Coleção pessoal de AlessandroLoBianco

1 - 20 do total de 227 pensamentos na coleção de AlessandroLoBianco

Explicitar os inúmeros atributos morais e as provas de caráter dos nossos amigos exigiria uma adjetivação que muito pouco definiria as cativantes personalidades que teremos que dessecar. Por isso, vou falar de forma geral, e no final especificamente para uma pessoa. São, antes de tudo, bons. Acho desde que me entendi por gente, fiz poucas, mas amizades que irão perdurar até a minha morte. Lembro quando tinha 19 anos, estagiando, só via a hora do término do estágio para encontrar os companheiros de merdas próprias da idade. Fumava um gudan garang de chocolate, comendo o melhor "italiano" de calabresa do bar do Seu Zé, na Moreira César, em Niterói, dormia tarde e não fazia nada além de ler, esbanjando saúde do modo mais irresponsável possível. Até que alguns amigos começaram atuar sobre o meu comportamento, com conselhos e ponderações, de um certo modo mudando, aos poucos, meu jeito de ser pra melhor. Ao contrários dos inimigos, amigos acham isso normal e depois voltam para esgotar sua paciência num momento de estudo. E foi graças aos meus amigos, nessas mudanças de ambientes, na descoberta de novos amigos, novas cidades, novas casas, novos relacionamentos, que nós vamos nos transformando. Mas eu tive amigos que me fizeram ver a dureza da vida, ou melhor, me acompanharam nesta realidade. Nesse passo comecei a perceber algumas regras de vida, mais salutares. Com conselhos e exemplos de responsabilidade funcional dos amigos que tive na adolescência, principalmente nas competições, me tornei uma pessoa melhor. Lembro que nesta época passei a me dedicar mais aos livros e , por intermédio de um amigo especificamente, tornei-me amigo de outros amigos. Tive o prazer de conviver muito tempo com essa pessoa, aderir as mesmas causas, cheguei até pensar em adquirir um crédito espiritual para abater em outras vidas pela grande amizade. Mas a marcha inexorável do tempo foi nos tornando mais velhos, e meu amigo, de tanto fazer o bem, cansou. Seu coração parou. Eu, agora, só parei para lembrar da nossa amizade, aproveitando para saudar a sua memória, e também de todos os meus amigos vivos, e também aqueles amigos vivos que estão na minha vida como mortos, no panteão das minhas saudades...

Alessandro Lo-Bianco
Tags: amizade amor

É muito difícil. Na verdade é quase impossível conseguir a felicidade sozinho.

Alessandro Lo-Bianco
1 compartilhamento
Tags: felicidade amor

Comprei um jogo de tabuleiro pra minha filha porque ela ainda é criança! Ela, gente boa como é, desceu e levou pro play pra jogar com outras crianças. Elas foram aparecendo, fazendo a roda e um deles sentou com um iPad na mão. Valentina perguntou: “ei, você que tá também aqui com o tablet! Quer jogar meu jogo novo que meu pai me deu?!” E o garoto respondeu: “não não, só estou sentado vendo, porque não jogo jogo idiota, estou jogando no meu iPad!” Bom, percebi que Valentina ficou com o olho cheio de água olhando o iPad e o tabuleiro. Apesar da vontade de espatifar a cabeça dele no fundo da piscina e não deixar nunca mais respirar, não me meti porque o papel do pai é preparar os filhos pro mundo. Hoje foi a primeira vez na vida que eu senti essa sensação como pai, e na hora que eu segurei pra não me meter, entendi como era doloroso pro meu pai me falar lá atrás que a vida ia me machucar pra eu entender. Tudo fez sentido agora. Eu fiquei de longe observando como ela iria lidar com isso e pensando no meu pai. As outras crianças entraram no jogo do tabuleiro. Quando acabou eu sugeri brincar de monstro, eu seria o monstro, e correria atrás das crianças. Foi quando o menino levantou e gritou: “hei gente, eu corro muito mais rápido do que o monstro, eu vou participar.” Foi quando Valentina disse: “pai, ele não pode participar”. Respondi: “ por qual motivo filha!?” E ela respondeu: porque a gente não brinca com criança idiota pai”. E aí vem a vida: o menino gritou que ia brincar sim, e olhou pra mim, eu fiquei em silêncio da mesma maneira que fiquei em silêncio quando foi dele pra ela. Não me meti no fora que ele deu nela, sofri, e não me meteria também no que ela deu nele. Ali pensei em acabar com isso e colocar ele na brincadeira a força pra ela aprender a ser superior. Mas ela talvez não entenderia e seria muito injusto, não gostaria que meu pai fizesse isso comigo. Resultado, mais uma vez observei calado, deixei que a vida e os dois resolvessem no meio da garotada todo impasse entre os dois. Resultado: o menino gritou que ia participar sim e me olhou mais uma vez, e eu fingi que não era comigo; ele, por sua vez, saiu chorando, pois as outras crianças mandaram ele ficar com o iPad sem Valentina dizer mais nada e disseram que não queriam brincar com ele. Raivoso e mimado como deve ser, foi embora chorando e tropeçou, o iPad caiu no chão e quebrou a tela, rachou! E aí vem Valentina e diz depois de cinco horas lanchando, quando eu nem mais lembrava disso: “Pai, estou muito feliz!” E eu: “Como assim filha!?” E ela: “você não viu papai, Deus ficou do meu lado hoje.” Agora vem um desafio pro pai pra amanhã: ensinar que o senso de justiça traz felicidade, mas que o de vingança não. E que amanhã os dois podem brincar normalmente. Que é um novo dia. Nossa, ser pai é um desafio incrível! O mais difícil da minha vida. É muita responsabilidade. Não a financeira, mas a ética, cívica e moral. Não podemos falhar. Às vezes entro em crise de preocupação. A vida é muito difícil, muito dura. E assim também será com ela, que eu tanto amo. Que sentimento esse que a gente não esquece um minuto do dia: preocupação eterna com os filhos. É real.

Alessandro Lo-Bianco
1 compartilhamento

As pessoas se tornaram em um acúmulo de ansiedade, depressão e violência. Estamos todos condenados.

Alessandro Lo-Bianco
1 compartilhamento

Não destrua a casa, mas examine cada tijolo, e substitua aqueles que parecem quebrados, que não suportam mais a estrutura.

Alessandro Lo-Bianco
1 compartilhamento

Já estava me preparando desde algum tempo para este momento, esta apoteose da vida. Juntei alfarrábios. Coloquei em ordem minhas lembranças. Revelei e produzi, com reflexos em todo meu sistema neurológico, os sonhos que carrego nestes anos de peregrinação pelos meus caminhos e descaminhos. De súbito, fazendo uma reflexão profunda, sofri amputações em minha alma. Tropecei. Quase cai. Dei uma esbarrada na parede. Mas pensei como Voltaire: “algumas picadas de mosquitos não podem deter o cavalo em sua fogosa corrida”. E é lembrando de Schoppenhauer, que testemunho, divido e compartilho a miséria e as dores do mundo aqui. Em dado momento, sentimos não caber dentro de um post. Mas e daí? Rompemos então as peias de um clique e fazemos outra postagem. E se um manual do que “devemos ou não postar” fosse feito, subtraindo da gente o prazer de escrever sobre o que estamos com vontade, diríamos ser aqui, aí sim, um repositório de merdas laborais. Para mim, um espaço sem graça. Então é preciso explicar, antes de mais nada, que entro aqui para descobrir nas pessoas, de forma espontânea, o que cada um carrega na mala. Uns trazem o colorido, outros o crepe da dor. Outros o violáceo das recordações saudosas, outros o róseo das primaveras saboreadas vida afora, sem nos esquecermos das exposições espiritualistas de cada um. São posts e retratos da gente, uma encarnação digital das nossas vidas, a materialização do colóquio, a história viva do meu tempo e também do futuro, quando poderemos, aos 100 anos, rolar essa timeline e nos lembrarmos do que fomos e sentimos há dezenas de anos. Não vivo o mundo da conspiração. Prefiro a vida real. E erra quem diz que ela também não está nessa telinha que estamos vendo agora. E estará tudo aqui, incluindo os pregões das nossas decisões, dos lugares onde vivemos, das coisas vistas e dos fatos testemunhados como um grande álbum digno do século de Nava. Eu, particularmente, recuso permitir que me seja removido ou aplacado esses recortes por qualquer processo. Talvez, porque não seja o único a aflorar aqueles complexos filosóficos e princípios religiosos que antes não tínhamos consciência de possuir. Bastou uma perda física ou moral e entramos aqui e experimentamos em nosso espírito o efeito dessa mutilação. E há muitas possibilidades de nos expressarmos aqui. Por exemplo, acabaram de me perguntar se eu “acho” que vou envelhecer numa redação. Isso me fez esquecer tudo o que eu estava dizendo até agora e resolver mudar completamente de assunto para falar sobre a juventude. Cocteau dizia ser a juventude “uma qualidade que só a idade faz adquirir”, confessando Picasso, do alto de seus noventa anos: “Leva-se muito tempo para ser jovem."

Alessandro Lo-Bianco
1 compartilhamento

A alma - nossa alma - sabe tudo que há para saber o tempo todo. Nada é misterioso ou desconhecido para ela. Contudo, saber não é o suficiente. A alma procura experimentar. Você pode saber ser generoso, mas a menos que faça algo que demonstre sua generosidade, terá apenas um conceito. Pode saber ser bondoso, mas a menos que seja bondoso com alguém, só terá uma ideia à respeito de si mesmo. É desejo da nossa alma transformar o melhor conceito sobre nós mesmos na melhor experiência. Enquanto o conceito não se tornar experiência, é tudo especulação. Eu especulo a respeito de mim mesmo há muito tempo. Há mais tempo do que eu e nós juntos poderíamos nos lembrar, do que a idade deste universo multiplicada por dois. Então você vê o quanto é nova a minha experiência de mim mesmo.

Alessandro Lo-Bianco
1 compartilhamento
Tags: amor generosidade

Pisando no destino sem pensar, não poderia ser diferente. Nunca perfeito, andando feito louco, tão pouco na razão absoluta de tudo, sem impedimento de fingir, ainda que solto. Não ficaria sem conseguir sair. Se tudo foi tão bom, haveria de ter silenciado a solidão que, ora aqui visita e mora, que durante a maior necessidade, ainda sim fez o sorriso retornar. Tão semelhante e inevitável que se faz um só sentimento em comum: o inevitável desejo de fortalecerem-se, ambos, e a inevitável irracionalidade das ações. Mas não se mata a tiros a solidão nas recordações das necessidades tão e mais doloridas. Racional, ainda que frágil, mas que nunca padece, até acabar; senão um conflito que parece infinito. No final, como já dito, dois corpos que se atraem, de tão fracos se esquecem...

Alessandro Lo-Bianco
1 compartilhamento

Gosto de tomar uma taça de vinho em silêncio antes de dormir; é o momento que tiro para lembrar das coisas que busco sempre não esquecer e fazer um exercício de prevenção contra Alzheimer: lembro agora quando era criança e colocava os braços dentro da camisa e dizia às pessoas que os tinha perdido. Lembro quando dormia no quarto da minha irmã e achava que todos os animais de pelúcia dela me olhavam; dormia com todos para nenhum ficar ofendido. Acordava cedo final de semana só para forrar o chão com uma coberta e ficar com os brinquedos do lado vendo desenhos. Sobre o amor, lembro que ele era mágico e me bastava completamente quando olhava a menina que eu gostava no colégio, e me escondia quando ela olhava de volta no recreio. Lembro na escolinha de futebol quando me joguei no chão e simulei uma câimbra pra ver como era a sensação de ter uma partida inteira de futebol parada por minha causa. Lembro quando tinha festa lá em casa, eu esperava atrás das portas para assustar as pessoas, mas saia sempre porque elas demoravam a passar e me dava vontade de fazer xixi. Comecei então a assoprar dentro de sacolas plásticas e estourar no ouvido do meu pai pelas costas para os outros rirem. Sobre o meu pai, lembro também que cansei de fingir que estava dormindo no sofá só para ver ele me carregar no colo para cama e ainda pedir silêncio para os outros no caminho para eu não acordar. Quando viajava com meus pais de Friburgo para o Rio durante a noite, olhava pelo céu da janela do carro e achava que a lua estava seguindo o carro e, quando chovia, olhava aquelas gotinhas de água escorrendo na janela como se fosse uma corrida entre elas. Parece que foi ontem que eu era criança e queria crescer... O que havia na minha cabeça?

Alessandro Lo-Bianco
1 compartilhamento
Tags: infância criança

Sou levado, sou enrolado, sou eu até onde bater mais forte. Na encosta me encosto, e fico feito barco parado à beira-mar. Um navio inexistente, apagado, feito arco de harpa velha em depósito alojado à mostra para o que já não é mais. Foi-se o dia, foi-se o som, foram-se notas. O som parou e agora virou plateia.

Alessandro Lo-Bianco
1 compartilhamento

O que o tempo não apaga, a gente finge que esquece,

Desconhecido
26 compartilhamentos

Cinco anos... e hoje é o seu aniversário! Daqui a alguns anos, você, curiosa como é, virá aqui fuxicar a timeline do papai, e vai encontrar esse post. Vai descobrir que, nesse dia 26, o coração do papai não parava quieto no peito, de tanta vontade de agradecer sua vida e tudo que ela trouxe pra mim. Era só um rapaz até você me fazer um homem de verdade. Se antes tinham tantas pessoas em minha vida, hoje você me fez dar valor e enxergar quem são os meus verdadeiros amigos, colegas de profissão, familiares, e todas as coisas que se tornaram obsoletas ou importantes. No começo você só me olhava e ria. Depois, passou a rir e falar papá. Aliais, papá, não... Falava pápa! Passou então a questionar o mundo apontando e olhando pra mim esperando respostas, antes mesmo de falar, e depois que as palavras vieram trouxeram, com elas, toda sua identidade em minha vida por completo. Viemos de algum lugar e trazemos coisas conosco. Você me ensinou isso. Comecei a acreditar em mais coisas por sua causa. Ao seu lado, descobri que eu também não sabia nada sobre esse mundo; passamos a descobrir juntos e você me deu de volta o que jamais pensei ganhar, uma oportunidade de voltar a ser criança, no sentido mais feliz que isso pareça. Entendi o que era a felicidade. Com você passei a rir do barulho de um pum, quando um copo cai no chão e quebra, passamos a conversar, dividir preocupações, esperanças, angústias, minha vida mudava a cada dia que você caía no parquinho e vinha pra mim com os braços abertos em busca de segurança e proteção. Hoje, mesmo com seus cinco aninhos, por vezes você me deixa sem saber o que pensar. Esse ano ainda não deu pra te dar a festa da Frozen que você tanto queria, mas eu te dou o meu amor, minha amizade, meu colo, minha preocupação, proteção absoluta de pai, que vale por todos os dias enquanto eu estiver vivo: a melhor história que eu sou capaz de contar, as melhores vozes que sou capaz de imitar, a melhor dança que eu consigo dançar, a melhor música que eu sei cantar, o melhor "monstro" que eu sei fazer, as melhores mágicas que eu aprendi pra te impressionar, o melhor prato, a melhor luta de sabre de luz do StarWas, o melhor fantasma com o maior lençol, os maiores sustos estourando as maiores sacolas plásticas, o mais ridículo que sei parecer pra você rir doente no hospital, o melhor de mim como pai, com a maior cobrança que tudo isso exige, porque você é a melhor filha desse mundo, muito mais do que eu como pai. Feliz aniversário. São cinco anos que não cabem num post, numa gargalhada de felicidade, numa lágrima de preocupação, cinco anos de aprendizado que, se eu não fosse pai, não saberia nem vivendo mil anos aqui. Obrigado por tudo. Te amo demais! "Te amo bem grandão". Te amo pra sempre e cada vez mais. Quando descobrir sozinha esse post, se eu não estiver mais aqui, jogue apenas com as mãos aquele nosso "beijo voador" pro céu, como jogávamos de uma calçada pra outra, pois saberei pegá-lo. Do contrário, em qualquer hipótese, venha aqui e me dê um abraço demorado, um beijo, vamos passar juntos esse dia e brincar novamente! Me leve desta vez pra um lugar que eu levava você e que ficou em seu coração. Seu amor me ajudará a crescer pra sempre e eu irei retribuir isso por toda eternidade. Feliz aniversário. 26/11/2017

Alessandro Lo-Bianco
1 compartilhamento
Tags: amor carta

Hoje, 5h já estava tomando um bom café da manhã; saí de casa 5h30 em ponto pra correr. Foram 10 km no marcador. No final da corrida, a lanchonete começava a abrir; tomei um suco verde batido na hora com água de coco e proteinato, e pensei em dar um mergulho no mar antes de voltar. Olhei no relógio e ainda eram 6h23, o sol subindo lindamente; Fui pra água, já esperando a recompensa pela boa corrida; quando mergulhei, tchum! Acordei. Eram 8h!! Levantei, tomei uma xícara de café, fumei um cigarro e comecei a trabalhar.

Alessandro Lo-Bianco
1 compartilhamento
Tags: saúde alessandro

A gente sofre nessa vida em nossa busca solitária pelos nossos sonhos. As vezes nos sentimos culpados e "adúlteros" com nós mesmos quando insistimos em virar a cara para os pensamentos que tentam nos desestimular diariamente. Parece que estamos mesmo sendo colocados à prova todos os dias. Sentimos, por vezes, uma barreira entre nós, face ao que fomos, somos ou ainda poderemos ser, e os outros. Por vezes somos vítimas de um efeito psicossomático que perturba essa busca que empreendemos - mais por vício de nos tornarmos alguma coisa do que por necessidade. Tentamos, inutilmente, afastar lembranças nessa busca, mas, o que conseguimos, muitas vezes, é uma satisfação incompleta. E, por isso, vamos vivendo desinteressados, ocos, indiferentes. Quase vazios de sentimentos, ante a maldade que o destino faz com a maioria de nós, pelo acaso. Muitas vezes, tudo o que queremos é não olhar, não ter que olhar para o futuro, viver sem precisar se abastecer de qualquer estímulo para tanto. Aí, quando chegamos nesse ponto, começamos a ruminar o passado e isto passa a constituir o nosso presente. Você espera em Deus, ou qualquer coisa ligada a alguma crença pessoal, que algo encontre por você. E passa a esperar. Essa busca, pressentimos, é muito difícil e sofrida, dada a nossa falta de fé, ou até mesmo ao excesso dela, que faz a gente insistir nas coisas. E aí, até esse dia chegar, sem saber se irá chegar, ficamos numa espécie de oração, rezando, ou como qualquer um pode chamar este processo, confiante em que essas orações cheguem até algum "Deus" - e o pior, sem que ele leve em conta os pecados que cada um de nós carrega nas costas. É a vida.

Alessandro Lo-Bianco
1 compartilhamento
Tags: desafio dificuldades

Convidei um senhor de rua para almoçar. Após o almoço, em razão de um aperto de mão, contraí uma uma irritação braba na pele da mão e do punho. Precisei tratar com um remédio forte. No final da consulta, o médico pediu para que eu não fizesse mais isso: "Aprendeu agora, né? Vê se não faz mais isso! Parece maluco..." Apertei a mão dele e disse que, no lugar do conselho, poderia me dar luvas.

Alessandro Lo-Bianco
1 compartilhamento

Quando a pessoa posta "fazendo a limpa no meu facebook" eu fico me tremendo todo de medo da celebridade de Hollywood me deletar do seu hall de amigos.

Alessandro Lo-Bianco
1 compartilhamento
Tags: deletar facebook

Dinheiro gera dinheiro, pobreza gera pobreza, educação gera educação e ignorância gera ignorância.

Alessandro Lo-Bianco
1 compartilhamento
Tags: alessandro lo-bianco

Não há certo ou errado. O papel do crítico é julgar, e, nesse caso, tudo é justificado.

Alessandro Lo-Bianco
1 compartilhamento
Tags: crítica cinema

A ficção da à vida sua forma.

Alessandro Lo-Bianco
1 compartilhamento

Estórias são equipamentos para a vida, muitas vezes de esperança.

Alessandro Lo-Bianco
1 compartilhamento
Tags: estórias história