Coleção pessoal de lyne-sena

1 - 20 do total de 130 pensamentos na coleção de lyne-sena

Quando você vê um animal, se a ideia de irmandade não lhe surgir você não sabe o que é prece. Nunca saberá o que é uma prece.

Osho
1 compartilhamento

Coração em greve

Ei! Psiu! Queria falar com você! Aqui... olha pra cá... mais pra baixo... do lado esquerdo... fazendo tum-tum. Tum-tum. Ainda estou batendo, apesar de tudo. Você tem me esquecido, não é mesmo? Mas o pior não é isso: está me contaminando. Sim, você tem me dado muito veneno, e eu tive que me fechar, me proteger, pra evitar entrar em colapso.
Mas agora cansei, e resolvi protestar. Levantar minhas faixas na rua:
- pare de guardar seus sentimentos!
- fora repressão!
- assuma suas dores!
- queremos lágrimas sinceras!
- mágoa livre!
- mais amor, menos silêncio!
- abaixo as máscaras!
Sabe, cara: tô cansado de ver você entrar em relação, e sair de relação... e não se expressar. Se tá magoado, não fala. Quando fala, só briga, mas não tem a capacidade de dizer: você me machucou. E aí, depois que briga, se arrepende. E também não fala: sinto muito. Agora, fui eu quem te machucou. Eu ainda te amo. E aí se afastam, e você não diz: tô com saudade! Sinto a sua falta. Foi muito bom o que vivemos. Então, vê o outro com outra, e não comunica: ahhhh, que inveja! Como eu queria que fosse eu! Tomara que acabe logo... só pra ele sofrer mais um pouco. E logo em seguida, quer voltar atrás: nossa! Que maldade... como pude sentir coisa tão ruim assim. Que sejam felizes. Eu vou continuar aqui, sozinho na minha dor...
E você sabe, cara. Anos e anos assim. Sem expressar seus sentimentos pras pessoas que você ama, as que odeia, as que ignora, as que te ignoram... Sem expressar seus sentimentos nem pra você mesmo! Mas saiba você que cada palavra não dita cai como ácido sobre mim. E eu tenho que me fechar, me proteger. Preciso falar uma coisa: Eu fechado, impeço você de amar. De sentir alegria. Prazer. Êxtase. Plenitude. Confiança.
Todos os sentimentos passam por mim. Se você nega um, nega todos. Se não sabe demonstrar sua raiva, sua mágoa, seu perdão, sua amizade, sua alegria... você começa a dizer para mim que não sou tão útil... Você está me esquecendo, achando que minha única função é fazer tum-tum. Tum-tum. Tum-tum uma pinóia, cara! Não tô aqui pra ser bateria de escola de samba. Eu existo porque sou a razão principal da sua existência... sentir! Manifestar o que você sente. Viver em plenitude. Curtir a vida! Em todas as suas nuances. E você preso aí nesse cérebro. Só querendo saber. Resolver. Chegar a algum lugar. Entender. Ah, vá...
Tô pensando em entrar em greve. O que acha? Vou dar uma paradinha... No começo, é só um alerta. Uma pequena parada. Só um susto. Mas se você não olhar direito para seus sentimentos, a parada vai ser mais longa... Um dia. Ou uns três dias... E não vai adiantar entrar na justiça trabalhista, viu?
Quem sabe você resolva validar seus sentimentos. E expressá-los.
Eu só quero uma coisa: me deixa trabalhar. Mas do meu jeito! Na totalidade. Pare de usar tantas máscaras. Pare de fingir. Seja mais coração, cara! E menos cabeça...

Alex Possato
1 compartilhamento
Tags: coração sentimentos

Somos sons 🎶 e as palavras são sementes🌱

Pronunciar *Sinto muito* devolve a unidade perdida. O som é assimilado por seus ouvidos e viaja pela tua pele, que é o órgão mais extenso do teu organismo. A expressão te conecta e te faz sensível frente às vivências dos demais, te desapega dos resultados e te converte em *uma unidade*.

O som das palavras *"Perdão"*, *"Perdoa-me"*, faz eco em teu pâncreas e em teu cólon, desatando laços e liberando histórias

E se pudesses ver o que mobiliza no teu corpo um *eu te agradeço*, *sou grato/grata*, *obrigado / obrigada*; sorririas junto às tuas células, preenchendo suas veias, limpando seu interior e convertendo teu sangue em luz em esse ato desprendido e sincero de quem te devolve gratidão.

*Te amo*, *amo você* , *você é amado/amada*, *você é muito importante para mim* são os sons mais curadores do Universo... essas minúsculas frases cobrem teu corpo e viajam através dos teus pulmões, desobstruindo tua respiração... elas atingem teus rins e transmutam os medos, fazendo com que *milhões de células sorridentes* deem energia às *células tristes do teu sistema imunológico*. E também permitem que algumas outras, que nasceram com a *arte da jardinagem*, semeiem *relva suave, fresca e verde ao redor das zonas mais áridas do teu corpo*. Em síntese: elas renovam a tua *esperança*.

Se pudesses ver o que provocam as palavras, em ti e nos demais, começarias a observar teus pensamentos, teus silêncios, teus sons e teus ruídos, porque neste oceano de energia que somos, cada onda que emitimos cria ondas de diversas cores e intensidades, que influenciam os demais.

✨ *Sinto muito* ✨ *Perdoa-me* ✨ *Agradeço* ✨ *Amo você*✨ *Você me importa*✨

Estas devem ser palavras e expressões cotidianas em nosso vocabulário. Para o nosso próprio bem. E para o de todos. Todos os dias.

Tenha a coragem de viver e praticar o Amor. E não esconda isto: _o *Amor* é *cura-dor*_ (e quem ama é um *vence-dor* ).

Desconhecido
1 compartilhamento
Tags: ho'oponopono amor

Não se trata de aprender logo grandes coisas inúteis. Aprende pouco a pouco coisas que sirvam. Os pequenos passos constroem um longo caminho.

Alejandro Jodorowsky
1 compartilhamento
Tags: aprendizado foco

PACIÊNCIA E CONFIANÇA

Pergunta – Amado Osho, qual é a essência da paciência?

Osho – A paciência tem sido explorada pelas pessoas. Há séculos temos a pobreza, e os povos foram aconselhados a apenas serem pacientes – “É um teste de sua confiança em Deus”. A eles foi apenas dito que fossem pacientes, que “é apenas uma questão de alguns anos e então vocês adentrarão o paraíso”.

A paciência tem sido usada como parte da exploração de povos em todas as áreas, mas ela é uma linda qualidade. Ser paciente, para mim, significa confiança – confiança na natureza, na existência, em você mesmo. As coisas estão melhores a cada dia; o que quer que aconteça, a sua paciência encontra algo melhor para você. É uma alquimia muito grandiosa; transforma sofrimento em bênção. É um grande instrumento em suas mãos; você apenas precisa entender que o instrumento deve ser usado por você, e não pelos outros sobre você.

Há mudanças constantes na vida – a vida é um fluxo. Heráclito diz: “você não pode pisar duas vezes no mesmo rio”. Eu digo a você: “você não pode pisar nem mesmo uma vez no mesmo rio”. O rio está continuamente se movendo. Há altos, há baixos, há dias e há noites. A paciência consiste em ver as coisas de forma que tudo se torne uma alegria para você.

Por exemplo, você pode pensar que todos os dias foram encapsulados entre duas noites escuras. Isto lhe trará miséria e tristeza: “oh, que vida, apenas um pequeno dia, e duas grandes noites escuras”. Um homem de entendimento verá cada noite como tão pequena entre dois lindos dias ensolarados. A vida é a mesma – é a sua perspectiva que muda.

Há pessoas que não olharão para as rosas, e sim para os espinhos. Elas sentirão profundo desespero pelo fato de a existência não produzir rosas sem espinhos, mas estarão prestando mais atenção aos espinhos do que às rosas. Um homem de entendimento amará a rosa, e enxergará o espinho como a proteção da flor. A mesma roseira está fornecendo seiva a ambos – à rosa e ao espinho. O espinho deve ter alguma função natural. Sua função é proteger a rosa – é um soldado, um guardião.

Uma vez que você veja a vida de um ângulo diferente, seu coração começa a pulsar de um jeito diferente. Tudo pode ser visto com olhos negativos, e há pessoas que pensarão em tudo desta forma. Elas se tornarão bons críticos, mas serão grandes fiascos na vida. Mas há uma maneira de se ver a vida com olhos positivos.

Eu estava visitando um palácio em Jaipur, na Índia. Jaipur é uma das cidades mais lindas do mundo; o homem que a estava criando, Maharaja Jai Singh, queria superar a beleza de Paris, mas morreu antes de completar o projeto. Então, Jaipur se tornou uma cidade incompleta, mas possuidora de tremenda beleza. Nenhuma outra cidade indiana possui esta sua qualidade.

No palácio, o neto de Maharaja, que agora tomou o lugar do avô, disse-me: “por favor, não repare se você vir alguma coisa incompleta no palácio”.

Eu disse: “qual o problema”?

Ele disse: “Meu avô tinha uma certa visão de que nada deveria ser feito completo, porque se fosse, teria um certo ar de morte. As coisas deveriam permanecer incompletas, pois assim têm a possibilidade de crescimento. E por coincidência, ele não pôde completar Jaipur; ele morreu. Esta foi a filosofia de toda a sua vida: ele nunca fez nada completo. Alguma coisa sempre estará faltando, e as pessoas que enxergam com olhos negativos imediatamente notam a coisa que está faltando. O palácio como um todo é tão lindo, mas toda a preocupação destas pessoas se concentra na pequena pedra que está faltando, e elas ficam frustradas.”

Talvez Maharaja Jai Singh tinha algum entendimento da vida.

Na vida nada é perfeito, tudo tem alguma imperfeição. Imperfeição significa que a vida ainda está se desenvolvendo, que a evolução ainda está acontecendo. O dia em que tudo estiver completo será o pior dia da existência, pois neste dia tudo se tornará morto. Não haverá crescimento, não haverá necessidade de evolução; tudo estará confinado. Não olhe para as imperfeições; olhe para a tremenda beleza que circunda as pequenas imperfeições.

É uma mudança de perspectiva que traz paciência a você. Então você entende que tudo é bom, e que tudo será ainda melhor, pois há séculos vem se tornado melhor e melhor. Não há necessidade de se preocupar com o amanhã; amanhã será melhor. A existência toda está engajada em melhorar a si mesma. Você apenas tem de ser um pouco paciente; você não deve ter pressa. Você não deve pedir que tudo lhe seja dado agora.

Tudo vem no tempo certo.
Tudo vem quando você está maduro.
Tudo vem quando você merece. Esta é a minha experiência.

Nos últimos trinta anos eu não senti, nem mesmo por um único momento, nenhuma impaciência, e testemunhei que tudo segue se tornando melhor e melhor. A própria existência está envolvida neste processo; somos parte dela, não há motivos para se preocupar. Mesmo algo que parece escuro hoje pode se revelar apenas o começo de uma nova aurora. A noite é mais escura logo antes do amanhecer.

Apenas observe a vida. Tente entender a vida, e a paciência virá até você por conta própria.

Osho
1 compartilhamento
Tags: paciência confiança

Pensando Excessivamente

Você está passando muito do seu tempo pensando demais?

Uma das maiores causas da insatisfação, da distração e da infelicidade é pensar demasiadamente nas coisas. Muita energia mental é colocada no processo e não sentimentos suficientes. Isto geralmente acontece quando você está em um ciclo de “Trata-se de mim.” Embora a jornada se refira a você, nem tudo o que está acontecendo ao seu redor tem a ver com você. Libere este pensamento, pois isto é realmente o que está em seu caminho.

Saia da sua própria cabeça por um momento e ouça. Ouça as suas próprias palavras, e, então, os seus pensamentos e veja se, talvez, isto seja exatamente o que você não está querendo. Você está reclamando ou procurando soluções fora de si mesmo, ou você para e procura interiormente uma resposta desta pequena e tranquila voz que o incentiva a procurar um caminho melhor? Você está pensando de forma positiva ou defendendo o pensamento positivo, embora não acredite nisto realmente para si mesmo?

Lembre-se: mudar o seu foco é fácil. Comece a se concentrar nos pontos positivos em você, em sua vida e ao seu redor. Procure as coisas maravilhosas que estão acontecendo e escolha melhores pensamentos a partir daí. Quando você vê que você realmente não tem nada com que se queixar, a vida se torna cheia de infinitas possibilidades.

Pensamento para hoje: “Uma das maneiras mais rápidas para descobrir o seu processo de pensamento é se perguntar sobre o que tem que reclamar hoje, e, então, ouça a sua resposta.

E assim é.

Sharon Taphorn
1 compartilhamento
Tags: mente pensamento

“O papel de vítima é a mais refinada forma de vingança!”
Bert Hellinger

Pessoas ou grupos , quando se vitimizam, fazendo-se de incapazes, se tornam os oprimidos bonzinhos, tirando, assim, toda a responsabilidade de seus próprios ombros.
Quem assume o papel de vítima está dizendo para o mundo que tem uma condição intrinsecamente desfavorável e desprivilegiada, em relação aos demais, ou seja, quer passar a ideia de que não faz porque não pode. Então, isso mobiliza pessoas a fazerem, por ele, o que ele mesmo deveria estar fazendo.
Aquele que se vitimiza lança um olhar de cobrança sobre todos, o que faz os demais se sentirem culpados e devedores. A vítima se coloca no lugar de "poder" tudo, pois o outro é "devedor" dela sempre. Afinal, o mundo lhe deve!
Além disso, o “coitadinho”, ao se colocar nesse lugar, nesse papel, nessa condição, põe, no outro, o rótulo também de opressor, mau, culpado.
No papel de vítima, ele se sente como a pessoa boa, injustiçada e o outro é o mau. Pois o outro só poderá ser o opressor ou devedor e vai sempre ser olhado como alguém pequeno.
Essa é a vingança velada.

Carlos Humberto Soares Junior
9 compartilhamentos
Tags: vítima vitimização

O APEGO
Quanto mais você se apega a uma pessoa, mais você sofre com sua perda.
Quanto mais você se apega a algum bem, mais você sente falta quando o perde.
Quanto mais você se apega a sua aparência, mais você sofre com o envelhecimento.
Quanto mais você se apega a algum objeto, mais vazio você fica quando isso vai embora.
Quanto mais você se apega a um dogma, mais você sofre por descobrir que essa suposta verdade era falsa.
Quanto mais você se apega a uma situação, mais você deixa de viver outras situações que poderiam ser proveitosas.
Quanto mais você se apega a um sentimento (como a raiva ou a mágoa), mais você vai repeti-lo dentro de ti e mais essa emoção te domina.
Quando uma situação nos proporciona um prazer repetido,
Isso pode gerar um apego que funciona como alicerce psicológico em nossa vida.
Aquele que se apega facilmente, faz sua vida depender do objeto de seu apego.
Apego é o caminho mais fácil: gera conforto, estabilidade e nos dá uma base… algo para nos segurar.
Mas trata-se de uma base falsa, pois tudo o que existe, um dia chegará ao fim… posto que nada se mantém eternamente.
Aquele que não imagina sua vida sem algo ou alguém, está seguindo rumo à infelicidade.
Nos apegamos a pessoas, a coisas, a situações, a ideias e até a emoções.
Mas o maior apego é sobre nós mesmos.
Não queremos morrer, não queremos nos perder, não queremos ser esquecidos.
Alimentamos o máximo nosso ego para sentir que continuaremos existindo.
Tudo aquilo com que nos apegamos, ficamos com medo de perder.
E o medo paralisa nossa vida, nos atrasa, nos prende e nos desequilibra.
O apego é um dos maiores inimigos do ser humano… ele sempre nos escraviza e nos submete.
O apegado diz: “Não posso viver sem isso”, “Não posso viver sem aquilo”.
Quando nos apegamos, precisamos sempre de mais e mais e nunca estamos satisfeitos.
Quem se apega a uma pessoa, quer sua presença a todo momento e não consegue mais viver sem ela.
Quem se apega quer, de alguma forma, suprir uma carência ou uma ausência dentro de si mesmo.
Mas é inútil, pois nossos apegos nunca poderão nos preencher.
A fé na vida é, com efeito, o oposto do apego.
Quem tem fé, não se apega a nada, não precisa de coisa alguma para se completar emocionalmente.
Aquele que coloca muitas coisas ao redor de uma lâmpada, acaba abafando seu brilho.
Libere totalmente sua lâmpada, sua chama interior, de tudo que a abafa.
Assim sua essência brilhará livremente.
Renuncie a todos os seus apegos, deixe de lado tudo aquilo que te prende… Não há outro nome… isso se chama liberdade.
Aquele que vive desprendido de tudo, sem dependências, sem vícios, necessitando do mínimo possível…
Esse é muito mais feliz.

Hugo Lapa
1 compartilhamento
Tags: apego liberdade

Karma não é Destino

Você não pode negar sua herança kármica, disse o último Traleg Rinpoche, mas isso não significa que não pode mudar.

As críticas ao conceito de karma frequentemente são centradas na noção de responsabilidade individual e sugerem que essa noção gera uma atitude de antipatia em relação aos outros e leva a uma tendência à culpa. O pobre é culpado por ser pobre, e assim por diante. Diz-se, erroneamente, que o budismo culpa os indivíduos por todas as suas circunstâncias e nega-lhes o poder de ação.

Se somos pobres, por exemplo, podemos acreditar, de imediato, que ficaremos assim até acabarem as dívidas cármicas; e então, depois da morte, podemos renascer em circunstâncias afortunadas, quem sabe, nos tornando um rico empreendedor. Entretanto, este tipo de pensamento não combina com a ênfase do budismo na interconectividade de tudo, que confirma a abundante complexidade de influências sobre as pessoas, incluindo seu ambiente.

Certamente o budismo contem a ideia de um acúmulo de carma, impressões, disposições, probabilidades ao longo de nossa vida – padrões de comportamento adquiridos, etc. Mesmo assim, isso não quer dizer que simplesmente esperamos por um karma particular impresso ou dívidas ou heranças que evaporam ou desaparecem, antes que alguma coisa possa ser feita.

A teoria kármica do budismo não é semelhante ao fatalismo ou predeterminação. Nós temos poder de escolha (livre arbítrio) em nossas ações. Se não tivéssemos, então a teoria kármica poderia verdadeiramente produzir julgamentos e atitudes moralistas, e os ensinamentos do Buda seriam muito menos inspiradores e muito menos efetivos.
A teoria kármica não tem se fixado em particularidades como essa e não está ligada a uma ordem moral estática. Evidentemente que um elemento de determinismo está envolvido e isso deve ser aceito. Nós somos quem somos por causas de nossa herança kármica.

Poderíamos não ser como nós somos sem essa herança, mas isto não significa que temos que permanecer assim. O ponto em questão é que a teoria kármica nos encoraja a pensar:

“Eu posso me transformar na pessoa que eu quero ser e não insistir naquilo que já sou”. Esta seria uma compreensão adequada da teoria budista de karma.

Traleg Kyabgon Rinpoche
1 compartilhamento
Tags: karma destino

Elogio e crítica, ganho e perda, prazer e dor vem e vão como o vento. Para ser feliz, descanse como uma árvore gigante no meio de todos eles.

Buda
13 compartilhamentos
Tags: impermanência felicidade

"O homem sábio busca a sabedoria, o tolo pensa que a encontrou".

Provérbio Persa

Anônimo
1 compartilhamento

QUEM FOI SEU MESTRE?

Quando o grande místico sufi Hasan estava morrendo, alguém lhe perguntou: "Hasan, quem foi seu mestre?".

Ele respondeu: "Tive milhares deles. Se apenas enumerasse seus nomes, levaria meses, anos, e agora é tarde demais. Mas certamente lhe contarei sobre três Mestres.

"Um deles foi um ladrão. Uma vez me perdi no deserto, e quando cheguei a uma aldeia já era muito tarde, tudo estava fechado. Mas finalmente encontrei um homem, que tentava fazer um buraco na parede de uma casa. Perguntei-lhe onde poderia ficar, e ele respondeu: " A esta hora da noite será difícil, mas pode ficar comigo se for capaz de ficar com um ladrão!".
"E o homem era tão harmonioso- fiquei por um mês! E toda noite ele dizia: "Estou indo agora a meu trabalho. Vá descansar e rezar." E quando ele voltava, eu lhe perguntava: "Conseguiu algo?, e ele respondia: "Esta noite não. Mas amanhã tentarei novamente, e se Deus quiser..."Ele nunca se desesperava, e estava sempre feliz.

"Quando eu meditava e meditava por anos a fio, e nada me acontecia, muitas vezes havia momentos em que ficava tão desesperado, tão sem esperanças, que pensava em parar com toda aquela bobagem. E de repente me lembrava do ladrão que toda noite dizia: "Se Deus quiser, amanhã vai acontecer".

"E meu segundo mestre foi um cachorro. Eu me dirigia a um rio, sedento, e um cachorro apareceu, também com sede. Olhou para o rio, vendo lá outro cachorro - sua própria imagem - e ficou com medo. Ele latia e se afastava correndo, mas sua sede era tamanha que acabava voltando. Finalmente, apesar do medo, simplesmente pulou na água, e a imagem desapareceu. E eu sabia que aquela era uma mensagem de Deus para mim: devemos dar o salto, apesar de nossos receios.

"E o terceiro Mestre foi uma pequena criança. Cheguei numa cidade, e uma criança estava carregando uma vela acesa. Ela se dirigia à mesquita, para lá depositar a vela. "Apenas por brincadeira, perguntei ao menino :"Você mesmo ascendeu a vela?. Ele respondeu: "Sim, senhor". E continuei: " Houve um momento em que a vela esteve apagada, depois houve outro em que ela se ascendeu. Você pode me mostrar a fonte da qual a luz veio?".
"E o menino riu, assoprou a vela, e disse: Agora você viu a luz se indo. Para onde ela foi? Diga-me!

"Meu ego e todo o meu conhecimento ficaram despedaçados. E naquele momento senti minha própria estupidez. Desde então abandonei toda a minha erudição".

Osho
2 compartilhamentos
Tags: sabedoria mestres

Como as queixas afetam nosso cérebro?

Um amigo encontra o outro. Em cinco minutos, o primeiro está sobrecarregado e sem palavras por ouvir as queixas de seu interlocutor. Queixas sobre os pais, o irmão, a falta de emprego, a ausência de um parceiro, o mau serviço de saúde, a falta de consciência de seus vizinhos e as medidas arbitrárias tomadas pelo governo.

Há situações na vida que, sem dúvida, merecem reclamações, como uma reação natural para liberar tensões acumuladas pelo próprio evento. A perda de um familiar próximo, ser despedido por causa de um corte de pessoal, divórcio ou doença grave, são experiências dolorosas para as quais uma queixa pode despertar a nossa empatia.


"Ele tinha sido um homem que se deleitava com o quanto sua vida era assustadora, e ele preferia se queixar do que mudá-la".
-John Katzenbach-

No entanto, algumas pessoas fazem das queixas seu pão diário. Além disso, eles pensam que todas as "pessoas boas" do mundo são obrigadas a ouvir uma e outra vez aqueles lamentos, porque, de outra forma, eles provariam que são insensíveis ou egoístas.

Queixas contemporâneas

Viver na idade atual não é fácil. Somos constantemente bombardeados por notícias dolorosas ou preocupantes. Além disso, devemos tolerar chefes ou colegas negativos, sem contar os problemas pessoais aos quais estamos expostos, como perdas, doenças e um saco cheio de situações que às vezes nos sufocam.

Diante de tal cenário, geralmente temos duas opções: Analisar cada situação e procurar a saída mais adequada ou resistir e adotar a posição da queixa. O que é preocupante nesta segunda opção é que isso se torne um hábito, que nos limite em nossas potencialidades e gere uma atitude negativa naqueles que nos rodeiam.

Podemos pensar que a queixa é uma espécie de catarse em face das pressões e ela pode sim, às vezes, cumprir esta função. No entanto, a queixa pode tornar-se, sem que o notemos, um hábito que repetimos como um círculo vicioso e que, com o tempo, se tornará a resposta automática às dificuldades.

Consequências em nosso cérebro

De acordo com pesquisas realizadas por vários neurocientistas, da freqüência e da intensidade emocional com a qual reclamamos dependerá que nosso cérebro sofra mudanças significativas. Isso ocorre porque, durante esta condição de frustração e impotência constantes, o cérebro lança hormônios como noradrenalina, cortisol e adrenalina que acabam alterando o funcionamento normal desse órgão.

Alguns cientistas até afirmam que estarmos expostos à queixa repetidamente, deterioram ou eliminam as conexões neurais presentes no hipocampo do nosso cérebro. Essa é precisamente a área encarregada de encontrar soluções para os problemas que nos afligem.

A insistência na queixa é uma forma de condicionar-nos negativamente, que gera rejeição nos outros e acaba deteriorando nossa família, parceiro ou relações de trabalho. É uma condição de dependência e, portanto, de imaturidade e passividade diante de problemas.

O que podemos fazer?

As coisas dificilmente serão o que queremos que elas sejam, então por que ser frustrado e amargo sobre o que não vai mudar, porque está além do nosso controle? Não seria mais razoável ter uma atitude mais flexível e assumir um comportamento mais adaptável, o que nos permite ter melhores opções em nossa vida?

A energia que usamos para reclamar é a mesma que precisamos para superar a adversidade. Modificar esse tipo de comportamento sempre será uma opção. É verdade que, em face de certas situações, é saudável se queixar, e é um direito do qual devemos fazer uso, porque também faz parte de nossas alternativas e fortalece nossa auto-estima.

Para superar esse cansativo hábito de queixa, é importante começar por analisar problemas de cabeça fria e avaliar o que podemos fazer, como e quando? Aprenda a interpretar as coisas de forma diferente, menos autodestrutiva e mais proposital. Não tentemos mudar o mundo dos outros, mas façamos um esforço para melhorar o nosso.

Para tê-lo presente

Há situações em que a queixa se torna uma estratégia consciente ou inconsciente de manipulação. O infractor experimenta a culpa e a maneira de disfarçar essa culpa é despertar nos outros sentimentos de compaixão ou solidariedade, a fim de não ter que enfrentar com responsabilidade as conseqüências de suas ações.

A queixa é um estado de mal-estar que tende a se perpetuar, uma condição que produz sofrimento, mas ao mesmo tempo um prazer negativo. Esta satisfação duvidosa pode ser resolvida com ajuda terapêutica, o que permite que ela se transforme em prazeres positivos, isto é, um desejo ativo, para superar esse estado de passividade diante da vida.

Edith Sánchez
1 compartilhamento
Tags: queixas reclamações

"Sempre que você estiver conversando com alguém, verifique se você está sentindo necessidade de defender seu ponto de vista. Verifique a vontade de tornar a sua opinião mais importante do que a opinião do outro. Se essa vontade de “estar certo” aparecer em você, saiba que é o EGO. O ego tem necessidade de estar certo. Para o ego, estar errado é a morte. Para satisfazer sua necessidade de estar certo, o ego se comunica com outros egos através da discussão ou da validação. Na discussão, o ego vê o seu ponto de vista sendo atacado, por isso ele reage e contra-ataca. É interessante perceber os recursos primitivos que ele utiliza, como aumentar o volume da voz, modificar a entonação da voz para torná-la mais dramática, fazer gestos ou posturas ameaçadoras, entre outros apelos emocionais. Já na validação, o ego encontra pessoas com pontos de vista semelhantes aos seus, e assim se sente “entre amigos”. Durante a validação, os egos “amigos” se inflam através do ataque às pessoas “que não conhecem a verdade”, ou seja, que têm opiniões contrárias às suas. Mas perceba que esses “amigos” só são “amigos” do ego enquanto compartilham opiniões semelhantes. Quando mudam de assunto e as opiniões se tornam conflitantes, a discussão começa novamente.
Enquanto a humanidade continuar vivendo no estágio atual, que é o relacionamento entre egos, não haverá comunicação verdadeira. Enquanto houver necessidade de se defender e atacar, não haverá espaço para ouvir o outro, não haverá espaço para compaixão, que é reconhecer a si mesmo no outro. Quando você descobre sua verdadeira natureza além desse ego frágil e carente, não há mais necessidade de se defender, não há mais necessidade de atacar, não há mais necessidade de estar certo. É claro que você pode expor seu ponto de vista com firmeza. Você pode continuar concordando ou discordando, normalmente.
Mas você pode se libertar do vício de estar sempre certo, e você pode perder o medo de estar errado. Se você busca a verdade em si mesmo, então deve reconhecer que pode não estar certo todas as vezes. Para sua verdadeira natureza, estar certo ou errado não faz a menor diferença. Estar certo não vai torná-lo melhor do que ninguém, e estar errado não vai torná-lo menos digno."

Osho
2 compartilhamentos

Nada é mais agradável do que uma carícia desnecessária.

Alejandro Jodorowsky
1 compartilhamento

O que chamam de “amor livre” pode ser um machismo disfarçado:

Dizem por aí que amor livre é quebrar os moralismos, ser dona de si, não se prender a nada e a ninguém. Mas eu acho que nisso tudo há alguns poréns.

Se por um lado tantas crenças do passado faziam a mulher ter o corpo fechado, nessa nossa liberdade anunciada de agora, em que a gente se abre totalmente, não se cuidar, se proteger, se conhecer e se amar, torna esse outro extremo da realidade tão ruim quanto antes.

Pode ser que viver o amor livre seja uma forma mais moderna de exercitar o machismo e tornar o corpo da mulher ainda mais território público, já pensou nisso?

Por mais que a gente saiba o que quer, do que gosta. Por mais que a gente veja e tenha consciência. Para se cuidar, se respeitar e realmente ser livre, é preciso uma observação profunda, é preciso encarar medos e quebrar mitos. É preciso primeiro viver por dentro a mudança e depois estar (diferente) no mundo.

Não adianta sair de nariz empinado, mostrar segurança nos passos, soltar o corpo e a mente, se no dia seguinte a gente chora sozinha, a gente espera a mensagem que não chega, a gente quer um carinho, a gente se torna possessiva, competitiva, insegura…

E eu não estou defendendo a síndrome de princesa e muito menos querendo voltar no tempo! Eu acho que a gente tem que ser o que bem queira: rainha, gatinha, tigresa…

Mas desde que a gente se conheça. Porque me parece que ainda hoje, entre tantas mulheres que se dizem evoluídas, soltas e livres, a briga é competitiva e é pela conquista do troféu fálico.

E, na minha opinião, deveria ser bem o contrário. Se fosse liberdade mesmo isso que a gente vive, as pessoas estariam sorrindo, se amando, se curtindo, se respeitando mais do que se machucando.

As mulheres podem ter conquistado muita coisa, mas a gente ainda busca ser amada, respeitada e livre. Ainda é tão forte essa luta.

Tanto faz se poderosa ou fracassada, sozinha ou acompanhada. Ao invés da gente alimentar nossas carências, nos abrindo para qualquer mané ou cara e não receber nem um terço do que a gente precisava, é melhor encarar a empreitada de curtir a nós mesmas acima de tudo e valorizar o nosso profundo.

Que a gente perceba que liberdade mesmo é despir-se de corpo e alma, e que se for só pela metade não vale a pena, não vale a noitada, não toca a nossa verdade e o voo se torna raso, é uma prisão disfarçada…

Então, que só entre na gente (na alma, no corpo, no espírito) o que fizer sentido, o amor que nutre, a liberdade que alivia.

Clara Baccarin
1 compartilhamento
Tags: amor livre

Eu gosto de gente doida.

Gente que coloca cor na vida, que fala demais, que tem ideias próprias e impróprias, que perde o senso e os limites do politicamente correto e do permitido. Que fala alto, que ri alto, que vive alto. Que canta, mesmo desafinando. Que dança, mesmo descompassando. Que é bobo alegre e feliz por nada. E quando triste, sabe fazer piada.

Gosto de gente que não fere ninguém, assim diretamente, às vezes só com as indiretas.

Pessoas doidas e livres, que são o que são. Que têm a liberdade de não enxergar os seus excessos. Que não se podam. Que têm opinião sobre tudo e que são donas de suas verdade – apesar de sabe-las efêmeras. Seus mundos são fantasias concretas. E tão estáveis quanto uma nuvem.

Perdem horas palestrando sobre seus universos e vivem neles diariamente. Não querem sair, querem que as pessoas entrem.

Gosto de gente doida, que se diferencia, e que por isso inspira.

Gente que escancara as portas do peito e deixa a vida entrar.

Gente que se move, que discorda, que sofre, que não se entrega, que não sabe voltar a ser o que era, se é que já foi, algum dia, outra coisa além de doida.

Gente que tem personalidade, tanta, que vira história, que vira referência, que vira centro das atenções e nem precisa subir num palco. Gente que vira assunto naqueles momentos chatos.

Gosto de gente forte na doidice. Gente assumida! Que saiu do armário ainda criança.
Eu sigo essa gente, eu rio com essa gente, eu choro com essa gente, eu me encontro nessa gente.

Eu fico hipnotizada com os doidinhos que equilibram a falta de sensatez do mundo.

Clara Baccarin
2 compartilhamentos

Nenhuma sociedade quer que você se torne sábio. Isso é contra o investimento de todas as sociedades.
Se as pessoas se tornarem sábias elas não poderão ser exploradas. Se forem inteligentes elas não podem ser subjugadas. Elas não podem ser forçadas a levar uma vida mecânica para viverem feito robôs.
Elas irão afirmar, irão afirmar a individualidade delas, irão ter ...a fragrância da rebeldia ao redor delas.
Elas vão querer viver em liberdade. A liberdade chega intrinsecamente com a sabedoria, são inseparáveis.
E nenhuma sociedade quer que as pessoas sejam livres.
A sociedade comunista, a sociedade facista, a sociedade capitalista; os Hindus, os Cristãos, os Maometanos.

Nenhuma sociedade deseja que as pessoas usem a inteligência, pois no momento que começam a usar elas se tornam perigosas.
Perigosas para o sistema, perigosas para aqueles que estão no poder. Um perigo para todo tipo de opressão, exploração, repressão. Perigosas para as igrejas, perigosas para os estados, perigosas para as nações.

Osho
1 compartilhamento
Tags: inteligência liberdade

Algumas preciosidades morrem baixinho, em degradê. Como morrem as tardes. Como morrem as flores. Como morrem as ondas. Quando a gente percebe, já é noite e o céu, se está disposto a falar, diz estrelas. Quando a gente percebe, as pétalas já descansam o seu sorriso no colo do chão. Quando a gente percebe, o canto da onda já enterneceu a areia. Muitas dádivas que nos encontram, que nos encantam, têm seu tempo de viço, sua hora de recado, e seu momento de transformação em outro jeito de lindeza.

A noite também é bela do jeito dela. As pétalas caídas viram húmus para fertilizar o solo que dirá a vez de outras flores sorrirem. A areia molhada conta a canção da onda e da sua acolhida terna para a nossa vida descalça. Lutar contra a impermanência da cara das coisas é feito tentar prender o azul macio das tardes, segurar o viço risonho das flores, amordaçar as ondas. É inútil.

Costumamos esquecer que não podemos impedir a mudança: tudo dança a coreografia sábia e implacável da impermanência. Mas a música daquilo que verdadeiramente nos toca com amor, não importa o quanto tudo mude - e tudo muda -, não deixa nunca mais de tocar e viver, de algum jeito, no nosso coração.

Ana Jacomo
12 compartilhamentos
Tags: impermanência

A ilusória sensação de abandono
Dentro de nós reside um ser abandonado. Que surgiu em vários momentos em que não nos sentimos vistos e validados pelo papai ou pela mamãe. Às vezes, por ambos. Este ser tem medo de ser abandonado novamente, e faz de tudo para ser visto, aceito, incluído. Usa diversas estratégias: desde ser o melhor, para impressionar e agradar o outro, até confrontar e manipular, obrigando o outro a amá-lo. Mas ele sabe que, no final, não conseguirá "se sentir pertencendo". Afinal, ele é "o abandonado".
Imerso nesta energia, nesta máscara moldada na dor da perda de atenção do pai ou da mãe, subornamos nossos amores, amigos, clientes... quanto maior a dor, maior a estorção: me vejam!!! Olhem pra mim!!!
Depois... cedo ou tarde, o abandonado se isola. Se retira. Acaba até abandonando. E a promessa está realizada. Fui abandonado!
A relação afetiva acaba. O emprego perde o sentido. A família é deixada. Grupos desfeitos. Amigos esquecidos. Até Deus é abandonado.
E então, começamos tudo novamente. A busca pela aprovação. Pela validação. Pela inclusão. Em novos grupos. Novas relações. Novos trabalhos. Novos caminhos espirituais. Queremos muito pertencer, mas não nos sentimos pertencentes...
Cabe urgentemente a necessidade de aprender a lidar com a sensação de abandono. Ela é uma imagem do passado. E todos os sentimentos agregados que o abandono traz: raiva. Medo. Auto comiseração. Competitividade. Sedução. Culpa. Sim, me senti abandonado e ninguém poderá mudar isso. Dói muito. E não há o que fazer.
Diga ao seu "ser abandonado": preciso validar você, dentro de mim, que sofre. Eu, pelo menos, não irei abandoná-lo.
Mas também não irei seguir suas estratégias, que me levarão, cedo ou tarde, ao isolamento. Eu e você não precisamos sofrer mais do que já sofremos. Pra que agradar todo mundo? Pra que manipular? Amarrar a família, os amores, os amigos, os parceiros? Confrontar o mundo? Isso de nada adiantará.
Faz-se necessário aprender a lidar com a impermanência das relações. Todas elas, um dia, acabarão. Alguém sempre será deixado. Nem por isso, devemos apressar o andar da carruagem. O abandonado é somente o ponto de vista infantil de alguém que não aceitou a dor da partida. O sábio, dentro de nós, não olha para quem vai. Nem para quem chega. O sábio está presente. E sorri quando alguém vem. Se enternece quando alguém vai. Sabe lidar com os sentimentos - agradáveis ou não, e não os vincula às pessoas. Pessoas despertam nossos sentimentos. Os sentimentos são sempre "nossos". Independem do outro.
Lidar de forma madura com eles - os sentimentos, despersonalizando-os, é a maior lição. E se não damos conta de lidar com o nosso "abandonado", nem com as dores provocadas pelos inúmeros abandonos que vivemos, e outros que patrocinamos, há que se ter a força hercúlea de pedir para que Algo Maior nos ajude. Pelo menos uma vez na vida, o "abandonado" precisará ceder e deixar o seu maior defeito de lado: o orgulho. E então pedir ajuda. E abrir-se para receber a ajuda. Na forma que ela vier. De quem ela vier.
Ela virá.

Alex Possato
2 compartilhamentos