Coleção pessoal de camilasenna

161 - 180 do total de 248 pensamentos na coleção de camilasenna

Pista molhada e toda uma jornada...
Ando eu ao relento...
Encantada com a madrugada,
Que muitos dormem e não veem nada.
Olho para cima e vejo as árvores se abraçando...
Olho para o chão, parece miragem, mas não.

Vejo folhas secas e vermelhas...
Que mais parecem filosofar de tanta beleza, de tanta sutileza.
Olho para frente...
Me deparo com o farol do carro que vem vindo...
Dilatando minhas pupilas, parece até luz divina.

Vejo uma pedra e me assento nela...
Me sinto forte como uma cidadela
Mesmo estando com lodo e esquecida, me sinto protegida!

Contei para as árvores...
Contei para as pedras....
Meus segredos, belos segredos,
Porque sei que jamais serão revelados.

Posso morrer, e minha vida um dia contada em forma de poesia...
Jamais será esquecida.
Ficará enraizada nas raízes daquelas árvores...
E esculpida nas fortalezas daquelas pedras...
Com letras que só os sensíveis de alma entenderão.

Tantos caminhos...
Precipícios para alguns.
Tantas trilhas...
Morada para muitos.
Tanto céu...
E debaixo dele muitos ao léu.
Tanto sol, farto sol...
E muitos não emprestam nem o anzol.
O amor está pouco.
E o mar? Não está muito para sonhar.

Então eu busco, incessantemente eu busco...
Um pouquinho de verão...
Verão que abrasa o bosque da minha menina...
Que tem vida corrida por suas esquinas...
Mas que anseia avenida para sua partida.
Quero me aprofundar nesse labirinto em busca da felicidade...

Meu instinto diz: você pode.
Eu digo: eu creio.


.

Tags: Vida

Acredito piamente que o nome dela é primavera...
Quimera? Não, não, se for, é o absurdo mais lindo, mais forte, ao mesmo tempo mais doce que minha vida já viveu para ver...
Quem?
Aquela mulher? Sim, ela mesma!
Que passa o ano inteiro segurando as pontas daqui, dali...
E ainda assim, está sempre a sorrir,
E ainda assim, está sempre a florir,
Cuja flor, a mais valiosa que já vi...
Cuja cor, é furta cor...
A cor de todas as mulheres!

"...A única Guerra que eu sou a favor é a Guerra dos sonhos impedidos..."


Camila Senna *

Quando se propuser a fazer algo para alguém,
faça de coração puro, sincero e verdadeiro.
Se isso não acontecer, de nada valeu!
Só serviu para sua boca falar,
aquilo que seu coração não sentiu.

Tags: Coração

Não importa se a “negra” é da igreja ou do candomblé...
O que importa é que ela é rainha, negra pura, mestiça, guerreira, trabalhadora, e de quebra ainda tem samba no pé.

Camila Senna.
Grupo feminino Cultural da baixada fluminense, “Fulanas de Tal”.

O amor não é como pegadas deixadas nas areias...
Que as ondas do mar vem e logo as levam.
O amor não é como chuva de verão que vem e vai como num relâmpago.
O amor não é como montanha russa cheia de emoção com alguns minutos de duração.
O amor não é palpável como um coração de brinquedo, não se pode ouvir, não se pode tocar, apenas se sentir...

O amor não tem forma...
O amor não tem cor...
O amor não tem cheiro...

O amor de verdade não escolhe o seu amor, não questiona o porquê de ser esse ou aquele o seu amado ou a sua amada.
E eu, por amar muito o amor...
Amo desmedidamente sem definições o amor em toda sua plenitude.

Chão de pedras tortas...
Cheia de histórias e estórias.
Janelas que se abrem para admirar e receber o mundo...
Aonde o barulho são os idiomas, os dialetos.
Aonde a vida vira cantiga numa roda de viola,
Ou no chorinho da bossa nova.

Verde que não se cansa de receber seus colibris...
Que não se cansa de ser o fundo nos retratos da vida,
que convida,
que ilustra,
tema sofrido ou tema feliz.

Cidade que emociona com suas esquinas...
Barcos que navegam no mar, nas correntezas, nas ilhas desertas...
De cada profeta,
De cada artista,
De cada poeta.

Trilhas que pessoas sem destino encontram abrigo...
Encontram no vento e nas árvores, seu acalento, até seu destino.
Assim é Paraty, lugar lindo de se sentir.

Tarde com céu rosado e chuva fina...
Molhava suavemente os carros,
As ruas, os pássaros...
Menos o meu amor.
Ele se tornava abstrato
Porque nele, a chuva não tocava e nem esfriava.

O tempo parou quando nos olhos você me olhou...
Quando na boca você me beijou e delicadamente degustou.
O guarda chuva que eu segurava joguei ao léu...
Me senti como pássaro colibri, livre e dona de mim.
Dona também do teu coração
Que pulsa em mim com toda exatidão.

A chuva que caiu foi fugaz...
Foi cenário para embalar a nossa paixão
Que é eterna fusão.
As árvores da rua que nos cercavam,
Fotografavam sutilmente as sutilezas dos nossos gestos.

O momento em si, parecia ilusão, devaneio.
Engano bobo, era real...
Era visceral.
Não existia alheio, nem credo, era mais...
Era espiritual.
E hoje é sagrado pelos laços do amor.
E esculpido na pedra do simples pecador.

Que o céu azul divinal
Resplandeça sobre a noite fria e injusta,
Que tem assolado meu sono
Que tem me tirado a paz...
A paz que tenho gritado com voz firme em terra morta.

Que os lençóis brancos e voadores dos meus sonhos,
Não fiquem encardidos com a poeira.
A poeira do esquecimento, da solidão
Que tenta a todo instante
Mofar minhas certezas e me tirar a direção.

Que o fundo musical dos meus sentidos
Não fique em silêncio...
Que os desígnios do meu coração
Não sejam só emoção,
Mas temperados com pitadas de razão.

Quando meus olhos chorarem
Escorrendo pelos caminhos da minha vida...
E desaguando no mar da minha boca...
O paladar seja sal, visceral
Não quero inferno astral, nem inglória.

Quero vendaval...
Vendaval de amor, mas com pitadas de força.
Para enfrentar a vida e suas feridas.
Pois quero ainda que sofrida...
Flores em todas as estações.

E que os meus ouvidos não desanimem e atentos fiquem...
Para ouvir ao longe a musica tocada por sião,
Que me sustenta a alma...
Que me trás calma,
Me encanta...
E põe freios na agitação do meu coração.

Passeando pela rua da minha paixão...
Vi tudo colorir...
Vi tudo reluzir...
Essa rua, de importante que é, faz morada em mim.
Ela me faz ver chuva no verão.
Sol no inverno.
Aflora em mim, o que há de mais excelso.
O coração arde...
As pernas não obedecem.
A reação do meu corpo, querendo aquele bendito corpo...
É explosão de tanta emoção...
É Libertação de tanta entrega...
É paixão de tanto amor e saudade.

Na vida, existem perguntas que nunca foram feitas, mas que precisam ser respondidas.

A vida me trouxe alegrias e tristezas...
Sol e chuva...
Amores e desamores...
Sanidade e loucura...
Refrigério e dor...
Paz e guerra...
Mas umas das coisas que da vida eu levarei até meus últimos suspiros...
É a certeza de ter sido de verdade, de ter sido eu mesma.
Ansiosa, amorosa, persistente, acolhedora, impetuosa, sincera, imediatista, apaixonada, chorona, sonhadora, tagarela, dinâmica, teimosa, generosa, brava, impulsiva, romântica e intensa...
Já provei do mel e do fel, mais tenho em mim, a doçura de quem destila mel...
Enfrentaria tudo de novo, valeu a pena!
Já imaginou uma vida sem histórias e travessuras? Pois é!
O que diria aos seus filhos? Mamãe não viveu?
Lágrimas, sorrisos, vitórias, derrotas...
Fazem parte da nossa história.
Quando olhamos para trás e visualizamos o passado, logo pensamos: como fui forte e corajosa.
Permita-se, invista em você! Se apaixone por si mesma.
Se existe vida, a mesma, foi feita para viver...
Tem que ter natureza forte para enfrentar as adversidades e triunfar sobre elas, pois não há mal que dure para sempre.
Assim como nos filmes de romance, o bem e o verdadeiro sempre tem final feliz!

Tags: Vida

Fico pensando, até quando?
Até quando essa paixão...
Essa intensidade...
Essa ilusão reinará em mim?
Saio por aí, e em todos os rostos só vejo você.
Fico na esperança de te encontrar, de te falar...
O quanto foi um prazer te conhecer.
O quanto sua vida me fez enriquecer.

Mas não te encontro...

Espero, no entanto, um milagre acontecer...
Meu suspiro libertar-se,
Meus olhos se aconchegarem sobre você.

Fico pensando: por que o destino quis assim?
Ironia?
Ou
Bondade?
Seja lá o que for, já é tarde.
Algumas tardes...
Porque um dia, eu sinto que vou ter-te...
E assim reviver o que não é tarde.

Meu corpo tem andado por histórias mal resolvidas.
Penso - Que corrida que eu dei até chegar aqui... Ufa!
Tem pisado em casebres assombrados...
Tem trilhado o que seria um achado, que é o amor.

Me sinto gigante diante de tudo que vivi.
Posso dizer que sobrevivi.
Sofri, mas aprendi.

Dei uma volta nas tempestades.
Passei a perna na hereditariedade.
Hoje estou aqui!
Livre e dona de mim.
Livre no pensar,
Livre no agir,
Livre, livre e livre.

As cordas que me amarravam feito boneca de teatro...
Soltaram-se por si só,
Libertaram-se de mim, e eu delas.
Me liberaram para outra melhor, e eu a elas.

Quando me dá na telha,
Pego o papel branco e sobre ele refaço minhas trilhas.
Invento minhas ilhas...
Desfilo por minhas passarelas...
Corro sobre minhas avenidas,
Pinto minhas aquarelas.

Tenho que ir...
Seguir meu destino.
Dá de cara com a minha vida...
Me confrontar com minhas dúvidas.

Caminho pelas ruas de volta para casa...
Passo pela praça, e não vejo nada!
Nem pó de poeira...
Nem criança sorrindo...
Nem folha seca, soprada pelo vento... Nada!

Ao lado, o trem passa...
O pássaro, sem graça, se esconde.
As árvores secas com a imagem vazia!
Mostram minha realidade, que nostalgia.

É tempo de unir meus retalhos espalhados no chão.
Espalhados no colchão...
Espalhados nas neblinas...
Espalhados no verão...
Espalhados nas ruas do meu coração, que está alagado!
Com meus sentimentos boiando na contramão,
Pedindo esmolas nas esquinas, e recebendo não!

É tempo de me fazer rir,
Não posso ficar na mesma de sempre...
Querendo o mesmo de sempre!
Se para sempre, um dia acaba!
Pois nem tudo que acreditamos para sempre ser, é eterno!

Quero travessia,
Atravessar a ponte dos desesperados,
Quem passa por essa ponte vê a morte, mas não morre!
Encontra-se com sua vida, com suas feridas...
Todas elas cicatrizadas.

Mente, metade sadia, e a outra metade insana...
Corpo, metade bendito, metade louco varrido...
Saúde, sem cólera, mas não totalmente imune,
Quero ser curada vez em quando...
Pelo veneno bom do “amor”.

Depois da torturante travessia, estar preparada!
Preparada sim!
Para as ventanias e as ressacas do mar da vida.
Não posso viver a pegar aquela flor.
A flor que um dia viva e linda, guardei...
Ela secou no meu diário...
Consigo, guardou...
Todos os segredos que um dia escutou...
Eles foram revelados ao Sol, a Lua e as estrelas.

Tags: Vida

As árvores são as guardiãs de cada cidade

De cada País

De cada floresta.


Cidade, que tem a urgência da sua essência

País, que implora incessantemente sua permanência

Floresta, que fica em vigília velando de pé por sua cidadela.


Se tiver que ter chama, que tenha nos corações dos desumanos

A chama do amor, com labaredas de sentimentos bons sem pudor

Se tiver que ter luz, que tenha nos emaranhados da mata

A luz divina, a luz do sol

Que venha também a chuva como um milagre

Milagre que alimenta o solo

Tornando-o fértil, imortal.


Elas guardam segredos...

Nos protegem do sol forte...

Ornamentam as ruas de colibris da ilusão...

Enfeitam os corações dos apaixonados...

Trazem boas lembranças de outrora.


Nos fazem sentir e ter a certeza de como é absoluta a natureza

Natureza que reflete na vida dos que anseiam viver

Viver cultivando as raízes do que é louvável

Viver exalando e perpetuando o calor do amor

Amor que há de se alastrar por toda terra

Civilizando e proclamando o fim da guerra

Guerra contra a natureza e sua grandeza.

Tags: Natureza

O sorriso que ilumina a paz...

Que também diz que é audaz...

O sorriso...

Que tanta inglória traz...

Mas busca ser nobre demais...

Reluz sobre o cobre, o ouro que é.


O olhar sempre em busca da chama...

Que inflama...

Que proclama.


A atitude sempre em busca de cartazes...

Querendo parir...

Parir as glórias da vida e assim reluzir...

Trazendo a importância da magnitude que é a democracia...

Sem hipocrisia...

Sem desarmonia...

Sem covardia...

Mas com muita fé, coragem e ousadia...

Trazendo na bagagem toda a história das feridas...

Com muitas lutas vencidas.


Muros pintados de cores fortes...

Unidas contra a morte...

A morte dos sonhos...

A morte da vida...

A morte da terra e suas avenidas.


O fim da tortura e do sangue...

Sangue de vítimas inocentes...

Que só queriam igualdade com muita dignidade.


Eram os sofredores...

Hoje são os vencedores.

Eram os escravos...

Hoje são os escritores.

Que escrevem suas vidas...

Trilhando a terra prometida...

De cada sonho...

Escrevem seus roteiros sem dor...

Sem cor...

Com muito louvor.


Roupas brancas e adornadas

Com seus guias...

Com suas crenças e suas diferenças.

Olhar esperançoso e sedento...

Sem querer se quer, o lamento...

Mas retidão.

Mas provisão.

Almejando a pluralidade dessa terra colorida.


Tem a cara do Brasil...

Tem os cantos de abril.

O negro...

O íntegro negro.

Cuja correntes arrebentaram...

E um novo destino, traçaram.


Anseia sociedade absoluta

Com sua conduta na luta...

Sempre na labuta de verem as coisas evoluírem...

De verem as coisas progredirem.


Nossa cultura vem do negro meu irmão...

Nossa terra é herança do negro meu irmão...

Foram eles que nos motivaram...

A terem força...

A terem garra...

A terem esperança...

Em dias de guerra...

Em dias lança.




“... A nobreza de verdade vem do pó, pó da terra, que foi erguido o castelo, castelo de guerra, guerra contra o preconceito e suas raízes obscuras...”

Tags: Homenagem

Sorriso entre o pai e a filha
Abraços entre amigos e irmãos
Paisagens de união no verão
Do mundo e seus encontros profundos...
Do beijo molhado, do abraço suado
Do olhar de uma mãe para um filho...
Do vento no rosto.
Da formatura esperada e venerada
Da corrida...
Da chegada de uma vida para esta vida...
Das esquinas
Da neblina
E até da partida, que pensa que terá outro encontro...
na verdade era só despedida.
Os momentos correm como o vento
E o tempo escorre por entre o vão da porta...
Mas tem uma máquina, a máquina do tempo que para qualquer
doce
amargo
lento
forte momento...
Fotografa, retratando o retrato da vida de todos...
Deixando transparecer até sentimentos...
Assim é a fotografia, como a poesia...
Eterna, eterna...

Lágrimas escorrem pelas curvas do meu rosto.
Seguro na mão, a rosa vermelha que um dia eu fui.
E luto, luto todos os dias para continuar sendo...
Mesmo não suportando o cotidiano, pois sou mulher de Áries!
Eu busco, eu tento, persisto e invento.
Pois sou o licor degustado com ardor.
Anel dourado no dedo e cheio de experiência.
Não todas, mas o suficiente para saber...
Que amar dói...
Mas também constrói.
Que amar alimenta...
Mas também pode matar.
Matar os sonhos...
Mas pode também ressuscitar, e dar um novo verso ao papel,
Que um dia foi escrito com muito amor e mel.
Corpo que se entrega e vive de teimosa a se entregar.
Que não se cansa de lutar.
E de intensa que é, busca ser imensa do tamanho do mar.
Sem obscuros a rodear...
Liberta e livre como o rouxinol.
Andando por becos,
Pontes,
Marginais,
Temporais,
E com alegria, roseirais...

“Querendo vida sem ferida
Querendo vitória sem ironia
Querendo poesia sem agonia...”

Quero me alimentar com os grãos da minha vida vivida...
Com as areias das minhas ilhas...
Lutando sempre pelos meus anseios.
Podem não ser os mais indicados, mas são meus...
Então, não interrompam, muito obrigado!
Você é dos meus.

Tags: VIDA

O assobio do vento sussurrou baixo no pé do meu ouvido
Dizendo: não se assuste com o mar de surpresas que chegará com força em sua tenda.
Aquilo me causou arrepios.
Fiquei pensativa tentando decifrar o que poderia ser a surpresa.
Nasceu o dia, findou-se a noite e assim durante seis dias...
No sétimo dia, o vento espalhou aos quatro cantos da terra.

– Que, para a alegria só é preciso fé e ousadia.
Aí então eu entendi, foram justamente as duas coisas que eu mais me revesti.