Coleção pessoal de israelwest

1 - 20 do total de 304 pensamentos na coleção de israelwest

"Nós, os artistas (desculpe-me o plural), temos direitos diferentes das pessoas normais, pois temos necessidades diferentes, que nos colocam acima - é preciso que se afirme e acredite - de sua moral. O seu dever é não se consumir jamais no sacrifício. O seu dever real é salvar seu sonho. A beleza tem seus direitos dolorosos: cria, porém, os mais belos esforços d'alma"... "As personagens de Cézanne, , como as belas estátuas antigas, não tem olhar. As minhas personagens, ao contrario vêm. Elas vêm mesmo quando acreditei que não devia pintar-lhes pupilas; mas, como as personagens de Cézanne, elas não exprimem mais do que muda aquiescência á vida"

"Aquilo que procuro não é real nem o irreal, e sim o inconsciente, o mistério do que há de instintivo na raça humana".
'A beleza tem seus direitos dolorosos: cria, porém, os mais belos esforços da alma'... "Nosso único dever é salvar nossos sonhos..."

miguel westerberg
1 compartilhamento
Tags: portugal europa

Cântico dos desesperados

Caminhais por entre o fio da navalha
E de pés ensanguentados cambaleias
Temendo a direção do norte
Como também o caminho imaginário
Que se diz ser do sul.Resumis um todo a uma escala mínima
E mesmo assim vossos sonhos são tão iguais
Aos que sempre vão pensando alto…
Eis a sina dos que bebem água turva pela manha,
O quanto basta para que vossa voz se confunda
Com a razão que tendes, mas que sempre vos tiram.

Conflitos e dores numa palavra tão simples
Que vos levara ao progresso,
Mesmo que este progresso esteja tão distante
E ninguém entre vós há que vos desperte.

Caminhais sobre o fio da espada
E aqueles que se dizem entender sobre vós
Nada sabem e nada fazem.

Panfletos que se perdem na virada do tempo
A mistura de seres sempre desesperados
Quando os vossos lamentos e cânticos se abafam
E todo mundo se encontra as escuras.

Gritais e não há entre vós um só que vos escute,
Bolívia não esta mais entre vós outros,
Ché foi morto por todos aqueles que se diziam
Protetores.

Existência e identidade de um povo
América do sul de todos os adormecidos,
Quando sobre o fio da cruel espada ensangüentada
Que lentamente a todos vos mata…
E ressume cada instante quando por entre as trevas
Nada mais se avista do que as próprias trevas.

Murmúrios, sobre telhados quebrados…
Em pleno amanhecer tão estranho e sempre tão doloroso.

Deus meu, deus meu… Será que entre nós
Existe alguém capaz de fazer frente a esta tão estranha
Manha sempre tão densa e sempre serrada?

Escrito quando viajei pelo
Paraguai – Asunción

miguel westerberg
1 compartilhamento
Tags: paraguay patria

Nove horas da manhã
O som do teclado toma forma…
As suas mãos correm e se perdem

Na busca de novas melodias
Lá fora as mesmas coisas…
O movimento constante de sempre.
Em um se estar em parte alguma
Muitas das vezes incerta.

Será que estou só?…
Ou será que a vida se reduz apenas
A este momentâneo apenas?Na verdade,
gostaria de saber
Qual seria o ponto final disto tudo…
Murmurou ela e continuou…
Para onde vamos?
Se é que vamos
Para algum lugar.

miguel westerberg
1 compartilhamento
Tags: portugal europa

Nordeste

As serras ao longe brilham em meu peito
E o tempo aqui é hora morta
Quando ao meio dia os pássaros adormecem
Debaixo das copas das poucas arvores
E uma carreta envelhecida com um jumento cansado
Que vai Murmurando e maneia a cabeça
De um sol agreste que o vai queimando.

As terras secas em vales profundos
E um povo amável do fim do mundo
Que Suspira e respira a poeira das fabricas
Do gesso absurdo.

Enfim no fim de tudo
Nem uma escultura gesso existe neste pequeno
Paraíso de um Adão e de uma Eva
Para que a memória dos seus antepassados
Deixe de ser escura.

miguel westerberg
1 compartilhamento
Tags: brasil pernambuco

ALVORADA

O tempo e tudo que fazemos com ele
as palavras e os sorrisos disfarçados,
as memorias as que retenho e as saudades dos que amo.

Os sonhos arquivados nas prateleiras,
o pó entre as memorias das coisas simples,
e de novo os sonhos que ninguém sonha como eu sonho
porque me debato antes de qualquer alvorada.

De novo eu e só entre o fim e o principio de tudo
que eu mesmo escolhi e aqui moro no lugar
por nome Fim do Mundo.

E que Mundo é este?

Saberás tu me responder a cerca das coisas simples,
fala me e e me responde e eu te direi tantas coisas,
as coisas que moram entre a razão e o coração.

O meu coração que bate tão pouco,
porque pouco ou nada tem...
e a razão que perco porque tão mal a entendo.

Saberás tu o dia que escurecera todas as manhas,
o dia que que alvorada deixar de existir?

O tempo o meu e o dos outros
que me acompanham lado a lado.

miguel westerberg
1 compartilhamento
Tags: portugal europa

Ofélia

Tudo em ti reluz como as joias da coroa do Rei,
tudo em ti é serena e calma manha,
os sonhos dos homens são como a areia junto ao atlântico
e tu és eterna entre os lábios dos poetas mesmo que adormecidos...

Há noite, tu deitastes e a lua resplandece sobre teu corpo,
de dia o sol és tu mesma quando passas,
porem nós homens nos perdemos nas sombras
e falamos apenas com o coração.

Ofélia doce madrugada dos apressados e dos caídos,
Ofélia das aguas límpidas e das lágrimas sinceras
porque em teu rosto existe o sonhos
dos que ainda amam e choram por ti.

miguel westerberg
1 compartilhamento
Tags: portugal europa

SEM TERRA

A terra que me ad comer
o pó que todos carregamos
a sol que queima pela tarde
e alma que viaja sem ninho.

O grito dos que nada tem,
o sonho inacabado dos cansados,
as palavras em forma de sinais
e os homens presos a estrada.

A volta de uma volta redonda,
a terra que é de ninguém,
o vale seco e triste
dos que nada tem nem o bem.

De terra em terra alheia,
o povo saiu para nada,
e no meio de tanta poeira
o que resta são dores e magoas.

Meu sonho atrasado
minha vida sem preço,
meu nome arquivado
só fala da desgraça sem a Graça.

Verde e amarelo
é meu grito,
o grito sufocado pela poeira e pela estrada,
aqui no locar esquecido
pelos capitães e generais sem praça.

miguel westerberg
1 compartilhamento
Tags: brasil pernambuco

PORTUGAL

Seca me a boca por ti o Pátria decapitada,
porque hoje em ti o lugar esta
deserto de alma ferida e abandonada...

Seca os olhos porque os que por ti
entraram eram como mensageiros,
profetas e poetas semi adormecidos
pela preguiça causa por tão poucos.

E vós ó aves de rapina que devorais
ate ao própria manha clara,
porem o Pátria amada, submissa e cansada
teus filhos fugiram de ti antes de qualquer dor e magoa.

Tu que eras a invicta, a Mãe minha e Pátria semi acabada,
tu que tinhas sobre ti as caravelas e os heroes escrito nas estrelas,
sim, tu que vinhas por esses mares escuros
e tu que desafiastes o Adamastor,
hoje em ti não resta mais nada de nada...
porque todos os teus filhos chora
por ti o pátria minha e amada.

Peregrinos e mensageiros teus filhos se tornaram,
desterrados e abandonados por todos aqueles
que nada sabem e nada fazem.

Bastardos e corrompidos pela loucura de uma Europa
sem luz... loucos e guias de cegos,
amantes de si mesmos que venderam a própria Mãe
como escrava as nações e reinos distantes.

Porem um dia teus filhos ande voltar,
mais fortes porque o amor por ti é infinito
ó Pátria minha senhora e amada.

Teu império ainda não esta comprido
e tu chama ainda não esta apagada,
pois voltaremos do desterro
antes que chegue a madrugada.

E tu o Pátria minha e abandonada
julgaras nesse dia,
um por um de todos aqueles
que te venderam a preço de nada
e serás reedificada.

miguel westerberg
2 compartilhamentos
Tags: portugal europa

Seja bem vindo ao futuro incerto E analise o que pretendemos realmente? E qual é o caminho que devemos seguir para que a famosa palavra Igualdade tenha uma razão de ser e se prenunciar.

miguel westerberg
2 compartilhamentos
Tags: globalização medo

Hoje escrevo o que todo mundo já sabe, mas são tão poucos os que realmente querem ver e agir. Não falarei apenas como um Pai, mas falo como um cidadão do mundo, deste nosso mundo que anseia urgentemente que despertemos deste logo sono e sonho o do MEDO E QUE MEDO É ESSE? PENSE NISTO.
OBRIGADO.

miguel westerberg
1 compartilhamento
Tags: globalização medo

Tenho um filho que tem 17 anos, um jovem pacifico e inteligente que nasceu num planeta confuso. Um jovem que quando paro e olho por um longo tempo para ele, fico como pasmado e me obriga a chorar. Afinal esta é a herança que estamos a deixar para os nossos filhos. A inercia, a impotência de se nada fazer. Afinal sera que já chegamos ao ponto de perder as emoções , de sentir e compreender que se continuarmos nesta direção, acabaremos instintos.

miguel westerberg
1 compartilhamento
Tags: globalização medo

Os povos, o que são os povos? Quando a desigualdade é visível por toda a Terra.

miguel westerberg
1 compartilhamento
Tags: globalização medo

Temo por o futuro incerto, apenas porque os de mais também temem e não nada fazem para melhorar a vida de cada um de nós aqui na Terra, nada mais é que a inercia perante um cenário tão simples de se poder agir.

miguel westerberg
1 compartilhamento
Tags: globalização medo

Criamos fronteiras no lugar que antes era espaço aberto.
Dos velhos arados criamos armas de guerra para defender as tais fronteiras e com isso, nos aprisionamos e ganhamos um premio, que o é MEDO de agir.

miguel westerberg
1 compartilhamento
Tags: globalização medo

Eu observo, que aqueles que tem o poder de agir, mergulham dia a pós dia no seu ego centrismos, es um eu em que voz não tem som algum e é por isso que o nosso planeta vai de mal a pior.

miguel westerberg
1 compartilhamento
Tags: globalização medo

Eu observo e ate que compreendo o porque que a humanidade padece, é o medo de aprisionamento neste nosso mundo tão mesquinho e incapaz de ir a alem das estrelas.

miguel westerberg
1 compartilhamento
Tags: globalização medo

Foi no Sertão Nordestino, que Deus entre o pó da terra fez o homem e Ele pela primeira vez chorou

miguel westerberg
1 compartilhamento

o meu sono e tão pesado,
Que me faz sonhar sempre as mesmas coisas...

Um pássaro que dança sobre um céu azul cristalino que corta ao vento,
Uma criança que se erguem e vê a sua sombra de um tamanho acima de si.

miguel westerberg
1 compartilhamento

Sometimes


I tear a stamp inside me
And I annihilate the words that consume my soul...
To scream, what for?
You really know I tell about you
When I am all alone and I murmur for the distance
That there is always between us .

A long kiss lost in the silence Of an eternal night is enough to make my soul calms down.
But even so I am all alone Lost inside myself Always in the search for an impossible dream, That delays in coming.

Sometimes, so many times I interrogate myself
In the morning and in the falling of the night
If everything is worthwhile.

If the reason of my existence had any middle or a purposed end, after all we are so many That feel and see life like this and the rest is the whole that we will never understand.
I tear inside me an Inexplicable border, so that my life starts to make any sen .

Then I repeat so many other things...
itAnd you who think you are a woman, but you are not You are just a lost poem inside me since I was born to love you And suffer as nobody else suffers As I do it suffer for you.

Art, love and pain

They are the reason of all my suffering।
Who knows one day, even if it's late,
The world recognizes all the things that are hidden from the men's eyes today.

The color and strange lines are everything I leave you
As notes of a music
That has a form of a nymph or an angel
The mystery of life and the occultism that there are
When it seams to be so strange.

Lateness is just a moment inside the infinite...
Late when I even leaving forever, here I stay.

miguel westerberg
1 compartilhamento
Tags: global arte

Existência e identidade de um povo
América do sul de todos os adormecidos,
Quando sobre o fio da cruel espada ensangüentada
Que lentamente a todos vos mata...
E ressume cada instante quando por entre as trevas
Nada mais se avista do que as próprias trevas.

Murmúrios, sobre telhados quebrados...
Em pleno amanhecer tão estranho e sempre tão doloroso.

miguel westerberg
1 compartilhamento