproveitar
melhor nosso tempo...
Para viver sempre com bom tempo...
Sempre se encontra tempo para viver sem contratempo...
Osculos e amplexos,
Marcial

BOM SABER APROVEITAR O TEMPO
Marcial Salaverry

Por vezes saber o que significa bem aproveitar o tempo, pode ser uma grande problema, pois para muitas pessoas o tempo sempre parece ser escasso, e não lhes sobra tempo para uma visita, uma conversa, uma ajuda, porque "tem muito o que fazer". Sempre há algo que não pode esperar, e o que realmente pode ser importante, fica para trás...

Muitos lares se desfazem, porque os parceiros "por estarem muito ocupados" não podem parar para uma boa conversa, para um bom acerto de ponteiros.

Quantos filhos se sentem desamparados porque seus pais não podem parar o que estão fazendo, para dar aquela atenção, procurando dirimir as suas dúvidas? E por vezes, tais dúvidas podem determinar o futuro desses filhos, que podem seguir rumos indevidos, porque não houve tempo para aquele diálogo, para que ele pudesse entender certas coisas da vida.

Quantas vezes escutei a célebre frase: "Dei tudo o que ele queria, até moto, não sei onde errei." Será que deu tudo o que ele queria mesmo? Será que deu a atenção que ele tanto precisava? Ou não teve tempo? Suas ocupações não permitiam ocupar-se com "bobagens de adolescente". E agora, José?

Recebi uma mensagem de Bom Dia muito linda, que transcrevo abaixo, e que fala justamente sobre isso, e foi o que me inspirou para este texto:

“Tenha tempo de ter tempo. Organize-se para que o tempo não lhe escorra pelas mãos.
Dê um tempo no tempo da pressa. Apresse-se, isso sim, para ter tempo, para ter calma.
Preencha-se com a calma dos momentos claros, para que a escuridão da pressa não o invada. Encontre seu tempo, para que você possa vivê-lo em sua plenitude e, sem os resquícios da pressa, possa encontrar a si mesmo.
Tenha tempo. Viva o tempo e, assim, viverá o infinito."
Ezequiel

O importante mesmo, é sempre encontrarmos o tempo para viver, sabendo dar a devida atenção, principalmente à nossa familia. Nossas ocupações e nossas responsabilidades, claro que são importantes, claro que tem de ocupar um lugar até prioritário em nossa vida, pois é daí que vem nosso sustento.

Mas não podemos nos esquecer de que muitas outras coisas fazem parte da vida, e que são igualmente importantes. e até mesmo prioritárias, e assim, precisamos ter um tempo para dedicar à família, aos amigos, que também são parte importante da vida.

Temos que encontrar um tempo exclusivo para nós, para ser dedicado com aquilo que nós realmente gostamos, seja ouvir música, seja ler um livro, seja curtir a natureza, seja simplesmente uma meditação... E como é importante essa meditação.

Muitas vezes, problemas aparentemente insolúveis encontram solução dessa maneira, após uma longa conversa conosco, com nossa alma.

Enfim, temos que encontrar tempo para viver.

O que torna muitas pessoas amargas, é justamente essa "falta de tempo". Essa divisão de aproveitamento do tempo.

Principalmente o tempo que devemos dedicar a nós mesmos. Fazermos uma boa reflexão. Revermos conceitos e atitudes. Reafirmarmos nossa crença e nossa Fé. Enfim, termos nosso grande encontro conosco.

Nosso tempo, somos nós mesmos que o fazemos, que determinamos como ele deve ser usado e, sem sombra de dúvida, é muito necessário que façamos uma divisão adequada, tendo sempre presente que temos de fazer de tudo um pouco, para fazer um muito desse pouco. O importante, é VIVER A VIDA COM PRAZER. Se pudermos compartilhar esse prazer com aqueles que temos por perto, seja fisicamente, seja virtualmente, seja espiritualmente, melhor ainda.

Sempre depois que conseguirmos nossa paz interior, não custa nada dividi-la com os outros, e quem sabe, espalhando bem essa fórmula, poder-se-á conseguir um pouco mais de PAZ...
Sonhemos, pois... sonhos também são válidos, e assim podemos sonhar que poderemos ter UM LINDO DIA PARA TODOS...

Marcial Salaverry
2 compartilhamentos

Se é verdade que o Romantismo é realmente um artigo em extinção,
podemos e devemos fazer algo para evitar que tal aconteça,
e para tanto existem alguns romanticos
que resistem heroicamente à realidade implacável da vida...
Vamos participar desse esforço, porque vale a pena...
Que tal ensaiar respiração boca a boca????
Osculos e amplexos,
Marcial

CERTAMENTE PODEMOS RESSUSCITAR O ROMANTISMO
Marcial Salaverry

A realidade da vida nos mostra que o romantismo parece ser mais um desses artigos em extinção, e é preciso fazer algo para dar-lhe uma sobrevida. É preciso não esquecer de que na teoria, o romantismo é a melhor maneira de se viver um amor, devendo sempre fazer parte da vida de uma parceria, para que sempre o amor seja renovado, seja ressuscitado, se estiver fenecendo... E para ressuscitá-lo, nada melhor do que a respiração "boca a boca", algo que vale a pena ser bem praticado...

Infelizmente nem sempre é o que acontece, pois por incrível que pareça, algo que muitas vezes determina o fim do clima romântico entre um casal, é o casamento, mormente quando o casal se deixa levar pela rotina da vida em comum, quando o que poderia e deveria aumentar o clima romântico entre o casal, acaba sendo o responsável pelo seu desaparecimento. Pode parecer ilógico, mas é o que muitas vezes ocorre, quando os parceiros não sabem o quanto é bom ser romantico...

Para tentar entender, vamos analisar por partes...

Quando os parceiros se conhecem, existe aquele clima de sedução, quando ambos precisam caprichar na arte da conquista, é quando capricham no visual, e sempre procuram saber do que a parceria gosta, e assim, procuram seduzir-se mutuamente. E haja clima de sedução, sempre cheio de carinhos e atenções, que deveriam prosseguir pela vida afora... Mas...

Quando a conquista está feita, vem um relaxamento natural, e é quando ela acha que já não precisa mais se enfeitar tanto, caprichar no visual, e muitas vezes esquece até aquele perfume francês que ele tanto gostava de cheirar no cangote. Por sua vez, ele já acha que não precisa mais levar flores, e nem aquele presentinho de surpresa, pois agora nada disso é necessário, acreditando que essas pequenas atenções são inúteis, pois ela já está conquistada, e agora é só o vai da valsa.
Não esquece do chopinho com os amigos, (e que raiva ela tem disso), mas em compensação, ela não esquece o bingo com as amigas, (o que ele detesta), e assim a coisa vai ficando chata, pois começam a se ver cada vez menos, e essas “ausências” podem determinar o fim daquela intimidade gostosa que havia no começo.

Mais tarde, então, começam a surgir os filhos, o que pode ser um tremendo contratempo, se não estiverem bem preparados para o evento, pois é quando começam as queixas... "Não temos tempo nem para aquele sexo tranquilo e descontraído, pois no melhor da festa, aquela coisinha começa a chorar...".

Ele chega do trabalho, e a encontra toda descabelada, irritada com os problemas do cotidiano, e ele por sua vez, vem irritado com seu chefe, com problemas de seu serviço, com o trânsito infernal, com as contas a pagar. Quem não sabe quais são os problemas do dia a dia?

Existe clima para romantismo? Pode existir romantismo nessas condições? Se encararmos friamente a questão, realmente será impossível. Mas é preciso que algo seja feito, pois o amor continua latente, apenas encoberto pelo clima que vai se criando.

Assim, desse caos sempre poderá se criar alguma coisa, que vai exigir certamente um esforço mútuo. Ambos deverão se lembrar de como era gostoso e aconchegante antes, e é importante que se recupere, nem que seja parcialmente, esse clima gostoso.

Ela está atarefada e azucrinada, mas, sabendo a que horas o marido vai chegar, sempre poderá dar, quando não, uma ajeitadinha no cabelo, uma maquiagem leve, um sorriso, mesmo que amarelo, procurando enfim, ser um pouco sedutora. Afinal, o parceiro já foi conquistado, mas a conquista precisa ser mantida. Principalmente, quando chega em casa, pois qualquer um gosta de encontrar um ambiente melhor do que o do serviço, mais desanuviado, e não carregado e cheio de reclamações.

Por outro lado, ele deverá deixar na porta (do lado de fora), as preocupações e os problemas que encontrou lá fora, jamais permitindo que tais problemas entrem em casa, procurando não levar para dentro de casa o pacote completo. Por que não levar um vaso de flores, ou ramo de rosas, como fazia antigamente? Ela passou de namorada para esposa, mas ainda gosta dessas coisinhas, e sente falta. Há que se considerar que SEMPRE ela será a namorada. É importante manter esse clima de namoro, mesmo depois alguns anos de vida em comum.

Claro que essas atenções não devem ser unilaterais. AMBOS devem encarar a coisa dessa maneira. É muito mais difícil e complicada a manutenção da conquista, do que ela propriamente dita.

Quando um dos parceiros notar que o outro está "pisando na bola", ao invés de agredir, dizendo que antes era assim, e agora é assado, deve chamá-lo para uma boa conversa, bem calma e tranquila, sem brigas e nem agressões, apenas expondo como a coisa está, e como gostaria que fosse.

Diálogo, crianças, é a melhor arma para combater o virus da indiferença que infecta grande parte dos casamentos de hoje. E respeito, muito respeito, e deve ser mútuo. Uma doação de sentimentos é o que se impõe fazer, e essa é uma das melhores maneiras de fazer com que um relacionamento seja duradouro, e que os parceiros sejam "Eternos Namorados...”

E é preciso tão pouco, apenas, carinho, atenção, respeito, ROMANTISMO.

Sempre é preciso dizer ao pé do ouvido de seu amor: EU TE AMO, mas dize-lo bem sussurrado, bem gostoso, bem suave, bem sincero. E sempre, mesmo depois de muitos anos de união, olhar bem nos olhos, e dizer com sinceridade: EU TE AMO HOJE... MAIS DO QUE ONTEM... MENOS DO QUE AMANHÃ...

E sejam felizes, tendo, é claro UM LINDO E ROMANTICO DIA... Garanto que essa receita funciona de verdade...

Marcial Salaverry
Tags: reviver romantismo

Quantas vezes nos vemos diante de uma encruzilhada...
Por qual caminho seguir? Começar? Recomeçar? Terminar?
Em quem acreditar sobre o que fazer?
Máscara, isolamento, distanciamento...
Fazer ou não fazer, eis a questão, que pode até afetar a razão...
Osculos e amplexos,
Marcial

CERTAS DÚVIDAS QUE SURGEM NA VIDA
Marcial Salaverry

Não podemos duvidar de que para se falar sobre dúvidas, nunca se poderá ter uma certeza absoluta, pois sempre haverá alguma dúvida a ser dirimida, e se disso duvida, basta olhar a situação atual, o que nos faz pensar e analisar o pensamento que nos foi legdo por Shakespeare:
"Muitas vezes são as dúvidas traidoras que nos fazem perder o bem que nosso talvez fosse, se o receio de tentar não existisse..." ou então, "SER OU NÃO SER, EIS A QUESTÃO..."

Nunca é demais repetir as palavras de nosso jovem amigo Shakespeare, pois para falar sobre dúvidas, sempre existirão algumas dúvidas, sempre haverá alguma polemica, talvez algumas controvérsias, e para isso existe o livre arbítrio, e cada um tem sua maneira de ver e viver a vida, em quem acreditar ou o melhor a fazer...

Sempre que nos encontrarmos diante de uma encruzilhada, estaremos diante de um terrível dilema, sobre qual caminho seguir. É claro que dificilmente escolheremos o caminho mais difícil, pois nossa tendência, será optar pelo que se apresente mais fácil. Acontece que nem sempre esse é o ideal, principalmente na situação atual, quando o que mais existe são dúvidas, provocadas pelo excesso de falsas notícias, e de notícias muito alarmantes...

Essas dúvidas, que nos fazem procurar o caminho que aparentemente nos faça correr menos riscos, faz com que deixemos de abrir a porta para a felicidade entrar. Quantas e quantas vezes deixamos de abrir a porta, apenas pelo receio de tentar algo diferente, receio de nos desestruturarmos, de encarar algo novo, uma mudança, ou mesmo aquilo que nos seja desconhecido. Nem sempre nosso espírito aventureiro prevalece.
Esse medo poderá nos fazer perder grandes coisas. Mas nunca é fácil mexer com algo que vem bem estruturado, estabilizado. Realmente, isso é complicado. Eis o terrível dilema. Mudar ou não mudar, crer ou não crer, eis a questão...

É aquele velho chavão, de que nunca se deve trocar o certo pelo incerto, ou o seguro pelo inseguro. Essa dúvida muitas vezes nos faz permanecer na mesmice, levando-nos a não aceitar novos desafios, que talvez nos trouxessem algum crescimento, mas iria exigir algumas mudanças.

Por vezes, teríamos inclusive, que reorganizar nossa vida, o que talvez fosse nos obrigar a certas renúncias em nosso modus vivendi. Claro que sempre teremos receio de encarar mudanças assim tão radicais. Esse receio é normal, já que teríamos de começar tudo de novo, com algo que se nos afigura incerto, e sem as seguranças já adquiridas, e é preciso considerar que nunca é fácil um recomeço. Mas, por vezes esse é o caminho. Aquele que vínhamos trilhando já se mostra desgastado. Só temos que saber pesar bem os prós e os contras, para poder tomar a decisão correta, ainda mais quando uma crise surgida do nada nos impõe a necessidade de fazer algo de novo...

Nunca se devem fazer mudanças radicais, sem um bom estudo da famosa lei das probabilidades. Mas nunca é tarde para mudanças radicais, desde que elas se revelem profícuas. E uma vez que a decisão for tomada, é atirar-se a ela sem mais hesitações, para não perder o bonde da história.

Como experiência pessoal, posso dizer que já mudei tudo e recomecei minha vida diversas vezes. Sendo que em algumas me saí bem, mas em outras não, quando não soube avaliar bem a situação, mas sempre foram experiências de vida, que se revelaram muito válidas, e me valeram muito com certeza... Nunca tive tempo para me arrepender ou não de algumas delas, pois o arrependimento é difícil de ser admitido. Cheguei a me arrepender, algumas vezes, por não ter tomado uma decisão, ou por ter demorado a tomá-la.

Destino, livre arbítrio, escolha... bonitas palavras, que dão mesmo muito em que pensar. A vivência nos vai ensinando a viver, desde que saibamos aproveitar as lições que ela vai nos deixando, e assim, para chegar a um estágio ideal, apanha-se bastante, e ainda depois, continua-se apanhando, pois nascemos, vivemos e morremos, sempre aprendendo algo, e sempre devemos saber tirar proveito dessas lições, procurando retificar erros e ratificar acertos...

Quando tais dúvidas surgem em nossa vida amorosa, penso que a linha de conduta deve ser a mesma. Se um relacionamento estiver desgastado, e chegar-se à conclusão de que não tem mais jeito, o ideal mesmo é partir para outro. Mas é claro, antes de uma medida radical, há que se pensar e analisar bem a situação, para ver se realmente a solução é essa. Quantas vezes um bom diálogo, um bom acerto de contas endireita situações que estavam tortas, e se tivessemos nos precipitado, perderiamos a chance de um gostoso recomeço... Ponderação, é a palavra de ordem, para ajudar quando as dúvidas surgirem...

Pensemos, pois, e com esses pensamentos, espero que todos tenhamos UM LINDO DIA, ficando em casa se necessário for, mostrando que sabemos nos amar e amar aos demais...

Marcial Salaverry
Tags: certas dúvidas

É bom falar em poesia, mas poetar é
melhor ainda...
Poesia é algo que vem da alma, dirigida para
a alma de quem a lê com a alma poética...
Osculos e amplexos poéticos,
Marcial

POESIA SEMPRE ALEGRA A ALMA
Marcial Salaverry

Lembrando que já tivemos o Dia da Poesia, assim, comprovando que a poesia existe, então vamos falar de poetas que as escrevem e também de poesias... Parece-me uma boa idéia.
Aliás, outro dia, perguntaram-me que graça tem escrever poesias e, completando a frase, esse meu amigo ainda disse que jamais lera algo de sólido e concreto numa poesia, onde só existe utopia, apenas coisas que não existem, de sonhos e mais sonhos de amor... Tudo uma grande bobagem. Claro que pouco poderia argumentar com quem diz algo assim, porque revela de antemão ter uma alma muito insensível, e um certo preconceito, tendo já deixado claro que não acredita no amor, no romantismo, em coisas da alma, de uma alma que sabe entender o amor em todas suas nuances...

Simplesmente sugeri que tentasse entender porque uma mãe sempre defende seu filho, como e porque este filho nasceu, e mais ainda, porque nas horas de perigo, pedimos pelo amor de Deus, assim como porque as pessoas se unem, porque se consolam nos momentos de dor, e se isso não lhe bastasse como prova da existência do amor, que observasse, como provas concretas, o nascer e o por do sol, o desabrochar de uma flor, o nascimento de qualquer animal, que são temas que os poetas sempre usam, e assim, que as poesias falam de coisas reais, palpáveis, e até mesmo vitais para qualquer ser humano que seja humano o suficiente para entender as belezas da vida...

Enfim, todas essas provas concretas de que existe algo de muito sublime coordenando tudo, e mais ainda, que todos os atos de Deus são marcados pelo amor, exatamente esse amor de que falam os poetas. De todos esses amores, desde o amor carnal, até o amor pela Natureza, sobre a fé em Deus, e por incrível que pareça, sem perder a fé nos homens... Poetas falam um pouco e um muito sobre tudo que tem vida neste mundo, até mesmo sobre quem não tem essa sensibilidade da vida...

Mais tarde um pouco, ainda digerindo o diálogo mantido, fui brindado por um poema de autoria do grande mestre Mário Quintana, que me fez sentir orgulho pelo simples fato de escrever poesias. Vejam só, se não dá vontade de sair correndo, contando para o mundo : SOU POETA.

" SE EU FOSSE UM PADRE
Mario Quintana

Se eu fosse um padre, eu, nos meus sermões,
não falaria em Deus nem no Pecado
muito menos no Anjo Rebelado
e os encantos das suas seduções,
não citaria santos e profetas:
nada das suas celestiais promessas
ou das suas terríveis maldições...
Se eu fosse um padre eu citaria os poetas,
Rezaria seus versos, os mais belos,
desses que desde a infância me embalaram
e quem me dera que alguns fossem meus!
Porque a poesia purifica a alma ...
a um belo poema - ainda que de Deus se aparte
um belo poema sempre leva a Deus!

MÁRIO QUINTANA"

Quero aqui prestar minha homenagem a esse grande Mestre das Letras. Este seu poema serviu para resgatar e purificar a alma de todos os poetas. O final, então, é sublime: “a um belo poema, ainda que Deus se aparte, um belo poema sempre leva a Deus”. Realmente, creio que ao compor um poema, o poeta é ungido por uma inspiração divina. E a Ele temos que agradecer o talento que nos permite escrever poesias, e bom gosto de quem as sabe ler...

Seja esse poema uma ode à Natureza, seja homenageando o Pai Celestial, seja em louvor ao amor materno, seja dedicado a um casto amor, ou exaltando as delícias do prazer, sempre terá sido escrito em um determinado momento de inspiração, quando, por algum sortilégio divino as palavras que se formaram em seu cérebro, passaram por sua alma, e fluíram através de seus dedos. Não se “fabrica” uma inspiração... Ela surge de inopino... Vem... E se não a pega na hora, o poeta a perde e não se lembra mais depois.

Dizem que os poetas são sonhadores, vivem no mundo da lua, pode até ser, porque assim lá de cima fica mais fácil para observar as coisas. Porque uma poesia surge de um tudo e de um nada. Uma palavra solta no espaço, um folha caindo, o canto de um pássaro, já serve para o poeta compor mais uma poesia... Que tal as forças da natureza? Quer maior fonte inspiradora? Ou mais ainda, o AMOR em todas suas manifestações...Desde que seja AMOR...

Enfim amigos poetas vamos unir nossas mãos num aplauso demorado ao ilustre Mário Quintana por esta homenagem que ele prestou à alma poetal.

Com as palavras de Mário Quintana, não tenho dúvidas de que todos teremos UM LINDO DIA, se possível fazendo uma poesia a cada dia, mas de cada dia, uma bela poesia...

Marcial Salaverry

Sempre devemos escutar, pelo menos escutar, o que
nos dizem os mais idosos, para tirar algum proveito
de sua experiencia de vida...
"O diabo sabe por ser diabo, mas mais sabe por ser velho..."
É um velho provérbio espanhol:
"El diablo sabe por diablo, pero más sabe por viejo..."
Osculos e amplexos,
Marcial

APENAS UMA PEQUENA LIÇÃO DE VIDA
Marcial Salaverry

A melhor maneira de aprender a viver, é cursando a Escola da Vida, prestando bastante atenção nas aulas, procurando assimilar bem os conhecimentos que nos são passados. Nesta Escola a verdade é que não existem professores e nem alunos. Com todos aprendemos, sejam adultos ou crianças, e a todos sempre teremos algo a ensinar, o importante é saber onde buscar esses conhecimentos. O importante é sempre termos a humildade necessária de ir buscar conhecimentos nos mais insuspeitados lugares, e não termos receio de transmitir os conhecimentos que adquirirmos ao longo da vida. Prestando atenção, veremos que mesmo as pessoas mais humildes, tem algo a nos ensinar. Afinal, sempre poderemos ser auxiliados por alguém, da mesma maneira que poderemos ajudar a outrem. Isso se chama SOLIDARIEDADE, algo que tem sido muito esquecido...

O importante, segundo penso, é procurar cumprir nossa missão nesta nossa passagem pelo mundo, de maneira a deixar nossa presença marcada favoravelmente. É melhor deixar uma doce saudade, do que más e amargas lembranças, como certas figuras que passaram pela História do Mundo, e certas figuras que marcam sua presença pela corrupção e por atos condenáveis...

Para tanto, devemos pautar nossa conduta por atitudes amáveis, não procurando exigir que nos respeitem apenas escudados em cargos que possuirmos, ou por sermos donos de alguma coisa. Respeito não é coisa que se impõe, mas sim, se adquire, e adquirimos o respeito e a amizade dos demais, mercê de nossas atitudes, de nossa maneira de viver. E, se quisermos ser respeitados, devemos respeitar os outros. Temos nossos direitos, e os queremos respeitados. Então, respeitemos os direitos alheios. Principalmente o direito à opinião. Nossa opinião nunca deve ser imposta, mas sim, exposta. E devemos aceitar, tanto sua aprovação, como sua desaprovação.

Vi uma mensagem muito bonita de autoria de meu amigo L’Inconnu, que achei bem oportuna:
"Escreva com o coração tudo o que fizer, assim as dores serão passageiras rápidas na tua vida. Carregue em você a semente da alegria e distribua-a para todos os que se aproximarem de você, assim, nunca faltarão amigos dispostos a participar com você na sua jornada. Conquiste amigos em todos os lugares por onde andar e conquistará um tesouro eterno, que nenhum ouro poderá pagar. Que a sua marca de vida seja a alegria, assim deixará, para sempre, uma lembrança suave de quem será amado para sempre."

Esta é uma maravilhosa lição de vida. Não só ao escrevermos, mas também ao falarmos, e até mesmo em nossas atitudes, deveremos fazê-lo com o coração, com sinceridade, abrindo nossa alma. Por que escondermos nossos sentimentos, usarmos de subterfúgios ao falar com as pessoas? Aparentar aquilo que realmente não somos?

É muito melhor abrirmos nosso coração, e nos mostrarmos como realmente somos. Sempre haverá aqueles que nos apreciarão, e aqueles que não o farão. Todos tem sua liberdade de opinião, e por essa razão, a sinceridade deverá pautar nossa conduta. Por que iludir as pessoas, vestindo uma falsa pele de cordeiro?

Conquistar amigos não é difícil, o difícil é mantê-los. E como é importante manter as amizades conquistadas ao longo da vida. Mesmo que circunstâncias nos afastem fisicamente de nossas amizades, mesmo que passemos anos sem nos falar, por questões as mais diversas, sempre deverá existir aquela amizade. E a cada reencontro, ela sempre se manifestará. Uma verdadeira amizade, bem adquirida, jamais será esquecida. Sempre haverá a oportunidade para uma conversa, que sempre será amigável.

Manter a alegria, o bom humor, o sorriso fácil e sincero, são coisas por demais importantes... Assim, mesmo que tenhamos sérios problemas, enormes preocupações, os demais não tem culpa disso, então por que atormentá-los com nossos dramas? Salvo quando precisarmos de uma palavra de consolo... Aí sim, saberemos a quem procurar para ouvir nosso desabafo, e para nos consolar.

Nossa presença deverá ser lembrada pelo sorriso, pela alegria de viver, e não por nossos dramas pessoais. Se eles existirem, deverão ser cuidados em foro íntimo, e por quem de direito...

E principalmente, vamos procurar sempre fazer de nosso dia, UM LINDO DIA, e desejando o mesmo a quem o desejar... Compartilhemos dele, pois...

Marcial Salaverry

O ciúme quando excessivo pode revelar uma faceta do ser humano, que pode impedi-lo de ser humano, e pode induzi-lo a cometer grandes besteiras...
O melhor é saber controlá-lo...
Ósculos e amplexos,
Marcial

NA VERDADE O CIÚME PODE MATAR UM AMOR
Marcial Salaverry

Ciúme é uma palavrinha tão pequena, mas com um efeito tão devastador. O ciúme quando não controlado causa muito dano. Mesmo controlado, é bastante prejudicial a qualquer relacionamento, e na verdade pode ser difícil evitá-lo, pois é inerente ao ser humano. Aliás, os animais também são ciumentos. Vocês já repararam que um cachorro geralmente não admite que se chegue perto do dono? O que se pode e se deve fazer é mantê-lo (estou falando do ciúme, e não do cachorro) sob controle. Não há nada mais prejudicial do que uma explosão de ciúme. Tira completamente a razão e o bom senso das pessoas ciumentas, assim como acaba com a paciencia da "vítima" desse ciúme...

Na verdade, podemos dizer que criaturas ciumentas podem ser definidas de diversas maneiras. Existem aquelas que não suportam sequer a idéia de outra pessoa dirigindo seu carro. Ou aquelas que não emprestam nenhuma peça de roupa, para que não seja conspurcada por algum corpo que não o seu. E atualmente existe um objeto que é responsável por violentas cenas de ciúmes. É o computador. Ninguém entende nosso "filhinho" melhor do que nós, que conhecemos todos seus atalhos, todas suas manias, achaques e chiliques. Se outro alguém se atrever a tocá-lo, será sumariamente deletado. É o vírus chamado "posso usar seu computador, pois o meu pifou, e tenho que passar esta mensagem". Isso pode responsável por stress violento, e pode inclusive terminar uma amizade...

Agora o pior de todos, é o ciúme da pessoa amada. Dizem que ciúme é sinal de amor. Penso de maneira diferente. Na minha opinião, ciúme é falta de confiança, e pior ainda, falta de autoconfiança. Principalmente o ciúme obsessivo em que o ciumento (a) vê "chifres em cabeça de cavalo", ou o que é pior, na própria, e isso é algo que chega a ser intolerável para quem sofre a "perseguição" de uma pessoa ciumenta. Convenhamos que é realmente muito desagradável para quem sequer pensa em outro "alguém", ver-se de repente acusado (a) de ter amantes. Por vezes essa demonstração de falta de confiança chega a ser estimulante. A "vítima" pode começar a pensar seriamente na coisa, só para dar razão a quem lhe acusa injustamente.

Por outro lado, a pessoa ciumenta sofre demais. Vê fantasmas em toda parte. Num simples "Bom Dia", já vê segundas intenções. Seu amor torna-se, em sua cabeça doentia, o objeto de desejo do mundo todo. E não é por aí, gente. Claro que exagerei um pouco, mas temos que aprender a controlar nossos impulsos, uma vez que não há nada mais desagradável do que uma cena de ciúmes.

É preciso entender que o principal, para que exista a felicidade, é que haja confiança. Temos que ser, sobretudo, auto-confiantes. Temos que ter a certeza de que a pessoa que amamos jamais pensará em outro alguém. E se isso acontecer, é porque não nos ama mais. Então, o mais adequado e civilizado é cada qual seguir seu rumo, sem que um fique infernizando a vida do outro, pois nesse caso, já deixa de ser amor para ser "sentimento de posse". E não é por aí que se mantém um relacionamento. Quando se perde a confiança, perde-se tudo. Então para que ciúme?

Volto a bater na mesma tecla. No momento em que surgir alguma dúvida, é hora do diálogo. Vamos conversar civilizadamente para acertar os ponteiros. Já vi muitos casos em que a parte acusada era completamente inocente, e, não suportando a falta de confiança da outra parte, simplesmente preferiu terminar com tudo, pois não havia mais condições de continuar naquele inferno em que a vida do casal se havia transformado, devido ao excesso de ciúme. E assim, mais um caso de amor que termina sem motivo real, e que poderia ser lindamente vivido.

É preciso conscientizar-se de que com toda certeza, sem ciume, é bem mais fácil viver um amor em plenitude, em clima de amor e paz, e assim, podendo viver um gostoso e
LINDO DIA, e permitindo que a parceria também o viva... E assim, a vida é bem melhor, não acham?

Marcial Salaverry
Tags: ciume pode

Como era gostoso namorar...
Eram outros tempos...
Belos e doces tempos aqueles...
Havia algo chamado RESPEITO...

LEMBRANDO VELHOS TEMPOS
Marcial Salaverry

Para uma linda mulher cortejar,
é preciso com jeito se aproximar...
docemente sua mão beijar...
não pode o olhar desviar,
mostrando sinceridade no olhar...
olho no olho encarar,
e com um ligeiro piscar,
quando a mão beijar...
os lábios, deixar
fazer um leve roçar...
depois... pela cintura enlaçar,
levando-a pelo salão a rodopiar...
acompanhando o som do bolero... deslizar,
e sonhar...
os olhos fechar...
com os lábios, na orelha, um ligeiro roçar,
enquanto palavras de amor murmurar...
assim se consegue conquistar...
fazer uma namorada se apaixonar,
e conseguir fazê-la se entregar...
Então querida... vamos namorar?

Marcial Salaverry

Por vezes uma ausencia é tão sentida,
que nós a sentimos a nosso lado,
assim anulando a distancia que nos separa...
Osculos e amplexos,
Marcial

O QUE PODE ANULAR A DISTANCIA
Marcial Salaverry

É verdade que algo que acontece com frequencia é o fato de muitas vezes ficarmos longe de pessoas que gostaríamos de ter a nosso lado, e podem ser pessoas conhecidas que se afastaram por algum motivo, ou filhos que vão morar longe, ou mesmo amigos ou parentes que mudaram de cidade, estado ou País. Enfim, o que não faltam são motivos que causem separações.

Atualmente são os conhecimentos virtuais que determinam distâncias entre pessoas "afínicas".
Formam-se amizades, nascem amores, pessoas se apaixonam sem que haja o conhecimento físico. Para quem não está familiarizado com a Internet, isso pode parecer o maior dos absurdos.

Como alguém poderá confiar numa amizade, sem que haja o famoso "olho no olho"? Como alguém poderá gostar de alguém sem o famoso toque de mãos? Apaixonar-se, então? Seria a mais rematada loucura sequer pensar-se nisso. Como se poderá sentir o doce contato dos lábios?
Mas a verdade, é que acontece, e como acontece. A própria vida moderna induz a isso. A agitação das grandes cidades e a calmaria das pequenas cidades está cada vez mais prendendo as pessoas em casa. E a Internet é uma tremenda "chave de cadeia". Através da Internet, principia-se a "conversar" com pessoas de quem jamais teríamos a mais leve noção de sua existência. Conseguimos descobrir incríveis afinidades espirituais que jamais poderíamos imaginar.

Descobrimos pessoas com as quais desfrutamos de momentos de grande alegria e prazer. Faz-se desabafos. "Limpamos" nosso espírito. Faz-se, on line, confidências que pessoalmente ninguém teria coragem de fazer. E assim, vão se estreitando laços de amizade.
"Conhecemos" pessoas que por razões diversas se afastam e o mais interessante, é que sentimos falta daquele determinado e-mail que sempre entrava. Certas ausências emaillisticas nos deixam até mesmo preocupados. E vão nascendo amores, surgindo romances. Interessante como se desenvolve esse sentimento de amor. Chega a ser inexplicável como se poderá amar quem sequer se conhece.

Ouvi de alguém uma frase muito especial a esse respeito, justificando um sentimento especial entre duas pessoas que não se conhecem:"o que importa é que eu sei que estás aí, e tu sabes que estou aqui."...

Lindo demais este pensamento, o verdadeiro sentimento não exige a posse. O ter a pessoa diante de si, o verdadeiro sentimento sabe, não "tem". Como que dizendo: sei o que sinto, e assim, não preciso ter-te em meus braços. É muito interessante pensar-se assim. Desenvolve-se a capacidade de "sentir-se" uma presença ausente, anulando totalmente a distancia entre elas. É sempre um exercício de imaginação.
Assim, pode-se dizer que o "Amor Virtual" é, na verdade, uma "Amizade Virtual" mais forte, onde há um sentimento maior unindo essas duas pessoas.
Chega-se, mesmo, a "sentir" a presença desejada ao lado. Olhamos, e conseguimos mesmo "visualizar" esse alguém, ainda que jamais o tenhamos visto. Desfrutamos de sua presença, mesmo que à distância, que é totalmente anulada pela força do pensamento.

Através do conhecimento virtual, tem-se algo mais importante do que o conhecimento pessoal, pois consegue-se conhecer a alma das pessoas. E, na verdade, esse conhecimento é bem mais gratificante do que o conhecimento físico, que sempre pode provocar certas rejeições a respeito do aspecto pessoal. Achamos feio ou bonito, atraente ou repelente.

Como exercício de imaginação e lição de casa, espero que todas as minhas crianças queridas sintam o beijo no coração que estou mandando junto com meu desejo de UM LINDO DIA, e que sempre poderá ser repetido, dependendo é claro da força do pensamento...

Marcial Salaverry
Tags: anular distancia

Um coração trovador sempre deixará algo para ser lembrado...
Amando e sendo amado...

CORAÇÃO TROVADOR
Marcial Salaverry

Um coração trovador
também fala de amor,
também sente todo o calor,
todo o fervor
dessa coisa mágica que é o amor...
Um coração trovador...
Sempre pronto para o amor,
dele se pode dispor,
seja como for...
Basta que queira mais cor
para uma vida em desamor...
Um coração trovador,
poderá acabar com sua dor...
Embora seja conquistador,
saiba conquistá-lo com seu calor...
Saiba conquistar um coração trovador...
Basta que também lhe dê o seu amor...
Assim você terá ao seu dispor,
O coração de um poeta trovador...

Marcial Salaverry

Marcial Salaverry
Tags: coração trovador

Mulheres submissas, ou mulheres independentes?
Nem tanto ao mar, nem tanto à terra...
Mulheres que saibam respeitar, e fazer-se respeitar.
Enfim, que sejam mulheres de fato...
Simplesmente Mulheres, que saibam amar-se,
que saibam amar, e serem amadas...
Que parceiros saibam viver em parceria...
Ósculos e amplexos,
Marcial

UMA REAL PARCERIA SABE COMO VIVER O AMOR
Marcial Salaverry

A grande verdade sobre o amor, demonstra que o ponto ideal para um casal viver e assim o amor sobreviver, é em parceria, não podendo existir submissão de nenhum dos lados, devendo haver um entendimento tácito entre ambos, sem que nenhum dos lados queira colocar um cabresto no outro...

“Há homens que têm patroa. Ela sempre está em casa quando ele chega do trabalho.
O jantar é rapidamente servido à mesa. Ela recebe um apertão na bochecha.
A patroa pode ser jovem e bonita, mas tem uma atitude subserviente, o que lhe confere um certo ar robusto, como se fosse uma senhora de muitos anos atrás.
Há homens que têm mulher. Uma mulher que está em casa na hora que pode, às vezes chega antes dele, às vezes depois.”
Este trecho foi extraído de uma crônica escrita por Martha Medeiros, intitulado “A Mulher e a Patroa”, onde podemos sentir a diferença do que é ser simplesmente “a patroa”, ou seja, a esposa que está sempre pronta para servir a seu amo e senhor, como era no passado, ou ser “a mulher”, alguém que tem sua independência, e é senhora de tomar suas decisões, como já acontece nos dias de hoje, já que aquela subserviência do passado é coisa do passado. Felizmente as coisas mudaram e as mulheres já podem adotar uma postura independente, por vezes até demais.

Assim sendo, a mulher de hoje não gosta de ser chamada de “patroa", e quer agir apenas como "mulher", ou melhor como amiga e parceira, tomando as rédeas do lar o que, diga-se de passagem em certos casos é a atitude a ser tomada realmente, por problemas que surgem na vida.

A vida nos mostra que pode haver um equilíbrio entre as funções de “patroa” e “mulher”, sem quebrar a harmonia do lar, e para tanto, basta que haja bom senso. E esse bom senso pode ser o responsável direto por relacionamentos duradouros, que resistem à rotina causada pela convivência, e isso acontece quando os parceiros entendem que a parceria é o modus vivendi ideal, e conseguem se adaptar a uma situação de equilibrio entre deveres e obrigações dentro do lar, com ambos fazendo o possivel para que o entendimento e a harmonia não sejam quebrados por um orgulho tolo.

Na realidade muitos casamentos sofrem ação de desgaste por causa das dúvidas acima, quando ambos os conjugues não sabem se situar devidamente. Ou pelo menos quando um deles não sabe que caminho tomar.

Até agora apenas se falou na parte das mulheres, que precisam saber se dividir entre as múltiplas funções e necessidades para que são chamadas, cabendo-lhes até a responsabilidade sobre o encaminhamento dos filhos. Será que a obrigação masculina é apenas cuidar da parte financeira do lar? Não deverá ele dividir com sua esposa e parceira (bem melhor do que patroa ou mulher) também essas obrigações, já que ela vem dividindo a parte de manutenção?

Há que se falar sobre o medo dos homens em mostrar sua própria fragilidade, escondendo-a sob a capa de um machismo retrógrado, procurando sempre se impor dentro do lar, quando muito pelo contrário, deveria procurar compor com sua companheira uma parceria, procurando cada qual adaptar-se à personalidade do outro, não sendo correto falar-se em dependência ou independência deste ou daquele, mas sim numa interligação, num amoldamento entre ambos, compondo uma real parceria, pois é uma real necessidade para a vida que haja um entendimento entre os parceiros, sem que se procure saber “quem manda em casa”.

Uma sadia e inteligente divisão de tarefas pode resolver muitos problemas. Aliás, todas as decisões importantes devem ser tomadas de comum acordo, devendo haver um diálogo saudável e inteligente, mesmo quando as opiniões forem divergentes, já que estão sendo tomadas decisões que irão afetar a vida de ambos. Nada mais justo que AMBOS decidam em conjunto, e se a dúvida persistir, poderá ser ouvida uma terceira opinião, se houver uma terceira pessoa em quem AMBOS confiam...

Portanto, parece-nos que o mais importante não é saber quem manda, se é o homem ou a mulher, se cabe ao homem tais tarefas e à mulher aquelas outras. Que de comum acordo, decidam quem faz o que, mesmo que seja o homem ir para a cozinha e a mulher trabalhar fora. Tudo é questão de bom senso, e procurar saber das reais aptidões.

Considerando que a finalidade principal é manter a harmonia, o amor e o carinho, vamos começar tudo isso, tendo UM LINDO DIA, e sabendo usar o tal do bom senso, poderá haver uma deliciosa sequencia de lindos dias...

Marcial Salaverry
1 compartilhamento

Continuando a Parte Um, entendemos que para chegar à posição de hoje, muito lutou a mulher para vencer conceitos e preconceitos que ficaram para trás, mas muita coisa ainda precisa ser feita...
Ósculos e amplexos,
Marcial

REAPRESENTO A MULHER MODERNA - PARTE DOIS
Marcial Salaverry

Lembrando de que nossas heroínas começaram a luta, e logicamente resolveram ir até o fim, malgrado a oposição encontrada quase generalizada, inclusive mesmo de mulheres, que não concordavam que se tentasse mudar aquele estado de coisas.
Acontece que seus pais, irmãos, maridos, namorados, certamente criticavam toda e qualquer tentativa de conseguir alguma coisa. Eram boicotadas nas Faculdades ditas de "coisas de homem", como Engenharia, Direito, Medicina. Sempre eram direcionadas para Economia Doméstica, Belas Artes, Magistério, Música, enfim. o que era considerado como "coisas de mulher".

Apesar dos boicotes, contra tudo e contra todos, foram à luta. E foram conquistando seus espaços. Mas tinham que matar aquele leão diário, e para conquistar seu lugar no mercado de trabalho, tinham que mostrar muita competência, e assim, muitas desistiram, mas a semente da revolta estava germinada.
Começaram a "briga" doméstica, tentando conseguir melhores condições dentro de seus lares, pois devido ao acúmulo de funções, sentiam a necessidade de contratar empregadas. Os salários que ganhavam cobriam bem as despesas extras que vinham surgindo.

Muitas tiveram êxito, pois contaram com a compreensão de seus companheiros que, tendo uma visão mais aberta do que a maioria, começaram a dividir responsabilidades, abrindo diálogo amistoso, dividindo funções dentro de casa, e aceitando que as esposas também poderiam ter competência para cuidar de muitas coisas que a maioria dos homens queria manter intocáveis.
E essas mulheres, em sua maioria, mostraram que realmente "tinham algo a dizer". Começaram a mostrar no mercado de trabalho, que poderiam disputar postos com igual competência e eficiência do que os homens, e que as restrições absurdas não tinham porque continuar.

Mas nem todas tiveram a mesma sorte. Uma grande maioria continuava completamente castrada em seus direitos mais comezinhos.
Por incrível que possa parecer, conheci diversos casos, em que os maridos sequer permitiam que as esposas assinassem cheques. Que dirigissem carro, então, nem pensar. Prevalecia a famosa expressão que muitos enchiam o peito para dizer: Mulher minha é para cuidar de casa". Essa expressão, "Mulher Minha", nunca consegui digerir, sempre discuti muito por causa disso, inclusive com meus irmãos mais velhos...

A situação era tão esdrúxula que, por incrível que possa parecer, na década de 60, uma mulher casada somente poderia viajar sozinha de uma cidade para outra, com autorização escrita do marido. Juro que é verdade.

Claro que essas divergências domésticas começaram a trazer consequencias, pois as mulheres queriam porque queriam fazer valer os direitos conquistados. Começaram a chegar à conclusão de que a máxima que sempre gerira suas vidas, o famoso: "Ruim com ele, pior sem ele", não expressava a realidade.
Se elas estavam conseguindo trabalhar fora, começavam a ser bem sucedidas em seus empregos, por que deveriam continuar sendo subjugadas em seus lares?
Tendo provado sua capacidade, mostrando ter condições de sobrevivência, muitas muniram-se de coragem, e puseram fim a casamentos castradores, querendo mostrar que realmente tinham condições de viver por sua conta e risco.

Só que começaram a enfrentar outro problema sério, o da discriminação que começou a ser feito, na época, à "mulher separada". Era discriminada por suas amigas ainda casadas, que temiam por seus maridos. Os homens, por sua vez, julgavam-nas "disponíveis" . Por ser "mulher sozinha" toparia sempre qualquer parada. Pelo menos essa era a idéia...
Realmente, a coisa ficou um pouco mais complicada, ainda mais que muitas vezes, eram perseguidas pelos "ex", que se achavam no incrível direito de vigiar seus passos para ver se não "prevaricava".

Só mais recentemente esta situação começou a se modificar, com as mulheres separadas e sozinhas, sendo encaradas como "pessoas normais", e não como "Mulheres a beira de um ataque de nervos", desesperadas para conseguir alguma companhia masculina.
Claro que, como qualquer pessoa normal, gostam e procuram companhia, mas, devido à experiência adquirida em vivências anteriores, tornam-se naturalmente seletivas, não desejando estar com alguém só para fugir da solidão, mas sim por acreditar que aquela companhia lhe poderá ser agradável.

Podendo assim, ter seu LINDO DIA, e que poderiam gerir sua vida como melhor lhe aprouvesse, sempre em busca da desejada felicidade...

Marcial Salaverry
Tags: mulher moderna

Para chegar à posição de hoje, muito lutou a mulher para vencer conceitos e preconceitos que ficaram para trás, mas muita coisa ainda precisa ser feita...
Ósculos e amplexos,
Marcial

REAPRESENTO A MULHER MODERNA
Marcial Salaverry

Coisa interessante vem acontecendo no chamado "mundo feminino". Aquelas criaturas submissas de algumas décadas atrás, iniciaram uma reação espantosa, em defesa de seus direitos, e assim surge a figura da mulher moderna, independente, lutadora, que nada tem a ver com a figura feminina da primeira metade do século passado, sempre submissa à autoridade absoluta do macho dominante.

Para conseguir essa reação, tiveram de passar por muitas lutas, muitas contrariedades. Muitos preconceitos tiveram que ser vencidos. Tiveram de dar murros em ponta de faca, e portanto, as jovens de hoje, que estão atingindo um ponto quase ideal nessa conquista feminina, devem saber olhar para trás, e reverenciar a figura das primeiras lutadoras. Vejam como era a vida de uma dessas pioneiras, cujo "crime" era querer trabalhar fora para auxiliar no orçamento familiar. Queriam, simplesmente adquirir aqueles eletrodomésticos que iriam facilitar a vida no lar, e o preconceito machista queria tolher essas iniciativas, pois eles não queriam perder a posição de "chefe supremo", que consideravam como "direito adquirido".

Tentem acompanhar o dia a dia de uma mulher moderna, dos anos 60, até o inicio dos anos 90, para poder analisar melhor, o que era "Ser Mulher Moderna", nessa época.
Tal acompanhamento era meio impossível, pois geralmente a mulher se subdividia em tantas, exercendo tarefas tão diversificadas, que se tornava cansativo acompanhá-las.
Tentem imaginar. Coloquem-se na época. Para quem pertenceu a essa geração, é fácil lembrar-se:
Levantar, e fazer os filhos também se levantarem. Preparar café da manhã para uma turma sempre atrasada, e que tem de fazer tudo correndo. Depois, levar filhos para a escola. Voltar correndo para casa, e "dar um tapa" na limpeza, porque tem que sair voando para o escritório onde trabalha, porque tem que "arredondar" o orçamento familiar. Chega a hora do almoço, tem que ir "a jato", pois antes de ir para casa e preparar o almoço, ainda tem que buscar as crianças. Tem que improvisar rapidamente algo para comer, e de novo sair "voando", porque antes de voltar para o emprego, ainda sempre tem que levar alguém para algum lugar. Isso, se não tiver que dar um atendimento porque um dos filhos se machucou na escola, e requer um curativo.

Depois de uma "tranquila" tarde no trabalho, tem que sair em disparada, porque tem que ir pegar aquele alguém que ficou em algum lugar. Aí, vai para casa. Beleza. Pode descansar o resto da noite. Sim, mas antes tem que fazer a janta, ver se aquele machucado sarou, atender o outro que está com dor de dentes, e, lógico, preparar o aperitivo do marido que voltou do trabalho, e exige atendimento da consorte (será com...sorte mesmo?).

Finalmente, pode ver sua novela e descansar... Sim, depois de lavar a louça, colocar a roupa suja na máquina de lavar, e mais alguma coisinha que aparece. Aí, vai assistir sua novela sossegadamente, só que nos comerciais tem sair correndo para tirar a roupa da máquina, estender no varal, mas não é só, pois ainda restam ainda algumas pequenas tarefas, quais sejam: botar as crianças para tomar banho, colocá-las na cama, separar os irmãos que sempre começam a brigar. Aí, exausta, prepara-se para uma bela e reparadora noite de sono, só interrompida umas quantas vezes, para ver porque um filho está tossindo, ver o outro que fez xixi na cama. E quando tenta finalmente dormir, o marido está roncando do lado. É mole, ou quer mais?

Vocês notaram quantas profissões a mulher exerce? Anotem: Nutricionista, Conselheira, Cozinheira, Copeira, Encarregada do Setor de Limpeza (faxineira), Diplomata, Enfermeira, Professora, Motorista, Médica, Psicóloga, e tem mais, só que não lembro agora...
O argumento na época dizia que, já que as mulheres queriam ter igualdade de direitos, também deveriam ter igualdade de deveres.
Só que a coisa ficou meio desigual, pois, além de trabalhar fora, como elas desejavam, também continuavam com suas antigas obrigações de donas de casa, totalmente "imexíveis",porque eles nem sequer cogitavam a idéia de auxiliar alguma coisa em casa...
Ou seja, quer trabalhar fora, vai, mas tem que continuar cuidando da casa e de todas suas "obrigações". Isso, porque ainda persistia aquele famoso ranço machista que a maioria dos maridos adotava, o famoso :" Mulher minha não trabalha fora". O famoso conceito do "mulher minha não pode isso ou aquilo". Algo que sempre doeu nos ouvidos de homens de bom senso que não pensavam assim...

Claro que as coisas tinham que mudar. Para tanto elas tiveram que juntar forças, e continuar a disputar palmo a palmo seu espaço no mercado de trabalho, sempre tendo que enfrentar o preconceito masculino. Tiveram que começar a "matar um leão por dia".
Quando mostraram claramente que seu salário era importante para a composição do orçamento familiar, tiveram condições de exigir a contratação de empregadas, para substitui-las nas funções domésticas. E a briga continuava, como veremos mais adiante...

E apesar disso, ainda poderiam ter UM LINDO DIA, algo que lhes é devido desde que o mundo é mundo...

Marcial Salaverry
Tags: mulher moderna

Para entender nossos sentimentos com relação
a outro alguém, precisamos saber analisar
se existe afinidade entre alma e matéria...

ANALISANDO ESPÍRITO E MATÉRIA
Marcial Salaverry

Para bem analisar e entender,
é preciso com certeza saber
espírito e matéria diferenciar...
É preciso de ambos bem cuidar...
Para bem cuidar da parte material,
precisamos desenvolver a espiritual...
Sabendo manter a alma pura,
olhando os demais com ternura,
poderemos receber a benção da cura,
e não permitir que a alma fique dura...
Quando preparados para ajudar,
nossa alma irá se beneficiar,
e a cada vez mais se desenvolver...
E esse equilibrio, precisaremos manter,
pois é nesse equilibrio que está felicidade
de que todos temos necessidade...

Marcial Salaverry

Marcial Salaverry

ALMAS GEMEAS
Marcial Salaverry



Almas gêmeas descobrem-se..

Almas gêmeas amam-se...

Almas gêmeas vivem...

Assim são as almas gêmeas, exigem-se

quando não pode exigir, aceitam se

E nessa aceitação,

Vivem, esperam,

e aquietam o coração,

entregando-se à doce sensação

a que esta descoberta vai levar,

fazendo dois corações a se amar...

Assim são as almas gêmeas,

quando se encontram...

Falam sem se falar,

entendem-se sem se olhar,

vêem-se sem se ver,

sempre podem se perceber...

Nesse doce encontrar,

terminam por se amar...

E se a separaçao acontece,

e de saudade se padece,

na força do pensamento

domina-se o sofrimento...

Marcial Salaverry

Don Quijote de la Mancha, o Cavaleiro da Triste Figura... Quem não conhece sua historia? Sua luta ingloria contra os poderosos... E vamos ver que existem alguns Dom Quixotes modernos...
Osculos e amplexos,
Marcial


VAMOS CONHECER OS NOVOS DON QUIXOTES
Marcial Salaverry

Puxando pela memória, lembro-me de que há algum tempo atrás, um colega meu de bancos escolares, resolveu escrever um romance épico, contando a história de alguém que clamava pela justiça, e que procurava o amor. Claro, que é uma fábula, porque figuras assim não encontramos com facilidade...
Esse meu amigo atendia pelo nome de Miguel de Cervantes Saavedra, e o livrinho que escreveu recebeu o nome de Don Quixote de la Mancha. Não sei se muitos ouviram falar, pois foi escrito há apenas 400 anos, mas seu lançamento foi mostrado pela Globo, com narração do Cid Moreira.
Estou relembrando, porque venho notando que estão surgindo alguns Quixotes e Quixotas por este mundo afora, e que também clamam por paz e justiça, e procuram o amor.
São poetas e escritores que galhardamente procuram através de seus escritos, acender uma luz, por pequena que seja, dentro da consciência desta humanidade que parece mais empenhada em se destruir do que em sobreviver.
Como Don Quixote, que seguido por seu fiel escudeiro Sancho Pança, de lança em riste enfrentava terríveis inimigos, atacando quantos moinhos de vento surgissem pelo caminho, esses Quixotes de hoje, seguidos por seus fiéis leitores, usam a lança de suas palavras, enfrentando a incompreensão de muitos que acham bobagem falar em paz e amor, que são coisas do tempo de Cervantes, e estão completamente fora de moda. O que realmente importa, em sua maneira de ver, é a força do poder, que deve ser conseguido a qualquer custo.
São esses os moinhos de vento que temos de enfrentar. Simplesmente a ganância e sede de poder. A ambição maior desses moinhos, é seguir sempre girando suas pás, derrubando todos aqueles que cruzarem em sua frente. Esquecem-se de que depois que derrubarem o último obstáculo, nada restará para comandar. De que valerá então o poder conquistado?
Don Quixote jamais conseguiu reunir-se à sua Dulcinéia porque não conseguiu destruir os moinhos que enfrentou, mas ele não desistiu, e tentou até o fim. Mas sempre escutava as zombarias do populacho que apenas achava ser ele um pobre louco, sem entender o real significado de sua inglória luta contra os empedernidos moinhos. Não entendiam que na realidade, ele enfrentava a incompreensão e a falta de humanidade, algo que infelizmente resistiu à passagem do tempo, ficando cada vez mais forte.
Os Quixotes modernos, apesar de enfrentar os mesmos problemas, tendo que lutar contra os mesmos inimigos de Don Quixote, tem um apoio maior de seus “Sancho Pança”, que começam a dar maior apoio, repassando seus escritos, dando ênfase aos clamores de paz.
Sempre insistindo, e contando com o apoio de atuantes Dulcinéias que, ao contrário da real Dulcinéia, que se limitava a lamentar as derrotas de seu amado, estas arregaçam mangas e acompanham os Quixotes em sua luta, colaborando para a divulgação de seus feitos.
Podemos inclusive notar que atualmente existem Quixotes e Quixotas, existem Sanchos e Sanchas, e existem Dulcinéias e Dulcinéios.
Só precisa haver uma união maior entre todos, e, entrando no espírito quixotesco da coisa, vamos de mãos dadas, com união, enfrentar os moinhos de vento. Quem sabe conseguiremos vence-los... Vamos tentar? Para isso será necessário superar certas disputas internas, certas quizílias que acabam dividindo os quixotes, ao invés de uni-los. E para encarar os terríveis moinhos de vento, não podemos fazer como o velho Don Quixote, que os enfrentava só, armado apenas com sua lança.
Mas isso me parece quixotesco demais, pois os moinhos particulares chamam-se vaidade, orgulho e aí, a coisa complica.
Não podemos é desistir. Claro que derrubar os moinhos é tarefa por demais complicada, pois os nossos moinhos são representados pelos lideres mundiais que apenas se deixam levar pela sede de poder e pela ganância de cada vez querer mais poder, mesmo sem poder. Então procuram destruir o que está feito, para enfraquecer a humanidade.
Coisa de doidos mesmo essa insana luta contra a Paz.
Para não desanimar os Quixotes, vamos começar conseguindo nossa paz interior, e procurar transmiti-la com UM LINDO DIA, e vamos procurar repeti-lo por todos os dias que ainda teremos pela frente...

Marcial Salaverry
1 compartilhamento

"Não há bem que sempre dure, e nem mal que nunca se acabe..."
Como existe quem gosta do Carnaval, e quem o deteste,
a escolha é de livre arbítrio...
O certo é que acabou, e agora ao invés das Escolas de Samba,
vem a Escola da Vida...
O Carnaval passou, ou quase, pois pra muita gente continua...
o que foi, foi, o que não poude ser, não foi...
Agora é cair no real, pois as contas vem em Real...
E se muito gastou... Como vai ser?
Deixa pra pensar depois...

CARNAVAL PASSOU
Marcial Salaverry

A vida continua,
esta é a verdade nua e crua...
O trabalho novamente encarar,
porque as contas vão continuar a chegar...
Acabou a folia,
agora cair na rotina de todo dia...
O que no Carnaval aconteceu,
apenas esquecer... morreu...
Aquela paquera,
vai ficar na espera...
No ano que vem tem mais...
é só esperar... e que não seja demais,
porque agora é cair na real,
e ver sobrou algum Real...
Vamos pensar em trabalhar,
pelo menos pensar, né?

Marcial Salaverry

Marcial Salaverry
Tags: carnaval passou