Tayana Dantas

Encontrados 22 pensamentos de Tayana Dantas

Bom mesmo é ser ninguém pra poder ser tudo e mesmo assim continuar a ser nada. Sem rótulos, sem adjetivos. Só movimento, solto. Quem sabe até desconexo. A quebra do campo das probabilidades e a direção do olhar as possibilidades. A busca por “ser” já não é mais

Tayana Dantas

Andei de um canto a outro e deixei meus rastros, rastros que mudam tanto quanto meus passos. Passos que mudam tanto quanto eu. Inexistência do eu. Eu que não existo mudo a existência do não existir. O partir que parte passa a vir ao encontro de tudo que vai. Tudo que vai fica, tudo que fica vai, vai e transforma o que foi, ficando onde deveria estar. á um minuto atrás se foi e voltou de um jeito imensuravelmente diferente. Foi e ficou, na eternidade do segundo que se atravanca na mudança do amanhã, para o sempre do ontem. Mudou na segunda-feira, mas tudo é igual, com exceção de tudo.Ficou.

Tayana Dantas
Inserida por tayanadantas

Que doçura tinha Rita, ela era doce na sua vontade de ir além, de desbravar, quebrar barreiras. Ela era doce na sua paixão libertadora que não aconteceu. Morreu antes, como tudo que promete muito. Ela queria desafiar o pai com aquele objeto liberto que a encantava. Mas o objeto lhe causará amor e o amor era sempre triste, como ela.

Tayana Dantas
Inserida por tayanadantas

O amor é o único causador do ser
O ser por completo não há
Somos representações mal feitas de nós
Por isso não somos
A não ser quando somos nós no outro
Pois enxergamos narcisicamente no outro o que somos
E então somos. Somos o outro e o outro nos é.

Tayana Dantas
Inserida por tayanadantas

Senhora menina e suas cascas.
Que bela jovem era aquela. Tinha nela alguma poesia, uma filosofia qualquer. Não me parecia ter lido, assim tantos livros, mas parecia saber de algo, algo que talvez não tivesse aprendido, algo que talvez tivesse percebido. Ela tinha uma maneira peculiar de olhar, uma maneira peculiar de se movimentar. Seu movimento era em direção ao outro, ela se olhava no espelho do outro constantemente. Mas o que será que havia de irreal no encanto que ela causava? Será que por intuição ela sabia o melhor ângulo para cada espelho? Será que ela se contorcia para ficar na melhor pose? E o pior, sim, eu suspeitava do pior... Todo aquele malabarismo machucava os músculos da senhora. Ela em algum lugar ainda não havia percebido, que naturalmente já era linda. Que não era necessária nenhuma pose extraordinária para enfeitiçar o espelho. Não, não aquela menina. Ela era magia nas lentes fotográficas, e parecia ainda melhor nas lentes que captam movimento, sim, ela era movimento.
Até que um dia, a menina decidiu que não queria mais ferir seus músculos para agradar espelhos, ela enfim descobriu que a única pessoa que vê o reflexo é ela mesma. Sim, ela descobriu que poderia ter mil espelhos, poderia fazer mil poses, mas só veria a ela mesma, e só ela, só ela a veria. Já que o outro, também veria a si próprio no reflexo dela.
Houve um dia em que a menina se apaixonou por ela mesma através de um espelho, um espelho que a fazia se movimentar. Mas havia uma certa pintura naquele espelho, uma pintura estranha que a impedia de ver alguns detalhes.
Aquele espelho de fato não era um espelho normal. Tinha qual quer coisa nos seus olhos que não se faziam entender, tinha uma filosofia em movimento de contradição, de ebulição ou seria, de implosão? Às vezes era invisível, às vezes a tornava linda. Mas isso de se perder cansa e fascina, fascina e cansa. Era muita contradição, eram mentiras sinceras, logo ela que dizia se interessar por mentiras sinceras. Aquele espelho pelo menos teve valia, na sua loucura de pólos desconexos, deu a mão para e menina e ajudou a descobrir seu nada.
A menina começou a arrancar cascas, aquele espelho exigia muita energia, fazia bem, fazia mal. Estava sempre em eminência de partida, partida que não se concretizava. Aquele espelho era expectativa, era promessa. A menina passou a querer concretude, a menina não queria mais uma promessa, ela queria um presente. Mas o presente do espelho era como seus olhos, hora intenso, hora distantes. O espelho amava o reflexo de si nela, porém as vezes se assustava. Ela num dado momento se assustou também. Havia alguma coisa de errado na pintura daquele espelho. A pintura mudava de cor. A menina resolveu então que quem iria partir era ela. E partiu. Ela partiu o espelho também. Que hoje em fragmentos reflete outras coisas. Ela também reflete outros, também se fragmentou e se descascou ainda mais.
Talvez ela nem lembre mais, talvez sim. Um dia talvez foi a última coisa que ela disse se olhando no espelho. Um dia talvez ela se torne amiga do reflexo que enxerga naquele espelho, agora ainda é confuso demais.
Um dia... O espelho que hoje reflete outros amores, outras filosofias, guarda a lembrança do reflexo da menina, sem contorcionismos. Ele não guarda seus movimentos em fotos e até mesmo os retratos que o espelho tem dela, são fragmentarias, misturadas. O espelho já sabia em algum lugar. O espelho misturará a menina com o ambiente. Ele queria, ela também. Ela nada, ele nada, ela tudo. Amizade.

Tayana Dantas
Inserida por tayanadantas
1 compartilhamento

Na vida, a gente está sempre tendo que escolher entre uma saudade e outra.

Tayana Dantas
Inserida por tayanadantas

E hoje abri o dia e vi o sol, tentei fechar, não consegui.
Pensei. Aqui é alto, cair daqui de cima é morte certa, eterna. Morrer te livra de não esquecer.
Peguei o amor no colo, agora. Vou joga-lo pela janela.
Deus, por favor se o senhor existe, faça com que o amor não tenha asas.
Ele precisa cair.

Tayana Dantas
Inserida por tayanadantas

Peço
para um Deus que não existe
Mas peço
Pra minha mentira mais
Sincera
Pra minha verdade de dentro
Peço
Para o mar
Que mergulho
Peço
Para o céu que me cobre
Para o sol que me sua
Peço
Para os meninos
Da rua
estes que apagam a lua
Que não tenha meu nome
Em nenhuma
Lágrima sua.

Tayana Dantas
Inserida por tayanadantas

osso amor em Marquez

As engrenagens lentas
De um carro que parou
No meu acostamento
No nosso fim
Lamento,
Não te mais
Oh meu amor.
Andava em quatro mãos
E nenhuma perna
Nos faltou a seta
Pra dobrar o coração
E eu que mal sei escrever
te compus essa canção
E hoje são
Cem anos de solidão
Nosso tempo de cólera
Nos bordeis a ouvir
Histórias de putas tristes
Que naufragaram
Longe de ti.
Te anuncio minha morte
Minha falta de sorte
Os demônios são outros
Nessa casa de loucos
Não te amo mais
Oh meu amor.

Tayana Dantas
Inserida por tayanadantas

Algumas perdas são tremendos ganhos
Alguns olhares nasceram para se desviarem, feito o meu do seu. Não jogue suas palavras de cobrança, pois já botei na balança e não sou sua algoz.

Tayana Dantas
Inserida por tayanadantas

Ando sem saber da gente, com saudade de mim em você. Sinto que o tempo anda tão sem tempo, estamos duras por falta de abraço. To cansada de não matar cansaços nos seus olhos, lago.

Tayana Dantas
Inserida por tayanadantas

E se eu não sei trazer o riso ao seu rosto, não quero ser quem te derruba lágrimas. Minhas frutas verdes caem do pé antes do tempo, mas o sabor é um pouco ácido e seu estômago é fraco. Vai, porque ouvi o jardineiro dizer que nas árvores da redondeza existem frutas maduras.

Tayana Dantas
Inserida por tayanadantas

É que conceitualmente não existe morte melhor que a escolhida. É que concietualmente, acho bonito o suicida.

Tayana Dantas
Inserida por tayanadantas

Comecei a escrever porque dizer sempre me foi esquisito. O silêncio da boca me ensinou a gritar com dedos. Não sei falar, por isso escrevo.

Tayana Dantas
Inserida por tayanadantas

Você já reparou como é morbido? Pessoas fazem pedidos a estrelas cadentes. Será que elas não entendem? O que uma estrela, desesperada, em plena queda suicida, pode te dar? Ela só quer morrer no mar. Como eu, que quero minhas cinzas por lá.

Tayana Dantas

A necessidade do colo prova nossa incapacidade de ser órfão de mãe.

Tayana Dantas
Inserida por tayanadantas

Oi, você que sabe quem eu sou. Você me viu por ai? Não consigo me achar nessa multidão. Se você me ver, faz um favor, me pede pra voltar?

Tayana Dantas
Inserida por tayanadantas

caminho agora. Caminho com uma quase leveza. de quem está estudando para não pesar.

Tayana Dantas
Inserida por tayanadantas

Não mandem minhas palavras ao pé-da-letra, eu as carrego na língua, nos dedos e no coração, todas elas, verso e prosa, sem exceção. Não me levem tão a sério, eu também sou ficção.

Tayana Dantas
Inserida por tayanadantas

Essa mania minha, de terminar relações, quando essas ainda gozam de paixão, pode ser medo. Ou talvez um eu romântico que não sabe se desapegar do amor
e sai antes do fim, pra guardar ele pra sempre, ainda quente, em mim.

Tayana Dantas
Inserida por tayanadantas

Quando eu era criança
Eu sentava na janela
Via escorrer as gotas
Da cachaça e da panela
Tinha medo de crescer
De assim poder morrer
Como morria no céu
As estrelas de papel
E os versos do meu ser

Tayana Dantas
Inserida por tayanadantas

Quem foi
Que te deu a Rosa
Guimarães?
Quem foi que levou
Seus pés pelos sertões?
Quem foi
Que podou os ramos
Da sua graça?
E te deu asas nas mãos
Pra escrever a noite
E a vida
Nos confins dos meus
Pulmões?
O devir da ida
No porvir da graça
O sertão sou eu
Grito assim
Feito pirraça

Tayana Dantas
Inserida por tayanadantas