Coleção pessoal de lucas_nunes

121 - 140 do total de 160 pensamentos na coleção de lucas_nunes

"Se Nietzsche, Proust, Baudelaire ou Rimbaud sobrevivem às flutuações da moda, o devem à gratuidade de sua crueldade, à sua cirurgia demoníaca, à generosidade de seu fel.
O que faz durar uma obra, o que a impede de envelhecer, é sua ferocidade.
Afirmação gratuita?
Considere o prestígio do Evangelho, livro agressivo, livro venenoso entre todos."

Emil Cioran in Silogismos da Amargura

Conheço as suas obras, sei que você não é frio nem quente. Melhor seria que você fosse frio ou quente!
Assim, porque você é morno, nem frio nem quente, estou a ponto de vomitá-lo da minha boca.

Apocalipse 3:15,16

Na tua ausência eu escrevo poemas para ninguém. Na tua ausência eu sou um poeta de férias.

Diego Moraes

Você é um minuto de silêncio num mundo que grita feito louco embaixo do viaduto.

Diego Moraes

A solidão não tem nada a ver com cores ou ausência de música. É algo patético. É o silêncio de fantasmas tateando cadáveres na neve.

Diego Moraes

Às vezes bate solidão e entro numas de sentar na cadeira de balanço e chorar fumando derby olhando pras nuvens.

Diego Moraes

Apenas escrever possui algum valor, a escrita nascida das tensões mesmas da vida, das obsessões orgânicas e das intuições surgidas da solidão e da noite.

Emil Cioran

Quando não tivemos a sorte de ter pais alcoólatras, devemos nos intoxicar toda a vida para compensar a pesada herança de suas virtudes.

Emil Cioran in Silogismos da Amargura

Nos primeiros anos de minha juventude, só me seduziam as bibliotecas e os bordéis.

Emil Cioran

Domingo é uma velha ex-stripper com Alzheimer.

Diego Moraes

Logo se afastou, já era de noite. Tomou sua cerveja gole a gole. Já não tinha gosto de vinagre. É assim. O ser humano se acostuma com tudo. Se todos os dias nos derem uma colherada de merda, primeiro a gente reage, depois a gente mesmo pede ansiosamente a colherada de merda e faz de tudo para comer duas colheradas e não só uma.

Pedro Juan Gutiérrez in Rei da Havana

Depois do jantar, Rey saiu andando pela praia. Estava cansado. Ouvia o suave rumor das ondas sobre a areia. Não havia brisa e fazia muito calor. Tirou os tênis e pisou na areia úmida, na água cálida. Tirou o short. Deixou tudo jogado na areia e entrou no mar totalmente nu. A água morna e negra o rodeava. Teve uma sensação estranha e voluptuosa. Fechou os olhos e sentiu-se abraçado pela morte. Não havia brisa nenhuma. A água quente, a escuridão infinita que o rodeava. O terror de se afogar, porque não sabia nadar. Manteve os olhos fechados e se abandonou, flutuando de bruços, com o rosto dentro da água. Sentiu-se atraído por aquela sensação deliciosa de ir embora para sempre.

Pedro Juan Gutiérrez in Rei da Havana

O tempo dos pobres era diferente. Não têm dinheiro, e por isso não têm carro, não podem passear e viajar, não têm bons aparelhos de som, nem piscina, não podem ir aos sábados ao hipódromo, nem entrar nos cassinos. O pobre num país pobre só pode esperar o tempo passar e chegar a sua hora. E nesse intervalo, desde que nasce até morrer, o melhor é tratar de não arrumar encrenca. Mas às vezes a gente, sim, arruma encrenca. Ela cai do céu. Assim, grátis. Sem a gente procurar.

Pedro Juan Gutiérrez in Rei da Havana

Ah, a fome cozinhou sua cabeça. Não enxerga, nem entende mais nada.
Olhe aqui, escute. - Passou-lhe um braço pelos ombros e apertou, camarada. - Beba um trago. Não tem que comer nada. O que tem que fazer é beber, e esquecer as tristezas. As tristezas de amor, de saúde e de dinheiro. A gente vem no mundo pra sofrer. Neste vale de lágrimas

Pedro Juan Gutiérrez in Rei da Havana

O que acontece é que um romance não é escrito nem com o cérebro nem com as mãos. É preciso estar disposto a se esfolar. Você se esfola, tira a pele, fica em carne viva, e então se atira no despenhadeiro do romance até o fundo do precipício. Se batendo, se ralando e quebrando os ossos contra as pedras. É o único jeito. Quem não se atrever a fazer assim é melhor deixar o lápis e o papel sobre a mesa e se dedicar a vender tomates ou entrar para o ramo imobiliário.

Pedro Juan Gutiérrez

Não tenho motivos para ser amável, nem para fazer concessões. O escritor no fundo é um sujeito amargurado, confuso, sem explicações para nada, e pouco lhe importa se o compreendem ou não. Se é bem ou mal recebido. Se é simpático ou antipático. Se tem dinheiro ou é um morto de fome. Se você é escritor, tem que saber que essas são as regras do jogo. Do contrário, você é um palhaço. E vai ter sempre alguém por perto tentando transformar você em palhaço.

Pedro Juan Gutiérrez
20 compartilhamentos

Enfim, esses ciúmes de mulher. Que eu nunca entendo porque são polvilhados de um egoísmo vulgar, de bolero barato. Só se deve ter ciúme do que vale a pena, do que é verdadeiramente importante. Não devemos desgastar-nos sentindo ciúme de tudo. Mas as mulheres não pensam assim. São capazes de sentir ciúme do ao mesmo tempo e com igual intensidade e veemência do marido, do amante, e de dois namorados. Têm muita habilidade para a vida. Ou muito sentido pragmático.

Pedro Juan Gutiérrez
24 compartilhamentos

A verdade só pode ser dita nas malhas da ficção.

Jacques Lacan
112 compartilhamentos

A pátria, a honra, a liberdade...Nada disso!
O Universo gira em torno de um par de nádegas e isso é tudo...

Jean-Paul Sartre
27 compartilhamentos

“Um gênio a procura de emprego: eis aí uma das visões mais tristes deste mundo. Não se encaixa em lugar nenhum, ninguém o quer. É desajustado, diz o mundo”.

Henry Miller
237 compartilhamentos