Coleção pessoal de AilaSampaio

1 - 20 do total de 135 pensamentos na coleção de AilaSampaio

Somos duas retas que finalmente se encontraram no infinito.

Aíla Sampaio

Volta e meia ele dá a volta inteira pra que eu seja feliz
pelo menos por enquanto.

Aíla Sampaio

Descalça-me desses sapatos altos e me põe de volta no chão. Quero um amor consistente feito tronco de baobá, sem oscilação de nuvens e sem risco de ser levado pelo vento.

Aíla Sampaio

Acho que perdi a disposição pra ficar triste, mesmo que apenas de vez em quando. Também para pagar o preço por felicidades emprestadas, aquelas que, durante algumas horas levam às nuvens, mas, a qualquer instante, fazem desmoronar nosso ânimo e nos depositam na morada de Hades. Metaforicamente, claro. O tempo passou pro meu coraçãozinho e ele ficou comodista, não tem mais encanto por flechas de cupido, ao contrário, foge delas com medo da picada. Uma hemorragia a essa altura da vida pode ser fatal.

Não quero mais arrebatamentos, ansiedade se o amado não vem, insegurança se ele silencia por alguma razão. Não quero mais borboletas no estômago, a náusea da emoção desordenada; nem ficar alheia olhando o céu, quando o sinal já abriu e as buzinas nervosas dos carros azucrinam. Não, não quero mais esse estado de graça que, ao menor temporal, nos deixa em petição de miséria existencial.

Não quero mais arrastar correntes ou vagar pelo deserto quando houver desentendimento. Nada de comportar-me com subserviência diante de grosserias e descasos. Não desejo cobrar ou exigir o que quer que seja; o que vier terá de vir naturalmente como deve ser. Abro mão de dançar na chuva em pleno verão, desisto das constelações que poderia ganhar e do céu que sempre me prometeram mas nunca me deram. Desisto da insana sensação de amar para sempre, da ilusão de que existe eternidade... é tão breve o apogeu nas nuvens e tão dolorosa a queda! Quero mais não!

Quero somente ter motivos para manter o sorriso, quero a transparência nos gestos e a verdade com suas botas de couro. Chega de pantufas de lã que não preparam os pés para o chão áspero. Quero a embriaguez do vinho e os olhos fechados para as viagens mais longas; quero a certeza de que tenho os pés fixos à terra, por isso não vou cair a qualquer momento. Chega de vertiginosas derrapagens. O máximo que suporto é um inevitável tropeço.

No balanço da história vivida, virei muitas páginas, rasguei outras tantas e recomecei um novo enredo. A cabeça acima do coração, como Deus fez. A alma protegida das tempestades e o corpo sempre pronto pra não ser apenas mais um corpo, porque não pode morrer a poesia; não quero perder a vontade de acordar todas as manhãs, nem a sensação de que a vida pode recomeçar a cada dia.

Não acredito mais no pote de ouro no final do arco-íris nem em fadas que transformam abóboras em carruagens. Acredito apenas no que os meus olhos alcançam e as minhas mãos podem tocar. Amor platônico só é bonito na literatura... Na vida, o bom mesmo é a realidade, ainda que com suas cores gris atravessando o azul!

Aíla Sampaio
2 compartilhamentos

Chega-se a uma fase da vida em que os subtextos e as entrelinhas das situações saltam aos olhos, em que não se tem mais tempo para esperar indefinidamente, nem disposição para ficar em standy by. Nada de obscuridade ou indefinição; nada de joguinhos ou aventuras arriscadas demais. Poucas concessões e inúmeras restrições; muita intolerância a descasos, à falta de consideração e afins. E a certeza das certezas como um mantra: se não se pode ser prioridade, se não se pode estar em primeiro plano, que não se esteja em nenhuma posição. Antes a solidão bem resolvida ao desassossego de uma relação em descompasso de vontades e sentimentos.

Aíla Sampaio
1 compartilhamento

Não, não precisa de tapete vermelho, mas só entro na tua vida se for pela porta da frente. Não nasci para pular janelas ou sair pela área de serviço.

Aíla Sampaio
1 compartilhamento
Tags: tapete vermelho.

Desde que te soube, te espero. Melindro-me diante das descidas escarpadas e das subidas íngremes, mas não desisto.

Aíla Sampaio
1 compartilhamento

Traga-me bons ventos, meu amor, porque tempestades já me sobram. Dê-me olhos generosos, que não encubram as minhas rugas, mas disfarcem as minhas cicatrizes; que não busquem a minha perfeição, mas compreendam os meus defeitos. Traga-me sonhos, meu amor, mas com uma nesga de realidade na sala de espera pra que eu não tropece nas nuvens antes de chegar ao céu.

Aíla Sampaio
1 compartilhamento

Pedi silêncio ao vento para te ouvir chegar. Nenhuma folha se moveu até que demarcasses o teu território e pisasses o solo pátrio do meu corpo.

Aíla Sampaio
1 compartilhamento
Tags: silêncio. chegada.

Nunca mais era um lugar muito longe para onde ela jamais se permitiria ir.

Aíla Sampaio
1 compartilhamento

Ela estava ausente. Nada a presentificava onde deveria estar. Nenhum fio de cabelo se movia, nenhuma pálpebra batia, nenhuma lágrima caía. Estava ausente da rua, do trabalho e até do mar que continuava a quebrar nela as suas ondas, como a dizê-la que tudo passaria. Estava fora do seu corpo, a embalagem que vestia a sua ausência e fazia os outros acreditarem que ela ainda existia e andava e comia e vivia, quando apenas sobrevivia a si mesma!

Aíla Sampaio
1 compartilhamento

Eles se olhavam sempre como na primeira vez, sem se importarem com as ameaças do vento que dizia levar muitos sonhos misturados à poeira. Olhavam-se a despeito de todas as intempéries e desesperanças e plantavam na alma do outro a certeza de que nunca se separariam. HAVIA AMOR, por isso venceram os tornados e os redemoinhos; por isso atravessaram o deserto sem jamais sentirem sede ou soltarem as suas mãos. HAVIA AMOR e nenhuma justificativa mais precisaria ser dada pra explicar tão improvável sobrevivência!

Aíla Sampaio
1 compartilhamento

Era ele, mas quase não era. Ou não era mesmo. As pessoas íntimas quando passam a estranhas adquirem um novo formato aos nossos olhos. O cabelo estava menos liso, ou era a camisa muito largada. O olhar e o aceno da mesa à curta distância tinham um quê nervoso, uma falsa naturalidade que não lhe era comum (ou já era eu não percebia), e deixavam claro que não nos levantaríamos dos nossos lugares para um cumprimento mais próximo. Não que temêssemos uma recaída, mas porque não sabíamos lidar com tamanho esfacelamento da intimidade; nós, que já dormíramos e acordáramos juntos durante tantos anos, não sabíamos ser senão desconhecidos. Ambos tentamos uma alegria, mas ela veio descalça e tão desamparada que não convenceu nem a nós mesmos. Estávamos demais um pro outro ali, ou de menos. Apressei-me em ir embora e saí com um sorriso congelado, desconcertada como uma criança diante de um presente que não fora o pedido, as mãos crispadas a amassar o passado e um pensamento cruel que imaginei passar também pela cabeça dele: como se tornam desinteressantes as pessoas que deixamos de amar!

Aíla Sampaio
1 compartilhamento
Tags: desconhecidos. amor.

O amor às vezes se espatifa no asfalto, se afoga na banheira, vira um caco de vidro debaixo do pé. O amor às vezes redime, noutras condena. É a nossa salvação e a nossa perdição, mais arame farpado que nuvem de algodão, mas quem há de renegá-lo quando ele chega abrindo todas as cortinas e acendendo todas as luzes como se a vida fosse uma eterna festa?

Aíla Sampaio
1 compartilhamento
Tags: amor. salvação.perdição

Decididamente: não quero mais a companhia da tua ausência!

Aíla Sampaio
1 compartilhamento
Tags: ausênsia. companhia.

Há em ti uma paisagem suspensa, uma escuridão qualquer entre a realidade e o sonho. Meu olhar te atravessa e desnuda, não teme o confronto, parece que sabe os caminhos que deve percorrer e as esquinas que deve evitar.

Aíla Sampaio
1 compartilhamento
Tags: paisagem. sonho.

Encontramo-nos, quando o outono vestia a tarde com seus ventos e a idade já riscava os nossos rostos. Não havia espaço para dúvidas nem tempo para esperas. Ou segurávamos imediatamente os remos para chegarmos à margem, ou acabaríamos por naufragar na incerteza do depois.

Aíla Sampaio
1 compartilhamento
Tags: outono. rostos.

Aquele olhar que colhia amoras em minha boca e dava voltas no paraíso quando visitava o meu corpo... Aquele olhar era dele, mas nunca mais será. Roubei-o ao partir.

Aíla Sampaio
1 compartilhamento

Enquanto nos recolhemos silenciosos, às vezes até feridos e sem querer aceitar a realidade que nos contraria, a vida gesta novos episódios para a nossa história. Nenhum personagem sai à toa; nenhum entra por acaso. Tudo acontece de acordo com o enredo do Criador e o arbítrio de cada um. A nossa vida é consequência das nossas escolhas e invariavelmente pagamos um preço pelo acerto ou pelo erro. Só recebemos as respostas para os porquês do que nos ocorre, se aceitarmos que tudo é como tem que ser ou como fizemos com que fosse. Felicidade é pra quem acredita, pra quem faz por merecer. O Amor é somente para os que são corajosos; os fracos não fazem jus ao paraíso. São essas certezas advindas dos sinais que só os corações destemidos entendem que me fazem agradecer e dizer benditas e bem-vindas as boas surpresas do destino!

Aíla Sampaio
1 compartilhamento
Tags: escolhas. respostas.

O tempo me puxa pelos cabelos. Avia-te, amor, ou já me encontrarás acostumada à solidão e talvez eu não queira mais viver sem a companhia dela. O vento me arrasta pela mão... Não deixa que ele me leve, amor; posso habituar-me ao abraço do efêmero e ressuscitar minha alma cigana!

Aíla Sampaio
2 compartilhamentos