Clarice Lispector (1920 - 1977) continua sendo uma das mais célebres e amadas escritoras da literatura nacional. Nascida na Ucrânia, numa família russa de origem judaica, veio para o Brasil com os pais logo na primeira infância.

A autora cresceu no nosso país e se naturalizou brasileira, vivendo em vários locais como Maceió, Recife e Rio de Janeiro. Pela sua literatura intimista e psicológica, e também pela sua figura charmosa e enigmática, Clarice conquistou os corações da crítica e do público.

Retrato de Clarice Lispector.

Décadas depois da sua morte, Lispector ainda é um dos nomes literários que despertam mais interesse nos leitores. Se você quer mergulhar na escrita da autora e não sabe por onde começar, confira as nossas sugestões:

1. A Hora da Estrela

Capa do livro A Hora da Estrela

A Hora da Estrela é, sem dúvida, uma das obras mais famosas da autora. O romance foi publicado em 1977 e é narrado por Rodrigo S.M., um escritor fictício.

No centro da trama está Macabea, uma jovem nordestina que se muda para o Rio de Janeiro, aos 19 anos, em busca de uma vida melhor. A protagonista consegue trabalho como datilógrafa e encontra no rádio uma companhia para os seus dias.

Ingênua mas esforçada, Macabea também representa a luta de muitos nordestinos que chegaram na "cidade grande" e vivem lutando pela sua sobrevivência. Em 1985, Suzana Amaral dirigiu uma adaptação cinematográfica do livro.

2. A paixão segundo G. H.

Capa do livro A paixão segundo G.H

A paixão segundo G. H. foi publicada em 1964, se configurando como uma das obras mais enigmáticas da autora. No livro, temos o monólogo da protagonista, identificada apenas pelas suas iniciais, G.H. Isso lhe confere um certo anonimato ou até um estatuto de universalidade, como se pudesse ser qualquer um de nós.

Depois de demitir a empregada, a mulher vai até ao seu antigo quarto, para limpá-lo. Lá, dá de caras com uma barata, que acaba esmagando.

Esse mero acontecimento do cotidiano é suficiente para despertar um turbilhão de pensamentos e questões existenciais em G.H., que vamos acompanhando ao longo do livro.

3. Perto do coração selvagem

Capa do livro Perto do coração selvagem

Lançado em 1943, Perto do coração selvagem foi o romance de estreia de Clarice, escrito quando a autora tinha apenas 20 anos. No livro, já se podia perceber o seu tom intimista, em contraste direto com os romances regionalistas da época.

Ao contrário das grandes obras daquele tempo, o romance é voltado para a vida interior de Joana, uma jovem órfã de pai e mãe. Dividida em duas partes, a obra se foca na sua infância, com familiares e num internato, e depois já na idade adulta.

Ao longo de toda a narrativa, podemos acompanhar a busca da protagonista pela sua identidade e também as dúvidas existenciais que a perseguem.

4. Laços de Família

Capa do livro Laços de Familia.

Publicada em 1960, Laços de Família é uma obra composta por 13 contos que retratam cenários cotidianos da vida carioca. Na obra, existe uma crítica evidente à classe média da época, como se Clarice erguesse um espelho para que ela pudesse se enxergar.

As narrativas são atravessadas por personagens que parecem ter epifanias durante momentos banais. A postura deles é desencantada, solitária, cheia de angústia.

Por baixo de uma capa de normalidade, as histórias revelam protagonistas acorrentados, pelas convenções sociais, às suas rotinas, famílias e obrigações, através de contos como "Amor".

5. A Legião Estrangeira

Capa do livro A Legião Estrangeira

A Legião Estrangeira é uma obra publicada em 1964 que reúne 13 contos. As narrativas abordam temas variados como a infância, os relacionamentos familiares, a velhice e a solidão.

O livro reune alguns textos soltos, que a autora nunca tinha publicado, como o conto "Viagem à Petrópolis" que escreveu quando tinha apenas 14 anos de idade.

6. Felicidade Clandestina

Capa do livro Felicidade Clandestina.

Felicidade Clandestina, uma obra publicada em 1971, reúne 25 textos que a autora escreveu durante a vida, passados nas décadas de 50 e 60. Alguns destes textos eram inéditos, mas outros já tinha sido publicados como crônicas, no jornal para o qual Clarice escrevia.

Embora muitas destas narrativas sejam totalmente afastadas das experiências da autora, outras parecem ter um cunho autobiográfico. É o caso do conto que dá nome ao livro, sobre uma menina, a sua paixão por livros e também sobre a crueldade da infância.

7. Uma Aprendizagem ou O Livro dos Prazeres

Capa do livro Uma Aprendizagem ou O Livro dos Prazeres.

Publicado em 1969, o livro foi o sexto romance de Lispector e fala sobre uma ligação amorosa entre Loreley e Ulisses. Ela é uma professora primária que se muda para o Rio de Janeiro e conhece, durante uma carona, o professor de filosofia.

Juntos, os dois embarcam num relacionamento, conhecendo os seus desafios, mudando e se descobrindo. O livro carrega também algum erotismo, já que o casal escolhe esperar antes de consumar o seu amor.

Uma particularidade inusitada da obra é o fato de começar com uma vírgula, como se continuasse algo que havia sido dito antes.

Clarice Lispector: bibliografia

Romances

  • Perto do coração selvagem (1944)
  • O lustre (1946)
  • A cidade sitiada (1949)
  • A maçã no escuro (1961)
  • A paixão segundo G.H. (1964)
  • Uma aprendizagem ou o livro dos prazeres (1969)
  • Água viva (1973)
  • A hora da estrela (1977)

Contos

  • Alguns contos (1952)
  • Laços de família (1960)
  • A legião estrangeira (1964)
  • A felicidade clandestina (1971)
  • A imitação da rosa (1973)
  • A via-crucis do corpo (1974)
  • Onde estiveste de noite? (1974)
  • A bela e a fera (1979)

Crônicas

  • Visão do esplendor (1975)
  • Para não esquecer (1978)
  • A descoberta do mundo (1984)

Livros infantis

  • O mistério do coelhinho pensante (1967)
  • A mulher que matou os peixes (1969)
  • A vida íntima de Laura (1974)
  • Quase verdade (1978)

Correspondências

  • Correspondências (2002)
  • Minhas Queridas (2007)