Poemas e Poesias Catarinenses - Face

1 - 25 do total de 55 pensamentos de Poemas e Poesias Catarinenses - Face

NOTURNOS

Suavizei teu nome em tempos de jardins
Enquanto teus tempos queriam me esvair
E incluir em sonhos do que tentava ser
Em repousos noturnos
Que escapavam de seres infelizes

E nas terças de terços intensos
De vinhos baratos, de copos pequenos
A gente se abraçava
E sorria da tristeza
Transformando conhaques em fluídos ardentes...

(eduardo pinter - 24 mai 1998)

Poemas e Poesias Catarinenses - Face
Inserida por PoesiasCatarinenses

DE CORPO E ALMA
letra: Marilda dos Santos

Noite de lua
Noite sozinha
Nas paredes do meu quarto
Fico a imaginar:
Sei que estás longe
Que em breve vais voltar
De corpo e alma pra me amar

De amores intrigantes
De passados distantes
Vênus e Marte sempre serão grandes amantes

Não me condene
Pelo meu mundo sem ação
O que importa
Se estou presa a este mundo?
Se é nesse mundo
Que eu sei te amar loucamente!

Quando te critico
Por fazer o que vem na cabeça
Não é por mau
E sim um modo de te proteger
E também medo de te perder

(28 Dez 1993)
Marilda dos Santos

Poemas e Poesias Catarinenses - Face
Inserida por PoesiasCatarinenses

VAGANTE

Renato Nova

Me sinto vagando sem rumo
Olhos ausentes não vêem o caminho
Sigo perdido sem destino
Não encontro meu horizonte

Sem abrigo nesta tempestade
O frio da noite no coração
Andando às cegas sem direção
Na garganta um grito sufocante

Não há estrelas no céu
Em tudo ao redor reina o vazio
Neste caminho soturno e sombrio
Sua imagem cada vez mais distante.

Xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

– 30 de junho de 2006 -
Renato Nova

Poemas e Poesias Catarinenses - Face

Olhos e coração
Renato nova – 2006

Entre brumas de sofrimento
brilham olhos de tristeza
Incertos perante a beleza
oculta na solidão.

Perdido no firmamento
olhos repletos de sentimentos
Sufocando o coração...

Coração que transborda lamentos
Busca na névoa a certeza
Que o amor que tanto almeja
traga luz à escuridão.

Perdidos no sofrimento
Buscando a luz a cada momento
Seguem juntos e solitários
Olhos e coração.

Renato Nova

Poemas e Poesias Catarinenses - Face
Inserida por PoesiasCatarinenses

PÓS-ATO

Qual a conseqüência do beijo?
Algo imensurável,
Plausível,
Desejável?

Toque de dois sentimentos,
Sutil,
Entrelaçado,
Que se algemam em paixão
mutua,
Constante,
irreparável.

Singultos ritmados,
Arrepios frementes.
Afagos,
Desabafos.

Nada disso,
Apenas bocas entorpecidas
Num cândido frenesi...

JRicardo de Matos Pereira

Poemas e Poesias Catarinenses - Face
Inserida por PoesiasCatarinenses

Muro de lágrimas
Renato Nova– 05/12/2007

Não vejo mais a beleza do luar pela janela
O coração já não bate mais contente
Tudo esta frio, insano, frágil, diferente!
A chuva molha o concreto da parede
Muro de minha prisão, minha única visão.

Momentos belos estão sendo esquecidos
Apenas sombras estão ao meu lado,
Sinto-me só, triste, vazio, abandonado.
Mesmo não havendo mais motivo
Neste quarto escuro, pela janela, só o muro...

Tento ser forte, escondo minha dor.
Uso falsas máscaras de felicidade
Porém este sofrimento não tem piedade...
Olho pela janela, não há luar, apenas um muro!
Molhado pela chuva e por minhas lágrimas.......

Renato Nova

Poemas e Poesias Catarinenses - Face

NAS SOMBRAS DA SOLIDÃO

Solidão não tem explicação
Talvez seja um vazio dentro de nós
Diferente seja à noite
E a gente só

Ouço então um sino ao longe
A chuva cai e banha meus olhos
Busco então me conter
E não sofrer

Entre a chuva e um sorriso
Procuro ver além dos espaços
Uma fuga, uma razão,
Para viver

Vago em sombras de meus pesadelos
Confundo então meus sentimentos
E me condeno, sem querer,
A solidão.........

escrita por Eduardo Pinter, Hilton Custodio Alves Junior e Renato Nova. não recordo a data.

Poemas e Poesias Catarinenses - Face
Inserida por PoesiasCatarinenses

Meu Momento que Ainda é Seu

Fiz uma canção para você
Com acordes imprecisos e inesperados
Com letras enfatizando mágoas e flores
Retiradas de tuas lágrimas e sorrisos

Fiz uma cantiga de ninar
Com meu sorriso bobo e olhar encantado
Dedilhando meu violão há tanto esquecido
Dedicando teu sono em sonetos monocórdios

Desenhei teus olhos em folhas canzon
Com meus lápis 6B e meus traços irregulares
Trouxe novamente tua atenção à mim
Trouxe novamente ressentimentos e um pouco de giz pastel

Escrevi um poema com teu nome
E nele meus parágrafos eram desconexos
Que terminavam sempre em reticências
Para nunca terminar o que a realidade me afanou

Ofereci meu dia-a-dia
Te tratei como poesia
Lutei com frenesia
Te enalteci em forma de supremacia

Hoje deixei o dia voltado à mim
Pintei meus quadros acinzentados
Terminei meus textos de frases inacabadas
Mudei meus móveis de lugar (...)

Dediquei meu dia à você
Os cinzas deram cores as tuas cores preferidas
Minhas frases dedicaram as letras do teu nome
E voltei a deixar meu quarto do mesmo modo como você o deixou

Fabiano da Ventura

Poemas e Poesias Catarinenses - Face
2 compartilhamentos

LUZ DO SOL
(Eduardo Pinter)

Você quer que eu entenda

Mas você não me entende

Quer que eu sorria mais

E não me faz sorrir

Quer que eu suba

Mas não me faz crescer

Finge que sente

Mas não me faz sentir

Você me escuta

Mas não quer me ouvir

Você fala quando me quer calar

Você olha enquanto eu tento ver

Você sorri quando me ver chorar?

E os campos inundam o que é florir

E as correntes caladas irão gritar

E os vagos sonhos terão um fim

E a luz do sol irá escurecer

19 Jan 2013

Eduardo Pinter

Poemas e Poesias Catarinenses - Face
Inserida por PoesiasCatarinenses

PRECIPÍCIO
(Eduardo Pinter)

Estou a beira do universo aspirando a poeira do sentimento
Extremo cuidado no penhasco do suspiro que ainda cativo
Minha visão não alcança a ponta da lança que há horas joguei
Talvez seja tão profundo quanto onde paira meus pensamentos
E me cega ao encanto do cinza que deságua envolto desta dor

09 abril 2013

Eduardo Pìnter

Poemas e Poesias Catarinenses - Face
Inserida por PoesiasCatarinenses

A Viagem

...E quando eu partir,
quero ir com dignidade.
Assim,
sem louça suja na pia,
o banheiro e o quarto,
todos bem arrumadinhos.
Na sala, porém,
que deixem a TV ligada,
e que seja num Telejornal,
porque a vida segue.
Nada acabou.
Sou eu apenas que vou passear,
alí, naquele outro mundo,
sem mala, nem passaporte,
levando só comigo
o cheiro infinito do nosso amor...

(Dinho Kamers)

Poemas e Poesias Catarinenses - Face
11 compartilhamentos

CRÔNICA DE UM LEIGO
de: Eduardo Pinter

Uivamos ao clamor da paz mundial
Nesta terra que o apocalipse parece reger.
Esta humanidade desumana viciada em desordem
Perdeu o que talvez nunca teve: um coração.
Jornais televisiveis, escritos e caricaturados
Amam em ênfase a dor do próximo por audiência.
E a pergunta mais imbecil que possa existir
À família que acabara de perder um ente próximo:
" como vocês se sentem?"...
A falta de sensibilidade ou inteligência à questões cruciais
Parece reinar sobre qualquer noção significativa
À ordem humana ou racional.
A impunidade, a diferença social, colabora com a violência;
Mas os poderes dos poderosos só existem
Quando um povo desolado porém, coerente de suas razões,
Não se unem para uma mera questão:
UNIÃO -- não para obter privilégios próprios,
Mas para abraçar causas nobres onde todos deitarão
Sobre a consciência voluntária e verdadeira em harmonia com a Unidade.

26 Abril 2013
Eduardo Pinter

Poemas e Poesias Catarinenses - Face
2 compartilhamentos

O Café II

Café não se bebe:
Se saboreia.
Digo isto,
porque assim o faço.
Puro, adoçado,
não vem ao caso.
O importante mesmo,
é que seja saboreado,
assim,
bem devagarinho,
molhando a boca
como uma suave melodia...
Pois o café foi feito
para ser apreciado,
solene
até o último ato;
Quando a xícara já estiver vazia,
e a gente, alí,
viajando...
Totalmente inebriado...

(Dinho Kamers)

Poemas e Poesias Catarinenses - Face
Inserida por PoesiasCatarinenses

Improvisando....
Tentei versificar teu olhar, mas como posso resumir o que é belo com simples palavras?
Como posso regozijar a alegria estampada em teu sorriso?
Procuro palavras desvendando sonhos... Perpetuo dizeres ao fechar os olhos... Poetizo lágrimas que rubricam meu rosto ao te sentir. Mas como expressar tal sentimento?
Palavras, Almagres do desejo que afloram repentinamente, singultos de um coração que chora... Retrato da alma gêmea que esta ao meu lado, Resquício do te querer que em mim é predominante!!!
Dom. 28.04.2013 as 13:39hs

JRicardo de Matos Pereira

Poemas e Poesias Catarinenses - Face
Inserida por PoesiasCatarinenses

ALÉM DO INFINITO AO AMANHECER
de: Eduardo Pinter

Ande aos passos largos
Em busca do cálice entorpecente que alivia a razão
Busque a oração do sagrado
Envolto as sobras do ontem cristalizando os sonhos das manhãs
Conte as sementes dos maus
Fertilizando o bem que as noites navegam antes do precipício
Diga o que ninguém deseja ouvir
Desde que não fira a ferida alheia
E não desgrace a desgraça dos outros
Sonhe o seu sonhar
E não acorde o pesadelo que devaneia por luzes obscuras

26 Abril 2013
Eduardo Pinter

Poemas e Poesias Catarinenses - Face
Inserida por PoesiasCatarinenses

O Bem-Te-Vi

...E no meio
daquela floresta,
do pouco verde
que ainda resta,
um bem-te-vi
espiáva-me.
E eu,
observando,
tentando me esconder...
Enquanto ele,
meio que brincando,
à sorrir
parecia me dizer:
bem-te-vi !
bem-te-vi !

(Dinho Kamers)

Poemas e Poesias Catarinenses - Face
Inserida por PoesiasCatarinenses

Desvencilhar
É sentir o orvalho na face,
brindar com a lágrima que escorre no semblante
Recuar de tudo o que é lógico..
Procurar o inusitado... AMAR!!!
Sentir o desejo em sua maior plenitude:
“O querer”
Sem te querer não posso te amar, e, não te amando, apenas te versifico,
como devaneio,
como fagulha de um sentimento platônico que ainda resiste e reside em mim!
Ter. 07.05.2013 as 01.13Hs

JRicardo de Matos Pereira

Poemas e Poesias Catarinenses - Face
Inserida por PoesiasCatarinenses

(Rê) Sentir

Versificar...
Verborizar...
Simplificar...
Regozijar...
Viver!!!
Tantos outros verbos que se sonorizam/poetizam e rimam com o verbo amar.
Por isso digo:
Versificando,
Te conduzo a essência de meu sentimento;
Verborizando,
Te envolvo nas palavras de meu desejo;.
Simplificando,
Resumo meus sonhos quando estou em teus braços,
Lábios e seios;
Regozijando,
ratifico a comoção de tê-la ao meu lado, e, ao
viver...
Apenas sorvo da essência da vida estampada em teu olhar e teu belo sorriso...

José Ricardo de Matos Pereira - Terça . 07.05.2013 as 01:41 hs.

Obs.: A minha inspiração maior: Rê.

JRicardo de Matos Pereira

Poemas e Poesias Catarinenses - Face
Inserida por PoesiasCatarinenses

Ícaro

Os deuses o abençoaram com a liberdade,
E um espirito aventureiro,
Cheio de confiança e esperança
Sobre o que o aguarda.

Planeja a sua ida ao sol,
Apolo não permitirá, os deuses
Hão de lhe ajudar.
Héstia o guiará.

Com o fogo da paixão ela o presenteará.
Ele não há de recusar o presente
Que acabara de ganhar, nada irá se findar,
Apenas começar.

A deusa da lua se compadecerá
Da filha de Vênus que ousa o desejar.
Assim uma linda história há de se
Inaugurar no livro de ouro da Mitologia.

Onde todos os deuses vão abençoar
Esta união, feita pelo coração.
E todos os amantes vão se inspirar
Para uma nova canção cantar.

O nome de Ícaro hão gritar.
O nome da filha de Vênus hão clamar.
Todos vão querer vivenciar esta emoção
Escrita no céu de uma doce ilusão.

Daiane Bussularo

Poemas e Poesias Catarinenses - Face

NAS MANHÃS DAS TARDES NOTURNAS
de: Eduardo Pinter

Este silêncio que devora todas as manhãs

Parecem gritos ecoando por todos os cantos

Este sentimento vazio que algo está faltando

Parece agonizar sempre quando acordo

E todas as manhãs... parecem todas iguais

Depois do meio dia, sonolência bate, preciso descansar

O corpo parece que já sabe, a tarde é longa, é preciso se preparar

Entre o perdão e o pecado existe um intervalo de consciência

O sangue das mãos é um ato de pura sobrevivência

E todas as tardes... parecem todas iguais

E a noite chega e parece que não sou o mesmo

As promessas das manhãs não tem mais sentido

Não tenho mais tempo p'ra ter pena de mim mesmo

Estou pronto p'ra lutar, pronto pro sacrifício

E todas as noites... são todas iguais

21 maio 2013
Eduardo Pinter

Poemas e Poesias Catarinenses - Face
Inserida por PoesiasCatarinenses

CLARO AMIGO JOSÉ
de: Eduardo Pinter

Oh, caro amigo José.
Teus pensamentos andam confusos
Porque você os confundem
Com tantos sonhos profundos.

Teu orgulho não tem a liberdade,
Nem pingo de razão
Para obrigar teus amigos
A entender teu próprio coração.

Mas, meu caro amigo José,
Se nos mares onde navegas
A chuva não bate forte,
dúvidas terás do valor da chuva
À que te negas.

Caro amigo José,
A vida é bela outrora nobre
Mas, se ela não brilha como você quer
É porque tua luz tornou-a pobre.

Assim, outrossim se vai, José.
Quando ofuscas o reluzir
Tornando-se ofensivo
Na juntura de seus amigos.

Meu caro amigo José,
Se perderes as esperanças
Tua fragrância escassa
Perderá o alicerce da vida.

16 Jan 1998
Eduardo Pinter

Poemas e Poesias Catarinenses - Face
Inserida por PoesiasCatarinenses

Falando de Amor

...e com teus olhos me prendeste.
Com tua boca,
foste canção...

Doce ilusão...
Pois que o amor,
é coisa estranha mesmo,
que embriaga lentamente.
E quando acordamos,
eis que já roubou as chaves do nosso coração...

(Dinho Kamers)

Poemas e Poesias Catarinenses - Face
Inserida por PoesiasCatarinenses

SUAVIZANDO A PAISAGEM
de: Eduardo Pinter

Os ventos de ontem com os rumores dos amanhãs…
Endiabrados conceitos que ninguém se faz entender
Costuram as sombras dos males infernais
Com a dor saudando saudades de invernos passageiros
E contaminando verdadeiras mentiras em prol de um câncer maior:
Nossa certeza não tem certeza de nada
E a Imprensa só imprensa o que não pensa
E o esgoto deste riacho que nos contenta
Só nos interessa pois de fato é da ignorância
Do que realmente nos alimenta.

25 Jun 2013
Eduardo Pinter

Poemas e Poesias Catarinenses - Face
Inserida por PoesiasCatarinenses

Raro

Nada fala,
apenas
para e repara;
que o tempo é curto,
e a voz atrapalha.
Olha,
sinta o agora,
o amanhã
já é outra cor,
e vai embora...

Entenda,
seja a folha
jogada ao vento.
Que o muito é pouco,
quando o amor é o momento.
Então me beija,
com toda a alma infinda.
Apenas beija,
que a vida assim é rara,
e o amor, mais raro ainda...

(Dinho Kamers)

Poemas e Poesias Catarinenses - Face
Inserida por PoesiasCatarinenses

De pedra à flor

Em um jardim arrasado pelo tempo
Em uma pedra envelhecida pela dor e pela solidão
Uma pequena flor tentou brotar
Mas a dor,de tão grande que era
tentava a todo custo a flor matar
Então,após séculos de luta
a pedra resolveu parar
Parou e olhou em sua volta
E uma pequena luz ela viu brilhar
E neste dia soube
Que em flor iria se transformar

Marilda dos Santos

Poemas e Poesias Catarinenses - Face
Inserida por PoesiasCatarinenses