Coleção pessoal de caaamilici

1 - 20 do total de 121 pensamentos na coleção de caaamilici

"Me dói a cabeça. Sinto náuseas. O que anda sobrando da minha vida é apenas o que não passa pelo ralo. Tudo está desmoronando. Sinto raiva e quero chorar por continuar nessa inércia, por não tomar uma decisão. Me estresso comigo mesma por ser tão estúpida. Por que não posso ser mais forte do que aparento ser? Eu não caio, me levanto uma centena de vezes. Sou cabeça-dura (pra quem me conhece bem), mas não sei a hora de parar de dar corda para um brinquedo quebrado há muito tempo. Se não funciona mais, por que continuar com a ideia de que um dia irá concertar? Às vezes acho que o problema está em mim, afinal a vida é de quem? Dessa vez não vou poetizar, não vou rimar, não vou fazer nada... é só um desabafo tremendo de quem cansou de ver a vida passar. Eu não quero ter que cuidar dos problemas dos outros, não quero ser conselheira de ninguém - muito menos psicóloga - não estudo pra isso. Não sou obrigada a tentar salvar nada. É egoísta da minha parte, mas não quero o que não acrescenta. Não quero volume, entende? Bagagens desnecessárias precisam ser dispensadas. " - Senhores passageiros, última chamada. Embarque pela direita, e tenham uma boa viagem. Até logo"

Carolline Milici
Tags: cronica poesia

"Eu sou o tipo de pessoa que se atira ao mar para ajudar o outro, mas que acaba se esquecendo de que não sabe nadar."

Carolline Milici
1 compartilhamento

Eu tô ficando amarga. Tô ficando meio mal-amada. Abandonada. Consigo acertar dois passos, mas regrido um. Volto a estaca 0. Quando melhoro, dou uma recaída e volto a ser como era. Me isolo. Não me controlo e, de tiracolo me consolo com memórias do passado. Eu me canso. Fico cheia de fazer poesias para contrafazer o caos dentro de mim. Caos. Não rima. E, pra falar a verdade odeio palavras rimadas. Já não sou doce porque apodreci os dentes de muitas bocas. E, o que me sobra? O ácido biliar que corrói o estômago alheio.

Carolline Milici

O Robin Hood do seu coraçãoFoi no dia sete de setembro - o mesmo sete de setembro que se comemora a independência - que me vi dependente de algo, ou melhor, de alguém que nunca fora meu. No meio de toda àquela poeira que os pneus da minha motocicleta arrebataram, sua silhueta já era evidente. "Como crescera", eu pensava. E, não tinha crescido só o cabelo, os olhos, as coxas (agora, tatuada), as mãos, mas O SORRISO - com direito à letra maiúscula e tudo. Ah, ela sorriu quando me viu e, num pulo já estava de pé me abraçando, eu mal soube reagir. Tudo cheirava a morango e shampoo para cabelos tingidos, meu coração me sufocava e diminuía a cada batida, até ela me soltar. Você sabe...ela sabe que eu não sou muito bom com as palavras, mas como era bom revê-la. Ao total, se passara sete anos, o mesmo sete desse dia nostálgico, o mesmo sete que o universo fora criado. Para mim, era mais que um feriado, deveriam multiplicá-lo em dois, porque ela era a razão de todos os corações apaixonados dos dias quentes de verão. Ela fora minha paixão de verão, de férias, de mundos que - cientificamente - não podem se misturar. Eu não dou a mínima! Talvez, ela tenha sido minha primeira paixão, ou eram só borbulhões em meu estômago, enfim, só sei que a sensação era a de sapos nas tripas. Da parte dela era difícil esconder a animação de ter me visto. Da minha parte...àquilo era inesperado. Quem fica tão empolgado em me ver? Ela foi até o meu quarto e me encheu de perguntas aleatórias - na hora não percebi, mas estava tão nervosa quanto eu - e, acabei respondendo à todas monossilabicamente. Eu sentia seus olhos penetrarem minha carne, meu vulnerável corpo exposto à rainha que matara milhões com seu sorriso cheio e sua diversidade estampada. Ela não brincava em serviço, mas eu sempre fui um cara simples, e rainhas não se casam com plebeus. Se passara sete anos e, ao total não chegaram à dez visitas da parte dela, era uma pessoa muito ocupada, se é que me entende. Não quero entrar em mais detalhes, só quero dizer que o dia sete de setembro me fez ser - novamente - um bobo da corte com esperanças de - um dia - me tornar o Robin Hood do seu coração.

Carolline Milici
1 compartilhamento
Tags: cronica menina

Eu até que curto seu sorriso, mas sou admiradora fiel do seu olhar. Um labirinto sem saída me suga para longe e parece que me tornei tola - outra vez. Faço um tremendo esforço, quebro a cara e explodo meus neurônios, mesmo assim não descubro nada. Nem um brecha você me dá e, olha que sou fera nesse negocio de ler os outros. É como se você dissesse uma coisa e o seu corpo outra. Devo tá com sérios problemas de ilusão e demência, porque não paro de querer provar o contrário. Dá vontade de te desmascarar aqui e agora, só que não tenho certeza alguma de nada. Não acho que minta, mas também não acho que diga a verdade. Sou a favor do "esconde bem" ou do "não-sabe-finge-que-não-sabe". Aí, me diga - por favor - que preciso ser internada urgentemente, porque isso de ter esperanças está acabando comigo.

Carolline Milici

Eu faço silêncio, fico quieta. Eu me calo e só escuto. Escuto até doer meus tímpanos e, quando me perguntam se está tudo bem, respondo que está. Alguém entenderia meus motivos caso eu respondesse o contrário? Bem, a resposta está implícita na pergunta. Quem está de fora não é capaz de perceber, afinal escondo muito bem. Não suporto a ideia de me lamentar apenas para receber atenção, enjoo só de pensar que isso passaria a ideia de pena. Pra quê ter pena de mim? Só quero que me entendam! Só quero que me deem a palavra que poderá justificar meu fim. A ideia de ser forte, talvez seja isso, passar as impressões erradas. Fazer com que as pessoas achem que sua vida é perfeita, que nada de tão ruim pode te acontecer ,que você sempre foi estável e nunca perdeu o controle. Nessa altura, não sei se fiz muito bem, ou muito mal. Quando eu dou um pio, não tenho o direito de me sentir como me sinto. Não posso ter meus motivos, afinal eles são banais. São dramáticos, são fantasiosos, são infantis. Juro, que tento conversar, eu tento. Tento dar o melhor para não me irritar, para não perder a calma. Calo a minha boca para não ferir ninguém, para que minhas palavras não se direcionem ao meu interlocutor. Faço de tudo para a situação ser imparcial. Eu penso no outro. Hoje sou cega, surda e muda. Desisti de tentar me comunicar. Não faz diferença, já que não posso opinar sobre nada."Se você não entende o meu silêncio como entenderia as minhas palavras, minhas razões?"

Carolline Milici
Tags: raiva reflexao

Todos os erros que cometi foi na busca de acertos incessantes, gritantes. Quanto mais quis ser surpreendida, mais me decepcionei. Não estava vendo. Não estava percebendo. A maioria das pessoas agem como se eu fosse um objeto que se compra na seção de jóias, de artefatos raros que precisam ser deixados na prateleira, apenas para apreciação. A gente sempre quer muito do outro, o ser humano nunca se sacia. Somos todos um bando de egoístas disfarçados de humildes. Claro, tentamos sempre ir contra essa lei, mas infelizmente é um martírio ao qual temos de viver. Me idealizam e me julgam, antes mesmo de eu me apresentar, a maioria tem uma ideia na cabeça como querem que eu seja, não como eu sou. É difícil ser meramente humana, já que na maioria das vezes sou forte até mais, insensível(só por fora) e cabeça-dura. Não tem como entender que tudo isso é apenas uma proteção contra esse mundo desgastado repleto de sanguinários a espera de uma presa desesperada? Correm, fogem, se amedrontam - esse ritual sempre se repete comigo, inúmeras vezes - mas, pra tudo na vida se tem um jeito. Eu não estava vendo. Não tinha percebido que a questão não é o que os outros pensam de mim e, sim o que eu sou. Dá pra entender que eu sou espírito, alma e não carne? Tudo isso é supérfluo, morre, se degrada e vira pó, apenas. "Do pó viemos, ao pó retornaremos?" Eu ainda erro muito e, vou continuar errando, mesmo tendo amadurecido e crescido com muitos tombos e tropeços na vida. É, só que me deu vontade de poder conversar por horas e horas com alguém que tentasse me compreender e percebesse que sou uma simples humana brincado de ser gente grande.

Carolline Milici
1 compartilhamento
Tags: adulto crescer

Eu escrevo e, escrevo e, escrevo. Eu escrevo até doer os dedos e, queimar minha alma. A sensação de asfixia é grande, é exorbitante. A garganta pigarreia e o corpo desmorona. Eu tento, eu tento, mas eu não consigo libertar minhas dores. De escritora amadora, passei a ser o buda no caminho do nirvana. A minha cabeça pede trégua, meus músculos pedem trégua, meu coração pede trégua. Tudo em mim levanta a bandeira branca, mas só consigo ouvir o sopro do vento lá fora, não tem ninguém para responder. Não tem ninguém com vontade o bastante para fazer com que eu pare com isso. E, eu escrevo e, escrevo e, escrevo, mas o nó continua entalado em mim. Eu escuto músicas reflexivas que me ajudam, naquele dó escravo do piano, eu me sinto um pouco melhor, mas volto a escrever. Não me falta inspiração, me falta dedicação. Me falta ser viva assim fora do papel, fora dos meus textos. Todos os dias a caminho do trabalho, pegando o transporte público, eu me transporto dentro da bolha e, fico lá. Fico lá, observando as pessoas a minha volta, escuto suas conversas, eu rio em silêncio, tiro minhas conclusões e, as vejo partir. E, é assim que me sinto, uma espectadora observando a vida das pessoas, observando o resquício de vida que parte, sem eu me dar conta. A cada dia, um dos meus suspiros leva mais um sopro da minha vida. E, eu continuo a escrever e, escrever, para que assim me sobre alguma coisa. Eu não queria ser lembrada, não queria marcar a vida de ninguém, não queria me tornar passado ou futuro, sempre quis ser presente, quis ser vida, quis ser alegria, quis ser luz, mas acontece que escritores deixam sua marca no mundo. Escritores são lembrados depois de suas mortes, depois de terem vivido suas vidas mesquinhas. E, eles escrevem e, escrevem. E, eu não paro de escrever e; escrever, porque minha vida se tornou um labirinto cheio de caminhos que me carregam de volta para o ponto de partida. De todas as minhas escolhas, nada parecer mudar, nada parece dar certo, nada parece seguir o rumo do mundo. Me arde o peito correr e, perceber que corri em círculos, apenas. Minha cabeça me arrebenta os neurônios. E, eu quero chorar para isso acabar, mas o sofrimento é insistente. Se ao menos alguém lesse meus textos, a dor seria menor, mas não é. E, os meus temores começam a se tornar realidade, porque as coisas nunca mudam. O meu relógio biológico estagnou no tempo e, agora eu me sinto presa. Eu estou presa. E, eu continuo a escrever; eu continuo, porque isso é a única coisa que não acaba, porque é a única coisa em mim que é capaz de mudar o curso natural das coisas.

Carolline Milici
1 compartilhamento

Por todos os dias que eu caminhei sem ao certo saber para onde estava indo e por todas as lágrimas que eu derramei por um motivo ou outro, eu escrevo. Porque perceber um olhar de um "Eu te amo" é libertador. Eu posso ver tudo através dele, sinto a doçura e escuto alguém sorrir por mim, sinto também o toque de alguém que não quer me perder. Apenas um olhar e, eu sou capaz de notar. Será que por um acaso o meu também diz o mesmo? Se apaixonar é estar no meio de uma tempestade elétrica e rezar para que os raios te atinjam, mas amar é outra coisa. Não sei muito bem o que é. Mas, para dizer a verdade, acho que ninguém sabe mesmo. E, ainda sim só de olhar um estranho pode-se concluir se ele está amando ou não. No amor, já começamos sabendo que temos que deixar o outro ir, porque ele sem você é melhor do que, com você. Somos fortes para aceitar, não para abandonar. Somos egoístas também, oras! Guardamos para nós todo esse amor puro pela vontade que temos de fazer aquele alguém permanecer na nossa vida, caso contrário é muito mais provável que essa pessoa fuja à pé se sentir essa sinceridade no nosso coração. E, por todos àqueles que amam alguém, de verdade, mesmo que morram de medo, mesmo que neguem que possam amar, mesmo querendo estar enganadas, mesmo.... imaginando que nunca poderão fazer essa pessoa ser feliz ao seu lado eu cruzo meus dedos. Peço para as estrelas, assopro uma vela de aniversário e deixo uma moeda afundar n'água. Somos todos iguais querendo procurar algo que já temos, somos todos os mesmos quando amamos alguém de verdade.

Carolline Milici
1 compartilhamento
Tags: reflexão vida

Era um dia frio de outono e sob as cobertas ela se escondia. Lia um livro, ou melhor tentava escrever um. Passado e presente, agora não fazem mais sentindo. Por um minuto ela despenca do alto da macieira e chora. Chora por ter sido cega quando poderia ter enxergado. O corte é tão profundo que ela definha, pouco a pouco. Sem esperança? O que será da vida agora não importa, é só mais uma peça esperando para ser encaixada no quebra-cabeças. Não é certo estragar a vida de ninguém, mas é ela que está estragando sua própria vida. Talvez, quem sabe seja só uma fantasia de garota em sua cabeça. Mas, e se tudo fosse diferente, não só dessa vez, como da última vez? Há pouco tempo ela estava tão certa de quem amava, e agora tem a leve impressão de que trocou os papéis entre seus cavalos do xadrez. Aonde existe amor falta paixão, e aonde há paixão falta o amor. Nós aprendemos a amar, mas e a se apaixonar? Ela sabe o que é certo, mas o certo está fora de cogitação agora. Mergulhar fundo em algo que é incerto causa um pouco de pavor.Tudo estava tão certo que parecia loucura. Loucura foi ela ter percebido tarde demais. E, quando ele perceber ela parecerá uma outra história…

Carolline Milici
1 compartilhamento
Tags: amor garota

São duas da manhã e não importa que eu esteja do outro lado da cidade, no subúrbio de New Orleans, porque me sentir livre desse jeito não me faz querer voltar para casa. Meus dedos dançam no ar e o luar me acompanha nesse tedioso verso. Meu celular? Não adianta me ligar, atirei-o no muro dos hipsters. Meus sapatos? Afundo meus pés descalços no caos. É uma perfeita madrugada para se caminhar com as mãos atadas. Eu entro em um taxi qualquer e caio no sono ali mesmo, o motorista me sacode e diz " - São cinquenta pratas, moça”, não faço questão de perguntar onde estou, só desço cambaleando e tento desembaçar os olhos. O topo de uma colina me espera pacientemente. É laranja e rosa…e amarelo e violeta. O nascer do sol me imobiliza e quando você pensa que não pode ficar mais estranho, fica e eu volto a caminhar pelo subúrbio.

Carolline Milici
1 compartilhamento

Há flores em seus cabelos, e espinhos em meus pulsos. Eu estou despedaçado e você dilacerada. Você se atreveu a invadir o canteiro do vizinho, só que como uma moçinha turrenta, você não pensou nas consequências. Na alvorada do amanhecer, sugiro que você vá embora antes que morra sem nenhuma pétala restante em seus olhos. Eu te observo e sorrio verdadeiramente. Ah, já fazia um bom tempo desde que… Esquece. Não vale a pena, mas você sim. Andorinha de asa quebrada pousou em meus ombros e como um encanto me amarrou. Não faço ideia do porque quero cuidar de uma rosa cheia de espinhos marrenta e boca suja que pode muito bem ir e vir quando quiser. Aquela babaca me faz querer arrancar os dentes, um por um. E, mesmo assim eu lhe causo alguns dano irreparáveis. Percebe a ilógica do caso? Eu a tenho tão fácil e ao mesmo tempo tão raro. Nós fazemos mal um para o outro, mas sabe o que dizem... O que dizem mesmo?

Carolline Milici
2 compartilhamentos

A loucura é insana e idiota. O drama é vago e arrogante. O orgulho machuca e fere. O momento se perde e se recompõe. O fogo é o mesmo que estilhaça. O verdadeiro muda de acordo com a necessidade. O conceito pula etapas. A dor é uma condição, e o amor a razão. Luzes se apagam e a escuridão reluz. As cortinas são as mesmas que revelam o mágico. O abismo não é tão horrível quanto os olhos do ser humano. Sob o mar, sobre o ar. Abaixo das nossas cabeças, acima dos nossos pés. O que é claro é uma ilusão, e o que é escuro uma imensidão. Tic Tac, Toc Toc, Tum Tum. Ponteiros, Batida e Tambor. Qual é mais alto? Qual ensurdece mais? Qual incomoda mais? Qual te destrói mais?

Carolline Milici
1 compartilhamento
Tags: drama coração

Eu tinha me esquecido como era esquecer aquele olhar. Já se passara muito tempo desde que me senti assim. Não era novidade o cintilar no sorriso, o encanto do riso frágil e o coral das bochechas, então por quê meu coração tilintava como nunca antes? Me sentia um pouco embriagado, e não me leve a mal, mas você me dá dor de cabeça. É quase impossível te entender, e mesmo que eu tivesse todas as peças do quebra-cabeças seria uma palavra cruzada te desvendar, você é meio que doida, sabe? Só que eu sou mais. Sou muito mais louco neurótico pinel das ideias para tentar me fazer de cego-surdo-mudo diante da atual situação. Eu nego a mim mesmo o que não pode ser negado a si mesmo. Você pode ser doida, irritante, dramática, repetitiva só que o fraco da parada não é você, sou eu. Não sou fraco! Entenda, que já passei por isso com você, já te amei demais por um tempo, mas deixei para lá porque percebi que era mais vantajoso te ter como amiga, do que como nada. Imagina se você soubesse e acabasse com tudo? Nosso companheirismo valia mais do que tudo, então fiz com que o assunto morresse. O seu abraço faz ventania se transformar em calmaria, seu jeito de me olhar acalma meu coração, suas palavras poéticas me fazem querer ser uma pessoa melhor, sua determinação me faz perceber que você é a única pessoa para quem eu corro quando preciso, de todos os modos possíveis é sempre você. É você com quem eu falo das minhas fraquezas, é você que eu encontro na rua, é você que nunca mudou comigo, é você que me dá conselhos, é você que me faz ter esperanças de construir uma família. Olha a loucura da coisa, até então eu fingia que não via, não sabia, não sentia….Era fácil mentir para mim mesmo, achar que era só um sentimento momentâneo, que era só um desejo qualquer, que eu estava imaginando coisas e não era mais do que parecia ser. Era melhor não pensar para não sentir, mas as coisas não funcionam assim, porque o que eu tanto procurava havia encontrado em você sem perceber, tinha algo ali - bem na minha frente - raro e verdadeiro. Uma mulher real que me fazia sentir realmente completo e feliz por ser exatamente quem eu sou.

Carolline Milici
1 compartilhamento
Tags: amor casal

Faz parte da minha alma aleatória ser divergente. As vozes das pessoas trazem a sensação de um devaneio marítimo. Me sinto afundar no mar e, a sensação que me pressiona para o submerso me faz refletir. “E, agora?” - eu digo a mim mesma, o que faz meu coração vibrar e minha mente pirar? Pelo menos duas vezes ao dia, a vida repousa sob mim. Sem pressão, sem drama, apenas uma dama passageira que me mostra que ela é muita mais do que eu vejo, é muito mais do que qualquer um pode ver. A pupila dilata e aos poucos a areia da ampulheta se mistura com os ponteiros do relógio. O que é o tempo senão um método ilusório para nos manter no círculo que controla nossas ações? Na realidade, não há passado, presente nem futuro. Somos escravos do que criamos e donos do que levamos… As vozes das pessoas ainda me tocam a alma e, assim consigo contornar a forma como o mundo quer que eu seja. A alma é a única livre.

Carolline Milici
2 compartilhamentos

Fiz tanto barulho que já não se ouvia mais palavras saindo do meu pensamento, porque não sou de gritar com a boca e sim com a alma. É nojento se expor assim. Eu teria me reprogramado se pudesse, e contado até quarenta se quisesse. Eu me perco no oco ímpeto do espírito, mas sou achada facilmente em um dos subúrbios de SP. Não há nada demais em regredir uma etapa ou outra, ninguém disse que precisa seguir à risca. Vai de cada um sentir ou experimentar o âmago de sofrer, para todos os efeitos criaram os analgésicos. Foi-se o tempo onde os lunáticos eram elite, onde se tornavam os donos do incomum. Agora é tudo muito igual buscando tudo muito diferente, e ninguém se toca em como todos são os mesmos. Se ao menos eu fingisse ser heroína, minha mente eclodiria e eu finalmente poderia gritar. Talvez, minhas dores, meus medos, minhas aflições se revelariam. E, se eu realmente fosse forte, por menos que conseguisse, não esqueceria de mim assim, não me deixaria morrer.

Carolline Milici
1 compartilhamento
Tags: medo insegurança

Ritmo novo, nunca sentido. Riso fácil, mundo incoerente. Não fui convidado para nenhuma festa. Hoje em dia para onde olho só vejo gente estranha e esquisita. Essa droga de século nos faz sentir autossuficientes para tudo. Realidade sucumbida, desejo explícito e ilícito. Desvantagens em ser meramente moralista, ativista, passivista. Eu vou procurar quem quando precisar correr? Estamos presos nessa cela ilusória onde a inteligência é um prêmio de consolação. Os sábios estão cada vez mais calados, enquanto os estúpidos não param de querer espalhar sua opinião contaminada pelo mundo. Inversões de papéis, pequenos fiéis, sinônimos valendo meros vinténs. Segundo uma pesquisa recente estamos chegando ao fim e, não é do universo que estou falando.

Carolline Milici
1 compartilhamento
Tags: reflexão movimento

Prefira amadurecer a crescer. Ninguém diz quando se precisa ser forte, não temos um manual passo-a-passo, mas não interessa. Ou nos arriscamos ou pecamos. Achei que seguraria a barra por mais tempo, pelo visto me enganei. A impulsividade é instalada em mim, e a paciência já criou asas e partiu há muito tempo. Deveria ter sido mais cautelosa, afinal eu pude evitar muita coisa, mesmo sem saber o que estava por vir. Fui teimosa, fui desatenta, e agora? Bom, vou pular essa parte. Eu pensei que nós daríamos um jeito nisso, só que vi que essa é uma via de mão única, e não se pode ir e vir quando bem entende. Eu sou frágil, não do tipo frágil como um vidro, mas frágil como alguém vulnerável ao outro. Não sou capaz de me expor, nem que seja por uma causa nobre. Não sou assim! Sofro em silêncio, abro mão das minhas vontades, odeio aparentar força e na verdade ser fraca. Continuo insistindo nessa besteira de fingir que sei lidar com sentimentos. Não sei e ponto! Só, que às vezes precisamos encarar de frente a vida, e agora a vida está me dizendo: “- Chegou o momento de deixar seu eu anterior, para começar a lutar como alguém que já amadureceu o bastante para não desistir”.

Carolline Milici
1 compartilhamento
Tags: arriscar medo

Eu me libertei daquela atadura mundana. Já não sabia mais ver, nem sentir, muito menos ouvir. Como alguém era engolida pelos próprios temores? Se comportar já não bastava. Era projetada para uma realidade alternativa, onde o silêncio era lei. Os sábios vivem pouco e, os estúpidos uma eternidade. Vantagem para aqueles que buscam a vitória sem nenhum esforço. Tudo que vinha fácil, ia fácil, mas ninguém nunca fazia questão de se lembrar disso. As coisas da vida são passageiras e, ainda sim algumas dão um jeito de se tornarem eternas. Apenas a pureza distinguirá a brisa leve de um monte rochoso. Seu reflexo no espelho se racha antes mesmo de você se procurar. O mundo precisa ser salvo por quem quer ser salvo, não o contrário. Eu acredito que vou voar quando estou caindo. Talvez, eu busque demais algo que talvez não exista, mas e daí? Continuo procurando mesmo assim. Correndo em busca dos pedaços que me faltam, da grande batalha contra mim mesma. Foi errando que busquei acertar e, foram nos tropeços que me levantei. A solidão nunca foi minha amiga, sempre tive alguém guiando meus passos tortos. Não posso esperar viver para sempre, mas espero sempre estar viva nas lembranças dos que passam por aqui. Carolline Milici

Carolline Milici
1 compartilhamento
Tags: lembranças eterno

E, pra todo mundo...eu continuo aqui!Eu me sinto sozinha estando rodeada de pessoas.Pessoas as quais eu amei a vida toda. Tomar uma decisão que parece simples nem sempre é tão fácil como pensamos. E, algumas vezes as pessoas que você mais ama e confia te dão as costas. Se voltam contra você pelo simples fato de você escolher como quer levar a vida.Eu me sinto presa…Sinto como se estivesse acorrentada a vida toda, impossibilitada de fazer algo por conta própria. Uma marionete perfeita. Ouvia, obedecia e fazia tudo que ditavam. Desde como eu tinha que lavar a louça, até qual futuro eu deveria escolher para mim. Sim, uma perfeita marionete. Criada, educada, feita para satisfazer os desejos alheios.Hoje, eu não sei o que fazer. Nem sei ao menos o que pensar… Me sinto perdida.Eu escolho continuar atrás da vida que quero ter um dia ou escolho trazer essas pessoas de volta? Porém, se eu escolher tê-las novamente, escolho me submeter às suas vontades. É fácil falar “escolhe o que você quer” não sentindo um rombo imenso no peito. Minha família me abandonou. Meus amigos eram só meus amigos quando eu fui o que eles queriam que eu fosse. Todo mundo só era comigo se eu retribuísse seus caprichos. Hoje eu enxergo o abuso! Era falso. Tudo sempre foi uma mentira.Eu depositei toda minha confiança nessas pessoas. Todo meu amor. Todo meu eu. E, de uma hora para outra tudo desmoronou, foi abaixo… derrubando finalmente as máscaras dessas pessoas. Tanto fingimento. Tanta mentira.Como pude ser tão burra? Percebo que deixei de ser “egoísta” pra mim para deixar o outro ser egoísta comigo. Cadê minha autonomia? Cadê minha liberdade? Cadê a minha vida, hein? Eu me tornei a vilã de uma história que para começar nem é minha, já que foi escrita por outros e não por mim. Eles têm raiva. Me abandonaram porque sabem o quanto eu os amo, e sendo ingênua e com um coração assim não ia aguentar muito tempo. Pois bem. Eu tenho morrido por dentro a cada palavra dita ou a cada silêncio. Tenho morrido por dentro a cada dia que passa e vejo minha vida mais longe de parecer com meu sonho. Tenho morrido por dentro com a falta de empatia e compreensão comigo.Mas, eu tô aqui! Firme, mesmo cambaleando.Eles acham que eu vou ceder. Que eu vou cair. Que eu não vou aguentar mais… Eles acham que eu não tenho forças para suportar. Pois bem! Eis que lhes digo apenas uma coisa: JUST WATCH ME!Só vejam eu conquistar o mundo enquanto dou adeus para vocês. Eu não sou mais a menina que corre para saia da mãe quando algo não sai como o planejado. Eu não sou mais a criança que chora e fica no chão. Eu não sou mais a filha que se culpa por não satisfazer os desejos dos pais. Eu entendi que mesmo quando eu dava tudo que eles queriam de mim, ainda sim não era o bastante. Ainda sim não era o suficiente E, nunca foi.Então, me aguardem. Porque se vocês fazem chover, eu faço nevar.

Carolline Milici
Tags: amor próprio