Nemilson Vieira de Morais

26 - 50 do total de 185 pensamentos de Nemilson Vieira de Morais

Se a noite é triste, lembremos que dias alegres virão para refazer nossas forças e continuarmos a caminhada que ainda temos de empreender.

Nemilson Vieira de Morais
Inserida por NemilsonVdeMoraes

Não somente eu apaixonei-me por ela; todos aqueles que a conhecem se encantam.(27.07.18)

Nemilson Vieira de Morais
Inserida por NemilsonVdeMoraes

Se Eugenia conquistar seu coração plante uma semente dela na terra fofa do chão. E a gratidão sairá da natureza para sua mesa.(27.07.18)

Nemilson Vieira de Morais
Inserida por NemilsonVdeMoraes

Naquele momento que nos via tentaram roubar minha atenção: distraindo-me.Não conseguiram. Por um tempo,estático, só tinha olhos pra você.(27.07.18)

Nemilson Vieira de Morais
Inserida por NemilsonVdeMoraes

FACETAS DO DESTINO

CONTO
À tarde já avistando as casas do lugar e, começando a cair uma chuvinha, João César de Oliveira, que trabalhava na Agência dos Correios local, retornava de uma longa jornada que fazia por aquelas cercanias entregando correspondências, em lombo de animal...
Chegou o burro nas esporas e procurou abrigo na residência de um amigo mais próximo.
- João, sê num sabe da maior!…
- Conta logo cumpade Martiliano, a novidade!...
- Bernadete, sua noiva, fugiu de casa noite passada, com Venceslau, o fio de Seu Juquinha.Escafedeu-se; somente na manhã de hoje é que ficamos sabendo.
- Não fala isso!...Santo Deus!...Bem que eu vi: ela andava muito estranha comigo ultimamente!...
O boêmio João César, que amava entreter-se em serestas e bebidas, com colegas de farra; a partir desse tsunami sentimental, ganhou mais forças no entretenimento e hábito, mas, em alguns momentos, se recolhia em seu silêncio.
Seguia seu destino duvidoso, naquele desvario sem fim, pelas ruas,praças e bares da cidade. Parecia mesmo que o mundo havia desabado sobre si, depois deste drástico acontecimento afetivo que lhe sobreveio.
Mas, “quem tem muitos amigos pode congratular-se”... Não lhe faltaram ombros e bons conselhos; no sentido d’ele se apegar mais a Deus e firmar o pensamento n’Ele; parasse ou diminuisse a bebedeira pois, com certeza se continuasse daquela maneira iria à ruína… Que, arrumasse uma boa moça que o amasse verdadeiramente: assim, não o abandonaria nunca.
“Na multidão de conselheiros há sabedoria”...
De alguma maneira às palavras daqueles ilibados senhores de mais experiência, os guiou mostrando-lhe alguma direção…
João César deu de por assunto naquelas sábias orientações. Precisava como nunca, dar a volta por cima. Iria lutar pelo “leite derramado”. “A vida é para os fortes”... Pensava.
Se a tormenta entristeceu seu caminho, sua força e garra, para vencer os desafios, e, a bonança advindo disso, lhe trouxeram o sol de volta.
Casou-se com D. Júlia. Moça séria e dedicada, de família humilde...Como professora, percorria a pé,consideráveis distâncias de sua casa à escola - ida e volta -, todos os dias, para ensinar “seus meninos” -, como os mestres gostam de chamar os seus pequeninos discentes.
Viviam tão bem que não era de duvidar ter nascido um para o outro. Umas rusguinhas haviam de ter, mas muito raramente. Dessa união tiveram três filhinhos adoráveis: Nonô ( Jescelino) e Naná (Maria da Conceição) e Eufrosina que logo falecera.
Quando do nascimento de Nonô, como não era pra ser diferente, a felicidade transbordou naquele casal... Logo a cidadezinha sabia da novidade em forma de “gente nova”, que alegrava aquele “doce lar”. Pois o orgulhoso papai, João César, vivia anunciando as “boas novas” aos quatro cantos:
“Lá em casa nasceu um ‘Presidente da República’ ”. Seu lindo garoto veio ao mundo saudável. Benza Deus!...O que ninguém sabia era que o orgulho daquela família mineira, mais tarde, se tornaria também o orgulho do povo brasileiro. Pelo ilustre filho estadista inconteste, que a nossa “Pátria Amada” abrigou.
Um pouco mais adiante Nonô, já na vida adulta, tornou-se amante das serestas; parceiro e amigo inseparável de Dilermano Reis. - Expoente máximo do mundo artístico brasileiro.Quando executava seu velho pinho o rouxinol, o uirapuru... Se os ouvisse, interromperia suas atividades e cânticos, nos galhos das árvores, para o reverenciá-lo no mais profundo silêncio.Esse violonista, ao dedilhar o seu instrumento de cordas, nos passava (ou passa) a impressão de haver vários outros instrumentistas o acompanhando nas suas execuções melódicas.Está para nascer outro maior.
Como vinha discorrendo: João César não viu, governar o Brasil, o Presidente da República que ele mesmo vivia apregoando ter nascido em sua casa – ao nascer; que o colocou no mundo para o “bem de todos e felicidade da nação”.
Curtiu muito pouco o filho - uns dois anos e pouco - e este, por sua vez, também não teve o pai ao seu lado, por muito tempo, acompanhando seu crescimento e trajetória de sucesso.
Juscelino fez uma revelação surpreendente sobre o pai numa mídia impressa que acho ter sido na revista “O Cruzeiro”; lá pelos anos 70, mais ou menos assim: “Me lembro muito do papai quando ficou “isolado” do nosso convívio por causa de uma lepra - hoje hanseníase; eu tinha beirando três anos de idade. Quando íamos com a mamãe, visitá-lo, eu corria na frente para abraçá-lo, mas não me permitiam ficar com ele: logo eu era interrompido disso. Vi uma multidão o conduzindo na rua da minha casa para sua última morada...”.
Tal matéria jornalística ainda pontuava que João César, sabendo que não sairia com vida daquela terrível enfermidade e, pressentindo as cortinas da sua existência se fechando, orientou à esposa:
“Eu tenho duas mudas de roupas mais conservadas, me vista com a melhor delas para o meu enterro. Em poucos dias assim foi feito...
Naquele tempo os pais sonhavam pelos filhos; e se empenhavam ardentemente que os mesmos seguissem a carreira de clérico,de advogado ou de médico. O ofício do religioso contava mais. Por acharem “a vida de padre santa e bonita”. Então D. Júlia se encarregou de matricular o seu garoto num seminário católico. Para a alegria de todos, teria um “padre” na família num futuro não muito distante.
Seria um ledo engano aquela pretensão?!... Sim, com certeza:seu rapaz sempre deixou claro à instituição católica que, não levava jeito para aquilo; e confirmou também à sua mãe a surpresa desagradável: não iria mesmo usar batinas e nem dizer missas... “Não tinha vocação para a vida eclesiástica”.
Imagino o quão doloroso foi para aquela mãe saber disso. Mas, fiquemos com o que escreveu Machado: “Antes um padre de menos que um padre ruim”.
Resoluto, Juscelino rumou para capital mineira...Com 200 mil réis, montante proveniente da venda da única jóia que D,Júlia havia recebido de herança.
Em Belo Horizonte seu primeiro ofício foi de telegrafista dos correios; posteriormente, tornou-se médico e entrou para a Força Pública Mineira (hoje Polícia Militar PM); - eu soube disso numa visita ao Museu JK, ano passado; Secretário de Estado, prefeito,Dep. Federal,Governador…
A barragem da Pampulha rompeu-se no final de seu governo, em 1954. A fúria das águas foram tantas que levou embora inúmeras aeronaves do Aeroporto Tancredo Neves, que fica logo abaixo da represa; eu vi as ruínas de uma ponte atingida por este acidente; suas ferragens foram rasgadas como papel.
Então, Juscelino ainda no seu cargo majoritário, providenciou uma nova barragem no mesmo lugar da anterior, para “não mais se romper”. - Segundo ele. Conta-se que, na referida edificação, uma carreta, só dava conta de transportar uma única “pedra” em cada viagem que realizava.
Aproveitando o ensejo, ainda impulsionou o turismo local e mundial quando construiu no entorno da obra, o Complexo Arquitetônico da Lagoa da Pampulha; hoje, tombado pela ONU, como Patrimônio Histórico e Cultural da Humanidade.
Como se tudo isso fosse pouco Juscelino deu de escrever e como tudo que fazia se dedicava ,virou escritor; depois de publicar várias obras literárias de grande relevância,dentre elas “Porque Construí Brasília” e “Cinquenta Anos Em Cinco”, tornou-se membro da Academia Mineira de Letras.
Perdendo uma vaga na Academia Brasileira de Letras (ABL) para o goiano Bernados Élis, disse que era mais fácil ser presidente do que acadêmico naquela instituição literária.
E conforme a “profecia” de João César, o Presidente da República que dizia ter nascido em sua casa, em Diamantina - MG, já como tal, convidou dois amigos: Oscar Niemeyer e Lúcio Costa, para construírem uma nova Capital Federal para o seu país, nos ermos de Goiás. Cumpriram com denodo os enormes desafios.E eis que tudo se fez novo.
E Brasília – DF se tornou uma das capitais mais modernas do mundo...
Em 1960, na sua inauguração, perante um mar de pessoas que se podia contar, Juscelino Kubitschek de Oliveira, Presidente da República do Brasil,cantou abraçado com a mãe, D. Júlia kubitschek, “O Peixe Vivo”, uma de sua canções preferidas.
Como pode um peixe vivo/ viver fora d’água fria/como poderei viver/ sem a sua companhia/...
(29.07.18)

Nemilson Vieira de Morais
Inserida por NemilsonVdeMoraes
1 compartilhamento

PUDE AMAR…

No seu tom de voz, como música me embalando…
E no desvelar de suas palavras,
percebi sutis desejos:
Não eram coisas bonitas, ditas sem pensar...

Era sério o que ouvia, vindo de ti.Eu não vivia tão somente numa sucinta linguagem coloquial: verbos,advérbios...Adjetivos. Soltos no ar.

Mas, em extensos artigos escritos com ponteiros de aço em placas tectônicas, acomodadas em seu calor humano.

Sem rodeios, quis logo saber...
E confirmei o perfeito amor: em cativantes,
gestuais de carinhos êxtaseante;
em afagos, um profundo silêncio... E frenéticos mover-se…

Nos acalentos, nos acalmamos da agitação da alma,dos dias e da vida.

Tudo mudou-se pra melhor em nossa existência: agora, tão somente nos amamos...
(01.08.18)

Nemilson Vieira de Morais
Inserida por NemilsonVdeMoraes

"É... Quando Deus nos chama temos que ir"...
Às vezes nem foi Deus que chamou e a pessoa foi assim mesmo. (10.08.18)

Nemilson Vieira de Morais
Inserida por NemilsonVdeMoraes

O mal atendimento piora o estado do paciente (11.0818).

Nemilson Vieira de Morais
Inserida por NemilsonVdeMoraes

Levaremos p/ a eternidade aquilo que cultivarmos no final da vida; então saberemos do peso ou da leveza de nossas atitudes terrena (11.08.18).

Nemilson Vieira de Morais
Inserida por NemilsonVdeMoraes

Realmente a dívida é ruim pra quem deve. Até ao amor é bom que se pague (11.08.18).

Nemilson Vieira de Morais
Inserida por NemilsonVdeMoraes

SANTA HISTÓRIA

Se tu olhar nas palmas das minhas mãos irá se encantar...Vendo-se como um bebê engatinhando; e, quando tiver entendimento e, souber ter seu nome gravado nelas... Quanta alegria!
Todos os dias me vêm à memória: você. Como um renovo regozijo-me nessa relação contínua.
Caso a miopia atrapalhe sua visão... veja se entende a grandiosidade desse fato por meio d'outro sentido...
Se puder, glorifique-me... Aceitarei o seu louvor como cheiro suave.
Se não, creia tão somente que o amor é uma semente na mão do Criador tentando brotar.Viver.
Basta ter fé, pois nesta verdade me vejo.celebrando a vida, fazendo parte dessa "Santa história”.
(17.08.18)

Nemilson Vieira de Morais
Inserida por NemilsonVdeMoraes

O amor é uma sementinha de gente na mão do semeador,espalhado, brota a todo instante na plantação do Senhor.(18.08.18)

Nemilson Vieira de Morais
Inserida por NemilsonVdeMoraes

Não sou diferente dos demais.Pois não inventarei a roda. Na graça de Deus vou vivendo de arroz e feijão,uma verdura e um naco de carne, quando aparece. Porque isso a vida me deu; e não há de me negar. (01.09.18)

Nemilson Vieira de Morais
Inserida por NemilsonVdeMoraes

Vi doentes fazendo promessas.Depois de curados nem ligam mais pro Santo.(14.09.18)

Nemilson Vieira de Morais
Inserida por NemilsonVdeMoraes

DESAFIOS DE UM REI

CONTO
Certo rei, numa província distante, lançou alguns desafios aos seus provincianos; que consistia em três perguntas básicas, feitas pela própria Majestade Real aos participantes:
Qual o peso do mundo? Quanto valia a sua vida? – a vida do rei – e, o que pensaria quando fizesse a segunda pergunta ao participante.
Os desqualificados iriam imediatamente para a guilhotina; somente o que respondesse com mais acerto, às referidas interrogações, da Autoridade Suprema do Reinado, ganharia à metade do reino e de quebra, poderia se casar com sua filha caçula.
Pelo risco da competição... O vultoso número dos inscritos surpreendeu.
Pedro fazia parte desse grande contingente de participantes. “Quem não arrisca não petisca, portanto não custa tentar”. Dizia.
Dia chegado, Pedro teria somente quatro horas para se apresentar. E bateu um desespero enorme nele.Era notável sua preocupação.
Na noite anterior não havia dormido quase nada. Só pensava em não dar conta de responder as ditas perguntas propostas, à altura da vitória; e perder a vida de graça...
Mesmo em súbita melancolia… Lembrou-se de pedir ajuda ao irmão gêmeo, Paulo. E se pôs a procurá-lo, por todos os lugares. As horas corriam muito rápido...
Até que o encontrou;
Pediu-lhe ajuda em desespero extremo...
Paulo prontamente procurou ajudá-lo; propondo-lhe uma possibilidade viável – segundo ele – para a resolução do problema que afligia o irmão.
Os dois eram muito “parecidos fisicamente” e, isso tinha lá as suas vantagens. Unidos como a carne e a unha; por ele e para ele, faria o possível e o impossível...
– Troquemos nossas vestimentas e eu irei pessoalmente como sendo você, submeter-me e, responder as perguntas da Vossa Alteza
Pedro ficou mais aliviado.
E como não havia mais tempo a perder...
E foi-se Paulo para o desafio com o Rei Carlos XXIV.
A carnificina no local dos desafios era grande e aterrorizante: a lâmina afiada não cessava um só instante em seu trabalho de cortar pescoços. Porque ninguém passava nem perto das respostas adequadas, aos caprichos do rei.
Na retaguarda, estavam apostos fortes soldados da Companhia De Guarda do Palácio, com lanças, apontadas para os desafiados. Mas nada daquilo atemorizou o resignado irmão de Pedro.
Momento chegado lá estava Paulo – como se fosse seu irmão – diante de Sua Majestade, o ouvindo:
– Está pronto cidadão, para responder o que te perguntar?
– Perfeitamente Sua Alteza.
– Pois é...
“ Às três respostas que serão dadas por você, a mim, deverão ser convincentes; do contrário, sua condenação à morte será uma realidade inegável e, irrevogável”.
– Qual o peso do mundo?
– “Não me furtarei jamais ao honroso dever de aferir e lhe informar prontamente, com exatidão, o peso do mundo; desde que me garanta remover dele, paus e pedras. Caso tenha uma ponta de dúvida da minha capacidade de fazer tamanho feito, faça-me tão somente o que lhe sugiro”.
O rei coçou a cabeça. E fez a pergunta seguinte:
– Então,quanto vale a minha vida?!
– Sua magnânima vida, nobreza,é igual a vida de seus pais,de sua esposa e filhos; igual a minha. Nem a Terra e nem os céus caberia acomodar as cifras monetárias caso alguém ousasse fazer uma proposta imbecil de tal compra e, a mesma fosse aceita. Portanto,esta dádiva Divina que Nosso Pai Supremo nos confiou “não tem preço”.
O Rei Carlo XXIV bateu com força na mesa, com a pedra do anel – ouve um silêncio profundo –, pediu um intervalo à comissão julgadora e, licença ao pobre fidalgo desafiado. Levantando-se direcionou-se ao interior de sua residência.
Lá encontrou a rainha chorando, abraçada com a filha, que também chorava; temerosa de perder a formosa princesa e a metade do reino para aquele astuto sujeito, que respondia com maestria e autenticidade as perguntas que lhe eram feitas.
O rei muito constrangido de ter – ele próprio – ocasionado aquela situação conflituosa procurando consolá-la e compensá-la, disse a ela que lhe fizesse um pedido. E ela a fez:
– Amor, tu sabe que eu o amo.... Ainda falta um pergunta, e, pelo jeito ele vai dar uma bela de uma resposta; mas faça o seguinte: respondendo bem, o não,desapareça com este sujeito.Senão a nossa vida vai ser um inferno.
Enfim à terceira e última pergunta do rei:
– O que pensei quando fiz a segunda pergunta a você?
– A Vossa Alteza no momento em que, me fazia a segunda pergunta, pensou de ser eu o pedro; mas, estava, e ainda está, redondamente enganado; em verdade, eu sou o paulo.
Paulo Acertou em cheio a pergunta da majestade: fora aquilo mesmo que o rei havia pensado. Mas quando o mesmo deu ordens aos seus súditos, que o levasse à lâmina fria da morte para o martírio...
Paulo já havia vazado na braqueara – fugido para as montanhas – , mundo afora, desvencilhando-se em meio à multidão.
Paulo saiu vencedor no desafio. Ganhou mas não levou. Não se casou com a filha do rei; nem tão pouco tomou posse da metade dos bens da Coroa Real; mas, como salvou a si e o irmão…Valeu!
(18.09.18)

Nemilson Vieira de Morais
Inserida por NemilsonVdeMoraes
1 compartilhamento

TRÊS PEDIDOS DE UM CAIPIRA MINEIRO

CONTO
Joselito capinava seu pequeno roçado com um toquinho velho de enxada já bastante desgastada pelos anos seguidos naquela mesma labuta. Tentando plantar de tudo naquela terra ruim, pedregosa.
O sol castigava por fora e a fome roía por dentro. Um suor frio, incessante, escorria por todo seu corpo...
De repente bateu com a ferramenta em algo que emitiu um som estridente. Trec!
Apurou a visão ao solo, sob seus pés, e viu na superfície terrena um objeto pequeno, semelhante à uma lâmpada incandescente. – E logo o apanhou em suas mãos admirado.
Pelo jeito havia milhões de anos, enterrada.
Na medida que ia Removendo o excesso de material ferruginoso grudado em sua superfície...
Seu brilho ia ressurgindo e se intensificando mais e mais. Quanto mais esmero naquela limpeza, mais beleza se via naquela bolha de cristal bonito.
E, como num passe de mágica o objeto achado deu um estalo,fragmentando-se – provocando um som semelhantemente ao vidro quebrando-se.
Como estrelas, pingos de luzes saltaram do interior daquele envólucro, cercando Joselito por todos os lados de uma claridade ofuscante.
No meio de tanta iluminura, um Gênio cósmico se fez presente...Flutuando no ar.
O caipira até que se encantou com o cenário que via à sua volta...
Mas pela desconfiança do mineiro, Joselito puxou um rosário que trazia no bolso da calça e, começou a rezar o Pai Nosso, o Credo Em Cruz, a Ave Maria e Salve Rainha... Achando tratar-se de uma cilada do tinhoso.
– Por que se põe a rezar tão inesperadamente, meu senhor?... Não sou o que você pensa! Estou na Terra, unicamente a serviço do “bem”.
Quero apenas compartilhar com você,o que tenho de melhor; uma maneira de compensá-lo por ter me tirado da inércia de uma eternidade, vivendo limitado sob esse árido solo,dentro dessa bolha.
Sendo novamente um ser tão livre, leve e solto...
– Pode me pedir sem receios três coisas que, sem demora os darei como forma de terna gratidão.
Joselito não pensou duas vezes. Fez logo seu primeiro pedido inusitado, ao Gênio:
– Uai,sendo assim!... Me dê um queijo.
O gênio recorreu aos seus "poderes cosméticos" e imediatamente, fez com que saltasse aos seus olhos um enorme e suculento queijo canastra, de São Roque, acompanhado com um doce goiabada.
Que lhe encheu a boca d’água. Sacou de seu canivete e tirou uma boa isca da iguaria, degustando-o prazerosamente; como a um néctar dos deuses.
– Faça o outro pedido e não se esqueça: qualquer que seja ele o atenderei agilmente.
Joselito, sem muito pensar...
– Então, me dê outro queijo!
Sem demora, em mesmo procedimento, o Gênio fez com que um queijo similar ao primeiro, com o mesmo aroma e sabor caísse do céu diante dele, sem demora.
Enfim, chegou ao momento do terceiro e último pedido. Dessa vez, Joselito usou uma estratégia em sua escolha,pois estava acanhado no que pedir.
– Faça meu caro senhor, o seu derradeiro pedido. – Disse o Gênio.
E o matuto matutou,matuto,matutou...
Tirou do bornal uma revista; folheou-a e, atendo-se numa página qualquer mostrou ao Gênio da Lâmpada – apontando com o dedo – o objeto do seu pedido: uma loira alta,cabelos sedosos, esvoaçante... Do jeitinho que nasceu....
O Gênio,como das outras vezes, recorreu aos seus poderes, e do nada apareceu a linda garota à sua frente, em carne e osso. Ainda mais fenomenal do que a indicada por Joselito na revista. Trajando uma mini saia e uma blusinha que valorizava ainda mais o seu corpo.
Joselito esboçou um sorriso meio sem graça…
Que, por sua vez ficou sem entender o porquê daquele pedido, sendo que há maravilhas mil que poderia ter escolhido.
– Espera aí, Joselito,por quê não pediu outra coisa?!...
– Na verdade Seu Gênio, eu pedi uma mulher pra não te deixar sem graça, eu queria mesmo, era outro queijo.
(23.09.18)

Nemilson Vieira de Morais
Inserida por NemilsonVdeMoraes
1 compartilhamento

HOJE EU PUDE...

Hoje eu não pude vê-la radiante de alegria,não senti o
seu calor...Receptivo ao meu favor.
O chão fugiu sob meus pés levando consigo a
paz que desejei...
"Sonhei em vão?", não sei.
Hoje eu não pude contar com a intensidade do seu
querer em terno agrado; não corri para a liberdade, em
campo aberto, em sua companhia.
Não curtimos o estar juntos, a sós, pela Natureza
afora: sol, praia,mar... Minh'alma, amarga, muda,nostálgica recolheu-se
mais cedo, numa entranha qualquer, no labirinto da
existência; em triste ais.
Não deu pra ser feliz como pensei, neste dia!
Hoje eu não pude...
Não alegrei-me em seu retorno, nem me rendi
aos seus encantos,trejeitos insinuantes ou,
afagos cativantes.
- O momento não me oportunizou esse júbilo
dadivoso. Ventos contrários sobrevieram-me, e, hoje
infelizmente eu não pude...
Com tamanha dor, em dados instantes, me vi
desfalecido de inanição de amor; e me pus a pensar: preciso viver
e amar, sorrir,cantar, seguir em frente... Remar
contra as correntes...
Como hoje eu não pude...
Ficarei no aguardo de uma amanhã sorridente: onde
o sol brilhará novamente.
Seguirei envolto na energia inebriante da
esperança em dias melhores, e verei bem longe deste
sonhador, esperançoso, a dúvida que insiste em
convencer-me, que lhe perdi completamente.
Sem problemas: Se "hoje eu não pude"... Ainda não
é o fim; é preferível crer que, numa hora dessas
com certeza, ei de poder...
(26.11.18)

Nemilson Vieira de Morais
Inserida por NemilsonVdeMoraes
1 compartilhamento

GRANDE REALIZAÇÃO!!...

Fiquei tão feliz em saber que aqueles sonhos, que no início deste ano, vi impressos no papel em volume espesso, na mesa do diretor, não morreram...

Acabaram de sair do forno...

Materialisaram-se e estão prestes a ganhar o mundo e não pertencer mais a eles. Assim como um filho que geramos.

"Recebemos da editora Oikos (RS), nesta data, remessas de 1.000 exemplares da obra "MOSAICO vozes do Ser-Tão Poético", trabalho do Fórum de Escritores da UEG de Campos Belos, composto por
6 estudantes de Letras e Agroecologia;
6 estudantes egressos;
1 técnico-administrativo e
11 professores e professoras.
O livro será lançado oficialmente no dia 22 de agosto de 2019." - Professor Adelino Machado

Foi a boa-nova acima que me alegrou muito neste dia. Notícia veiculada nas Redes Sociais pelo próprio organizador desta apoteótica Atologia do nordeste goiano. O escritor,poeta,Prof. Adelino Machado - diretor da então instituição superior.

Saber de algo de relevância para cultura literária de Campos Belos e região, não seria para menos: emocionar-me...

Vendo,por foto, a transportadora descarregando os exemplares do "MOSAICO Vozes do Ser-tão Poético" - obra literária de cunho coletivo; na porta da Universidade,vislumbrei o sorriso farto do escritor e poeta prof. Marconi M.L. Burum, recebendo o material. Brinquei com ele sobre sua satisfação...

Esta Antologia é sem dúvida um grande feito dos estreantes do mundo das letras e dos escritores já consagrados nesta região de Goiás.

Os sonhos dos mesmos se entrelaçaram e tornaram-se um só... Agora,compartilhados com a posteridade.

Somente os amantes e simpatizantes da leitura e da escrita,da cultura literária do lugar e do seu entorno, podem congratular-se com todos os envolvidos neste projeto.

Ao referir-se ao dito fato numa página do Facebook, a escritora professora Júnia Januário comentou ser o mesmo, "fruto de uma inquietação diante da vida".

Como parceira,apoiadora dessa proposta,numa recíproca verdadeira,nós da diretoria da Academia de Letras de Campos Belos (ALACAMP), e demais pares, parabenizamos a cada autor, participante dessa coletânea impressa,
pela realização de tamanho feito.

Creio que os cidadãos campo-belenses de bem, assim como os demais trabalhadores da cultura,se orgulham dos esforços e contribuições que a comunidade acadêmica e demais escritores desse trabalho, deixam à sociedade local e brasileira; com seus talentos incríveis. - De expressarem suas ideias, sentimentos,reflexões,histórias, pensamentos...

04.07.19

Nemilson Vieira de Morais
Pres.da ALACAMP

Nemilson Vieira de Morais
Inserida por NemilsonVdeMoraes

ASSIM...

Poeta sem poemas,
sem versos,
sem poesia...

Toca a vida em dilemas.
Sem nexos,
sem alegria.

Melancólico, sua fala é...
queixosa,
vazia...

Por fim...

Troca o dia pela noite,
achando monótono
seu dia.

05.05.19

Nemilson Vieira de Morais
Inserida por NemilsonVdeMoraes

UM PARECER...

Maravilha de registro!
Lançamento do livro "Divinópolis de Goiás- terra da gente" da escritora professora Francielle Rego - Filha de Divinópolis - Goiás, mas campo-belense de coração: mora e trabalha em Campos Belos-GO, há 17 anos.

O que senti...

A foto do evento onde aparece a autora e duas anciãs da cidade com o livro nas mãos, transmite algo tão bom e suave!... Pudera eu ter a sensibilidade de um poeta para expressar,em palavras,o que deveras sinto quando a contemplo.

Textualizá -la à altura do que ela exprime presisaria mesmo da maestria de um grande pensador...

Como cada um esboça o que sente...

Senti, a pureza de alma e grandeza de espírito das três que compunham daquele cenário.

Pelas narrativas de seus próprios filhos...

Saber um pouco da "história vivida cheia de experiências e esinamentos" de D. Maria Torres e D. Felismina Aires Cirineu,da cidade em questão,de gente encantadora e feliz, rebatizada por Divinópolis;

- erguida ao pé Serra Geral... No nordeste goiano divisando com Bahia; é de extrema relevância e grandeza para todos nós da cidade e região.

Fico contente em saber que esse povo amável, e, este lugar tão querido não ficaram e nem ficarão renegados ao esquecimento:

- Uma de suas filhas ilustre, autora do "Divinópolis de Goiás - terra da gente", a prof. Francielle Rego a eternizou nesta apoteótica obra literária.

30.06.19

Nemilson Vieira de Morais
Inserida por NemilsonVdeMoraes

SE TORNAR COMO UMA CRIANÇA

Uma imagem de uma criança, feliz a bricar, que circula nas redes sociais, nos remetem ao passado que vivemos, não tão distante assim...

Lembrei-me do Santo conselho "... tornar a ser como criança"...

Que, aponta para uma boa maneira de ser, pureza, simplicidade, alegria, sorriso fácil, espontâneidade que lhe é nata. - Vivendo a correr aos encantos da vida...

Um dia fomos assim...

Corriamos soltos pelos campos do lugar, despreocupados, livres, alegres, felizes...

Até crescermos, e o que era doce acabou: as brincadeiras na chuva, os jogos com bolas de meias, nas ruas sem carros; os banhos de rios, o prazer de existir... Em família.

A metamorfose, em muito aspectos, ao longo do tempo, foi assustadora para maioria de nós. - "Somos outros".

Por isso, a necessidade de nos tornar como uma criança novamente...

Ao nascer, a leitura que fazemos do mundo São com olhos puros da inocência,desprovido de maldade ou engano.

- Aos poucos, fomos aprendendo a andar, falar,a nos relacionar,a ler,escrever, opinar... e também nos afastar do trilho do bom viver...

Por descaminhos, tecemos nossa história...

Como vislumbramos nossas atitudes do dia a dia?... Prejudicamos ou não,a nós mesmos,ao próximo. Atendemos ou não, as espectativas de Deus quanto a um proceder digno e reto diante d'Ele?

Agora, vendo a vida com olhar de homem feito; com identidade própria,independência e livre arbítrio para viver? Qual é a nossa alegria maior e foco pós vida terrena?

São os prazer momentâneos,efêmeros?...

Hoje,como são as nossas brincadeiras e proceder diário? - Diante dos homens e de Deus?

Brincar com coisa séria depois de crescido não é bom...

Ele quer que retornemos a ser como uma criança... Porque tem saudade desse tempo, assim como nós.

Que tempo bom aquele!!.... Até para o Nosso Pai Criador, foi, pois quer que retornemos a ele. Já pensou na dimensão e relevância disso?!

Quando o chefe de família retorna à sua casa, o filho pequeno corre para os braços e, o abraço mais feliz do dia; antes, já olha logo em suas mãos de bondade e diz: cadê papai?!...

Ele nem faz uma pergunta de volta, ao seu garoto: cadê o quê?!... já sabe o que o menino quer.

Não é preciso muito para satisfazer uma criança...

Todo agrado o faz feliz; um chocolate,um doce, uma bala...

Assim é Deus conosco. - Nos agraciando, e,não percebemos; nem tão ao pouco O agradecemos... Por não saber que somos amados Seu.

Ficamos tristes quando não podemos agradar nossos filhos!... Mas nem nos importamos em agradar ao Nosso Pai que está nos céus, cuidando e se importando conosco.

Outrora é um brinquedo que o pequeno quer... aí surge a preocupação de não poder comprar um de última geração, igual ao do filho do vinho...

Não devia ser assim... Às vezes não será um brinquedo de preço vultoso que irá atender tal demanda de uma criança.

Um pai tinha em casa apenas um tambor velho de plástico e o serrou ao meio. - Sentou o filho numa das partes do mesmo e o puchava por uma corda amarrada numa de suas extremidades. E o fezia feliz do mesmo jeito.

Nao é um brinquedo caro, sofisticado,moderno... - Que dará à criança o verdadeiro prazer do brincar porque Deus se manifesta na simplicidade das coisas para nos contentar.

Tenhamos a sigeleza de uma criança e vivamos satisfeitos com o pouco que Deus nos der.

O Conselho divino para nós, é, "retornar" a tudo aquilo que nos distância de Si.

Se temos que retornar é porquê, nos afastamos do melhor dessa Terra. - A observância dos bons princípios e do temor a Deus.

Reflitamos sobre isso, e vejamos onde estamos errando, o que fazemos ou deixamos de fazer que não agrada os olhos do Pai, e retornemos à prática do bem.

Assim teremos de volta, a felicidade uma criança brincando...

Talvez por isso é que Deus, e nós, adultos, sentimos tanta falta da nossa primeira infância!...

06.07.19

Nemilson Vieira de Morais
Inserida por NemilsonVdeMoraes

POETA SEM INSPIRAÇÃO...

Poeta sem inspiração
não respira um puro ar,
não vê o brilho do sol,
nem tem prazer de brincar;
com as palavras...

É um peixe fora d'água,
garimpeiro sem lavras,
rio sem mar.

Sente profundamente a dor,
de não se expressar,
poeticamente;
sonha com o retorno
da motivação,
ausente.

Poeta sem inspiração
é como ave sem penas,
tentando voar;
é gente sem pernas,
querendo andar.

Sem cabeça pra pensar,
falta-lhe, imaginação,alegria...
Lhe sobra pesar.

Poeta sem inspiração,
não tem o que dizer,
nem pode sentir,
o que olhos veem,

Sem chão...

Pede ao céus inspiração...
E, um coração pra bater.
Sem forças pra caminhar...
Não perde o gosto de viver.

Como um paciente
esperançoso,
em fase terminal,
insiste com a vida
apesar do mal.

30.06.16

Nemilson Vieira de Morais
Inserida por NemilsonVdeMoraes

O tempo de crente não conta muito. O que mais importa é cultivar hábitos saudáveis de santidade.
24.03.19

Nemilson Vieira de Morais
Inserida por NemilsonVdeMoraes

SEU CORAÇÃO ANDA CHEIO DE QUÊ?

Um jovem de 23,24... anos de idade - mais ou menos, crivado de projéteis de arma de fogo,de um arqui-rival,vivia seus momentos derradeiros na terra.

- Eu soube que ele não não resistiu os ferimentos...

Abria a boca e não sabia abençoar - até porque, provavelmente,nem era essa a sua intenção; - pelo contrário, amaldiçoava...

Uma mente desprovida de coisas boas não flui bênçãos...

Nunca morri, mas há como pronunciar sim, palavras que edificam, até na hora derradeira da vida.

Naquela travessia da vida para a eternidade a única palavra que saia da boca do moço era "desgraça".

Aquele rapaz não devia estar com um coração limpo e mente sadia: os palavrões no instante de sua transição, diziam muito do seu,passado, presente e futuro

"A boca fala daquilo que o coração vive cheio".

"Quem não tem na pode dar" nem receber.

15.05.19

Nemilson Vieira de Morais
Inserida por NemilsonVdeMoraes

MOTIVOS PRA NÃO LER II

"Quem não lê, mal ouve,mal fala, mal vê " - M. Lobato

Uns não conseguem ler porque não tiveram a oportunidade de serem alfabetizados.

Triste isso!...

Outros morrem de vontade de ler mas não podem: perderam a visão.

Lamentável!...

Os mal acostumados leem um título sugestivo de uma narrativa, e vendo a extensão do texto desistem de primeira; e não aventuram-se na leitura.

Quem não tem o hábito...

Alguns,mesmo afeitos à leitura, não leem também, pela correria que vivem...

Arranje um tempo!...

Há ainda aqueles que subestimam o autor, a qualidade da obra. - Achando ser perda de tempo ler tal trabalho.

Quem não tem humildade...
Não compõem o grupo dos "bem aventurados".
07.07.19

Nemilson Vieira de Morais
Inserida por NemilsonVdeMoraes